Criptomoeda do governo: uma arma contra o povo

0
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

Em 1785, o filósofo Jeremy Bentham inventou o Panóptico, um tipo de prisão onde um único carcereiro pode ver todos os prisioneiros. O carcereiro está sentado em uma sala no centro, e cada cela irradia como raios de bicicleta. A ideia é que nenhum prisioneiro saiba se está sendo vigiado. É a melhor coisa depois de colocar um carcereiro para vigiar cada prisioneiro.

Os governos agora querem criar um panóptico financeiro para todos os cidadãos, feito de criptomoedas governamentais. E eles querem isso pelas mesmas razões: vigiar e controlar as pessoas que supostamente servem.

Prisão de Bentham: Em breve em um sistema financeiro perto de você

Há décadas, os governos vêm tentando proibir o dinheiro vivo. Isso foi motivado pela hostilidade aos mercados paralelos, à evasão fiscal ou simplesmente por doações a pessoas que o regime não gosta. Alguns anos atrás, escrevi um artigo no Mises Institute sobre um desses esforços de Ken Rogoff, de Harvard, que é um incentivador previsível da vigilância e controle do governo. A criptomoeda do governo ainda não existia, mas agora a China criou uma.

A longa marcha dos governos contra o dinheiro

A longa marcha do governo contra o dinheiro não é novidade: o padrão histórico é que as pessoas escolhem um dinheiro, como ouro ou prata, para armazenar o produto de seu trabalho árduo e para que possam negociar facilmente com estranhos – afinal, você pode negociar com amigos sem dinheiro, mas somente com dinheiro estranhos se tornam amigos. Esses são os “aplicativos matadores” do dinheiro.

Uma vez que um dinheiro é estabelecido, os governos historicamente passam a atacar esse dinheiro. Tanto ao roubá-lo por meio de falsificação – tradicionalmente como recorte de moedas, degradação ou adulteração, e, agora, simplesmente imprimindo novo papel ou adicionando outro zero em uma planilha.

Além de roubá-lo, eles também atacam o dinheiro assumindo os pontos de estrangulamento centralizados que o armazenam e o movimentam – bancos, corretoras, seguradoras, comerciantes de ouro ou prata e armazéns. Isso permite que eles agarrem todo o dinheiro que puderem, como FDR fez na década de 1930, ou simplesmente controlá-lo e canalizá-lo, como acontece hoje.

A revolução inacabada de Nixon

Nos Estados Unidos, esse processo de controle governamental do próprio dinheiro foi quase alcançado em 1971, quando Richard Nixon rompeu o último resquício de ouro que sustentava o dólar. Dando-nos a era moderna em que os governos falsificam cada dólar que conseguem – pelo menos US$ 20 trilhões desde 1971, representando uma degradação de 95% do dólar.

Fed desde 1971: 5 centavos para você, 95 centavos para mim.

 E, no entanto, para os totalitários, Nixon conseguiu apenas metade da revolução. Porque as pessoas ainda, irritantemente, usam papel-moeda de maneiras que os governos não gostam. Uma grande fração das transações em dinheiro vivo, por exemplo, são ilícitas – comprar drogas, comprar leite cru ou ivermectina, doar para causas não aprovadas ou simplesmente reduzir seus impostos. Essa “guerra ao dinheiro vivo” vem acontecendo há décadas, com governos ameaçando e persuadindo as pessoas a se afastarem do papel-moeda para métodos de pagamento que eles podem ver e controlar. Afinal, se você não tem nada a esconder, não tem nada a temer, certo?

E surge a criptomoeda do governo

E é aí que entram as criptomoedas do governo – Moedas Digitais do Banco Central (MDBCs). A ideia é perverter a arquitetura blockchain do Bitcoin para gerar uma moeda centralizada, onde cada última transação é vigiada e potencialmente controlada diretamente pelos governos. Essas moedas do governo podem passar por bancos existentes ou podem ser executadas diretamente do Banco Central ou do Tesouro que assume sua conta bancária. Se você já tentou resolver um problema de atendimento ao cliente com o governo, a perspectiva de fazer transações bancárias com o DETRAN deve enchê-lo de pavor, mas deixe isso de lado por enquanto.

Os divulgadores promovem as MDBCs como sendo melhorias inocentes para o antiquado sistema fiduciário de hoje. Vale a pena mencionar que o sistema é antiquado especificamente porque os governos o destruiram ao impedir a inovação e a concorrência. Por exemplo, hoje leva dias para liquidar uma negociação de ações – foi isso que derrubou RobinHood no desastre da Gamestop. Enquanto isso, pode levar cinco dias para que um cheque bancário seja compensado – bastante problemático se você já, digamos, recebeu um salário ou pagou uma conta.

Observe que essas são transações que levam frações de segundo entre organizações que se conhecem e confiam uma na outra – o Wells Fargo congelará o dinheiro do Citibank por cinco dias.

