Capítulo VII — A impraticabilidade do socialismo

0
Tempo estimado de leitura: 12 minutos

§1
Os problemas fundamentais de uma economia socialista sob condições dinâmicas

As investigações anteriores mostraram as dificuldades enfrentadas para o estabelecimento de uma ordem socialista da sociedade. Em uma comunidade socialista, falta a possibilidade de cálculos econômicos: é, portanto, impossível determinar o custo e o resultado de uma operação econômica ou fazer com que o resultado do cálculo seja o teste da operação. Isso por si só seria suficiente para tornar o socialismo impraticável. Mas, além disso, outro obstáculo intransponível está em seu caminho. É impossível encontrar uma forma de organização que torne a ação econômica do indivíduo independente da cooperação de outros cidadãos, sem deixá-la aberta a todos os riscos do simples jogo de azar. Esses são os dois problemas e, sem sua solução, a realização do socialismo parece impraticável, a menos que em um estado completamente estacionário.

Até agora, pouca atenção tem sido dada a essas questões fundamentais. O primeiro geralmente foi quase ignorado. A razão para isso é que as pessoas não conseguiram se livrar da ideia de que o tempo de trabalho pode ser uma medida eficiente de valor. Mas mesmo muitos daqueles que reconhecem que a teoria do valor-trabalho é insustentável continuam a acreditar que o valor pode ser medido. As frequentes tentativas feitas para descobrir um padrão de valor provam isso. Para entender o problema do cálculo econômico, era necessário reconhecer o verdadeiro caráter das relações de troca expressas nos preços de mercado.

A existência desse importante problema só poderia ser revelada pelos métodos da moderna teoria subjetiva do valor. Na prática, embora a tendência tenha sido toda na direção do socialismo, o problema não se tornou tão urgente a ponto de atrair a atenção geral.

É bem diferente com o segundo problema. Quanto mais a empresa comunal se estende, mais atenção é atraída para os maus resultados comerciais das empresas nacionalizadas e municipalizadas. É impossível não perceber a causa da dificuldade: uma criança pode ver onde falta algo. De modo que não se pode dizer que esse problema não foi resolvido. Mas a forma como foi abordada foi deploravelmente inadequada. Sua conexão orgânica com a natureza essencial da empresa socialista foi considerada apenas uma questão de melhor seleção de pessoas. Não se percebeu que até mesmo homens excepcionalmente talentosos de alto caráter não podem resolver os problemas criados pelo controle socialista da indústria.

§2
Soluções tentadas

No que diz respeito à maioria dos socialistas, o reconhecimento desses problemas é obstruído, não apenas por sua rígida adesão à teoria do valor-trabalho, mas também por toda a sua concepção de atividade econômica. Eles não percebem que a indústria deve estar mudando constantemente: sua concepção da comunidade socialista é sempre estática. Enquanto estão criticando a ordem capitalista, eles lidam com os fenômenos de uma economia progressista e pintam com cores brilhantes o atrito causado pela mudança econômica. Mas eles parecem considerar toda mudança e não apenas o atrito causado por ela, como um atributo peculiar da ordem capitalista. No reino feliz do futuro, tudo se desenvolverá sem movimento ou fricção.

Podemos ver isso melhor se pensarmos na imagem do empresário geralmente desenhada pelos socialistas. Em tal quadro, o empresário é caracterizado apenas pela maneira especial com que obtém sua renda. É claro que qualquer análise da ordem capitalista deve tomar como ponto central não o capital nem os capitalistas, mas o empresário. Mas o socialismo, incluindo o socialismo marxista, vê no empresário alguém ligado ao processo de produção, alguém cujo trabalho todo consiste na apropriação da mais-valia. Será suficiente expropriar esses parasitas para criar uma sociedade socialista. A lembrança da libertação dos camponeses e da abolição da escravidão paira vagamente na mente de Marx e ainda mais na mente de muitos outros socialistas.

Mas eles não conseguem ver que a posição do senhor feudal era bem diferente da do empresário. O senhor feudal não teve influência na produção. Ele ficava fora do processo de produção: somente quando era concluído ele entrava em cena com uma reivindicação de participação na produção. Mas, na medida em que o senhor feudal e o dono de escravos também eram líderes da produção, eles mantiveram sua posição mesmo após a abolição da servidão e da escravidão. O fato de que doravante teriam de dar aos trabalhadores o valor de seu trabalho não mudou sua função econômica. Mas o empresário cumpre uma tarefa que deve ser realizada até mesmo em uma comunidade socialista. Isso o socialista não vê ou, pelo menos, se recusa a ver.

