Capítulo XXVII – “A Abordagem Nacional de Renda”

0
Tempo estimado de leitura: 12 minutos

Nenhuma análise da economia keynesiana estaria completa sem pelo menos alguma discussão sobre o que é chamado de economia “agregada”, “macroeconomia” e “abordagem da renda nacional”.

Muitos de seus discípulos têm a impressão de que foi Keynes quem criou “o conceito de renda nacional”. Isso é pura fantasia. Os esforços para calcular a renda nacional tem uma longa história. Embora Keynes tenha muito a dizer sobre economia “agregativa” (que já analisamos), sua discussão sobre a renda nacional na Teoria Geral se limita, de fato, há duas das três páginas, que se referem principalmente a estudos anteriores por A. C. Pigou, Colin Clark e Simon Kuznets.

No entanto, “a abordagem da renda nacional” deve pelo menos parte de sua moda atual aos modos de pensar keynesianos, portanto, algumas palavras podem ser ditas adequadamente sobre isso aqui. Uma discussão aprofundada exigiria um volume em si, mas tentarei não mais do que alguns documentos incompletos.

1. A renda nacional é determinada?

A primeira coisa a ser enfatizada sobre a renda nacional é que é um valor arbitrário e, do ponto de vista da precisão científica, um valor indeterminado. Os alunos mais capacitados da matéria reconheceram isso. Eu preciso apenas me referir ao excelente estudo pioneiro de Simon Kuznets.[1]

Kuznets dedica todo o seu primeiro capítulo, de cinquenta e sete páginas, a uma discussão dos problemas embutidos no próprio conceito de “renda nacional”. Ele começa:

“O estatístico que supõe que pode fazer uma estimativa puramente objetiva da renda nacional, não influenciado por preconceitos relativos aos ‘fatos’, está se iludindo; pois, sempre que ele inclui um item ou exclui outro, está implicitamente aceitando algum padrão de julgamento, próprio ou do compilador de seus dados. Não há como escapar desse elemento subjetivo.”

Kuznets continua mostrando que as estimativas da renda nacional envolvem necessariamente considerações legais e morais. Devemos incluir “a compensação de ladrões, assassinos, traficantes de drogas e contrabandistas”? E como devemos “traçar uma linha entre a atividade econômica e os bens econômicos, por um lado, e a vida ativa em geral, e seu fluxo de satisfações, por outro”? “Lavar, barbear e tocar piano por diversão” devem ser tratados como atividade econômica? “Quando julgados pelos atributos de satisfação, escassez e disponibilidade, eles não diferem das mesmas atividades realizadas por dinheiro que os serviços prestados a outras pessoas (enfermagem, barbearia e concertos)”.

No entanto, Kuznets decide incluir apenas itens que “são comercializados no mercado”. É claro que isso exclui todas as atividades de bricolagem (que no total são provavelmente enormes). Exclui todos os produtos da economia familiar, incluindo todas as atividades das donas de casa. Então chegamos a paradoxos como estes: quando um homem se casa com sua cozinheira, o valor de seu trabalho desaparece das contas de renda nacional. Quando uma cantora de ópera canta profissionalmente, ela é considerada como adicionando o equivalente de seu salário à renda nacional. Quando ela canta para caridade ou por amigos, isso não conta.

Como devemos evitar a contagem dupla em cem pontos? Se contarmos a renda de médicos e dentistas, deveríamos ou não deveríamos deduzi-la da renda dos pacientes?

O que estamos tentando medir, afinal? Qual é a diferença entre “atividade econômica” e “vida ativa em geral”? Como, exceto por “julgamentos de valor” arbitrários, distinguimos entre atividades “produtivas” e “improdutivas”? Estamos tentando medir “renda nacional produzida”, “renda nacional paga”, “renda nacional gasta” ou “renda nacional consumida”?

Hoje, sem dúvida, muitos leigos (e um número maior de estatísticos e economistas!) Assumem que todos esses problemas devem ter sido satisfatoriamente resolvidos, porque leem diariamente nos jornais números oficiais mostrando exatamente o que a renda nacional, “renda pessoal”, “renda pessoal disponível” e, acima de tudo, “produto interno bruto” ou “PIB”, não foram apenas em períodos passados, mas a que taxa anual eles estão atualmente em execução. E esses números são apresentados com grande precisão, com pontos decimais. Poucos leigos sabem que esses números são constituídos não por itens definidos que podem ser alinhados e contados, mas em grande parte das estimativas sujeitas a erro.

