Capítulo I —  Nacional-socialismo e socialismo mundial

0
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

§1
A extensão espacial de uma comunidade socialista

O socialismo primitivo é marcado por sua predileção por um retorno aos modos de produção mais simples dos tempos primitivos. Seu ideal é a aldeia autossuficiente ou, no máximo, a província autossuficiente — uma cidade em torno da qual várias aldeias estão agrupadas. Sendo avesso a toda troca e comércio, seus protagonistas consideram o comércio exterior como algo totalmente maligno que deve ser abolido. O comércio exterior introduz mercadorias supérfluas no país. Uma vez que antes era possível prescindir deles, é óbvio que são desnecessários e que apenas a extrema facilidade com que podem ser adquiridos é responsável pelos gastos desnecessários com eles. O comércio exterior mina a moralidade e introduz ideias e costumes estrangeiros. Na utopia, o ideal estoico de autodomínio foi transmutado no ideal econômico de autossuficiência. Plutarco achou uma coisa admirável que na Esparta de Licurgo — como romanticamente concebido em sua época — nenhum navio mercante jamais entrou em seus portos.[1]

Esse apego ao ideal de autossuficiência econômica e sua completa incapacidade de compreender a natureza das trocas e do comércio levaram os utópicos a ignorar o problema dos limites territoriais do estado ideal. Se as fronteiras do país das fadas precisam ser mais largas ou mais estreitas em extensão, isso não entra em suas considerações. Na menor aldeia há espaço suficiente para realizar seus planos. Dessa forma, foi possível pensar em realizar a utopia provisoriamente em pequenas parcelas. Owen fundou a comunidade New Harmony em Indiana. Cabet fundou uma pequena Icária no Texas. Considerant fundou um falanstério modelo no mesmo estado. ‘Edições duodécimas da Nova Jerusalém’, zomba o manifesto comunista.

Foi só aos poucos que os socialistas começaram a perceber que a autossuficiência de uma pequena área não poderia fornecer base para o socialismo. Thompson, um discípulo de Owen, observou que a realização da igualdade entre os membros de uma comunidade estava longe de significar a realização da igualdade entre os membros de diferentes comunidades. Sob a influência dessa descoberta, ele se voltou para o socialismo centralizado.[2] St. Simon e sua escola eram centralizadores completos. Os esquemas de reforma de Pecqueur afirmavam ser nacionais e universais.[3]

Surge assim um problema peculiar ao socialismo. O socialismo pode existir dentro de áreas limitadas da superfície da Terra? Ou é necessário que todo o mundo habitado constitua uma comunidade socialista unitária?

§2
O tratamento marxiano desse problema

Para os marxianos, só pode haver uma solução para esse problema — a solução ecumênica.

O marxismo, de fato, parte do pressuposto de que, por uma necessidade interna, o capitalismo já deixou sua marca no mundo inteiro. Mesmo hoje, o capitalismo não está limitado a uma única nação ou a um pequeno grupo de nações. Ainda hoje é internacional e cosmopolita. “Em vez do velho isolamento local e nacional e autossuficiência, o comércio mundial se desenvolveu e a interdependência das nações.” O preço barato de suas mercadorias é a “artilharia pesada” da burguesia. Com a ajuda disso, obriga todas as nações, sob pena de extinção, a adotar métodos burgueses de produção. “Isso os força a adotar a chamada civilização, ou seja, a se tornarem burgueses. Em uma palavra, ele cria um mundo à sua própria imagem.” E isso é verdade não apenas para a produção material, mas também para a produção intelectual. “As produções intelectuais de uma nação tornam-se propriedade comum de todos. A limitação e exclusividade nacionais tornam-se cada vez mais impossíveis, e das muitas literaturas nacionais e locais surge uma literatura mundial.”[4]

Segue-se, portanto, da lógica da interpretação materialista da história que também o socialismo não pode ser nacional, mas apenas um fenômeno internacional. É uma fase não apenas na história de uma única nação, mas na história de toda a raça humana. Na lógica do marxismo, a questão de saber se esta ou aquela nação está “madura” para o socialismo não pode nem mesmo ser feita. O capitalismo torna o mundo maduro para o socialismo, não uma única nação ou uma única indústria. Os expropriadores, por meio de cuja expropriação deve ser dado o último passo em direção ao socialismo, não devem ser concebidos, exceto como grandes capitalistas cujo capital é investido em todo o mundo. Para o marxiano, portanto, os experimentos socialistas dos “utópicos”  são tão sem sentido quanto a proposta jocosa de Bismarck de introduzir o socialismo experimentalmente em um dos distritos poloneses do Estado prussiano.[5] O socialismo é um processo histórico. Não pode ser testado em uma retorta ou antecipado em uma miniatura. Para o marxiano, portanto, o problema da autarquia de uma comunidade socialista sequer pode surgir. A única comunidade socialista que ele pode conceber abrange toda a raça humana e toda a superfície do globo. Para ele, a administração econômica do mundo precisa ser unitária.

