Carta aberta a um jovem marxista

0
Tempo estimado de leitura: 10 minutos

Alguém foi seu provedor durante a maior parte de sua vida. Alguma figura paterna atendeu às suas necessidades, sejam comida, roupas ou diversões, e você se tornou um consumidor líquido. Eu estou supondo que você teve uma vida mais confortável do que 99% de qualquer pessoa que já viveu na história humana. No entanto, você provavelmente não merecia nada disso, pelo menos não como um trabalhador diligente merece um salário. É assim que acontece na maioria das famílias:

De cada um de acordo com sua capacidade para cada um de acordo com sua necessidade.

Como esta é uma carta aberta, não posso conhecer os detalhes de sua “experiência de vida”. Mas eu sei disso: Alguém lhe proveu. Você esperava todas essas guloseimas? A maioria de nós toma como certa a generosidade de nossos provedores em algum momento. Você pode protestar que tinha tarefas, mas o senso de direito de um adolescente raramente corresponde à sua contribuição.

Assim, você está vivo e lendo isso porque foi o beneficiário do esforço produtivo de outra pessoa. (Eu também, veja bem.) De fato, não apenas seus pais precisavam trabalhar, como quase tudo de que você gostava era produzido por outras pessoas colaborando em seus esforços produtivos. A estrutura legal para isso é chamada de corporação. Existem diferentes formas corporativas, desde cooperativas de trabalhadores até empresas tradicionais. Eu sei que você não gosta de todos elas.

À medida que você envelheceu, espero que tenha perdido um pouco desse senso de direito adolescente. Talvez você tenha percebido que, de fato, cresceu confortável e que nem todo mundo cresce desse jeito. Talvez você tenha se sentido culpado. Você pode até ter experimentado os primeiros sinais de indignação em relação aos trabalhadores pobres. Logo, uma retidão ardente, um sentimento de injustiça, tornou-se familiar, mas indefinido. Muitas pessoas vivem vidas difíceis fora dos limites da riqueza e trabalham longas horas por pouco salário. Quando as oportunidades são poucas, as pessoas devem aceitar o trabalho que conseguirem.

Assim é e sempre foi – ainda que com melhorias ao longo do tempo.

Em algum lugar ao longo do caminho, você descobriu Karl Marx. A maioria começa com O Manifesto Comunista, mas se você se formou no O Capital — parabéns (é uma fera). De qualquer forma, espero que você esteja pronto para um desafio. Daqui em diante, apresentarei alguns dos problemas fundamentais do marxismo.

Nem na teoria nem na prática

Dois clichês comuns convidam ao malabarismo intelectual em nome do marxismo: ele nunca foi tentado em sua forma mais verdadeira e é bom na teoria, mas não na prática. Podemos descartar ambas as alegações porque o marxismo oferece pouco de bom tanto na teoria quanto na prática.

Considere este breve passeio pelo marxismo juntamente com críticas:

  1. A Teoria do Trabalho da Mais-valia. Em certo sentido, essa teoria objetiva do valor é o eixo central da economia marxista e de sua teoria da exploração. Sem isso, a teoria falha. A ideia é que, como o lucro vai para o capitalista, é um excedente não ganho que deve ser creditado aos trabalhadores que criam o valor real. Vou passar por cima do fato de que em empresas tradicionais, os proprietários assumem todos os riscos de suas decisões e estratégias, e tomar boas decisões é uma forma essencial de trabalho. Mas o problema fundamental com a Teoria do Trabalho de Marx é que todo valor é subjetivo. Não importa quais sejam os contributos. Em outras palavras, o valor de qualquer produto está apenas nos olhos dos clientes.

    Por exemplo, camisetas de Marx e camisetas de Menger podem ter insumos exatamente semelhantes – como algodão, tintas, mão de obra e máquinas. Como tão poucas pessoas conhecem Menger, a camiseta de Marx provavelmente renderá mais. O objetivo do empreendedorismo, seja determinado pelo ‘capitalista’ ou pelos trabalhadores que votam em uma cooperativa, é descobrir o que as pessoas valorizam e fazer apostas de acordo. Se o comunista quer argumentar que apenas os trabalhadores devem correr riscos, mais devem tentar cooperativas antes de fomentar uma revolução violenta.