Por que está tão destruído? Às vezes, os governos destroem as finanças porque os lobistas dos bancos mandavam. E às vezes eles destroem porque são estúpidos – bem, eles são insuficientemente motivados para tomar boas decisões. Afinal, como a maioria dos reguladores, os governos têm pouco entendimento das indústrias que supostamente pastoreiam e nutriam – na verdade, eles pouco entendem da economia e da sociedade que supostamente pastoreiam e nutriam.

E assim, burocratas murmuram, não importa o panóptico totalitário, certamente você gostaria de seus depósitos bancários em minutos e não em dias. E os eleitores normais, que sabem muito pouco sobre o acordo T+3, e muito menos sobre criptomoedas, pensam como seria maravilhoso gastar seu próprio dinheiro na mesma semana em que o ganham.

Agora, devemos suspeitar imediatamente, simplesmente porque as versões privadas desse país das maravilhas já existem na forma de stablecoins privadas. São criptomoedas que têm um valor estável de, digamos, US$1 por moeda. Elas estão, e devem permanecer, sujeitas às regras padrão de fraude, mas, além disso, elas permanecem não regulamentadas.

Agora, para ser justo, as stablecoins não são 100% fixas – cerca de uma vez por ano, a grande stablecoin Tether acaba desviando alguns centavos de US$ 1. Ainda assim, também para ser justo, o próprio dólar americano é ainda menos fixo, erodindo entre 2 e 13 centavos de dólar por ano desde 1971. Não só não é estável, como também não é estável na taxa que corrói – mais ou menos 10% é considerável para a suposta principal estrela da economia global. 

Tether aleatoriamente passeando ao redor do dólar

 

Dólar americano pulando de penhascos de forma estável

Claro, a única maneira de obter uma moeda verdadeiramente estável é um retorno a moeda com uma oferta mais estável. Ou seja, na prática, ouro ou Bitcoin. A falha fatal do ouro é que, por ser físico, deve ser centralizado. Então eu acho que o vencedor mais provável é o Bitcoin. Ainda assim, o caminho daqui para a bitcoinização completa é longo e volátil, enquanto as stablecoins já oferecem todos os benefícios das MDBCs sem os custos distópicos.

MDBCs como stablecoins totalitárias

Então, se as stablecoins existentes já nos dão o país das maravilhas, o que há em uma MDBC? Para o povo, nada. Mas para os governos, os benefícios são imensos.

A China recentemente divulgou alguns deles por sua MDBC, o “cyber yuan”. O Wall Street Journal os percorreu: a capacidade de vigiar os gastos de cada pessoa “em tempo real”, a capacidade de prender ou multar pessoas à vontade, de fazer engenharia social com doações ou apreensões, e o pesadelo dos monetaristas de criar dinheiro que expira se você não o usar rápido o suficiente.

Este último ponto é importante porque expande radicalmente a capacidade do Banco Central de desestabilizar a economia. Hoje, os bancos centrais tentam inflar as recessões, provocando o que Tom Woods chama de “fogo tecidual” de crescimento insustentável. Mas os banqueiros só podem ir até o ponto que as pessoas retirem seu dinheiro dos bancos. Afinal, se o Banco Central impõe, digamos, uma taxa de juros negativa de 10% ao mês, então as pessoas não apenas ficam paradas e aceitam, elas tiram seu dinheiro do banco e o enfiam em uma lata de café, ou enterram no Jardim.

Professor de química da área se protege contra o Banco Central

Temos um cenário completamente diferente sob uma MDBC. Agora, você não tem opção – os 10% saem diretamente da sua moeda. Você tinha $10.000 no mês passado, agora você tem $9.000. Puxe-o para fora, esconda-o, enterre-o em 60 centímetros de concreto protegido por tubarões com raios laser, e ele ainda derreterá. Não há limite para os fogos teciduais que eles podem forçar.

Isso não é apenas dar um facão a uma criança em idade pré-escolar, mas torna-se totalmente viável, por exemplo, tirar 10% de cada dólar não investido em esquemas de carbono-neutro ou de justiça social. Em tal mundo, os cidadãos se tornam peões em um tabuleiro de xadrez, com os governos adicionando ou subtraindo sua riqueza de acordo com qualquer justiça social ou moda redistributiva que esteja em voga esta semana.

Conclusão

Em vez de acompanhar todas as ferramentas autoritárias que a China impõe a seus cidadãos indefesos, os formuladores de políticas em todo o Ocidente deveriam consertar nossos sistemas financeiros corruptos e antiquados, simplesmente permitindo que as pessoas usem alternativas privadas, sejam Bitcoin, stablecoins ou até dinheiro lastreado em ouro.

O trabalho dos formuladores de políticas não é chutar, socar e persuadir as pessoas a usarem truques monetários e de vigilância perigosos, mas ouvir o que as pessoas realmente querem. Que é um dinheiro tão seguro e tão fácil que desaparece em segundo plano tão despercebido, tão útil, tão bem-vindo quanto o ar que respiramos. Costumávamos ter isso, o governo destruiu, o Bitcoin devolveu, mas é claro que eles querem destruí-lo novamente.

 

 

 

Artigo original aqui