A incompreensão do socialismo sobre o empresário degenera em idiossincrasia sempre que a palavra especulador é mencionada. Mesmo Marx, sem se importar com as boas resoluções que o animaram, segue inteiramente as linhas “pequeno-burguesas” a esse respeito e sua escola até o superou. Todos os socialistas negligenciam o fato de que, mesmo em uma comunidade socialista, toda operação econômica deve ser baseada em um futuro incerto, e que sua consequência econômica permanece incerta, mesmo que seja tecnicamente bem-sucedida. Eles veem na incerteza que leva à especulação uma consequência da anarquia da produção, embora na verdade seja um resultado necessário das mudanças nas condições econômicas.

A grande massa de pessoas é incapaz de perceber que na vida econômica nada é permanente, exceto a mudança. Eles consideram o estado de coisas existente como eterno; como tem sido, sempre será. Mas mesmo que estivessem em posição de visualizar o panta rei eles ficariam perplexos com os problemas a serem resolvidos. Ver e agir com antecedência, seguir novos caminhos, é sempre preocupação apenas dos poucos, os líderes. O socialismo é a política econômica da multidão, das massas, distante discernimento sobre a natureza da atividade econômica. A teoria socialista é precipitada em suas opiniões sobre questões econômicas — é criada e apoiada por aqueles que acham a vida econômica algo alheio, e não a compreendem.

Entre os socialistas, apenas Saint-Simon percebeu em certa medida a posição dos empresários na economia capitalista. Como resultado, ele frequentemente não recebe o nome de Socialista. Os outros falham completamente em perceber que as funções dos empresários na ordem capitalista devem ser desempenhadas também em uma comunidade socialista. Isso se reflete mais claramente nos escritos de Lenin.

Segundo ele, o trabalho executado em uma ordem capitalista por aqueles que ele se recusou a designar como “trabalhadores” pode ser resumido em “Auditoria da Produção e Distribuição” e “manutenção dos registros do trabalho e dos produtos”. Isso poderia ser facilmente atendido pelos trabalhadores armados, “por todo o povo armado”.[1] Lenin separa, com razão, essas funções dos “capitalistas e funcionários” do trabalho do pessoal superior tecnicamente treinado, não perdendo, entretanto, a oportunidade atacar pessoas cientificamente treinadas, expressando aquele desprezo por todo trabalho altamente qualificado, que é característico do esnobismo do proletário marxiano. “Este registro, este exercício de auditoria”, diz ele, “o capitalismo simplificou ao máximo e reduziu a operações extremamente simples de superintendência e lançamento de livros ao alcance de qualquer pessoa capaz de ler e escrever. Para controlar essas operações, basta um conhecimento de aritmética elementar e obter os recibos corretos.”[2] É, portanto, imediatamente possível permitir que todos os membros da sociedade façam essas coisas por si mesmos.[3] Isso é tudo, absolutamente tudo o que Lenin tinha a dizer sobre esse problema; e nenhum socialista tem mais uma palavra a dizer. Eles não têm maior percepção dos fundamentos da vida econômica do que o menino de recados, cuja única ideia do trabalho do empresário é que ele cobre pedaços de papel com letras e números.

Foi por essa razão que foi absolutamente impossível para Lenin compreender as causas do fracasso de sua política. Em sua vida e em suas leituras, ele permaneceu tão afastado dos fatos da vida econômica que era tão estranho ao trabalho da burguesia quanto um hotentote ao trabalho de um explorador que toma medidas geográficas. Quando ele viu que seu trabalho não poderia prosseguir nas linhas originais, ele decidiu não confiar mais em referências a “trabalhadores armados” para obrigar os especialistas “burgueses” a cooperar: em vez disso, eles deveriam receber “alta remuneração” por “um curto período de transição” para que pudessem dar início à ordem socialista e assim se tornarem supérfluos. Ele até pensou que isso aconteceria dentro de um ano.[4]

Os socialistas que não pensam na comunidade socialista como a organização fortemente centralizada concebida por seus irmãos mais inteligentes e como a única logicamente concebível, acreditam que as dificuldades enfrentadas pela gestão da indústria podem ser resolvidas por instituições democráticas dentro das empresas.