  2. Alienação. Esta é provavelmente a afirmação mais substancial de Marx. A ideia é que os trabalhadores que operam em condições de especialização industrial se tornem engrenagens de uma máquina maior, como uma fábrica. Mas como uma engrenagem, o trabalhador se separa dos produtos de seu trabalho. Isso cria um estado psicológico negativo que pode roubar ao trabalhador a dignidade e o senso de eficácia que ele poderia ter encontrado em alguma indústria caseira. Mesmo que alguns trabalhadores encontrem pouca dignidade nos chamados “trabalhos de merda”, a vida é feita de trocas. Como nos lembra o grande economista Thomas Sowell, temos que perguntar: Comparado a quê? As indústrias caseiras mantêm todos pobres. As indústrias nacionalizadas oferecem pouco além de empregos de merda. Talvez você pense que podemos nos organizar em cooperativas de trabalhadores que tornam o trabalho menos uma merda? Se sim, mostre, não conte. As cooperativas de trabalhadores são perfeitamente legais.

    A especialização traz enormes benefícios sociais, mesmo para os trabalhadores. Considere o fato de que alguns trabalhadores gostam de seu trabalho. Mesmo em economias mistas, o empreendedorismo pode oferecer maior abundância, mais opções de trabalho e alguma medida de dignidade. Qual a melhor forma de classificar quem faz o quê. Oferecer um salário, um preço de trabalho, é tanto uma oportunidade de ganhar quanto um meio de descobrir preços. Afinal, devemos reconhecer que alguém tem que fazer um trabalho desagradável e pouco qualificado. Suponha que o marxista argumente que todos deveriam participar dessas tarefas. Nesse caso, ele aceita não apenas uma política de trabalho forçado, mas também custos de oportunidade para a sociedade quando cirurgiões e estrategistas esvaziam lixeiras.

  3. Exploração. O conceito de exploração de Marx depende da Teoria do Trabalho da Mais-valia, que, dissemos, postula o valor objetivo. Em outras palavras, a exploração de Marx é o produto de uma teoria morta. Claro, exércitos de trabalhadores desempregados podem baixar o preço do trabalho a níveis que podem ser difíceis para qualquer trabalhador sobreviver. Mas o marxismo ortodoxo, longe de reconhecer a realidade econômica, busca bani-la apenas afirmando que certos insumos de trabalho valem mais do que seu valor para qualquer um. Os preços de mercado, afinal, são apenas medidas de avaliação, não uma conspiração burguesa. É assim que os movimentos trabalhistas e os salários mínimos criam cartéis trabalhistas que excluem as pessoas das oportunidades. Eles protegem os salários artificialmente altos de poucos às custas de muitos. Os racistas declarados da Era Progressista sabiam disso. Foi assim que os caminhoneiros brancos tentaram erguer barreiras à entrada de mulheres e minorias.

    Falando em exploração, o marxismo implica que um engenheiro de software altamente produtivo deve receber o mesmo salário que um engenheiro em custódia, mesmo que estipulemos que a contribuição relativa de cada um seja desigual. Se um engenheiro de software com talento raro quer comer sob o marxismo, os camaradas exploram seu trabalho. Isso apenas desloca o locus da chamada ‘escravidão assalariada’. É por isso que os acordos entre patrões e empregados são geralmente baseados no benefício mútuo, não no moralismo. O marxismo tenta transformar os preços do mercado de trabalho em uma falha moral e não em um fato da realidade econômica.

  4. A Abolição da Propriedade Privada. De acordo com Marx, o sistema capitalista depende da propriedade privada, e a propriedade privada permite ao capitalista um grau de controle explorador. A peça central do marxismo é a abolição da propriedade privada. Ao abolir a propriedade privada, o marxismo remove tanto os incentivos de gestão quanto as pré-condições de troca. Em algum sentido limitado, portanto, o marxismo exige a proibição do comércio. Afinal, se x não é meu, como posso trocá-lo por y que não é seu? Mas as coisas pioram. Quando as autoridades removem legalmente a capacidade de comercializar superávits, como a China fez com seus coletivos agrícolas antes de 1980, eles reduzem os incentivos para serem mais produtivos. A história está repleta desses exemplos, mesmo entre os kibutzniks.
  5. A Abolição dos Preços de Mercado. A economia política marxista também exige o desmantelamento dos preços de mercado, seja através da abolição da propriedade privada ou da distribuição de recursos com base na “necessidade”. O economista Ludwig von Mises articulou o problema do cálculo econômico na década de 1920. Em suma, se você não tem preços de mercado de fluxo livre com base na demanda por insumos industriais específicos, não há uma maneira racional de calcular o que uma determinada organização precisa, muito menos o que os gerentes estão dispostos a pagar.

