Como os totalmente vacinados se tornarão ‘não vacinados’

6
Tempo estimado de leitura: 10 minutos

O status de vacinação é temporário, são necessárias doses de reforços pelo resto da vida

Nos últimos anos, e especialmente após o início da pandemia COVID em 2020, as principais organizações de saúde em todo o mundo mudaram várias definições de termos médicos, que por sua vez possuem um impacto significativo na vida cotidiana. Na verdade, se não fosse pela Organização Mundial da Saúde mudando sua definição de “pandemia” em 2009, nem estaríamos nessa bagunça.

Como a gripe suína antes, a SARS-CoV-2 não teria sido considerada uma pandemia se a OMS não tivesse deletado algumas palavras-chave da definição. Antes de 2009, a definição oficial de pandemia era:[1][2]

    “… quando um novo vírus da gripe aparece contra o qual a população humana não tem imunidade, resultando em várias epidemias simultâneas em todo o mundo com um número enorme de mortes e doenças.”

Então, em 2009, a OMS removeu os critérios de gravidade e alta mortalidade (“enorme número de mortes e doenças”), deixando a definição de uma pandemia como “uma epidemia mundial de uma doença”.[3]

Ao remover os critérios restritivos de doença grave que causa alta morbidade e deixar a infecção generalizada geograficamente como o único critério para uma pandemia, a OMS tem a capacidade de declarar uma pandemia sempre que houver mais casos de uma determinada doença do que o normal.

Ter essa habilidade é de crucial importância, visto como a OMS desempenhou um papel central na dominância tecnocrática que enfrentamos agora. A OMS tem poderes de emergência sobre seus 194 países membros, portanto, quando a OMS declara um incidente internacional de saúde pública, todos os estados membros são obrigados a seguir “simultaneamente” as diretrizes da OMS.

Se não fosse pela OMS, as nações responderiam a qualquer surto de várias maneiras. Tentar influenciá-los a reagir de maneiras que beneficiem a tecnocracia seria como pastorear gatos. Sem uma coordenação constante entre todas as nações do mundo, usar uma narrativa de biossegurança para controlar as pessoas e mudar a distribuição da riqueza em uma escala global simplesmente não seria viável.

Mas também há uma implicação ainda maior e mais duradoura para a sociedade. Ao redefinir o que certas palavras e termos significam, o estado de biossegurança crescente está tentando mudar sua percepção do que é verdadeiro e do que é falso. No processo, eles estão pervertendo a ciência em algo governado pela fé, especulação e opinião tendenciosa. Os perigos disso são incalculáveis.

O que é uma ‘vacina’?

Em setembro de 2021, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos chocaram os especialistas médicos ao mudar a definição de vacina de “um produto que produz imunidade, portanto protegendo o corpo contra a doença”[4] para “uma preparação que é usada para estimular a resposta imunológica do corpo contra doenças.”[5]

A principal mudança é que uma “vacina” não produz mais imunidade, portanto, não protege mais você contra a doença. Ela apenas estimula uma resposta imunológica contra uma determinada doença. Esta definição foi obviamente planejada para descrever a função limitada das injeções de terapia genética de COVID-19, que não o tornam imune e não podem impedir que você contraia ou dissemine a infecção.

Por qualquer definição de vacina em uso antes de 2021, a vacina COVID não é uma vacina. Na melhor das hipóteses, a injeção reduzirá seus sintomas. Isso também significa que elas não podem, jamais, produzir imunidade coletiva. Isso apesar da redefinição da imunidade de rebanho, de algo produzido como resultado de uma infecção natural, para algo resultante de vacinação em massa.

Definição de imunidade de rebanho que não tem mais base científica

A OMS mudou sua definição de imunidade de rebanho em outubro de 2020, provavelmente em antecipação à campanha global de vacinação em massa. Para reiterar, no passado, imunidade de rebanho significava quando um número suficiente de pessoas adquiria imunidade a uma doença infecciosa, de forma que a doença não podia mais se espalhar amplamente na comunidade.

Antes de a ciência introduzir as vacinas, a imunidade coletiva era alcançada pela exposição e recuperação de exposições normais a uma doença infecciosa. Cortesia da Wayback Machine do Internet Archive, antes de outubro de 2020, a definição da OMS de imunidade de rebanho incluía imunidade de vacina e “imunidade desenvolvida por meio de infecção anterior”.[6]

No entanto, em outubro de 2020, a definição atualizada retirou totalmente a imunidade natural. A definição atual agora é a seguinte:[7]

    “‘Imunidade de rebanho’, também conhecida como ‘imunidade populacional’, é um conceito usado para vacinação, em que uma população pode ser protegida de um determinado vírus se um limite de vacinação for atingido.”

