Charles A. Conant: Capital Excedente e Imperialismo Econômico

0
Tempo estimado de leitura: 11 minutos

Os anos pouco antes e depois de 1900 provaram ser o início do esforço para o estabelecimento de um sistema de Reserva Federal. Foram também a origem do padrão divisas-ouro, o sistema fatídico imposto ao mundo pelos britânicos na década de 1920 e pelos Estados Unidos após a Segunda Guerra Mundial em Bretton Woods. Ainda mais do que o caso de um padrão ouro com um banco central, o padrão divisas-ouro estabelece um sistema, em nome do ouro, que na realidade consegue implantar papel-moeda coordenado, internacional e inflacionário.

A ideia era substituir um padrão-ouro genuíno, em que cada país (ou, internamente, cada banco) mantém suas reservas em ouro, por um pseudo-padrão-ouro em que o banco central do país cliente mantém suas reservas em alguma moeda base ou estratégica, digamos, libras ou dólares. Assim, durante a década de 1920, a maioria dos países mantinham suas reservas em libras, e supostamente apenas a Grã-Bretanha converteria libras em ouro.

Isso significava que esses outros países estavam realmente em um padrão libra em vez de um padrão-ouro, embora pudessem, pelo menos temporariamente, adquirir o prestígio do ouro. Significava também que, quando a Grã-Bretanha inflasse a libra, não havia perigo de perder ouro para esses outros países, que, muito pelo contrário, ficaram satisfeitos em inflar suas próprias moedas, além de seus saldos crescentes em libras esterlinas.

Assim, gerou-se um sistema inflacionário instável – tudo em nome do ouro – no qual os estados clientes piramidavam sua própria inflação sobre a da Grã-Bretanha. O sistema acabou fadado ao colapso, assim como o padrão divisas-ouro na Grande Depressão e em Bretton Woods no final da década de 1960. Além disso, os laços estreitos baseados em libras e depois em dólares significavam que o país-base ou estratégico era capaz de exercer uma forma de imperialismo econômico, integrado por seu papel comum e inflação do pseudo-ouro, sobre os estados clientes usando a moeda-estratégica.

No final da década de 1890, grupos de teóricos nos Estados Unidos estavam trabalhando no que mais tarde seria chamado de teoria “leninista” do imperialismo capitalista. A teoria foi originada, não por Lenin, mas por defensores do imperialismo, centrando-se em torno de amigos orientados por Morgan e cérebros de confiança de Theodore Roosevelt como Henry Adams, Brooks Adams, almirante Alfred T. Mahan e o senador de Massachusetts Henry Cabot Lodge.

A ideia era que o capitalismo nos países desenvolvidos estava “superproduzindo”, não apenas no sentido de que mais poder de compra era necessário em recessões, mas mais em um sentido mais profundo de que a taxa de lucro estava, portanto, inevitavelmente caindo. A taxa de lucro cada vez mais baixa do “capital excedente” corria o risco de paralisar o capitalismo, a menos que a salvação emergisse sob a forma de mercados estrangeiros e especialmente investimentos estrangeiros.

Mercados estrangeiros novos e expandidos aumentariam os lucros, pelo menos temporariamente, enquanto os investimentos em países subdesenvolvidos certamente trariam uma alta taxa de lucro. Portanto, para salvar o capitalismo avançado, era necessário que os governos ocidentais se envolvessem em empreendimentos imperialistas ou neoimperialistas, que forçariam outros países a abrir seus mercados para produtos americanos e forçariam a abertura de oportunidades de investimento no exterior.

Dada essa doutrina – baseada na visão falaciosa ricardiana de que a taxa de lucro é determinada pelo estoque de investimento de capital, e não pelas preferências temporais de todos na sociedade – havia pouco que Lenin mudaria, exceto dar uma condenação moral implícita em vez de aprovação e enfatizar a natureza necessariamente temporária da trégua que o imperialismo poderia fornecer aos capitalistas.[1]

Charles Conant apresentou a teoria do capital excedente em seu A History of Modern Banks of Issue (1896) e a desenvolveu em ensaios subsequentes. A existência de capital fixo e tecnologia moderna, afirmava Conant, invalidava a Lei de Say e o conceito de equilíbrio, e levava a “poupanças excessivas” crônicas, que ele definiu como poupanças que excedem as saídas de investimento lucrativas, no mundo capitalista ocidental desenvolvido.