Vamos fazer algumas ilustrações bastante recentes. O Relatório Econômico anual do presidente, de janeiro de 1958, ostentava em seu parágrafo inicial que em 1957 o PIB da nação, ou produção de bens e serviços, totalizou US $434 bilhões, “5% maior que no ano anterior”. Somente mais tarde no relatório fomos informados explicitamente que “quatro quintos desse aumento foram explicados pelo aumento dos preços”, portanto, “em termos físicos, o aumento foi de apenas 1%”. Em julho de 1958, no entanto, as estimativas de renda nacional receberam uma de suas revisões periódicas, e os estatísticos do Departamento de Comércio decidiram que nosso PIB em 1957 não era de US $434 bilhões, mais US $440 bilhões, e que nosso PIB de 1956 não era US $415 bilhões, mais US $419 bilhões. No entanto, nos “preços de 1957”, fomos informados que nosso PIB de 1956 era de US $435 bilhões.

Isso nos leva a um dos grandes problemas na estimativa da renda nacional. É medido em um dólar que não possui valor fixo. Em um período de inflação, todos os valores são falsificados. Hoje, o número geral mais frequentemente citado não é o da renda nacional, mas o produto interno bruto, ou PIB. Portanto, usarei isso para fins de ilustração. Para 1939, o PIB foi estimado em US $91.1 bilhões; para 1957, foi estimado em US $440.3 bilhões. Aqui está uma aparente quadruplicação, ou até mais, do PIB. Mas quando os estatísticos do governo reafirmam os números em “dólares constantes” (especificamente em “dólares de 1954”), descobrem que o PIB em 1939 deve ser elevado para US $189.3 bilhões e que o PIB de 1957 deve ser reduzido para US $407 bilhões. Em outras palavras, o PIB “real” não quadruplicou, mas apenas dobrou no período de 18 anos.

Os estatísticos do governo obtêm esse resultado dividindo o total real em dólares por um número de índice de preços para cada ano. Eles imprimem, de fato, uma tabela separada de “deflatores implícitos de preços” para os números dos produtos internos brutos de cada ano, com base em um número de índice de 100 para 1954. O deflator implícito para 1939, nessa base, é 48,1, e para 1957 é 108,2. Se tomarmos o PIB em 1939 pelos preços que prevaleciam naquele ano, ele chega, como vimos, a US $91.1 bilhões. Mas, se traduzirmos a renda nacional de 1957 em preços de 1939, obteremos, em vez de US $440.3 bilhões, apenas US $195.7 bilhões em 1957. Isso não parece tão impressionante. Se, novamente, dividirmos esses números pela população, encontraremos uma taxa de crescimento per capita muito mais baixa do que provavelmente reuniremos a partir dos valores gerais brutos.

Mas, embora a inflação e o valor variável do dólar tornem os números comparativos globais de renda bastante enganadores, é possível corrigir a comparação aplicando “deflatores implícitos de preços”? Somente aproximadamente; nunca com precisão. Como Kuznets e todos os outros estudiosos sérios dos números de índice apontaram, os bens nunca permanecem os mesmos por dois anos seguidos, em quantidades relativas ou em qualidade comparativa, e nenhum número de índice pode ser completamente “científico”.

Há outro fator que distorce e falsifica os números comparativos de renda nacional. É um fator que não me lembro de ter visto discutido em conexão com esses números, mas vai ao cerne de todo o problema da mensurabilidade.

As culturas maiores geralmente têm um valor total menor em dólares do que as culturas menores. (Daí esquemas de restrição de culturas.), mas o dele apenas ilustra um princípio mais amplo. Os economistas apontaram desde a época de Adam Smith que não é o “valor em uso”, mas a escassez que determina o “valor em troca” ou o preço em dinheiro. A água é uma mercadoria indispensável que normalmente não exige preço algum. Se cada vez mais as coisas se tornassem abundantes (exceto dólares), a renda nacional, medida em dólares, poderia começar a cair. Se pudéssemos imaginar uma situação em que tudo o que poderíamos desejar fosse tão adequado quanto o ar e a água, poderíamos não ter nenhuma renda (monetária) nacional!

Quando se procura ser claro sobre os princípios básicos, nunca é uma má ideia (apesar do ridículo que se amontoa desde os dias de Karl Marx) voltar à “economia de Crusoé”. Suponhamos, então, que comecemos com uma comunidade de apenas duas pessoas, uma das quais cultiva feijão (1.000 libras) e a outra batata (também 1.000 libras). Essa é a riqueza total deles. A riqueza total (ou, se desejarmos, a renda) da comunidade é, portanto, 1.000 libras de feijão mais 1.000 libras de batata. Mas alguém pode querer saber qual é o mais rico – Ben, que cultiva feijão, ou Peter, que cultiva batatas? E qual é a riqueza total (ou renda anual) da comunidade expressa em termos de alguma medida comum?