Para piorar as coisas, eles também especificam que “a imunidade de rebanho é alcançada protegendo as pessoas de um vírus, não expondo-as a ele”. Isso ignora totalmente os bilhões de pessoas ao longo da história que foram infectadas naturalmente com sarampo, caxumba, catapora e outras doenças infecciosas e que agora têm imunidade vitalícia a essas doenças graças à sua infecção natural, ao contrário de vacinas que diminuem eficácia e precisam de reforços regulares.

A definição de “totalmente vacinado” pode ser reescrita em breve

Por falar em reforços, o lançamento de reforços de injeção COVID significa que o CDC provavelmente irá reescrever a definição de “totalmente vacinado” também. Conforme relatado por Axios, 22 de outubro de 2021:[8]

    “Atualmente, a definição do CDC é a seguinte: ‘Pessoas totalmente vacinadas são aquelas que estão ≥14 dias após a conclusão da série primária de uma vacina COVID-19 autorizada pela FDA’ … ‘Podemos precisar atualizar nossa definição de ‘totalmente vacinado’ no futuro, ‘[a diretora do CDC Rochelle] Walensky disse durante uma coletiva de imprensa.”

Não é complicado entender o que significará tal redefinição. Isso significa que qualquer pessoa que recebeu a dose inicial única ou dupla de “vacina” COVID será magicamente considerada não vacinada novamente, uma vez que um certo período de tempo tenha decorrido. Conforme observado pelo The Atlantic,[9] o termo “totalmente vacinado”, se redefinido, perderá seu significado.

Não surpreendentemente, os comentários da diretora do CDC são uma reversão completa de sua posição no final de setembro de 2021. De acordo com o Epoch Times, naquela época ela disse que os funcionários de saúde não estavam considerando mudar a definição de “totalmente vacinado”.[10]

Apenas um mês depois, no final de outubro de 2021, o Epoch Times relatou que Walensky agora estava sugerindo que a definição “pode ​​mudar à medida que as doses de reforço se tornam mais comuns”. Coincidentemente, apenas cinco dias depois disso, o CDC anunciou suas recomendações de uma injeção de reforço para todos, sugerindo até uma quarta dose para certos indivíduos imunocomprometidos.[11]

Como é possível que se aceite mesmo a mais remota forma de segregação?

A redefinição de “totalmente vacinado” será um meio de fazer cumprir as ininterruptas doses de reforço, pois a sua vacina irá expirar em um determinado momento após cada dose e, com ela, todas as suas chamadas “liberdades”. É bastante claro que toda a ideia por trás dos passaportes de vacinas é criar segregação.

Estamos vendo isso na Austrália e em vários outros países, onde indivíduos não vacinados estão sendo excluídos das atividades econômicas e sociais.[12],[13] O premier australiano Daniel Andrews afirmou que, daqui para a frente, a vida dos vacinados “se baseará na manutenção do seu estado de vacinação.” Você acredita nisso? É a isso que a “vida” foi reduzida agora. Manter o seu status de vacinação.

Estamos vendo o mesmo cenário em Israel, onde os passaportes da vacina expiram seis meses após a segunda dose de COVID. Se você se recusar a receber a próxima dose, será afastado da sociedade como todo mundo que se recusou desde o início.

Na Austrália, os indivíduos podem até mesmo ser presos se não tomarem as doses de reforço quando necessário. É estonteante considerar que tudo isso está acontecendo por causa de uma doença que matou apenas 0,012% da população e 1% dos infectados.[14] [15] E a razão pela qual isso pode acontecer é porque certas definições de palavras não foram cientificamente manipuladas e alteradas para apoiar suas ações hediondas.

Novas definições também distorcerão as estatísticas de mortalidade

Atualizar a definição de “totalmente vacinado” também terá o efeito colateral de distorcer as estatísticas de mortalidade, dando ao governo outra rodada de munição para alegações falsas.

Disseram-nos repetidamente que agora estamos em uma pandemia de não vacinados, e essa mentira ganhará nova força assim que as pessoas totalmente vacinadas forem colocadas na categoria de não vacinados, seis meses após sua última dose.