    Todas as formas de marxismo que conheço envolvem um politburo que tem que fazer determinações políticas sobre como os recursos devem ser alocados. Isso não apenas cria vencedores, perdedores e calúnias burocráticas, como também cria distorções econômicas grosseiras – como excesso e escassez – que empobrecem as pessoas em grande escala. Os preços são “informações envoltas em incentivos”, afinal, por isso são indispensáveis.

  6. Materialismo Histórico. Marx acreditava que se deve avaliar a história e prever eventos futuros, através das lentes de como o trabalho é organizado e o conflito resultante entre as classes. Tal análise, pensava Marx, nos permitiria mostrar como a história se desenrola de maneira previsível.

    A história é mais do que trabalho e classe. Precisamos apenas abrir os olhos e ver através de lentes diferentes. Por exemplo, que papel a tecnologia e as várias formas de organização desempenharam na forma como nos reunimos para produzir coisas? As pessoas vivem em condição de pobreza absoluta ou relativa? Um povo está cercado por água, montanhas ou campos? Que outros fatores afetam o desenrolar efetivo da história? O marxismo, especialmente em sua preocupação com metanarrativas, conta muitas histórias falaciosas ad hoc. Mas uma leitura cuidadosa da história revela o materialismo histórico como uma teoria infalsificável, o que significa que funciona melhor como propaganda do que como análise.
  7. A Ditadura do Proletariado. Sob o marxismo ortodoxo, há um estágio intermediário entre o capitalismo e o comunismo no qual os trabalhadores se rebelam e assumem o controle do aparato estatal para realizar o socialismo pacífico do estágio final. O que sucede com o marxismo é que os grilhões do poder estatal autoritário nunca podem cair enquanto os trabalhadores forem obrigados a se conformar a um único sistema e a um certo salário. Muitos marxistas e sindicalistas adjacentes a Marx imaginam que sua forma particular de organização não exigirá mais o aparato coercitivo do Estado, ou o que Mikhail Bakunin chamou de “burocracia vermelha”. Mas essa maldita burocracia sempre será necessária para manter as preferências dos conselhos de trabalhadores e comitês centrais. Em suma, A Ditadura do Proletariado é antes a condição comunista inevitável – a menos, é claro, que os comunistas concedam o direito de saída da comuna. Mas isso, é claro, ameaçaria o retorno dos capitalistas e a estratificação de classes.
  8. Materialismo Dialético. Marx (e Engels) pensava que a sociedade industrial envolvia contradições que precisavam ser resolvidas. Marx supôs que a solução mais eficaz para os problemas causados ​​por tais contradições é rearranjar os sistemas de organização social na raiz dos problemas – através da reorganização revolucionária. Como devemos reorganizar os sistemas e a sociedade? Planejamento central tecnocrático? Foram necessários muitos experimentos sangrentos para os humanos perceberem que a evolução da sociedade não acontece por meio de esquemas racionalistas e planos de cinco anos. O problema com o conceito de revolução de Marx é que isso não acontece através do Design Inteligente. O capitalismo empreendedor não tem nada a dizer sobre quem deve possuir o quê em alguma organização. O sistema de lucros e prejuízos garante que os empreendimentos criem pelo menos valor suficiente, medido em receita, sobre os custos. Se não o fizerem, morrem. Dessa forma, o lucro, longe de ser antissocial, pode medir o quanto uma organização criou valor para o cliente – tudo isso é incidental se esses lucros vão para os trabalhadores, acionistas ou para o crescimento da organização para fornecer mais valor a mais pessoas.
  9. De cada um de acordo com sua capacidade… Marx admite que essa máxima não funcionaria nos estágios iniciais do comunismo, pois os estágios iniciais dependeriam dos trabalhadores. Em vez disso, Marx imaginou uma versão de estágio superior do comunismo em que a tecnologia avançou a tal ponto que a abundância material avassaladora inspiraria os socialistas a fazer certos tipos de contribuições, como arte ou trabalhos criativos, livremente para seus camaradas. Caso contrário, não haverá necessidade de trabalhadores, como tal. Primeiro, há um nível impressionante de pensamento mágico em torno de tais noções, que infelizmente se infiltraram no zeitgeist de hoje em tudo, desde o Projeto Vênus até o “comunismo de luxo totalmente automatizado”. Algumas ficções cientificas não são baseadas em ciência. O pior, porém, é que nenhuma variante do marxismo pode operar sem se comprometer com essa máxima desde o início. O marxismo trata os trabalhadores mais capazes como escravos do resto. Se não for por compulsão, como os mais capazes serão induzidos a trabalhar pelos mais necessitados?