Os ciclos econômicos, afirmou Conant, eram inerentes à atividade não regulamentada do capitalismo industrial moderno. Daí a importância dos monopólios e cartéis incentivados pelo governo para estabilizar os mercados e os ciclos econômicos e, em particular, a necessidade do imperialismo econômico para forçar a abertura de saídas lucrativas no exterior para o capital excedente americano e de outros países ocidentais.

A ousada aventura dos Estados Unidos em uma guerra imperialista contra a Espanha em 1898 galvanizou as energias de Conant e outros teóricos do imperialismo. Conant respondeu com seu apelo ao imperialismo em ” A base econômica do imperialismo ” na North American Review de setembro de 1898, e em outros ensaios reunidos em The United States in the Orient: The Nature of the Economic Problem e publicados em 1900.

S. J. Chapman (1901, p. 78), um eminente economista britânico, resumiu com precisão o argumento de Conant da seguinte forma: (1) “Em todos os países avançados houve uma poupança tão excessiva que não resta investimento lucrativo para o capital”. (2) Uma vez que todos os países não praticam uma política de liberdade comercial, “os Estados Unidos devem estar preparados para usar a força se necessário” para abrir saídas lucrativas de investimento no exterior, e (3) os Estados Unidos possuem uma vantagem no conflito vindouro, uma vez que a organização de muitas de suas indústrias “na forma de trustes o ajudará muito na luta pela supremacia comercial”.[2]

Vencida a guerra com sucesso, Conant estava particularmente entusiasmado com o fato de os Estados Unidos manterem as Filipinas, a porta de entrada para o potencial grande mercado asiático. Os Estado Unidos, ele opinou, não devem ser impedidos por “uma teoria abstrata” de adotar “conclusões extremas” na aplicação das doutrinas dos Pais Fundadores sobre a importância do consentimento dos governados.

Os Pais Fundadores, declarou ele, certamente quiseram dizer que o autogoverno só poderia ser aplicado àqueles competentes para exercê-lo, um requisito que claramente não se aplicava ao povo atrasado das Filipinas. Afinal, Conant escreveu: “Somente pela mão firme das raças governantes responsáveis ​​… a garantia de progresso ininterrupto pode ser transmitida aos países tropicais e subdesenvolvidos” (Healy 1970, pp. 200-201).

Conant também foi ousado o suficiente para tirar importantes conclusões domésticas de seu entusiasmo pelo imperialismo. A sociedade doméstica, afirmou, teria de ser transformada para tornar a nação o mais “eficiente” possível. Eficiência, em particular, significava concentração centralizada de poder. “A concentração de poder, para permitir uma ação rápida e eficiente, será um fator quase essencial na luta pelo império mundial.”

Em particular, era importante para os Estados Unidos aprender com a magnífica centralização de poder e propósito da Rússia czarista. O governo dos Estados Unidos exigiria “um grau de harmonia e simetria que permitiria a direção de todo o poder do Estado em direção a políticas definidas e inteligentes”. A Constituição dos Estados Unidos teria de ser emendada para permitir uma forma de absolutismo czarista, ou pelo menos um poder executivo enormemente expandido em relações exteriores (Healy, pp. 202-203).

Um interessante estudo de caso de opinião empresarial energizada e convertida pela atração do imperialismo foi a publicação semanal de Boston, a US Investor. Antes da eclosão da guerra com a Espanha em 1898, a US Investor denunciou a ideia de guerra como um desastre para os negócios. Mas depois que os Estados Unidos lançaram sua guerra e o Comodoro Dewey tomou a Baía de Manila, a US Investor mudou totalmente de opinião. Agora, saudava a guerra como excelente para os negócios e como uma recuperação da recessão anterior.

Logo a US Investor estaria defendendo alegremente uma política de “imperialismo” para tornar permanente a prosperidade dos EUA. O imperialismo trouxe benefícios maravilhosos ao país. Em casa, um grande exército e marinha seriam valiosos para conter a tendência da democracia de gozar de “uma liberdade muito grande de restrições, tanto de ação quanto de pensamento”. A US Investor acrescentou que “a experiência europeia demonstra que o exército e a marinha são admiravelmente utilizados para inculcar hábitos ordenados de pensamento e ação”.