Já estamos vendo essa narrativa se espalhar em Israel. Conforme relatado pelo The Wall Street Journal,[16] “israelenses não vacinados constituem a maior parte dos gravemente doentes” nos últimos dias. No entanto, também afirma que as autoridades atribuem isso ao fato de que mais de 2 milhões de pessoas receberam a terceira injeção de reforço. Isso implica que, longe de serem completamente não vacinados, alguns dos contados como “não vacinados” podem, na verdade, não ter o terceiro reforço:

    “’O grupo mais vulnerável no momento são aquelas pessoas que foram vacinadas com duas doses e não a terceira’, disse Bennett em uma reunião de gabinete na semana passada, acrescentando que se comportaram como se estivessem totalmente protegidos, mas não estavam.”

No vídeo abaixo, o Dr. Vladimir Zelenko testemunhou perante o tribunal rabínico em Israel sobre os efeitos colaterais observados após a injeção de COVID-19 e o sucesso que ele teve no tratamento de seus pacientes com nutracêuticos simples e medicamentos sem patente. Apesar de seu depoimento e de seus próprios dados, as autoridades de saúde em Israel ainda estão pressionando todos para receberem uma injeção de reforço.

Jogadores da NBA enfrentam novas imposições de reforço

Nos EUA, a liga nacional de basquete NBA está agora pedindo aos jogadores que receberam uma dose única de injeção de Janssen há dois meses que recebam um reforço da Pfizer ou Moderna, ou façam testes presenciais no dia do jogo a partir de 1º de dezembro de 2021.[17] Jogadores que completaram um regime de duas doses estão sendo orientados a receber um reforço após seis meses.

Era óbvio que isso aconteceria, mas acho que muitos estavam ingenuamente pensando que se eles apenas cumprissem a rodada inicial de picadas, a vida voltaria ao normal. Basta se vacinar totalmente e pronto. O fato de que nada está voltando ao normal deve ser um sinal de alerta de que o entendimento inicial das consequências desses regulamentos estava totalmente incorreto.

As injeções não visam eliminar o COVID-19. Elas fazem parte de um sistema de controle de massa. No final das contas, esse sistema escravizará todos nele, já que optar pela exclusão significa abrir mão de qualquer possibilidade de ganhar a vida, obter uma educação, comprar qualquer coisa ou ir a qualquer lugar. A verdade disso se tornará dolorosamente aparente quando os passaportes digitais para vacinas forem vinculados a uma nova moeda digital do banco central.

O governo da Austrália já está confiscando as contas bancárias das pessoas e cancelando suas carteiras de motorista como forma de cobrar as multas COVID. Eles também estão cancelando o seguro-desemprego e fechando contas bancárias até que as pessoas recebam a vacina.[18] Essas ações podem ser automatizadas uma vez que o banco esteja vinculado a um passe de saúde digital.

Talvez agora mais pessoas comecem a perceber que não haverá fim para o número de vezes que serão obrigadas a concordar com a experimentação médica. E não vamos esquecer, cada vez que você recebe a injeção, você enfrenta o potencial de efeitos colaterais que podem incapacitá-lo para o resto da vida ou matá-lo imediatamente. Forçar experimentos em militares, atletas, mulheres grávidas e crianças é realmente incompreensível. Em resposta à nova regra da NBA, o comentarista esportivo Clay Travis tuitou:[19]

    “Acordem, ovelhas. A NBA já está exigindo o reforço da vacina agora. Isso nunca vai acabar, nós [vamos] fazer com que pessoas 100% saudáveis ​​tomem injeções COVID a cada seis meses pelo resto de suas vidas?”

Na mesma linha, o fundador da Inner Sports Garret Kramer tuitou: “Em que planeta continuamos a prescrever drogas para pessoas que não estão doentes? Diga não.” O campeão de golfe Steve Flesch também se intrometeu, dizendo “Este mundo e essa liga estão ficando mais asininos a cada dia.”[20]

Devemos nos unir contra a tirania

Conforme observado pelo governador da Flórida, Ron DeSantis, durante uma coletiva de imprensa recente, na qual ele se manifestou contra a exigência da Administração de Segurança e Saúde Ocupacional (OSHA) – imposta a pedido do governo de Biden – de que empresas com 100 funcionários ou mais devem exigir que todos os funcionários tomem a vacina:

    “Para ser claro sobre o que a OSHA está fazendo – eles claramente não estão fazendo ciência, porque rejeitam a imunidade por meio de infecção anterior, eles rejeitam o estudo de Israel … que mostra que as pessoas que se recuperaram do COVID têm forte proteção …

Não se engane, aqueles indivíduos que passaram por uma série normal de vacinação para COVID, serão classificados como não-vacinados muito em breve. Eles farão isso.

