O caminho para o totalitarismo (reexaminado)

1

Parece que finalmente acabou, não é, toda essa coisa de “pandemia apocalíptica”? Quero dizer, realmente, realmente acabou desta vez. Não como todas as outras vezes em que você pensou que tinha acabado, mas não tinha, e foi como o fim daqueles filmes do Alien, onde parece que Ripley finalmente escapou, mas o alienígena está escondido na nave, ou na cápsula de fuga, ou no trato intestinal de Ripley.

Mas desta vez não parece assim. Desta vez parece que realmente acabou. Saia e dê uma olhada ao redor. Quase ninguém mais está usando máscaras (exceto onde as máscaras são obrigatórias) ou sendo coagido a se submeter a “vacinações” (exceto onde a “vacinação” é obrigatória), e as hordas de fanáticos do Novo Normal tomados pelo ódio que exigiam que “os não vacinados” fossem segregados, censurados, demitidos de seus empregos e demonizados e perseguidos, todos ficaram em silêncio (exceto aqueles que não ficaram).

Tudo voltou ao normal, certo?

Errado. Nem tudo voltou ao normal. Tudo está absolutamente Novo Normal. O que acabou é a fase de “choque e pavor”, que não deveria mesmo durar para sempre. O objetivo sempre foi apenas nos trazer até aqui.

Onde, você provavelmente está se perguntando, é “aqui”? “Aqui” é um lugar onde a nova ideologia oficial foi firmemente estabelecida como nossa nova “realidade”, implantada no tecido da vida cotidiana normal. Não, não em todos os lugares, apenas em todos os lugares que importam. (Você realmente acha que as classes dominantes capitalistas globais se importam com o que as pessoas em Lakeland, Flórida, Elk River, Idaho ou em algum vilarejo na Sicília acreditam sobre a “realidade”?) Sim, a maioria das restrições do governo foi cancelada, principalmente porque não são mais necessárias, mas nos centros de poder em todo o Ocidente, nas esferas política, corporativa e cultural, no mundo acadêmico, na grande mídia e assim por diante, o Novo Normal tornou-se “realidade” ou, em outras palavras, “apenas o do jeito que as coisas são”, que é o objetivo final de toda ideologia.

Por exemplo, acabei de encontrar esta “informação importante sobre o COVID-19”, da qual você precisa estar ciente (e aderir estritamente) se quiser assistir a uma apresentação neste teatro off-Broadway na cidade de Nova York, onde “tudo voltou ao normal.”

Eu poderia citar inúmeros outros exemplos, mas não quero desperdiçar seu tempo. À esta altura, não é a máscara e as próprias exigências de “vacinação” que são importantes. Elas são simplesmente os símbolos e rituais da nova ideologia oficial, uma ideologia que dividiu as sociedades em duas categorias irreconciliáveis ​​de pessoas: (1) aquelas que estão preparadas para conformar suas crenças à narrativa oficial do dia, não importa o quão flagrantemente ridícula seja, e bater continência e seguir as ordens do establishment dominante capitalista global, não importa o quão destrutivo e fascista eles possam ser; e (2) aquelas que não estão preparadas para isso.

Vamos chamá-las de “Normais” e “Desviantes”. Acho que você sabe qual você é.

Essa divisão da sociedade em duas classes de pessoas opostas e irreconciliáveis ​​atravessa e substitui as antigas linhas políticas. Existem Normais e Desviantes tanto na Esquerda quanto na Direita. O establishment dominante capitalista global não se importa se você é um “progressista”, ou um “conservador”, ou um “libertário”, ou um “anarquista”, ou o que quer que você chame a si mesmo. O que importa para eles é se você é um Normal ou um Desviante. O que importa para eles é se você seguirá as ordens. O que importa é se você está conformando suas percepções, comportamento e pensamento à nova “realidade” deles… a “realidade” capitalista global hegemônica que vem evoluindo gradualmente nos últimos 30 anos e agora está entrando em seu estágio totalitário.

Venho escrevendo sobre a evolução do capitalismo global em meus ensaios desde 2016 – e desde o início dos anos 1990 em minhas peças teatrais – então não vou reiterar toda a história aqui. Os leitores que acabaram de sintonizar minha sátira política e comentários durante os últimos dois anos podem voltar e ler os ensaios em Trumpocalypse (2016-2017) e The War on Populism (2018-2019).

