Como “destruir o coronavírus com a ciência”

1
Tempo estimado de leitura: 11 minutos

Um guia de instruções para derrotar o COVID

“Se tivéssemos feito ISSO, poderíamos ter vencido o COVID”

“Se tivéssemos uma liderança federal melhor, poderíamos ter sido como ESTE país”

“Apenas fazendo essas duas coisas simples como ESTE país, poderíamos ter ERRADICADO COVID e TERMINADO A PANDEMIA”

Soa familiar?

É porque ouvimos alguma versão dessas declarações repetidas ad nauseam nos últimos dois anos.

Seja de grandes meios de comunicação, “especialistas” do Twitter e médicos, políticos ou ativistas com credenciais – com exceção de algumas vozes corajosas que conseguiram escapar da censura, todos eles tentaram incansavelmente retratar os Estados Unidos ou o Reino Unido ou outros países como um desajustado estúpido.

Se as pessoas tivessem sido mais virtuosas e dedicadas à ação coletiva, se apenas as “mitigações comprovadas que sabemos que funcionam” baseadas na ciência tivessem sido obedecidas com maior vigor, poderíamos ter interrompido a propagação do vírus e encurtado drasticamente a pandemia. Basta ouvir o primeiro-ministro da Islândia:

    “Se eu pensar nessa pandemia, o que realmente se destaca é, na verdade, como o público islandês participou, como as pessoas realmente confiaram nos conselhos dos especialistas e cientistas”, disse Jakobsdóttir. “Elas realmente mudaram seu comportamento.”

A crônica das muitas versões dessas declarações levaria anos. Há uma quantidade ilimitada de superioridade imerecida para revisitar. Mas após os resultados desastrosos de Israel, agora estamos vendo talvez o exemplo mais gritante do absurdo absoluto da hipérbole “ESTE país venceu o COVID!”.

Vários meios de comunicação tentaram explicar como a Islândia fez todas as coisas certas – que seguiu a ciência, que “venceu o coronavírus”.

Essas explicações… não envelheceram bem.

The New Yorker: como a Islândia venceu o coronavírus

“O país não conseguiu apenas achatar a curva; praticamente a eliminou.”

“Ele praticamente eliminou” a curva.

Isso soa impressionante! Vamos dar uma olhada em como eles conseguiram “vencer” o COVID!

    A equipe de rastreamento também continuou crescendo, até ter cinquenta e dois membros. Eles trabalhavam em turnos fora das salas de conferência de um hotel em Reykjavík que havia fechado por falta de turistas. Para encontrar pessoas que foram expostas, membros da equipe escanearam passageiros de aviões e imagens de câmeras de segurança. Eles tentaram identificar quem estava sentado ao lado de quem nos ônibus e nas salas de aula. Um homem que adoeceu recentemente assistiu a um concerto. A única pessoa com quem ele se lembrava de ter tido contato enquanto estava ali era sua esposa. Mas a equipe de rastreamento fez algumas investigações e descobriu que depois do show houve uma recepção.

“Nesta reunião, as pessoas estavam se abraçando e comendo nas mesmas bandejas”, me disse Pálmason. “Então a decisão foi tomada – todos eles entram em quarentena.” Se você estava voltando para a Islândia do exterior, também recebeu uma ligação: coloque-se em quarentena. Ao mesmo tempo, o país estava testando agressivamente o vírus – em uma base per capita, na taxa mais alta do mundo.

Ah sim! O antigo método testado e comprovado de teste e rastreamento de contatos, que é exatamente a mesma estratégia que o CDC não recomenda mais.

E não apenas qualquer teste e rastreamento, mas a maior taxa de teste per capita do mundo! Estou confiante de que será capaz de prevenir surtos com sucesso por dois anos!

O próximo parágrafo contém algumas revelações interessantes sobre como a mídia percebeu o COVID na época e hoje:

    A Islândia nunca impôs um lockdown. Apenas alguns tipos de negócios – boates e salões de beleza, por exemplo – foram fechados. Quase ninguém em Reykjavík usa máscara. E, no entanto, em meados de maio, quando fui falar com Pálmason, a equipe de rastreamento quase não tinha mais ninguém para rastrear. Durante a semana anterior, em toda a Islândia, apenas dois novos casos de coronavírus foram confirmados. O país não conseguiu apenas achatar a curva; parecia que a havia praticamente eliminado.