Eles vão te dizer: ‘Você não foi vacinado e precisa de um reforço, caso contrário, poderá perder o emprego. Isso vai acontecer … Então, essa é apenas a ponta do iceberg. Vai ficar mais restritivo. Haverá mais poder exercido daqui para frente se não reagirmos agora.”

Como previ, a OSHA já está falando sobre a expansão da regra da vacina COVID-19 também para pequenas empresas com 100 funcionários ou menos. O NTD noticiou em 5 de novembro de 2021:[21]

    “A norma temporária de emergência, emitida pela Administração de Segurança e Saúde Ocupacional do Departamento de Trabalho (OSHA) e com entrada em vigor na sexta-feira, é apresentada como aplicável apenas a empresas com 100 ou mais funcionários. Mas a OSHA está buscando comentários públicos sobre esse aspecto do padrão, e pode ser expandido para incluir empresas menores, disse a agência no documento de 490 páginas.[22]

A OSHA disse que está ‘solicitando comentários das partes interessadas e informações adicionais para determinar se deve ajustar o escopo do ETS,’ ou padrão de emergência, ‘para abordar empregadores menores no futuro.’”

Coagir até mesmo as pequenas empresas, que provavelmente incluiriam os autônomos, seria um desastre absoluto para a economia dos EUA. Mas, é claro, esse é o objetivo, então há todos os motivos para supor que a regra será expandida, a menos que a resistência seja considerada muito grande.

 

 

Artigo original aqui

O livro A verdade sobre COVID-19 expõe a agenda oculta por trás da pandemia, mostrando que as contra-medidas não têm nada a ver com saúde pública e tudo a ver com o lançamento de um novo sistema social e econômico baseado no controle totalitário liderado pela tecnocracia. Então, não é desinformação que eles temem. É a verdade que eles querem impedir de se espalhar. Adquira uma cópia deste livro best-seller hoje, antes que seja tarde demais.

 

__________________________

NOTAS

[1] The BMJ 2010;340:c2912

[2] Wayback Machine, WHO Pandemic Preparedness captured September 2, 2009 (PDF)

[3] Wayback Machine, WHO Pandemic Preparedness captured September 2, 2009 (PDF)

[4] Centers for Disease Control and Prevention, Immunization the Basics, February 24, 2011

[5] Centers for Disease Control and Prevention, Immunization the Basics, September 1, 2021

[6] Internet Archive, June 9, 2020, WHO, Coronavirus disease (COVID-19): Serology 2nd to last bullet

[7] Internet Archive, October 15, 2020, WHO, Coronavirus disease (COVID-19): Herd immunity, lockdowns and COVID-19 first line

[8] Axios October 22, 2021

[9] The Atlantic September 24, 2021

[10] The Epoch Times, October 22, 2021

[11] CDC October 27, 2021

[12] Twitter, October 18, 2021

[13] News.com.au October 25, 2021

[14] Australian Government Department of Health, COVID-19 Summary Statistics

[15] Worldometer, Australian Population

[16] Wall Street Journal, August 31, 2021

[17] RT November 8, 2021

[18] Truth11.com November 1, 2021

[19] RT November 8, 2021

[20] RT November 8, 2021

[21] NTD November 5, 2021

[22] Federal Register COVID-19 Vaccination and Testing; Emergency Temporary Standard, November 5, 2021

6 COMENTÁRIOS

  1. A questão é que o livre-arbitrio sobre seu corpo é um direito inviolável! É absolutamente natural eu ter o direito de decidir o que é prioritário na minha saúde e no meu bem estar!

    Agora se as mascaras fossem 100% eficazes não seria correto as pessoas que querem usar as máscaras usá-las e deixar os outros em paz?

    O problema que está acontecendo aqui é que as pessoas tem o direito de impor qualquer restrição ou protocolo de segurança nas suas vida e na vida das suas famílias!

    Mas NÃO tem o direito de exigir que esse protocolo de segurança seja obedecido por todas as pessoas! Em qualquer sociedade vai ter pessoas que consideram uma pratica médica ou sanitária desnecessária ou até mesmo uma violação dos seus direitos! E isso é uma discussão saudável! Temos uma pandemia as pessoas devem se informar e fazer o que consideram certo mas JAMAIS impor a sua visão de certo nos outros!

