Como os bilionários usam o estado contra o povo

0
Tempo estimado de leitura: 8 minutos

Nos últimos anos, parece que os CEOs e bilionários do país estão cada vez mais dispostos a abandonar a pretensão de serem empresários politicamente neutros que simplesmente querem cuidar de seus negócios.

Na semana passada, por exemplo, mais de uma centena de CEOs se reuniram para planejar maneiras de punir o povo do estado da Geórgia “interrompendo os investimentos em estados” que aprovam leis não aprovadas pela classe bilionária.

Isso vem na sequência de uma decisão da Major League Baseball – um grupo de times esportivos de propriedade de bilionários – de punir os residentes da Geórgia pelo fato de um pequeno número de políticos aprovar leis destinadas a diminuir a fraude eleitoral. Em retaliação, a MLB decidiu mudar o local do jogo das estrelas da liga para negar aos residentes de Atlanta os benefícios econômicos de receberem o jogo.

Isso aconteceu apenas alguns anos depois que o CEO da Apple, Tim Cook, liderou uma campanha corporativa para boicotar o estado de Indiana, depois que Cook e Marc Benioff (o CEO da Salesforce) exigiram que o povo de Indiana fosse punido. Isso ocorreu porque a legislatura de Indiana aprovou uma lei que alguns bilionários consideraram insuficientemente pró-LGBT.

Esses exemplos, no entanto, constituem apenas uma pequena e relativamente inócua parte do esquema político e do lobby em que CEOs, bilionários e investidores se envolvem rotineiramente.

Certamente, CEOs ricos ficam felizes em investir na busca por políticas sociais de que gostam. Mas enquanto os apelos dos CEOs por boicotes e retribuição contra populações inteiras de vários estados geram boas manchetes e programas de rádio, a classe bilionária inflige muito mais danos as pessoas comuns por outros meios.

Não é raro encontrar grandes interesses corporativos como grandes bancos, empresas do Vale do Silício e investidores de Wall Street exigindo uma ampla variedade de políticas que transferem riqueza do público em geral para os bolsos bem alinhados das classes endinheiradas. Isso pode incluir políticas monetárias que beneficiam os mais ricos, bem como políticas fiscais e regulamentações que favorecem grandes empresas bem estabelecidas às custas de todos os outros.

Infelizmente, isso não é novidade, e sempre foi o caso dos grupos de pressão bem-sucedidos que tentam transformar seus recursos financeiros em poder político.

Mercados Livres vs. Plutocracia

O perigo potencial dessa situação não passou despercebido pelos liberais clássicos (ou seja, os libertários) de gerações passadas, que se opunham aos “privilegiados” entre os ricos que buscavam exercer o poder político.

Especificamente, foram os jeffersonianos, os jacksonianos e outros defensores do livre mercado e do laissez-faire que atacaram esses grupos endinheirados sob uma variedade de nomes. Nomes como “corretores de ações”, “nova aristocracia”, “nobreza do scrip” e “plutocracia” foram todos empregados para chamar a atenção para uma elite rica que manipula o Congresso e o banco central em esquemas de exploração econômica.

Os Liberais Clássicos e a exploração econômica

Esta linguagem de “exploração” pode parecer estranha a alguns leitores. Infelizmente, uma certa visão ingênua das classes sociais se tornou popular entre alguns conservadores e libertários que pensam que o conceito de “guerra de classes” foi inventado pelos marxistas. Além disso, alguns até insistem que as classes ricas não representam nenhuma ameaça às instituições políticas ou de mercado, e que os ricos procuram apenas cuidar de seus próprios negócios.

Mas, como explicou o historiador Ralph Raico, a ideia de exploração de uma classe por outra foi, de fato, iniciada pelos liberais clássicos. Foram esses liberais que entenderam bem que o poder do estado poderia ser aproveitado por um grupo com o propósito de extrair recursos de outro grupo. Entregue a si mesmo, é claro, o mercado não estimula a exploração, pois as atividades do mercado são voluntárias. Uma vez que o estado esteja envolvido, entretanto, o poder coercitivo do regime muda a equação. A chave para o sucesso na exploração de outros está em aproveitar o poder do estado para realizar os esquemas dos exploradores. Os ricos nunca estiveram imunes a essa tentação.

Encontramos essas visões em uma forma inicial nos EUA no pensamento do teórico jeffersoniano John Taylor da Carolina. Taylor condenou a classe de investidores urbanos que procurava manipular as políticas financeiras da nova nação para servir aos próprios fins desta crescente plutocracia. Taylor, de acordo com Raico,

ficou indignado com o que viu como uma traição aos princípios da Revolução Americana por uma nova aristocracia baseada em “interesses jurídicos distintos”, os banqueiros tinham o privilégio de emitir papel-moeda como curso legal e beneficiários de “benfeitorias públicas” e tarifas protecionistas. A sociedade americana foi dividida em privilegiados e não privilegiados por esse “renascimento substancial do sistema feudal”.

