Como a democracia fortalece o banco central

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Os povos do Ocidente estão percebendo que os cartéis de bancos centrais estão drenando suas riquezas. Esse é um movimento positivo de suma importância, e um que eu não iria querer interromper. E então vou pedir que você use esta informação com moderação (presumindo que você concorde com ela); as pessoas podem absorver apenas até certo ponto de uma só vez; além disso, elas costumam se enfurecer com o mensageiro.

A questão central aqui é que os bancos centrais tornaram-se práticos apenas através da versão moderna de democracia. Dado que “democracia” é um dogma sagrado nos dias de hoje, essa mensagem pode ser difícil de se digerir.

No entanto, o fato é que os bancos centrais e os bancos gigantes em geral eram impraticáveis ​​até que a democracia fosse instituída.

Aqui está o porquê

Antes da democracia, os empréstimos eram feitos pelos monarcas, que eram pessoalmente responsáveis ​​por seus empréstimos. Como Meir Kohn, do departamento de economia da Universidade de Dartmouth, escreve:

   A dívida de um governo territorial era essencialmente a dívida pessoal do príncipe: se ele morresse, seu sucessor não tinha obrigação de honrá-la; se ele não pagou, não havia recurso contra ele em seus próprios tribunais.

Às vezes os príncipes pagavam seus empréstimos, às vezes não. Por exemplo, os Peruzzi foram uma importante casa bancária florentina no século XIV. A certa altura, eles emprestaram a Eduardo III da Inglaterra 400.000 florins de ouro, que, por várias razões, nunca foram reembolsados. Isso levou ao colapso do Banco Peruzzi em 1343.

Os acordos eram feitos rapidamente quando um príncipe morria, é claro, mas os banqueiros tinham uma posição fraca. Para obter um acordo decente, eles provavelmente precisariam negociar os saldos e prometer mais empréstimos no futuro.

Além disso, muitos governantes simplesmente se recusavam a pagar os empréstimos que haviam tomado. O rei Filipe II da Espanha se recusou a pagar seus empréstimos pelo menos uma dúzia de vezes.

Por causa disso, o sistema bancário era seriamente limitado. Os banqueiros desenvolveram técnicas para lidar com inadimplências soberanas, é claro, mas o banco central como o conhecemos era mais ou menos impossível.

A instituição das democracias e repúblicas, no entanto, resolveu esse problema:

     Sob a democracia, os empréstimos não são debitados a um indivíduo, mas à nação como um todo.

Este dispositivo de “crédito público” torna todos os cidadãos, e seus filhos, responsáveis ​​pelo pagamento do empréstimo. Da instituição da democracia e do crédito público em diante, emprestar dinheiro a um governo dava ao banqueiro uma reivindicação legal e perpétua contra o povo. Instituído intencionalmente ou não, isso acabou sendo um acordo muito inteligente:

     A pessoa que assina o empréstimo acaba não tendo quase nenhuma responsabilidade, e chega a gastar todo o dinheiro.

Milhões de pessoas que nunca aprovaram a dívida ficam segurando a sacola e passando a obrigação para os filhos.

É assim que 30 trilhões de dólares de dívidas podem ser empilhados em cima de uma população razoável. Sob uma monarquia, isso não poderia ter acontecido.

E apenas para estabelecer isso, aqui está o que o poeta Percy Shelly escreveu (em Philosophical View) enquanto este conjunto de arranjos estava sendo montado:

    O dispositivo do crédito público foi primeiramente aplicado sistematicamente como instrumento de governo… Os ricos, não mais capazes de governar pela força, inventaram esse esquema para governar pela fraude… Os governos mais despóticos da antiguidade eram estranhos a essa invenção, que é um método compêndio de extorquir do povo muito mais do que guardas pretorianos e tribunais arbitrários… jamais poderiam esperar conseguir. Nem a monarquia persa nem o império romano, onde a vontade de uma pessoa era reconhecida como lei inapelável, jamais extorquiu a vigésima parte da proporção agora extorquida da propriedade e do trabalho dos habitantes da Grã-Bretanha.

E assim tem sido, não apenas na Grã-Bretanha, mas mais ou menos onde quer que o crédito público tenha se consolidado. Assim, os maiores banqueiros se organizaram em um sistema quase feudal, controlando o dinheiro do mundo conforme a oportunidade permitia.

Últimas palavras

Terminarei com três citações sobre os efeitos da democracia, não sobre os banqueiros, mas sobre o povo.

Em ordem, estas são de Alvin Toffler (The Third Wave), Alan Bloom (The Closing of the American Mind) e John Kenneth Galbraith (The Age of Uncertainty):

A votação forneceu um ritual em massa de segurança …. As eleições simbolicamente asseguravam aos cidadãos que eles ainda estavam no comando… As eleições tiraram o fôlego dos protestos vindos de baixo.

*

A bajulação para com aqueles que detêm o poder é um fato em todos os regimes, e especialmente em uma democracia, onde, diferentemente da tirania, há um princípio aceito de legitimidade que quebra a vontade interior de resistir.

*

Quando as pessoas depositam suas cédulas nas urnas, ficam, por esse ato, vacinadas contra o sentimento de que o governo não é seu. Elas então aceitam, em certa medida, que os erros dele são seus erros, as aberrações dele suas aberrações, que qualquer revolta será contra eles.

Para refletir.

 

 

 

Artigo original aqui