    • Acho que entendi, mas daí a partir do momento que tu toma uma decisão sobre o teu corpo e isso tem a possibilidade de afetar outra pessoa (creio eu q uma pessoa seja considerado uma “propriedade privada”), por ex: engolir uma pedra com radiação elevadíssima q vai contaminar outra pessoa quando você estiver sentado em algum banco por aí… muda algo? agradecido pela última resposta.

      • Excelente questão e uma muito difícil de responder!

        Vou tentar começar com um exemplo prático!

        Veja o trânsito por exemplo: Se eu quiser sair bebado dirigindo em velocidade máxima eu posso! Existem leis de trânsito mas elas não vão me impedir de eu tomar essa atitute! Existem exemplos todos os anos de pessoas que fizeram isso e acabaram morrendo e/ou matando outras pessoas!

        Agora a imensa maioria dos motoristas não faz isso! E isso é um fato que não precisa de leis de trânsito para deduzir e eu acredito não ser as leis de trânsito que impedem os motoristas de fazerem isso!

        Ao você escolher rotineiramente dirigir bebado em velocidade máxima suas chances de acabar com a sua vida se elevam muito! E mesmo que você não morra, o primeiro acidente será extremamente grave!

        O fato da maioria dos motoristas antes de mais nada prezar pela sua própria vida e o fato da maioria dos motoristas estarem vivos, saudáveis, dirigindo e não terem se envolvido em acidentes graves, implica que eles preferem não dirigir bebado em velocidade máxima!

        Agora vamos para o seu exemplo:

        Uma pessoa que engole uma pedra com radiação elevadíssima antes de mais nada está destruindo a propria vida!

        Porém a imensa maioria das pessoas prezam por suas vidas! Se não fosse assim a humanidade sequer existiria!

        Agora como tudo na vida, as pessoas individualmente são mais eficientes em atingir um objetivo para o seu bem estar do que o governo agindo por elas!

        No caso do COVID, o simples fato de existir várias pessoas vivas com mais de 50 anos e boa saúde implica que essas pessoas sabem muito bem tomar decisões sobre sua saúde! E o governo tomar decisões por elas é a única coisa que pode colocar em risco sua saúde!

        Mas o libertarianismo não teria uma defesa contra pessoas radioativas ou contra motoristas bebados suicidas?

        Eu acredito que tem! No meu modo de ver a solução é a propriedade privada absoluta!

        Um motorista bebado suicida rapidamente seria excluído de estradas e ruas privadas!

        Pessoas radioativas não seriam aceitas em nenhum lugar, e muito provavelmente os materiais necessários para a pessoa se tornar radioativa seriam recusados de serem entregues a ela por empresas privadas!

        Existe um livro que foi escrito para responde as suas perguntas:

        https://rothbardbrasil.com/a-etica-da-liberdade/

        Tenha em mente que eu gosto de ler libertarianismo e responder a sua pergunta é uma forma de eu entender melhor o que eu li.

        Nada supera ler os mestres e aprender com eles!

        • Richard, quanta paciência com este estatista aloprado. O cara quer ser levado a sério dizendo”engolir uma pedra com radiação elevadíssima”.

          Os libertários devem argumentar com indivíduos que possam dizer: “nunca tinha pensado nisso”, não com estes sujeitos que chupam até as bolas do seu político de estimação…

      • Na verdade não existe nenhuma ação humana individual que tenha custo zero para terceiros.
        Se vc liga seu carro para viajar, em alguma escala está colocando a segurança de terceiros em risco para seu conforto e prazer, mesmo que, se fosse possível, obedecer totalmente as leis do trânsito. Além é claro, de gerar poluentes e calor que vão onerar a todos.
        Portanto a questão não está em se discutir se temos ou não o direito de pôr em risco a segurança, a privacidade ou o conforto de outrem, isto é inevitável em qualquer coisa que façamos. O ponto central está em quanto suas ações, ou omissões, podem impactar terceiros e quanto lhe custariam a si fazer ou deixar de fazer algo.
        No caso da vacina da covid a questão está em fazer algo a si que envolve uma quantidade e tamanho de risco ainda não calculado ou optar por não fazer, o que envolve expor a terceiros a um risco ainda menos calculado ou sequer compreendido.
        No limite, deixar de fazer, ou ser obrigado a fazer, qualquer coisa que possa, de algum modo, a critério do Estado, afetar a segurança, saúde ou bem estar de terceiros, colocar-nos-ia numa condição de total e inaceitável privação de liberdades básicas.
        No caso específico da covid e sua vacina, a narrativa de que um não vacinado poderia expor a imunizados um risco maior, é difícil de ser explicada.