A versão curta é que, em 2016, a GloboCap estava rolando, desestabilizando, reestruturando e privatizando o planeta que passou a ser uma posse unicamente sua, sem adversários quando a União Soviética finalmente entrou em colapso, e tudo estava ótimo, e então veio o Brexit, Donald Trump e toda a rebelião “populista” e neonacionalista contra o globalismo em todo o Ocidente. Então, a GloboCap precisava lidar com isso, que é o que vem fazendo nos últimos seis anos… sim, nos últimos seis anos — não apenas nos últimos dois anos e meio.

A guerra contra a dissidência não começou com a Covid e não vai terminar com a Covid. A GloboCap (ou “a corporatocracia”, se preferir) vem deslegitimizando, demonizando e fazendo desaparecer a dissidência e impondo cada vez mais uniformidade ideológica na sociedade ocidental desde 2016. O Novo Normal é apenas o último estágio disso. Assim que acabar com essa rebelião “populista” e impor uniformidade ideológica à sociedade urbana em todo o Ocidente, voltará a desestabilizar, reestruturar e privatizar o resto do mundo, que é o que estava fazendo com a “Guerra ao Terror ” (e outros projetos de promoção da “democracia”) de 2001 a 2016.

O objetivo desta campanha Gleichschaltung global é o objetivo de todo sistema totalitário, ou seja, tornar patológico todo e qualquer desvio de sua ideologia oficial. A natureza do desvio não importa. A ideologia oficial não importa. (A GloboCap não tem ideologia fixa. Pode mudar abruptamente sua “realidade” oficial do dia a dia, como temos vivenciado recentemente). O que importa é a vontade ou a falta de vontade de se conformar com qualquer que seja a “realidade” oficial, por mais ridícula que seja, e quantas vezes ela foi refutada, e às vezes até reconhecida como ficção pelas próprias autoridades que, no entanto, continuam a afirmar sua “realidade.”

Vou dar mais um exemplo concreto.

Depois que me deparei com as “restrições da Covid” (ou seja, o sistema de segregação social) ainda sendo aplicadas por aquele teatro off-Broadway, me deparei com este artigo na Current Affairs sobre o oráculo Yuval Noah Harari, o escritor cujo artigo menciona en passant que algo entre 6 milhões e 12 milhões de pessoas “morreram de Covid”, como se isso fosse um fato, um fato que ninguém em sã consciência questionaria. E é um fato, oficialmente, em nossa nova “realidade”, apesar do fato (ou seja, o fato real) de que – como até mesmo as “autoridades de saúde” admitiram – qualquer um que morresse de qualquer coisa em um hospital após testar positivo foi registrado como uma “Morte por covid19.”

É assim que a “realidade” (isto é, a “realidade” oficial, a “realidade” consensual) é fabricada e policiada. Ela é fabricada e policiada, não apenas pela mídia, corporações, governos e entidades governamentais não-governamentais, mas também (e, em última instância, de forma mais efetiva) pela constante repetição de narrativas oficiais como fatos axiomáticos inquestionáveis.

Em nossa nova e brava “realidade” capitalista global totalitária, qualquer um que questione ou desafie tais “fatos” imediatamente se torna um “Desviante” e é excomungado da sociedade “Normal”. Sério, apenas por diversão, tente conseguir um emprego em uma corporação, ou uma universidade, ou um papel em um filme ou peça da Broadway, ou publicar um livro com uma grande editora, ou uma bolsa de pesquisa, etc., sendo honesto sobre suas crenças sobre Covid. Ou, se você é um jornalista “respeitável”, sabe, com agentes literários e de oratória, contratos de livros, gerentes pessoais e assim por diante, vá em frente, relate os fatos (ou seja, os fatos reais, que você sabe que estão lá, mas que você tem evitado como uma praga nos últimos dois anos), e veja sua carreira ser violentamente sugada pelo ralo como um cocô no banheiro de um avião.

Essa última parte foi destinada a “profissionais urbanos”, que ainda têm carreiras, ou aspiram a carreiras, ou ainda investem em membros remanescentes em boa posição da sociedade “Normal”, ou seja, não vocês na Flórida e Idaho, ou meus colegas literários e artísticos “Desviantes”.