Eles acreditam que as indústrias individuais poderiam conduzir suas operações com um certo grau de independência sem colocar em risco a uniformidade e a coordenação correta da indústria. Se cada empresa fosse colocada sob o controle de um comitê de trabalhadores, não haveria mais dificuldades. Em tudo isso, há toda uma safra de falácias e erros. O problema da administração econômica com o qual estamos preocupados reside muito menos no trabalho das indústrias individuais do que na harmonização do trabalho das preocupações individuais em todo o sistema econômico. Trata de questões como dissolver, ampliar, transformar e limitar empreendimentos existentes e estabelecer novos empreendimentos — questões que jamais poderão ser decididas pelos trabalhadores de uma indústria. Os problemas de condução de uma indústria vão muito além da preocupação individual.

O socialismo estadual e municipal forneceu experiência desfavorável suficiente para chamar a atenção para o problema do controle econômico. Mas os estatistas em geral trataram esse problema de forma não menos inadequada do que aqueles que o trataram na Rússia bolchevique. A opinião geral parece considerar que o grande mal dos empreendimentos comunitários se deve ao fato de não serem dirigidos por ramos de “negócios”. Bem entendida, essa palavra-chave pode levar a uma visão correta do problema. Na verdade, falta ao empreendimento comunal o espírito do homem de negócios, e o principal problema para o socialismo aqui é criar algo para colocar em seu lugar. Mas a palavra-chave não é entendida dessa forma. É uma descendência da mente burocrática: isto é, vem de pessoas para quem toda atividade humana representa o cumprimento de deveres oficiais e profissionais formais. O funcionalismo classifica a atividade de acordo com a capacidade para realizá-la formalmente adquirida por meio de exames e de determinado tempo de serviço. “Formação” e “tempo de serviço” são as únicas coisas que o funcionário traz para o “trabalho”. Se o trabalho de um corpo de funcionários parece insatisfatório, só pode haver uma explicação: os funcionários não tiveram o treinamento adequado e as nomeações futuras devem ser feitas de forma diferente. Propõe-se, portanto, que seja exigida uma formação diferente para os futuros candidatos. Se ao menos os funcionários do empreendimento comunitário viessem com um treinamento empresarial, o empreendimento seria mais comercial. Mas para o funcionário que não pode entrar no espírito da indústria capitalista, isso não significa nada mais do que certas manifestações externas da técnica de negócios: respostas rápidas a consultas, a adoção de certos aparelhos técnicos de escritório, que ainda não foram suficientemente introduzidos nos departamentos, tais como máquinas de escrever, máquinas copiadoras, etc., a redução de duplicações desnecessárias e outras coisas. Desse modo, “o espírito empresarial” penetra nos escritórios da empresa comunitária. E as pessoas ficam muito surpresas quando esses homens treinados nessas linhas, também fracassam, fracassam ainda mais do que os tão caluniados servidores públicos que, de fato, se mostram superiores pelo menos na escolaridade formal.

Não é difícil expor as falácias inerentes a tais noções. Os atributos do homem de negócios não podem ser divorciados da posição do empresário na ordem capitalista. “Negócios” não é em si uma qualidade inata em uma pessoa; apenas as qualidades de mente e caráter essenciais a um homem de negócios podem ser adquiridas. Muito menos é uma realização que pode ser adquirida pelo estudo, embora o conhecimento e as realizações necessárias a um homem de negócios possam ser ensinados e aprendidos. Um homem não se torna um homem de negócios passando alguns anos em treinamento comercial ou em um instituto comercial, nem por conhecimento de contabilidade e jargão do comércio, nem por domínio de línguas, datilografia e taquigrafia. Essas são coisas que o balconista precisa. Mas o balconista não é um homem de negócios, embora na linguagem comum possa ser chamado de “homem de negócios treinado”.

Quando essas verdades óbvias ficaram claras no final, tentou-se a experiência de transformar empresários, que haviam trabalhado com sucesso por muitos anos, em gerentes de empresas públicas. O resultado foi lamentável. Eles não se saíram melhor do que os outros; além disso, careciam do senso de rotina formal que distingue o oficial vitalício. O motivo era óbvio. Um empresário privado de seu papel característico na vida econômica deixa de ser um homem de negócios. Por mais experiência e rotina que ele possa trazer para sua nova tarefa, ele ainda será apenas um oficial nela.

É igualmente inútil tentar resolver o problema por meio de novos métodos de remuneração. Pensa-se que, se os gestores das empresas públicas fossem mais bem pagos, surgiria a competição por esses cargos e tornaria possível a seleção dos melhores homens. Muitos vão além e acreditam que as dificuldades serão superadas com a concessão aos administradores de participação nos lucros.