    Mesmo que alguém, como o sindicalista Noam Chomsky, não goste dos politburos em estágio inicial com suas sentinelas armadas, os sapatos só podem ser feitos se você descartar as cenouras do capitalismo liberal e abraçar as varas severas do socialismo. Engels concorda. Ele escreve:

    “Nenhuma ação comunal é possível sem submissão de alguns a uma vontade externa, isto é, autoridade.”

    Pode-se discordar de Engels sobre muitas coisas, mas ele está certo de que o comunismo, longe de ser uma força de libertação, é uma força de opressão.

    Em todo sistema, devemos servir alguém para obter as coisas de que precisamos. Devemos servir clientes, chefes ou burocratas. Podemos gritar e chorar sobre a exploração de tudo isso, mas não consigo pensar em um sistema mais explorador do que aquele que exige que trabalhemos por uma quantia que outra pessoa dita, mesmo que essa pessoa seja um conselho de proles. É claro que não existe um sistema sustentável no qual todos possam simplesmente optar por não trabalhar.

  10. O Homem Socialista de Marx. O psicólogo social Erich Fromm argumenta que Marx não está comprometido com a ideia de que os humanos são tabula rasa, mas ele cita Marx referindo-se à “natureza humana modificada” dentro de cada época histórica. Marx escreve: “A doutrina materialista de que os homens são produtos das circunstâncias e da educação, e que, portanto, os homens alterados são produtos de circunstâncias alteradas e educação alterada, esquece que são os homens que mudam as circunstâncias e que o próprio educador deve ser educado”. A prática revolucionária, então, é a automudança em direção ao homem socialista. As pessoas ainda são “produtos das circunstâncias”. Embora isso não seja behaviorismo em si, o absurdo mais hegeliano de Marx é central para a ideia de que as pessoas que vivem no comunismo devem modificar suas naturezas ou permitir que a revolução faça isso por elas. Não é de admirar que teóricos críticos e muitos pensadores pós-modernos se baseiem nessa negação geral das limitações da natureza humana. Tais negações são solo fértil para a falsidade. Ou seja, o marxismo nos ensina não apenas a negar certas características da realidade social e econômica, mas também a negar certos aspectos de nós mesmos. Tal autoengano ajudou a desencadear muitos dos horrores do século XX e dos absurdos do século XXI.

Então, jovem marxista, espero que, se você chegou até aqui na leitura, considere cada ponto cuidadosamente. Você deve tentar defender o marxismo dessas críticas, é claro. Mas se você está interessado em honestidade intelectual e florescimento humano, você deve tentar o seu melhor para fortalecer os argumentos marxistas primeiro. Por quê? Porque movimentos violentos forjados no fogo do idealismo raramente dão certo para alguém.

Se algum experimento social depende de arrasar a terra antes de construir uma Utopia, provavelmente não é o caminho. Mas se um sistema ideal começa pequeno e cresce, atraindo mais almas humanas para sua influência, provavelmente pode perdurar. Os sistemas sustentáveis ​​persistem e os melhores sistemas serão produto das escolhas humanas. Mas isso é evolutivo, não revolucionário.

Diferentes sistemas podem coexistir se começarmos com um princípio de associação voluntária. E isso inclui as comunas.

 

 

Artigo original aqui

Leia também Seus filhos e filhas revolucionários marxistas