A ameaça dessa nova “aristocracia” certamente não diminuiu na década de 1830, quando o jacksoniano William Leggett apontou que os Estados Unidos haviam alcançado sua própria classe de exploradores local para rivalizar com as classes dominantes arrogantes do Velho Mundo. Referindo-se aos palácios ostentosos erguidos pelas ricas elites de Gênova, Leggett perguntou:

Não há paralelo para isso em nosso [país]? Não temos nós, nesta mesma cidade, nossa “Rua dos Palácios”, adornada com estruturas tão esplêndidas como as de Gênova em magnificência exterior, e contendo dentro delas tesouros mais vastos? Não temos, também, nossas ordens privilegiadas? Nossa nobreza do scrip?[1] Aristocratas, vestidos com imunidades especiais, que controlam, indiretamente, mas certamente, o poder político do estado, monopolizam as fontes mais copiosas de lucro pecuniário e arrancam a própria crosta da mão dura do trabalho? Não temos, em suma, como os miseráveis ​​servos da Europa, nossos nobres senhores, “Quem nos torna escravos e nos diz ‘essa é sua carta régia’?”

Para Leggett, a resposta para tudo isso, é claro, era sim. Para ver essa nova classe de plutocratas, observou Leggett, basta “caminhar por Wall Street”. Leggett prosseguiu, sugerindo que se alguém “perguntar sobre o poder político” dessas elites de Wall Street,

ele verificará se três quartos dos legisladores do estado são de sua própria ordem e profundamente interessados em preservar e estender os privilégios de que desfrutam. Se ele investigar as fontes de sua prodigiosa riqueza, descobrirá que ela é extorquida, sob vários nomes ilusórios e por um processo enganoso, dos bolsos dos pobres desprivilegiados e desprotegidos. Estes são os mestres nesta terra de liberdade. Estes são nossa aristocracia, nossa nobreza de scrip, nossa ordem privilegiada de traficantes e cambistas!

Plutocratas ou empreendedores privados?

Por outro lado, o grande sociólogo libertário William Graham Sumner teve o cuidado de observar que nem todas as pessoas ricas são plutocratas. “Devemos fazer algumas distinções importantes”, escreve Sumner. “A plutocracia deve ser cuidadosamente diferenciada do ‘poder do capital’… Um grande capitalista não é necessariamente um plutocrata assim como um grande general não é necessariamente é um tirano.” Em outras palavras, os plutocratas não são simplesmente os donos de fábricas que, como afirmam os marxistas, todos os capitalistas necessariamente exploram seus trabalhadores.

Em vez disso, de acordo com Sumner, o plutocrata é alguém muito específico. Os plutocratas modernos “fazem seu caminho por meio de eleições e legislaturas, na confiança de que serão capazes de obter poderes que os compensarão por todos os gastos e produzirão, além disso, um amplo excedente”.

Ou seja, os plutocratas são agentes políticos que empregam o poder do estado para realizar fins políticos e financeiros. Além disso, o plutocrata

é um homem que, tendo a posse de um capital, e tendo o poder dele à sua disposição, o usa, não industrialmente, mas politicamente; em vez de empregar trabalhadores, ele convoca lobistas. Em vez de aplicar capital à terra, ele opera no mercado por meio de legislação, por monopólio artificial, por privilégios legislativos; ele cria empregos e ergue combinações que são metade políticas e metade industriais …

Plutocracia de hoje

Então, quem são os plutocratas de hoje?

Certamente, esse grupo inclui aqueles que buscam manipular as legislaturas estaduais com boicotes e táticas de pressão. Mas também encontramos plutocratas usando táticas mais sutis.

Por exemplo, a empresa Amazon agora apoia o aumento do salário mínimo. Isso pode parecer um grande movimento populista e magnânimo da parte da Amazon. Mas é exatamente o que esperamos dos plutocratas. Na verdade, os gerentes seniores da Amazon sabem que ela pode suportar o pagamento de um salário mais alto do que a concorrência menor e menos capitalizada da Amazon. Operações menores têm menos opções de financiamento para enfrentar uma crise de fluxo de caixa e, portanto, são mais frágeis financeiramente. Basicamente, a Amazon provavelmente apoiará uma ampla variedade de regulamentações governamentais, porque as regulamentações governamentais são anticompetitivas. A Amazon, é claro, sendo a empresa dominante, é motivada a esmagar a competição por meio da ação do estado. Em parte, é por isso que Jeff Bezos se pronunciou a favor de um aumento no imposto sobre as corporações. Ele espera permanecer no topo e, embora um aumento de impostos seja lamentável para ele, é ainda pior para a concorrência que Bezos espera destruir por meio de seu lobby político.