É significativo que essas propostas quase nunca tenham sido postas em prática, embora pareçam bastante praticáveis desde que existam empreendimentos públicos ao lado de empresas privadas, e desde que a possibilidade de cálculo econômico permita a apuração do resultado alcançado pela empresa pública que não é o caso no socialismo puro. Mas o problema não é tanto a questão da participação do administrador no lucro, mas de sua participação nas perdas que surgem por meio de sua condução dos negócios. Exceto em um sentido puramente moral, o administrador sem propriedade de uma empresa pública pode ser responsabilizado apenas por uma parte comparativamente pequena das perdas. Tornar um homem materialmente interessado em lucros e pouco preocupado com perdas simplesmente encoraja a falta de seriedade. Esta é a experiência, não apenas das empresas públicas, mas também de todas as empresas privadas, que concederam a funcionários relativamente pobres em cargos de chefia direitos a uma porcentagem dos lucros.

É uma fuga do problema colocar a fé na esperança de que a purificação moral da humanidade, que os socialistas esperam que ocorra quando seus objetivos forem realizados, por si mesma, tornará tudo perfeitamente correto. Se o socialismo terá ou não o efeito moral esperado dele, pode ser convenientemente deixado indeciso. Mas os problemas com os quais estamos preocupados não surgem das deficiências morais da humanidade. São problemas da lógica de vontade e ação que devem surgir em todos os momentos e em todos os lugares.

§3
Capitalismo como a única solução

Mas vamos desconsiderar o fato de que até agora todos os esforços socialistas foram frustrados por esses problemas, e tentemos traçar as linhas em que a solução deve ser buscada. Somente fazendo essa tentativa podemos lançar alguma luz sobre a questão de saber se tal solução é possível no quadro de uma ordem socialista da sociedade.

O primeiro passo que seria necessário seria formar seções dentro da comunidade socialista às quais seriam confiadas a administração de determinados ramos de negócios. Enquanto a indústria de uma comunidade socialista for dirigida por uma única autoridade que faz todos os arranjos e assume toda a responsabilidade, a solução dos problemas é inconcebível, porque todos os outros trabalhadores são apenas instrumentos de atuação sem esferas de atuação independentes delimitadas e, consequentemente, sem qualquer responsabilidade especial.

O que devemos almejar é precisamente a possibilidade não apenas de supervisionar e controlar todo o processo, mas de considerar e julgar separadamente os processos subsidiários que ocorrem em uma esfera mais estreita.

Nesse aspecto, pelo menos, nosso procedimento corre paralelo a todas as tentativas anteriores de resolver nosso problema. É claro para todos que o objetivo desejado só pode ser alcançado se a responsabilidade for construída a partir de baixo. Devemos, portanto, partir de uma única indústria ou de um único ramo da indústria. É absolutamente irrelevante qual unidade é considerada uma base conveniente. Não faz diferença se a unidade com a qual começamos é grande ou pequena, pois o mesmo princípio que usamos uma vez para nossa divisão pode ser usado novamente quando for necessário dividir uma unidade muito grande. Muito mais importante do que a questão de onde e com que frequência a divisão será feita é a questão de como, apesar da divisão da indústria em partes, podemos preservar aquela unidade de cooperação sem a qual uma economia social é impossível.

Imaginemos então que a ordem econômica da comunidade socialista seja dividida em qualquer número de partes, cada uma delas sob a responsabilidade de um determinado administrador. Cada gerente de uma seção é responsável por suas operações. Isso significa que o lucro ou uma parte muito considerável do lucro pertence a ele; por outro lado, o fardo das perdas recai sobre ele, na medida em que os meios de produção que desperdiça com más medidas não serão substituídos pela sociedade. Se ele desperdiça todos os meios de produção sob seus cuidados, ele deixa de ser gerente de uma seção e é reduzido às fileiras das massas.

Se essa responsabilidade pessoal do gerente de seção não for uma mera farsa, suas operações devem ser claramente diferenciadas das de outros gerentes. Tudo que ele receber de outros gerentes de seção na forma de matérias-primas ou produtos parcialmente manufaturados para trabalho posterior ou para uso como instrumentos em sua seção e todo o trabalho que ele realizar em sua seção será debitado a ele; tudo o que entregar a outras seções ou para consumo será creditado a ele. É necessário, entretanto, que ele tenha liberdade de escolha para decidir quais máquinas, matérias-primas, produtos parcialmente manufaturados e força de trabalho empregará em sua seção e o que produzirá nela. Se ele não tem essa liberdade, ele não pode ser sobrecarregado com qualquer responsabilidade.