Nós praticamente queimamos nossas pontes neste ponto. A menos que você esteja preparado para se foder, fazer gaslighting em você mesmo, confessar e se converter, não há como voltar à sociedade “normal” (para a qual não poderíamos voltar de qualquer maneira, por conta de como ela não existe mais) .

Percebo que muitas pessoas provavelmente estão ansiosas por isso … pelo dia em que os Normais finalmente “acordarão” e encararão os fatos, e a verdade prevalecerá, e retornaremos a algo parecido com a normalidade. Isso não vai acontecer. Nós não vamos voltar. Os Normais nunca vão “acordar”. Porque eles não estão dormindo. Eles não estão hipnotizados. Eles não vão “cair em si” um dia e assumir a responsabilidade pelo dano que causaram. Claro, eles vão se desculpar por seus “erros” e admitir que possivelmente “exageraram”, mas a narrativa oficial da pandemia de Covid e a nova “realidade” que ela deu origem permanecerão em vigor, e eles defenderão ambos com a vida deles.

Ou melhor, defenderão ambos com nossas vidas.

Se você acha que estou sendo hiperbólico, bem, considere os epítetos que a GloboCap condicionou os Normais a usar para nos demonizar … “teórico da conspiração”, “negacionista da ciência”, “insurrecionista”, “extremista”, “terrorista doméstico violento”. Nenhum dos quais significa uma ideologia política ou qualquer posição política ou crítica. Eles significam desvio da norma. Qualquer tipo de desvio da norma. São termos táticos, desprovidos de significado, destinados a apagar o caráter político da oposição diversa ao capitalismo global (ou “globalismo”, se você for sensível à palavra “capitalismo”), para nos amontoar em um grande balde de “desvio.”

Geralmente não é um bom presságio quando nações – ou sistemas de poder global supranacionais totalmente eximidos de responsabilidade pelos seus atos ​​– de repente chutam o “balde de desvio”. Geralmente é um sinal de que as coisas vão ficar feias, feias de uma forma totalitária, que é exatamente o que vem acontecendo nos últimos seis anos.

Em julho de 2021, no auge do frenesi de ódio fascista do Novo Normal, com os militares impondo “restrições Covid”, um sistema de segregação global sendo implementado e pessoas ameaçando me decapitar por me recusar a ser “vacinado”, publiquei um artigo chamado O caminho para o totalitarismo. Ainda estamos nesse caminho. Tanto os Normais quanto nós os Desviantes. Estamos nesse caminho há algum tempo, mais do que a maioria de nós provavelmente imagina. O tempo melhorou, ligeiramente. A paisagem da janela mudou. O destino não. Eu não vi nenhuma saída. Se você ver alguma, você me avisa?

 

 

 

Artigo original aqui

Artigo anteriorOs perigos das leis de calúnia e difamação
Próximo artigoComo a Política de Estabilidade de Preços gera maior instabilidade econômica
é um dramaturgo, romancista e satírico político premiado. Suas peças foram produzidas e fizeram turnê em teatros e festivais, incluindo Riverside Studios (Londres), 59E59 Theatres (Nova York), Traverse Theatre (Edimburgo), Belvoir St. Theatre (Sydney), o Du Maurier World Stage Festival (Toronto), Needtheater (Los Angeles), 7 Stages (Atlanta), Festival Fringe de Edimburgo, Adelaide Fringe, Festival de Brighton e Festival Noorderzon (Holanda), entre outros. Seus prêmios de redação incluem o 2002 First of the Scotsman Fringe Firsts, o Scotsman Fringe Firsts em 2002 e 2005 e o 2004 de Melhor peça de Adelaide Fringe. Sua sátira política e comentários foram apresentados no NPR Berlin, no CounterPunch, ColdType, The Unz Review, OffGuardian, ZeroHedge, Dissident Voice, The Greanville Post, ZNet, Black Agenda Report e outras publicações, e foram amplamente traduzidos.

1 COMENTÁRIO

  1. jimi dore show no rumble pelo menos ainda mexe nas feridas dos “novos normais”, mas também não vejo outra saída. esse é o grande filtro?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.