Observe a declaração significativa: “Quase ninguém em Reykjavík usa uma máscara”.

Então, uh… por que você estava tão obcecado em promover máscaras esse tempo todo? A The New Yorker escreveu um artigo inteiro chamado “O experimento pandêmico da Suécia”, onde eles repetidamente referenciavam a falta de uso de máscara.

Se eles estavam tão convencidos de que a Islândia “praticamente eliminou” o coronavírus sem uso de máscara, por que eles estavam se esforçando tanto para promover seu uso?

Outro dos elementos interessantes deste parágrafo é a incapacidade de entender a importância dos impactos sazonais na disseminação do COVID.

Em meados de maio de 2020, havia muito poucos casos em áreas como Nova York e Nova Jersey que implementaram lockdowns rigorosos, decretos de máscaras e rastreamento agressivo de contatos. A Califórnia teve poucos casos com decretos de máscara na costa, juntamente com o “exército” de rastreadores de contato de Gavin Newsom. Mas também houve poucos casos em estados como Arizona e Flórida, bem como em países como a Suécia, com estratégias totalmente diferentes.

Não deveria ser óbvio que não faz sentido tentar dizer que a “eliminação” do COVID foi por causa de políticas, considerando quantas áreas viram os casos entrarem em colapso sem as mesmas políticas?

Mas, como um pesquisador de genômica entrevistado na reportagem destaca tão sucintamente, eles simplesmente não podem deixar de dar crédito as políticas e as autoridades de saúde pública:

    “E acho que as autoridades fizeram praticamente tudo certo.” Em outro momento, ele me disse: “O notável em todo esse caso é que na Islândia ele foi administrado inteiramente pelas autoridades de saúde pública. Eles criaram o plano e simplesmente o instituíram. E tivemos a sorte de que nossos políticos conseguiram se controlar.”

E a parte mais incrível disso é que um dos arquitetos de sua tão alardeada resposta realmente acreditou na propaganda da China:

    Vimos o que estava acontecendo na China”, lembrou ela. “Vimos as fotos de pessoas mortas nas emergências, e até mesmo na rua.

Porém, para ser justo, eles também fizeram referência a quão pouco seria o uso de máscara:

    Perguntei a Möller sobre máscaras. Em Massachusetts, uma ordem executiva emitida pelo governador exige que as máscaras sejam usadas por qualquer pessoa que entre em uma loja, pegue um táxi ou use o transporte público, e os infratores podem ser multados em até trezentos dólares. Na Islândia, as máscaras nem fazem parte do debate público. Möller disse que usar uma pode ser aconselhável para uma pessoa doente e tossindo, mas essa pessoa não deveria estar andando em público de qualquer maneira. “Achamos que elas não acrescentam muito e podem dar uma falsa sensação de segurança”, disse ela. “Além disso, as máscaras funcionam por algum tempo e depois ficam molhadas e não funcionam mais”.

Novamente, como o mesmo veículo começou elogiando a Islândia, onde eles disseram especificamente que o uso de máscara seria de pouco impacto, para implacavelmente pedindo mais uso de máscara? Como a mídia afirma simultaneamente que a Islândia eliminou essencialmente o vírus sem máscara e, em seguida, faz um giro de 180 graus e diz que o Japão e a Coréia do Sul o controlaram devido ao uso de máscara?

Como eles não entendem que, se ambas as estratégias parecem ser bem-sucedidas, as políticas podem não ser a razão do sucesso? Isto é impressionante, uma ignorância e incompetência imperdoáveis.

Mas isso não é nada comparado à revista Nature.

Nature: “Como a Islândia destruiu o COVID com a ciência”

Talvez o alvo favorito da mídia durante o primeiro ano da pandemia tenha sido a falta de “liderança federal” nos EUA em 2020. Só se pode imaginar por que eles escolheram criticar o ex-presidente e ignorar que muitos outros países tiveram resultados semelhantes ou piores.

É claro que a Nature não se esquivou de culpar o governo anterior ao descrever como a “ciência” da Islândia os ajudou a combater o vírus:

    A mesma abordagem poderia funcionar em outros países que possuem recursos adequados, como os Estados Unidos, onde foram desenvolvidos todos os métodos que o deCODE está usando atualmente, diz Stefánsson. De fato, no início da pandemia, muitos laboratórios dos EUA se voltaram para oferecer testes de coronavírus, mas foram impedidos por obstáculos regulatórios e administrativos, que os críticos atribuem à falta de liderança federal. “Esta foi uma oportunidade maravilhosa para a academia nos Estados Unidos mostrar seu valor, e isso não aconteceu”, diz Stefánsson. “Eu fiquei surpreso.”