Pois não seria sua culpa se ao comando da autoridade suprema de controle ele tivesse produzido algo para o qual, nas condições existentes, não houvesse demanda correspondente, ou se sua seção fosse prejudicada porque recebeu seu material de outras seções em uma condição inadequada, ou, o que dá no mesmo, com uma carga muito alta. No primeiro caso, a reprovação de sua seção seria atribuível às disposições do controle supremo, no último às falhas das seções que produziram o material. Mas, por outro lado, a comunidade também deve ser livre para reivindicar os mesmos direitos que concede ao gerente de seção. Isso significa que ele pega os produtos que ele produziu apenas de acordo com suas necessidades, e somente se puder obtê-los à taxa mais baixa de custo, e cobra-lhe o trabalho que fornece a ele na taxa mais alta que há em posição de obter: isto é, fornece o trabalho ao licitante mais alto.

A sociedade como comunidade de produção agora se divide em três grupos. A direção suprema forma uma. Sua função é meramente supervisionar o curso ordenado do processo de produção como um todo, cuja execução é totalmente detalhada para os gerentes de seção. O terceiro grupo são os cidadãos que não estão a serviço da administração suprema e não são gerentes de seção. Entre os dois grupos estão os gerentes de seção como um grupo especial: eles receberam da comunidade de uma vez por todas, no início do regime, uma cota dos meios de produção que não tiveram que pagar nada e continuam a receber dela, a força de trabalho dos membros do terceiro grupo, que são atribuídos aos licitantes mais altos entre eles. A administração central que deve creditar a cada membro do terceiro grupo tudo o que recebeu dos chefes de seção pela sua força de trabalho, ou, caso o empregue diretamente em sua esfera de operação, tudo o que possa ter recebido dos gerentes de seção de sua força de trabalho, então, distribuirão os bens de consumo aos licitantes mais altos entre os cidadãos de todos os três grupos. Os rendimentos serão creditados aos gerentes de seção que entregaram os produtos.

Por meio de tal arranjo da comunidade, o gerente de seção pode ser totalmente responsável por suas ações. A esfera pela qual ele é responsável está nitidamente delimitada daquela pela qual os outros são responsáveis. Não nos deparamos mais com o resultado total da atividade econômica de toda a comunidade industrial em que a contribuição de um indivíduo não pode ser distinguida da de outro. A “contribuição produtiva” de cada gerente de seção individual está aberta a julgamentos separados, como também a de cada cidadão individual nos três grupos.

É claro que os gerentes de seção devem ter permissão para alterar, estender ou contrair sua seção de acordo com o curso de demanda predominante por parte dos cidadãos, conforme indicado no mercado de bens de consumo. Eles devem, portanto, estar em posição de vender os meios de produção de sua seção que são mais urgentemente necessários em outras seções, a essas outras seções: e devem exigir deles tanto quanto possam obter nas condições existentes…

Mas não precisamos levar a análise adiante. Pois somos confrontados com a ordem da sociedade capitalista, a única forma de economia em que a aplicação estrita do princípio da responsabilidade pessoal de cada cidadão é possível. O capitalismo é aquela forma de economia social em que todas as deficiências do sistema socialista descrito acima são corrigidas. O capitalismo é a única forma concebível de economia social adequada à satisfação das demandas que a sociedade faz de qualquer organização econômica.

 

_____________________________________

Notas

[1]              Lenin, Staat und Revolution, p. 94.

[2]              lbid., p. 95.

[3]              lbid., p. 96.

[4]              Lenin, Die nächsten Aufgaben der Sowjetmacht, Berlim 1918, p. 16 et seq.

Artigo anteriorCapítulo VI — Socialismo sob condições dinâmicas
Próximo artigoCapítulo I —  Nacional-socialismo e socialismo mundial
Ludwig von Mises foi o reconhecido líder da Escola Austríaca de pensamento econômico, um prodigioso originador na teoria econômica e um autor prolífico. Os escritos e palestras de Mises abarcavam teoria econômica, história, epistemologia, governo e filosofia política. Suas contribuições à teoria econômica incluem elucidações importantes sobre a teoria quantitativa de moeda, a teoria dos ciclos econômicos, a integração da teoria monetária à teoria econômica geral, e uma demonstração de que o socialismo necessariamente é insustentável, pois é incapaz de resolver o problema do cálculo econômico. Mises foi o primeiro estudioso a reconhecer que a economia faz parte de uma ciência maior dentro da ação humana, uma ciência que Mises chamou de 'praxeologia'.