Suponha que Ben e Peter troquem seus feijões e batatas na proporção de uma libra por uma libra (a ponto de trazer as utilidades marginais relativas de cada uma para as duas em equilíbrio). E suponha que optemos por considerar as batatas como o “meio de troca” e o “dinheiro da conta”. Então, a renda total da comunidade é obviamente de 2.000 libras de batata, composta de 1.000 libras de batata e 1.000 libras de feijão por ano.

Mas agora certos resultados paradoxais aparecem. Suponha que Peter dobre a quantidade de batatas que cultiva, enquanto Ben cultiva apenas a mesma quantidade de feijão. Então, a renda da comunidade aumentou, em termos reais, para 2.000 libras de batata mais 1.000 libras de feijão. Podemos ficar tentados a concluir que, em termos do “padrão de valor” comum, a renda da comunidade era agora de 3.000 “libras de batata”. Mas, como agora as batatas eram duas vezes mais abundantes e os feijões não eram alterados, Ben poderia exigir, e Peter, disposto a pagar, duas libras de batata por cada libra de feijão. Mas isso significaria que o suprimento de feijão era duas vezes mais valioso do que antes. Portanto, a renda total da comunidade, expressa em batatas, não seria de 3.000 libras de batata, mas de 4.000.

Suponhamos, por outro lado, que dobrou o suprimento de feijão, e Peter foi capaz de exigir e obter duas libras de feijão por cada libra de batata. Então, a renda da comunidade, medida em “libras de batata”, não seria 3.000 “libras”, mas apenas 2.000.

Portanto, nossos dados de “renda nacional”, expressos em um meio comum de troca ou “dinheiro da conta”, não expressa absolutamente nenhum total absoluto, mas apenas uma relação interna de valores marginais (vezes quantidades). Poderíamos continuar ilustrando isso por um “modelo” mais complexo, assumindo, digamos, cem mercadorias diferentes, uma das quais seria ouro, e assumindo que um certo peso de ouro, um “dólar” (ou um trigésimo quinto de onça), foi o meio de troca e o “dinheiro da conta”. Seria fácil mostrar que um aumento nas outras noventa e nove mercadorias não significaria, de maneira alguma, um aumento proporcional na renda nacional medida em “dólares” e, no entanto, que apenas uma duplicação da quantidade de “dólares” poderia dobrar a renda nacional, expressa em dólares.

Também não seria possível “corrigir” esses resultados paradoxais, exceto de maneira imprecisa e não confiável, usando “deflatores implícitos de preços” dos infladores. E se o problema de traduzir a renda em valor monetário em “real”, de renda física heterogênea, é insolúvel, o problema é ainda maior de traduzir tanto em renda “psíquica”, como em “diversão”. Daí a impossibilidade de uma comparação “científica” da renda da “Rússia” e dos “Estados Unidos”.

Em resumo, as estimativas de renda nacional têm um valor muito limitado, um valor muito mais modesto do que se supõe atualmente. Eles podem ter algum valor na comparação da renda nacional de dois países diferentes – se os números nos dois países forem compilados pelos mesmos métodos e padrões (amplamente arbitrários ou convencionais), se ambos os países tiverem o mesmo padrão monetário (por exemplo, ouro), e se prevalecesse a total liberdade de conversibilidade cambial e de comércio. Tais comparações têm pouco valor quando as taxas de câmbio são fixadas por um ukaz do governo ou pelo controle cambial, e não pelo livre mercado ou conversibilidade livre em uma mercadoria comum.

2. Seus perigos para a política

É impossível, em suma, chegar a uma medida precisa, científica, objetiva ou absoluta da renda nacional em termos de dólares. Mas a suposição de que podemos fazê-lo levou a políticas perigosas e ameaça levar a políticas ainda mais perigosas.