Claro, o epidemiologista chefe também deu crédito a seu programa de rastreamento de contatos:

    “Decidimos desde o início que usaríamos isolamento, quarentena e rastreamento de contatos”, diz Þórólfur Guðnason, epidemiologista-chefe da Direção de Saúde.

O que também é consistente na mídia é sua verificação de fatos incrivelmente ruim – lembre-se de como a The New Yorker disse “A Islândia nunca teve um lockdown?”

Bem, em seu artigo, a Nature descreveu como pesquisadores na Itália examinaram o impacto de seu lockdown na redução da transmissão e como isso se relacionava com a Islândia:

    O governo local concordou. Com base nos resultados das duas rodadas de testes, os pesquisadores descobriram que o lockdown e o isolamento reduziram a transmissão em 98% e – de acordo com os resultados da Islândia.

Então, como os lockdowns na Islândia reduziram a transmissão em 98% quando não houve lockdown?

Mas espere, tem mais!

Apenas alguns meses depois que a The New Yorker descreveu em detalhes como seus cientistas eram contra o uso de máscaras, sugerindo que isso só daria às pessoas uma falsa sensação de segurança sem nenhum benefício significativo, a Nature disse o contrário:

    Em outubro, o coronavírus estava mais difundido na comunidade do que na primeira onda, atingindo uma taxa de 291 infecções por 100.000 pessoas em duas semanas. Em 17 de outubro, o número de infecções ativas finalmente começou a diminuir, o que os pesquisadores atribuem a procedimentos generalizados de testes, rastreamento e quarentena, bem como novas restrições governamentais e ênfase no uso de máscaras.

Muitas vezes, perguntamos e tentamos responder à pergunta: por que os especialistas usaram máscaras – eis a resposta: Pânico. Os números sobem, quebram recordes e tentam desesperadamente qualquer coisa, mesmo algo que sabem que não vai funcionar.

Mas talvez funcione desta vez!

Não.

Assim como seus cientistas declararam no início de 2020, o uso de máscaras não fez diferença.

O aumento atual faz com que os anteriores pareçam solavancos insignificantes. Atualmente, eles estão relatando uma das maiores taxas de casos ajustadas à população que já vimos em qualquer lugar do mundo. Os casos aumentaram quase 8.900% após a introdução do decreto de máscaras e dos limites de capacidade (entre outras restrições). Viu quão importante é a liderança federal?

Esse mesmo cenário se repetiu várias vezes – políticos e especialistas entram em pânico e correm para forçar medidas que sabem que não funcionarão. E adivinha? Elas não funcionam.

Os casos na Islândia agora são 1.109.775% maiores do que quando a The New Yorker afirmou que seu rastreamento de contatos, isolamento e testes líderes mundiais os ajudaram a “vencer o COVID”. Eles são 25.268% mais altos do que quando a Nature disse que sua ciência do aumento do uso de máscaras, isolamento, quarentena e políticas de rastreamento de contatos forçaram o vírus à submissão.

Como alguém ainda acredita que a política COVID funciona?

Mas a Islândia não apenas mostra o quão completamente absurdo era (e é!) dizer que intervenções políticas foram o que controlaram o COVID, e também ilustra o quão incompetente um dos principais especialistas do mundo é em seu trabalho literal.

    “Se atingirmos a meta do presidente – que acredito que atingiremos – de conseguir que 70% das pessoas recebam pelo menos uma dose, ou seja, os adultos, até 4 de julho, haverá proteção suficiente na comunidade que eu realmente não vejo o risco de um aumento”, disse Fauci.

Ele acrescentou que, com vacinas que são “altamente eficazes como essas… você obtém uma proporção substancial da população vacinada, as chances de haver um aumento são extraordinariamente baixas, quero dizer, muito, muito baixas”.

No início deste mês, Fauci disse que, se o governo Biden atingisse sua meta de vacinar 70% da população com pelo menos uma dose até 4 de julho, poderia transformar os surtos de COVID-19 em “marolinhas”.

Quão bem isso funcionou na Islândia?

Maravilha. O que dizer sobre isso.