Mas um benefício ainda mais importante de uma política de imperialismo permanente seria econômico. Para manter o “capital (…) em ação”, a rigorosa necessidade exige que “deve ser descoberto um campo ampliado para seu produto”. Especificamente, era preciso encontrar “um novo campo” para vender a crescente enxurrada de bens produzidos pelas nações avançadas e para investir suas poupanças a taxas lucrativas. A US Investor exultou com o fato de que este novo “campo está pronto para ocupação. Ele pode ser encontrado entre as raças semicivilizadas e bárbaras”, em particular o convidativo país da China.

Particularmente interessante é o colóquio que se seguiu entre a US Investor e a Republican de Springfield (Massachusetts), que ainda propunha a teoria mais antiga do livre comércio e do laissez-faire. A Republican perguntou por que o comércio com países subdesenvolvidos não é suficiente sem sobrecarregar os contribuintes americanos com despesas administrativas e militares. A Republican também atacou a nova teoria do capital excedente, ressaltando que apenas dois ou três anos antes, os empresários vinham pedindo abertamente que mais capital europeu fosse investido em empreendimentos americanos.

À primeira acusação, a US Investor recorreu à “experiência da corrida por, talvez, noventa séculos, [que] tem sido na direção de aquisições estrangeiras como meio de prosperidade nacional”. Mas, de maneira mais prática, a US Investor se deleitou com as benesses que o imperialismo traria as empresas americanas na forma de contratos governamentais e no desenvolvimento governamental do que agora seria chamado de “infraestrutura” das colônias. Além disso, como na Grã-Bretanha, um serviço diplomático bastante expandido proporcionaria “uma nova vocação para nossos jovens de educação e habilidade”.

À segunda acusação da Republican, sobre o capital excedente, a US Investor, como Conant, desenvolveu a ideia de uma nova era que acabava de chegar aos negócios americanos: uma era de manufatura em grande escala e, portanto, de superprodução, uma era de baixa taxa de lucro, e consequente formação de trustes em busca de maiores lucros por meio da supressão da concorrência.

Como disse a US Investor: “O excesso de capital resultou em uma competição não lucrativa. Para empregar a observação espirituosa de Franklin, os donos do capital são da opinião de que devem ficar juntos ou então todos serão enforcados separadamente”. Mas enquanto as relações de confiança podem resolver o problema de indústrias específicas, elas não resolvem o grande problema de um “congestionamento de capital” geral. De fato, escreveu a US Investor, “encontrar emprego para o capital… é agora o maior de todos os problemas econômicos que enfrentamos”.

Para a US Investor, a saída era clara:

    O caminho lógico a ser seguido é o do desenvolvimento das riquezas naturais dos países tropicais. Esses países são agora povoados por raças incapazes de extrair todas as suas riquezas de seu próprio solo por sua própria iniciativa… Isso será alcançado em alguns casos pelo mero estímulo do governo e direção por homens das zonas temperadas; mas será alcançada também pela aplicação de modernas máquinas e métodos de cultura aos recursos agrícolas e minerais dos países subdesenvolvidos. (Citado em Etherington 1984, p. 17)

Na primavera de 1901, até mesmo o eminente teórico econômico John Bates Clark, da Universidade de Columbia, foi capaz de aderir ao novo credo. Examinando os trabalhos pró-imperialistas de Conant, Brooks Adams e do reverendo Josiah Strong em uma única resenha comemorativa em março de 1901 no Political Science Quarterly, Clark enfatizou a importância de abrir os mercados estrangeiros e, particularmente, de investir o capital americano “com um lucro ainda maior e mais permanente”. (Parrini e Sklar 1983, p. 565, n. 16).

J. B. Clark não foi o único economista disposto a se juntar à apologia do Estado forte. Por todo o país, na virada do século XX, uma legião de economistas e outros cientistas sociais havia surgido, muitos deles treinados em escolas de pós-graduação na Alemanha para aprender as virtudes do método indutivo, a Escola Historicista Alemã, e de um estado organicista e coletivista. Ansiosos por posições e poder compatíveis com sua formação de pós-graduação, esses novos cientistas sociais, em nome do profissionalismo e da perícia técnica, se prepararam para abandonar o velho credo do laissez-faire e assumir seus lugares como apologistas e planejadores em um novo Estado de planejamento centralizado.

