Como a Política de Estabilidade de Preços gera maior instabilidade econômica

0

Muitos economistas mainstream acreditam que a estabilidade econômica se refere à ausência de flutuações excessivas na economia geral. Uma economia com crescimento constante da produção e inflação de preços baixa e estável provavelmente seria considerada estável, enquanto uma economia com ciclos de expansão e recessão frequentes e inflação de preços variável seria vista como instável.

De acordo com o pensamento popular, um ambiente econômico estável com inflação de preços estável e crescimento estável da produção atua como um amortecedor contra choques, facilitando o planejamento das empresas. Assim, a estabilidade do nível de preços é a chave para a chamada estabilidade econômica.

Suponha que as pessoas aumentem a demanda por batatas versus tomates. Esse incremento relativo é retratado pelo aumento relativo dos preços da batata. As empresas bem-sucedidas devem prestar atenção às instruções dos consumidores demonstradas pelas mudanças nos preços relativos de bens e serviços, enquanto o não cumprimento dos desejos dos consumidores resultará no mix de produção errado de bens e serviços e levará a prejuízos. Assim, em nosso exemplo, quando as empresas atentam para as mudanças relativas nos preços, elas tomam decisões corretas.

Se o nível de preços não for estável, então a visibilidade das mudanças de preços relativos torna-se turva e, consequentemente, as empresas não podem verificar as mudanças relativas na demanda por bens e serviços e tomar decisões de produção corretas, de acordo com o mainstream econômico. Isso supostamente leva à má alocação de recursos e ao enfraquecimento dos fundamentos econômicos. Assim, mudanças instáveis ​​no nível de preços obscurecem mudanças nos preços relativos de bens e serviços. Consequentemente, as empresas supostamente terão dificuldade em reconhecer mudanças nos preços relativos quando o nível de preços estiver instável.

Essa forma de pensar justifica o mandato do banco central de buscar políticas que tragam estabilidade de preços – ou seja, um nível de preços estável, com estabilidade do nível de preços medida por índices de preços populares, como o Índice de Preços ao Consumidor (IPC). Por meio de vários métodos quantitativos, os economistas do Banco Central estabeleceram a atual política de manter a inflação de preços em 2%. Qualquer desvio significativo deste valor constitui um desvio da trajetória de crescimento da estabilidade de preços.

Observe que os formuladores de política do Banco Central estão nos dizendo que devem estabilizar o nível de preços para permitir o funcionamento eficiente da economia de mercado. Obviamente, isso é uma contradição em termos, pois qualquer tentativa de manipular o chamado nível de preços implica em interferência nos mercados e, portanto, leva a falsos sinais transmitidos por mudanças nos preços relativos.

A política de estabilidade de preços leva a mais instabilidade

Suponha que a taxa do chamado nível de preços diminua visivelmente, então, para evitar esse declínio, o Banco Central despeja agressivamente dinheiro no sistema bancário. Devido a esta política, o nível de preços se estabiliza ao longo do tempo.

Devemos considerar isso como uma ação de política monetária bem-sucedida? A resposta é categoricamente não. Dado que a injeção monetária desencadeia o desvio de riqueza de atividades geradoras de riqueza para atividades não geradoras de riqueza, essa política enfraquece o processo de geração de riqueza e leva a um empobrecimento econômico.

Note-se que o empobrecimento econômico ocorreu apesar da estabilidade do nível de preços. Observe também que, para alcançar a estabilidade de preços, o Banco Central projetou um aumento na taxa de crescimento da oferta monetária.

As flutuações na taxa de crescimento da oferta de moeda são importantes. Isso põe em movimento a ameaça do ciclo de expansão e retração, independentemente da estabilidade do nível de preços.

Embora seja provável que aumentos na oferta de moeda sejam revelados em aumentos gerais de preços, esse nem sempre precisa ser o caso. Os preços são determinados por fatores reais e monetários. Consequentemente, se os fatores reais estão puxando as coisas na direção oposta aos fatores monetários, nenhuma mudança visível nos preços pode ocorrer.

Embora o crescimento monetário seja dinâmico, os preços podem apresentar aumentos moderados. Claramente, se prestarmos atenção ao chamado nível de preços e desconsiderarmos os aumentos na oferta de moeda, chegaríamos a conclusões equivocadas sobre o estado da economia.

O nível de preço não pode ser determinado conceitualmente

Toda a ideia do poder de compra geral da moeda e, portanto, do nível de preços não pode ser nem mesmo conceitualmente estabelecida. Quando um dólar é trocado por um pão, podemos dizer que o poder de compra de um dólar é um pão. Se um dólar é trocado por dois tomates, isso também significa que o poder de compra de um dólar é de dois tomates.

A informação relativa ao poder de compra específico da moeda não permite, contudo, estabelecer o poder de compra total da moeda. Não é possível determinar o poder de compra total do dinheiro porque não podemos somar dois tomates e um pão.

Só podemos estabelecer o poder de compra do dinheiro em relação a um bem específico em uma transação em um determinado momento e em um determinado local. Sobre isso Murray N. Rothbard escreveu:

     Uma vez que o valor-de-troca geral, ou PCM, do dinheiro não pode ser definido e isolado quantitativamente em qualquer situação histórica, e suas mudanças não podem ser definidas ou mensuradas, é óbvio que não pode ser mantido estável. Se não sabemos o que é algo, não podemos agir muito bem para mantê-lo constante.

Agora, a política monetária do Banco Central que visa estabilizar o nível de preços por implicação afeta a taxa de crescimento da oferta de moeda – uma vez que uma política do banco central equivale à adulteração de preços relativos, o que leva à ruptura da alocação eficiente de recursos. Como resultado, uma política de estabilização de preços leva à superprodução de alguns bens e à subprodução de outros bens. Isso, no entanto, não é o que os estabilizadores estão nos dizendo. Em vez disso, eles sustentam que o maior mérito de estabilizar as mudanças no nível de preços é permitir flutuações livres e transparentes nos preços relativos, o que, por sua vez, leva à alocação eficiente de recursos escassos.

A estabilidade econômica não tem nada a ver com a estabilização da economia

Acreditamos que a estabilidade econômica não significa manter os preços estáveis, mas sim manter livres as flutuações de preços. Flutuações livres nos preços relativos somente podem ocorrer em um ambiente sem a manipulação do governo e do banco central na economia

Isso, por sua vez, permite que as empresas sigam as instruções dos consumidores, o que resulta em uma alocação eficiente de recursos escassos. Sugerimos que as flutuações nos preços refletirão mudanças nas condições relativas de oferta e demanda.

Resumo e conclusão

A maioria dos economistas acredita que a estabilidade de preços é a chave para fundamentos econômicos saudáveis. Um nível de preços estável, afirma-se, leva ao uso eficiente dos recursos escassos da economia e, portanto, resulta em melhores fundamentos econômicos. Não é de surpreender que o mandato do Banco Central seja buscar políticas que gerem estabilidade de preços.

Ao tentar estabilizar o nível de preços, o Banco Central mina os fundamentos econômicos. Uma interferência cada vez maior do governo e do banco central no funcionamento dos mercados leva a economia a um empobrecimento econômico persistente, resultando em padrões de vida mais baixos.

 

 

 

Artigo original aqui

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.