De fato, as implicações políticas já são encontradas na “abordagem da renda nacional”. Pois, isso representa uma tentativa de lidar com problemas econômicos a partir de um “todo” arbitrariamente construído, de um “coletivo”, e não de indivíduos em ação. Essa abordagem “macroeconômica”, diferenciada da abordagem “microeconômica”, levanta em primeiro lugar a questão: por que a “nação” considera o coletivo a ser escolhido e não o estado (estado de Nova Iorque), o município (cidade de Nova Iorque), o distrito (Manhattan) ou, por outro lado, o continente (América) – ou o mundo inteiro? A principal resposta a essa pergunta é que a escolha do coletivo é determinada principalmente por considerações políticas. Muitos de nossos “progressistas” americanos visam uma equalização de renda nos Estados Unidos, mas não uma equalização mundial. Essa tendência política explica, também, porque essas pessoas estão sempre falando sobre a “distribuição” da renda nacional e não sobre a contribuição dos vários indivíduos e grupos de indivíduos para a sua existência. Logicamente, o problema da contribuição deve ser considerado primeiro. Grande parte da discussão sobre “renda nacional” é dominada pela tese marxista, segundo a qual o bem é “socialmente” produzido e depois apropriado individualmente.

Eu disse que, embora o governo compile estimativas trimestrais do produto nacional bruto e da renda nacional, é o montante anterior que é citado com muito mais frequência. Isso ocorre em parte porque aparece mais cedo (como uma empresa privada conhece seu lucro bruto antes de conhecer seu lucro líquido), e em parte porque é o número maior. Planejadores nacionais adoram grandes valores. É-nos dito constantemente que “nós” (o governo) podemos facilmente gastar em doações (digamos, para governos estrangeiros) essa ou aquela quantia enorme, porque afinal é apenas uma porcentagem do nosso produto nacional bruto. Ninguém sonharia em considerar válido o raciocínio aplicado a uma empresa privada. O lucro líquido médio da empresa industrial, por exemplo, atinge (1956-7) apenas 5 ou 6 centavos em cada dólar de vendas.

Há grandes deduções a serem feitas no produto nacional bruto antes que possamos estimar a renda nacional. Por exemplo, em 1957, o produto nacional bruto foi estimado em US $440.3 bilhões, enquanto a renda nacional foi estimada em apenas US $364 bilhões. Ao chegar a esse último valor, foram deduzidos US $34 bilhões para encargos de depreciação e cerca de US $38 bilhões para impostos comerciais indiretos. Mas os encargos de depreciação são o resultado de estimativas. A quantidade “certa” de depreciação nunca é conhecida com precisão. Ao contrário da crença dos leigos (e até de muitos contadores), uma taxa de depreciação não é tanto uma estimativa da deterioração passada, como uma previsão de probabilidades futuras. Nunca se sabe, por exemplo, quando uma máquina antiga será tornada obsoleta por uma nova invenção. E, particularmente, em um período de inflação monetária, como o que estamos sofrendo na última geração, os encargos de depreciação são sistematicamente subestimados, porque eles fracassam em tudo por sempre aumentar os custos de reposição.

Outra má prática à qual uma confiança muito literal nos números da renda nacional levou é insistir na urgência de uma certa “taxa de crescimento” da renda nacional, independentemente do nível que já tenha atingido. Assim, um relatório do Rockfeller Brothers Fund em 1958, com uma “taxa de crescimento” econômica de 5% ao ano, levaria a um crescimento maior em dez anos do que uma taxa de 3% ou mesmo uma taxa de 4%.

Essa insistência em alcançar ou manter uma certa “taxa de crescimento” é o resultado de vários equívocos. O professor G. Warren Nutter apontou que

“existe uma tendência de longo prazo para que as taxas de crescimento industrial desacelerem ou retardem, à medida que o nível de produção aumenta”

Existem várias explicações básicas disso. Um tem a ver com um truque de números percentuais. Outro tem a ver com um ponto de saciedade física nas necessidades humanas. Se apenas uma família em um país tem uma banheira e no próximo ano 50 famílias recebem uma, a taxa de crescimento é de 5.000%. Mas uma vez que todos têm uma banheira, o crescimento líquido para. Este princípio se aplica a casas, automóveis, rádios, aparelhos de televisão etc.

Além disso, como acabamos de notar um pouco antes, enquanto mais e mais coisas se tornam abundantes (exceto dólares), pode até haver uma tendência para os números da renda nacional refletirem isso pela queda, porque os preços podem cair mais rapidamente do que a produção aumentou.