O professor Edwin R. A. Seligman, da Universidade de Columbia, da proeminente família de bancos de investimento de Wall Street da J. and W. Seligman and Company, falou em nome de muitos desses cientistas sociais quando, em um discurso presidencial perante a Associação Econômica Americana em 1903, saudou o “nova ordem industrial”.[3] Seligman profetizou que, no novo século XX, a posse do conhecimento econômico daria aos economistas o poder de “controlar… e moldar” as forças materiais do progresso. Como o economista provou ser capaz de prever com mais precisão, ele seria empossado como “o verdadeiro filósofo da vida social”, e o público prestaria “deferência às suas opiniões”.

Em seu discurso presidencial de 1899, Arthur Twining Hadley, de Yale, também observou os economistas se desenvolvendo como reis filósofos da sociedade. A aplicação mais importante do conhecimento econômico, declarou Hadley, era a liderança na vida pública, tornando-se conselheiros e líderes da política nacional. “Acredito”, opinou Hadley,

    que sua maior oportunidade [dos economistas] no futuro imediato não está nas teorias, mas na prática, não com os estudantes, mas com os estadistas, não na educação de cidadãos individuais, por mais ampla e salutar que seja, mas na liderança de um corpo político organizado. (Silva e Slaughter 1984, p. 103)

Hadley observou perspicazmente que o ramo executivo do governo era particularmente suscetível a fornecer acesso a cargos e influência para conselheiros e planejadores econômicos. Anteriormente, os executivos eram impedidos de buscar tal aconselhamento especializado pela importância dos partidos políticos, seus compromissos ideológicos e sua base de massa na população votante.

Mas agora, felizmente, o crescente movimento de reforma municipal (que logo seria chamado de progressista) estava tirando o poder dos partidos políticos e colocando-o nas mãos de administradores e especialistas. O “aumento da centralização do poder administrativo [estava dando]… ao especialista uma chance justa”.

E agora, no cenário nacional, o novo salto americano para o imperialismo na Guerra Hispano-Americana estava oferecendo uma oportunidade para maior centralização, no poder executivo e, portanto, para planejamento administrativo e especializado. Embora Hadley tenha se declarado pessoalmente contrário ao imperialismo, ele instou os economistas a aproveitar essa grande oportunidade de acesso ao poder (Silva e Slaughter 1984, pp. 120-121).

A profissão econômica organizada não demorou a aproveitar essa nova oportunidade. Rapidamente, os comitês executivo e de nomeação da Associação Econômica Americana (AEA) criaram um comitê especial de cinco homens para organizar e publicar um volume sobre finanças coloniais. Como Silva e Slaughter disseram, este novo volume rapidamente reunido permitiu que a AEA mostrasse a elite dominante como a nova ciência social poderia servir aos interesses daqueles que fizeram do imperialismo uma política nacional ao oferecer soluções técnicas para os problemas fiscais imediatos das colônias, bem como fornecer justificativas ideológicas para realiza-las. (Silva e Abate, p. 133)

O presidente do comitê especial era o professor Jeremiah W. Jenks, de Cornell, o principal conselheiro econômico do governador Theodore Roosevelt. Outro membro foi o professor E. R. A. Seligman, outro importante conselheiro de Roosevelt. Um terceiro colega foi o Dr. Albert Shaw, editor influente da Review of Reviews, reformador progressista e cientista social e amigo de longa data de Roosevelt. Todos os três eram líderes de longa data da Associação Econômica Americana.

Os outros dois, líderes não pertencentes à AEA, no comitê eram Edward R. Strobel, ex-secretário de Estado adjunto e conselheiro dos governos coloniais, e Charles S. Hamlin, rico advogado de Boston e secretário adjunto do Tesouro, que há muito estava no âmbito de Morgan, e cuja esposa era membro da família Pruyn, investidores de longa data em duas empresas dominadas por Morgan: a New York Central Railroad e a Mutual Life Insurance Company of New York.