Vemos forças semelhantes em ação quando plutocratas como Mark Zuckerberg exigem mais regulamentação das empresas de mídia social. Zuckerberg está falando como chefe da maior, mais rica em capital e mais dominante empresa do setor. Agora que ele está no topo, tudo bem haver mais regulamentação, o que prejudicará mais os pequenos concorrentes. (As empresas de mídia social, é claro, também ficam felizes em comprar favores do regime, excluindo comentários dos usuários e punindo os usuários que incomodam os funcionários do regime.)[2]

Mas talvez a forma mais sutil de exploração praticada pelos plutocratas ocorra por meio do banco central, e é por isso que os jeffersonianos e os jacksonianos se concentraram tanto no papel do banco central ao longo do século XIX. Afinal, Leggett é conhecido por exigir “a separação entre banco e estado”.

As vantagens oferecidas aos plutocratas por meio dos bancos centrais têm sido semelhantes por mais de dois séculos, mas no mundo de hoje essas vantagens podem ser vistas no fato de que os bancos centrais estão agora no negócio de elevar os preços das ações para o benefício de Wall Street e das grandes empresas públicas. Graças ao “pedido de Greenspan“, por exemplo, o Federal Reserve está há três décadas no negócio de sustentar os preços das ações. Agora, mal percebemos quando os preços das ações disparam, mesmo durante os períodos em que milhões de trabalhadores são despedidos e a produção nacional entra em colapso. “Os preços das ações devem sempre subir” é agora essencialmente uma política federal. Isso por si só ajuda a explicar por que os plutocratas tantas vezes defendem impostos mais altos e um estado regulatório maior. Como David Stockman observou, pessoas como Bezos e a elite de Wall Street e do Vale do Silício:

ficaram tão insanamente ricas pela flagrante inflação do mercado de ações do Fed que não se importam mais se seus negócios são prejudicados ou mesmo profundamente prejudicados por esquemas como o [aumento de impostos] de Biden; e, pior ainda, não tenho ideia de como a riqueza real e sustentável é gerada ou de que a prosperidade do livre mercado não é absolutamente certa quando o estado se torna um destruidor desequilibrado de dinheiro honesto, retidão fiscal e disciplina financeira.

Por que se preocupar tanto com impostos ou regulamentação quando você sabe que será resgatado pelo Fed? Stockman continua:

Em geral, esses novos titãs não são gênios. Eles são pilotos da bolha que estavam no lugar certo na hora certa. E depois de anos de inflação maciça do Fed nos preços dos ativos financeiros, eles se tornaram totalmente corrompidos – politicamente, intelectualmente e de outras formas.

De um modo geral, eles nem sabem como ficaram ricos. Mas, como são ricos, concluem que devem ser muito inteligentes e, portanto, agora têm o direito de governar o país; para punir as pessoas que vivem em estados republicanos e derrubar proprietários de negócios menores usando o poder do estado.

Os bilionários e mega corporativistas do país também se beneficiam dos esquemas de bancos centrais de outras maneiras. Políticas de taxas de juros ultrabaixas significam um tsunami interminável de dívidas baratas. No entanto, o foco permaneceu nos empréstimos para as empresas de menor risco, o que significa que há muito menos financiamento disponível para startups menores e outras empresas mais arriscadas. Taxas baixas também significam que pequenos investidores financeiramente conservadores só podem obter retornos muito pequenos sobre seus investimentos. Geralmente, são apenas os ricos que podem entrar em busca de rendimentos de alto risco, o que enriquece ainda mais os ricos à medida que outros estagnam. O resultado é mais liquidez para os plutocratas, enquanto os recém-chegados lutam por restos.

O Fed agora compra dívidas corporativas e, por mais de uma década, vem comprando ativos a fim de sustentar o que teriam sido as carteiras em dificuldades dos megabancos e firmas de investimento do país. A inflação monetária do Fed leva a quantidades imensas de inflação de ativos não apenas em ações, mas também nos preços de imóveis. Isso empobrece os novos compradores e inquilinos, mas beneficia aqueles que já são ricos – e possuem muitos desses ativos.

Tudo isso faz parte de um esquema bem estabelecido que os liberais do laissez-faire identificaram há muito tempo. Os plutocratas esperam mantê-lo para sempre.

 

Artigo original aqui

Tradução de Carla Caroline

_________________________________

[1] O termo “scrip” refere-se a cédulas sem lastro, ou inflacionárias, emitidas por bancos centrais ou bancos privados favorecidos pelo governo.

[2] O Vale do Silício se beneficia enormemente de inúmeros contratos governamentais e fornece e mantém grande parte da infraestrutura empregada pelo Pentágono e pelas agências de aplicação da lei americanas. De acordo com um relatório da Tech Inquiry sobre as conexões do Vale do Silício com agências governamentais, não há “divisão sistêmica” entre Washington e o Vale do Silício. Os dois agora têm uma relação simbiótica.