Ainda outro perigo prático do uso religioso dos números da renda nacional é que ele pode levar a uma confusão ou reversão de causa e efeito econômico. A renda nacional de um determinado ano é o resultado total de toda a produção e transações durante esse ano. A esse respeito, os números da renda nacional são semelhantes aos livros contábeis de uma empresa privada. Porém, cada vez mais, na discussão atual, encontra-se o valor da renda nacional tratado como causa da produção. A renda nacional é vista como o poder de compra que cria e compra automaticamente a produção. A verdade é que a renda nacional é a própria produção, vista de outro lado. De modo geral, a renda nacional não causa produção nacional, mas a produção nacional causa renda nacional. Na medida em que a causa é o contrário, é por causa da verdade na própria lei de Say que os keynesianos e os viciados em renda nacional nos dizem que foram desacreditados.

Os números da renda nacional parecem ter dado origem a todos os tipos de falácias de causa e efeito. Por exemplo, se olharmos para a composição dos números da renda nacional de, digamos, 1957, descobrimos que parte do total do PIB de US $440.3 bilhões é alcançada incluindo US $87.1 bilhões para “compras governamentais de bens e serviços”. Quando os números de renda nacional de US $364 bilhões para esse ano são divididos em setores específicos, descobrimos que quase US $43 bilhões são contabilizados por “governo e empresas governamentais”. É fácil chegar à mesma conclusão que os keynesianos, se não fossem esses US $87 bilhões em compras do governo ou esses US $ 43 bilhões em folhas de pagamento e empresas do governo, a renda nacional seria muito menor. As pessoas com uma opinião menos favorável sobre o papel do governo apontariam que, o que o governo gasta, ele tira de alguém em impostos. (Isso também se aplica ao imposto oculto envolvido na inflação monetária.) Sem dúvida, funcionários do governo, como policiais, bombeiros, juízes e construtores de estradas, aumentam (em uma quantidade inegável) a renda nacional real. Mas pode-se questionar se agências como controladores de preços, conselhos de aluguel, Comissão Tarifária, agentes de restrição de safras do Departamento de Agricultura do Conselho Nacional de Relações Trabalhistas não produzem uma redução líquida da renda nacional real, apesar de o fato de aumentarem de acordo com os números do governo.

Se pensarmos na renda nacional como uma mera soma global em dólares, e ela não atingir uma “meta” de x bilhões de dólares, é um passo tentador para os planejadores econômicos assumirem que os x bilhões de dólares poderiam ser facilmente alcançados por tantos gastos deficitários ou mesmo imprimindo tanto dinheiro. Isso leva indiretamente à inflação. Pois, podemos aumentar nossa renda nacional para qualquer valor que desejarmos simplesmente depreciando o dólar o suficiente para aumentar os preços para alcançar essa renda.

Na Alemanha, em 1923, a renda nacional (superficialmente) subiu centenas de bilhões de vezes acima do nível anterior, porque a marca do papel foi depreciada para um trilionésimo de seu antigo poder de compra.

Certamente, quando explicitamente tributados com esse argumento, os planejadores econômicos dirão que seu objetivo é uma renda nacional de x bilhões “em dólares do atual poder de compra”. Mas eles esquecem essa qualificação, na prática real. Eles estão sempre citando o dólar mais recente e mais inflado. Eles não param para lembrar-nos, ou a si mesmos, como a renda nacional teria que ser anotada para refletir o preço do nível de, digamos, vinte anos atrás.

“A abordagem da renda nacional” tornou-se um dos importantes incentivos à inflação. A maneira mais fácil e segura de obter números de renda nacional constantemente maiores, não é aumentando a produção e a satisfação do consumidor, mas diminuindo constantemente a barra de medição, depreciando constantemente o dólar.

Resta ressaltar, finalmente, que as previsões econômicas baseadas na “economia agregada” ou na “abordagem da renda nacional” foram um fracasso. David McCord Wright declara que:

“Na experiência prática, os analistas keynesianos têm um histórico bastante ruim” cita em evidência “o fracasso flagrante da maioria das previsões keynesianas após a Segunda Guerra Mundial”, que foi “em grande parte devido a um salto ascendente e inesperado do nível de consumo”. Da mesma forma, ele acrescenta:

“em 1953 e novamente em 1958, os modelos keynesianos de inter-relações mecânicas entre investimento e consumo não deram certo.”[2]

Esse julgamento corrobora o de John H. Williams:

“A função de consumo, em particular, deu aos matemáticos um conceito ideal para construir modelos de renda nacional e fazer previsões. Até agora, as previsões têm sido quase uniformemente ruins.”[3]

__________________________________

Notas

[1] National Income and Its Composition, 1919-1938. (Nova Iorque: National Bureau of Economic Research, 1941), 2 vols.

[2] Science, Novembro. 21, 1958, pp. 1261-1262.

[3] American Economic Review, Maio, 1948, p.284.