Essays in Colonial Finance (Jenks et al. 1900), o volume rapidamente reunido por esses cinco líderes, tentou aconselhar os Estados Unidos sobre a melhor maneira de administrar seu império recém-adquirido.

Primeiro, assim como o governo britânico exigiu quando os estados norte-americanos eram suas colônias, as colônias deveriam sustentar seu governo imperial por meio de impostos, enquanto o controle deveria ser rigidamente exercido pelo centro imperial dos EUA. Em segundo lugar, o centro imperial deveria construir e manter a infraestrutura econômica da colônia: canais, ferrovias e comunicações. Terceiro, onde – como foi claramente antecipado – a mão de obra nativa é ineficiente ou incapaz de gerenciamento, o governo imperial deve importar mão de obra (branca) do centro imperial. E, finalmente, como Silva e Slaughter colocam,

    as recomendações fiscais do comitê sugeriam fortemente que economistas treinados eram necessários para um império de sucesso. Eram eles que deveriam fazer um estudo aprofundado das condições locais para determinar o sistema fiscal correto, coletar dados, criar a estrutura administrativa adequada e talvez até implementá-la. Dessa forma, o comitê apoiou a visão de Hadley ao ver o imperialismo como uma oportunidade para os economistas ao identificar um grande número de cargos profissionais que seriam melhor preenchidos por eles mesmos. (Silva e Slaughter 1984, p. 135)

Com o volume escrito, a AEA buscou apoio financeiro para sua publicação e distribuição. O objetivo não era simplesmente obter o financiamento, mas fazê-lo de forma a obter o aval de membros líderes da elite dominante neste movimento ousado de capacitar economistas como conselheiros e administradores especialistas tecnocráticos no Estado-nação imperial.

A Associação Econômica Americana encontrou cinco empresários ricos para pagar dois quintos do custo total da publicação de Essays in Colonial Finance. Ao compilar o volume e depois aceitar patrocinadores corporativos, vários dos quais tinham participação econômica no novo império americano, a AEA estava sinalizando que os economistas organizados da nação eram (1) totalmente a favor do novo império americano; e (2) estavam dispostos e ansiosos para desempenhar um forte papel na assessoria e administração do império, um papel que eles prontamente e alegremente desempenharam, como veremos na seção seguinte.

Tendo em vista o papel simbólico e prático dos patrocinadores, uma lista dos cinco doadores para o volume das finanças coloniais é instrutiva.

Um deles era Isaac N. Seligman, chefe do banco de investimento J and W Seligman and Company, uma empresa com amplos interesses no exterior, especialmente na América Latina. O irmão de Isaac, E. R. A. Seligman, era membro do comitê especial de Finanças Coloniais e autor de um dos ensaios do volume.

Outro foi William E. Dodge, sócio da empresa de mineração de cobre Phelps, Dodge and Company, e membro de uma poderosa família de mineradores aliada aos Morgans.

Um terceiro doador foi Theodore Marburg, um economista que era vice-presidente da AEA na época, e também um ardente defensor do imperialismo, bem como herdeiro de uma fortuna substancial da American Tobacco Company.

O quarto foi Thomas Shearman, um apoiador do imposto único e advogado do poderoso magnata das ferrovias Jay Gould.

E por último, mas não menos importante, Stuart Wood, um industrial que tinha doutorado em economia e foi vice-presidente da AEA.

 

__________________________________

Notas

[1]    De fato, a adoção dessa teoria da suposta necessidade do imperialismo nos “últimos estágios” do capitalismo passou de pró-imperialistas como o investidor norte-americano Charles A. Conant e Brooks Adams em 1898-1899 ao marxista H. Gaylord Wilshire em 1900-1901, e por sua vez ao anti-imperialista progressista de esquerda inglês John A. Hobson, que por sua vez influenciou Lenin. Ver em particular Norman Etherington (1984; 1982, pp. 1-36).

[2] Ver também Etherington (1984, p. 24).

[3] Seligman também estava relacionado por casamento com os Loebs e com Paul Warburg da Kuhn, Loeb. Especificamente, o irmão de E. R. A. Seligman, Isaac N., era casado com Guta Loeb, irmã da esposa de Paul Warburg, Nina. Ver Stephen Birmingham (1977, apêndice).