Os marxianos posteriores têm, de fato, reconhecido que, de qualquer forma, por um tempo, a existência de muitas comunidades socialistas independentes lado a lado precisa ser antecipada.[6] Mas, uma vez que isso seja concedido, deve-se ir mais longe e também levar em consideração a possibilidade de ou mais comunidades socialistas existentes em um mundo que, em sua maior parte, ainda é capitalista.

§3
Liberalismo e o problema das fronteiras

Quando Marx e, com ele, a maioria dos escritores recentes sobre o socialismo consideram o socialismo apenas como realizado em um estado mundial unitário, eles negligenciam forças poderosas que trabalham contra a unificação econômica.

A leviandade com que tratam de todos esses problemas não pode ser atribuída sem razão ao que, como veremos, foi uma aceitação inteiramente injustificável de uma atitude em relação à futura organização política do mundo, que prevalecia na época em que o marxismo estava tomando forma. Naquela época, os liberais sustentavam que todas as divisões regionais e nacionais podiam ser consideradas atavismos políticos. A doutrina liberal do livre comércio e da proteção fora proposta — irrefutável para sempre. Ficou demonstrado que todas as limitações ao comércio prejudicam todos os envolvidos e, argumentando-se a partir disso, foi tentado e com sucesso limitar as funções do Estado à produção de segurança. Para o liberalismo, o problema das fronteiras do estado não surge. Se as funções do Estado se limitam à proteção da vida e da propriedade contra o homicídio e o roubo, não é mais de forma alguma importante a quem esta ou aquela terra pertence. Se o estado se estendia por um território mais amplo ou mais estreito, pareceria uma questão indiferente para uma época que estava quebrando barreiras tarifárias e assimilando os sistemas jurídicos e administrativos de um único estado a uma forma comum. Em meados do século XIX, os liberais otimistas podiam considerar a ideia de uma Liga das Nações, um verdadeiro estado mundial, praticável em um futuro não muito distante.

Os liberais não consideravam suficientemente o maior dos obstáculos ao desenvolvimento das livres trocas universais o problema das raças e das nacionalidades. Mas os socialistas ignoraram completamente que isso constituía um obstáculo infinitamente maior ao desenvolvimento de uma sociedade socialista. Sua incapacidade de ir além de Ricardo em todos os assuntos de economia, e seu completo fracasso em compreender todas as questões do nacionalismo, tornava-lhes impossível sequer conceber esse problema.

 

____________________________

Notas

[1]              Poehlmann, Geschichte der sozialen Frage und des Sozialismus in der antiken Welt, Vol. I, p. 110 et seq.; 123 et seq.

[2]              Tugan-Baranowsky, Der moderne Sozialismus in seiner geschichtlichen Entwicklung, Dresden 1908, p. 136.

[3]              Pecqueur, Théorie nouvelle d’Economie sociale et politique, p. 699.

[4]              Marx-Engels, Das Kommunistische Manifest, p. 26.

[5]              Discurso de Bismarck no Reichstag alemão, em 19 de fevereiro de 1878 (Fürst Bismarcks Reden, editado por Stein, Vol. III, p. 34).

[6]              Bauer, Die Nationalitätenfrage und die Sozialdemokratie, Viena 1907, p. 519.

Artigo anteriorCapítulo VII — A impraticabilidade do socialismo
Próximo artigoCapítulo II —  O problema da migração sob o socialismo
Ludwig von Mises foi o reconhecido líder da Escola Austríaca de pensamento econômico, um prodigioso originador na teoria econômica e um autor prolífico. Os escritos e palestras de Mises abarcavam teoria econômica, história, epistemologia, governo e filosofia política. Suas contribuições à teoria econômica incluem elucidações importantes sobre a teoria quantitativa de moeda, a teoria dos ciclos econômicos, a integração da teoria monetária à teoria econômica geral, e uma demonstração de que o socialismo necessariamente é insustentável, pois é incapaz de resolver o problema do cálculo econômico. Mises foi o primeiro estudioso a reconhecer que a economia faz parte de uma ciência maior dentro da ação humana, uma ciência que Mises chamou de 'praxeologia'.