Pouco depois de Fauci fazer essas observações, 70% dos adultos da Islândia foram totalmente vacinados.

Mais de 85% dos adultos na Islândia tomaram uma dose de reforço. Não apenas uma dose, mas três doses.

Os casos são 3x maiores do que nunca nos EUA. É quase impossível estar mais errado sobre algo do que Fauci sobre altas taxas de vacinação prevenindo surtos.

37% do país testou positivo para COVID.

95% dos quais receberam seu teste positivo depois que Fauci afirmou que altas taxas de vacinação impediriam os surtos:

E, ao contrário da desinformação desenfreada espalhada por meios de comunicação e políticos, não é uma “pandemia de não vacinados”; os vacinados geralmente têm taxas de incidência de casos mais altas do que os não vacinados:

Adultos totalmente vacinados tiveram taxas mais altas do que aqueles não totalmente vacinados durante todo este último surto dramático.

As crianças totalmente vacinadas atualmente têm uma taxa de incidência mais alta do que aquelas que não são totalmente vacinadas, embora as crianças não vacinadas tenham tido um pico recente mais alto.

As taxas de reforço são as mais baixas, mas elas tiveram muito menos tempo para serem infectados, já que as taxas de reforço não passaram de 50% até meados de dezembro.

Parece haver um benefício significativo visível nas taxas de hospitalização, mas bizarramente, adultos com reforço superam em muito aqueles que não estão “em dia” com seu calendário de vacinação:

As taxas de hospitalização entre aqueles com uma dose de reforço estão quase no mesmo nível que os adultos não vacinados estavam há apenas algumas semanas.

As mortes também aumentaram – são as mais altas desde o início da campanha de vacinação, embora felizmente ainda sejam muito baixas em comparação com muitos outros países:

E, claro, as mortes na Islândia sempre foram baixas. Eles relataram apenas 29 mortes relacionadas ao COVID no país até o final de 2020. Eles relataram 36 desde então.

As reportagens da mídia sobre a Islândia têm sido exemplares.

Para recapitular, eles creditaram a liderança federal, rastreamento de contatos, quarentenas, isolamento e, claro, o uso de máscaras para controlar, eliminar e “destruir” a propagação do vírus.

Eles ignoraram as implicações óbvias de seus próprios relatórios; que era impossível dizer que a política COVID obteve sucesso precoce quando os países que pareciam controlar o COVID tinham estratégias variadas.

Sua hipérbole foi então superada pela zelosa promoção de vacinação de Anthony Fauci para controlar surtos com alvos específicos a serem alcançados, a fim de tornar o risco de um surto “extraordinariamente baixo”.

Mas agora tudo desmoronou. A Islândia tem a maior taxa de casos atual do mundo. 37% da população (até agora) recebeu um teste COVID positivo. As taxas de casos entre adultos totalmente vacinados são maiores do que adultos não vacinados, e aqueles com uma dose de reforço têm taxas de hospitalização semelhantes.

Os decretos de máscara fracassaram completamente, assim como os limites de capacidade e seu alardeado rastreamento de contatos.

Todos os métodos usados ​​​​para tentar “controlar” o COVID fracassaram, mesmo com liderança federal impecável, cumprimento da população e ampla aceitação das regras.

E a Islândia, para seu crédito, reconheceu a realidade e aceitou que não há como “acabar com a pandemia” com vacinação e restrições:

    “A resistência social generalizada ao COVID-19 é a principal rota de saída da epidemia”, disse o ministério em comunicado, citando autoridades de doenças infecciosas.

“Para conseguir isso, o maior número possível de pessoas precisa estar infectado com o vírus, pois as vacinas não são suficientes, embora ofereçam boa proteção contra doenças graves”, acrescentou.

É literalmente impossível “destruir o COVID com a ciência”. A Ciência™ não funciona. Nunca funcionou e nunca funcionará. “Acreditar” na ciência é um slogan sem sentido, criado por políticos, especialistas e um grande subconjunto da população desesperada para justificar o senso imerecido de auto-importância que eles recebem por se alinharem ao conjunto correto de ideais políticos socialmente aceitáveis.

Mesmo as áreas que mais fervorosamente “acreditavam na ciência”, que não tinham um presidente ruim interferindo no trabalho dos especialistas, viram as curvas explodirem a níveis anteriormente inimagináveis.

A única saída é seguir em frente. Sem tentar destruir nada.

 

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO