Conant: O imperialismo monetário e o padrão divisas-ouro

1
Tempo estimado de leitura: 18 minutos

O salto para o imperialismo político dos Estados Unidos no final da década de 1890 foi acompanhado pelo imperialismo econômico, e uma chave para o imperialismo econômico foi o imperialismo monetário. Em resumo, os países ocidentais desenvolvidos nessa época estavam no padrão ouro, enquanto a maioria das nações do Terceiro Mundo estava no padrão prata. Nas últimas décadas, o valor da prata em relação ao ouro vinha caindo constantemente, devido a

  1. uma crescente oferta mundial de prata em relação ao ouro, e
  2. a subsequente mudança de muitas nações ocidentais de prata ou bimetalismo para ouro, diminuindo assim a demanda mundial por prata como metal monetário.

A queda dos valores da prata significou depreciação monetária e inflação no Terceiro Mundo, e teria sido uma política razoável passar de uma moeda de prata para um padrão de moeda de ouro. Mas os novos imperialistas entre os banqueiros, economistas e políticos dos EUA estavam muito menos interessados ​​no bem-estar dos países de Terceiro Mundo do que em impingir um imperialismo monetário sobre eles.

Pois não apenas as economias do centro imperial e dos Estados clientes estariam ligadas, mas estariam ligadas de tal maneira que essas economias poderiam piramidar sua própria inflação monetária e de crédito bancário sobre a inflação nos Estados Unidos. Assim, o que os novos imperialistas se propuseram a fazer foi pressionar ou coagir os países de Terceiro Mundo a adotar, não um genuíno padrão de moeda de ouro, mas um recém-concebido “divisas-ouro” ou padrão dólar.

Em vez de a moeda de prata flutuar livremente em termos de ouro, a taxa de prata para ouro seria então fixada pela fixação arbitrária de preços do governo. Os países de prata seriam prata apenas no nome; a reserva monetária do país seria mantida, não em prata, mas em dólares supostamente resgatáveis ​​em ouro; e essas reservas seriam mantidas, não no próprio país, mas como dólares empilhados na cidade de Nova York.

Dessa forma, se os bancos americanos inflassem seu crédito, não haveria perigo de perder ouro no exterior, como aconteceria sob um padrão ouro genuíno. Pois sob um verdadeiro padrão-ouro, ninguém e nenhum país estaria interessado em acumular créditos de dólares no exterior. Em vez disso, eles exigiriam o pagamento de créditos de dólares em ouro. De modo que, embora esses banqueiros e economistas americanos estivessem muito cientes, após muitas décadas de experiência, das falácias e males do bimetalismo, eles estavam dispostos a impor uma forma de bimetalismo aos Estados clientes para vinculá-los ao imperialismo econômico dos EUA, e pressioná-los a inflar suas próprias reservas monetárias sobre as reservas em dólares supostamente, mas não de fato, resgatáveis ​​em ouro.

Os Estados Unidos enfrentaram pela primeira vez o problema das moedas de prata em um país de Terceiro Mundo quando tomaram o controle de Porto Rico da Espanha em 1898 e o ocuparam como uma colônia permanente. Felizmente para os imperialistas, Porto Rico já estava maduro para a manipulação da moeda. Apenas três anos antes, em 1895, a Espanha havia destruído a encorpada moeda de prata mexicana que sua colônia havia desfrutado anteriormente e a substituiu por um “dólar” de prata fortemente desvalorizado, que valia apenas 41 centavos em moeda americana. O governo espanhol embolsou os grandes lucros de senhoriagem dessa degradação.

Os Estados Unidos foram, portanto, facilmente capazes de substituir seu próprio dólar de prata desvalorizado, valendo apenas 45,6 centavos em ouro. Assim, a moeda de prata dos Estados Unidos substituiu uma moeda ainda mais degradada, e também os porto-riquenhos não tinham tradição de lealdade a uma moeda recentemente imposta pelos espanhóis. Houve, portanto, pouca ou nenhuma oposição em Porto Rico à conquista monetária dos EUA.[1]

A grande questão controversa era qual taxa de câmbio as autoridades americanas iriam fixar entre as duas moedas degradadas: o antigo peso de prata porto-riquenho e o dólar de prata dos EUA. Essa era a taxa na qual as autoridades dos EUA obrigariam os porto-riquenhos a trocar suas moedas existentes pelas novas moedas americanas.

O tesoureiro encarregado da reforma monetária do governo dos EUA era o proeminente economista da Johns Hopkins, Jacob H. Hollander, que havia sido comissário especial para revisar as leis tributárias porto-riquenhas e que era um dos novos economistas acadêmicos que repudiavam o laissez- faire e favoreciam o estatismo total.

Os grandes devedores de Porto Rico – principalmente os grandes plantadores de açúcar – naturalmente queriam pagar suas obrigações em pesos à taxa mais barata possível; eles fizeram lobby por um peso americano no valor de 50 centavos. Em contraste, os banqueiros-credores porto-riquenhos queriam que a taxa fosse fixada em 75 centavos. Como a taxa de câmbio era de qualquer maneira arbitrária, Hollander e outras autoridades americanas decidiram da maneira tradicional dos governos: dividir mais ou menos a diferença e fixar um peso igual a 60 centavos.[2]

As Filipinas, a outra colônia espanhola conquistada pelos Estados Unidos, representavam um problema muito mais complicado. Como na maior parte do Extremo Oriente, as Filipinas estavam felizes usando uma moeda de prata perfeitamente sólida, o dólar de prata mexicano. Mas os Estados Unidos estavam ansiosos por uma reforma rápida, porque seu grande establishment de forças armadas para suprimir o nacionalismo filipino exigia pesadas despesas em dólares americanos, que ele, é claro, ele declarou ser moeda de curso forçado para pagamentos. Como a moeda de prata mexicana também tinha curso legal e era mais barata que o dólar de ouro dos EUA, a ocupação militar dos EUA encontrou suas receitas sendo pagas em moedas mexicanas indesejadas e mais baratas.

Sutileza era necessária e, em 1901, para a tarefa de conquista da moeda, o Gabinete de Assuntos Insulares (GAI) do Departamento de Guerra – a agência que administra a ocupação americana das Filipinas – contratou Charles A. Conant para a tarefa. O secretário de Guerra Elihu Root era um formidável advogado de Wall Street próximo de Morgan, que por vezes atuava como advogado pessoal de J. P. Morgan. Root deu uma mão pessoal ao enviar Conant para as Filipinas. Conant, recém-saído da Comissão Monetária de Indianápolis e antes de ir para Nova York como um importante banqueiro de investimentos, era, como era de se esperar, um ardente imperialista do padrão divisas-ouro, bem como o principal teórico do imperialismo econômico.

Percebendo que o povo filipino adorava suas moedas de prata, Conant concebeu uma maneira de impor uma moeda de ouro em dólar americano ao país. Sob seu plano astuto, os filipinos continuariam a ter uma moeda de prata; mas a moeda de prata mexicana plenamente encorpada seria substituída por uma moeda de prata americana ligada ao ouro a um valor depreciado muito menor do que o valor de troca de mercado da prata em termos de ouro. Nesse bimetalismo imposto e degradado, já que a moeda de prata foi deliberadamente supervalorizada em relação ao ouro pelo governo dos Estados Unidos, a lei de Gresham entrou em vigor inexoravelmente. A prata supervalorizada continuaria circulando nas Filipinas, e o ouro subvalorizado seria mantido fora de circulação.

O lucro de senhoriagem que o Tesouro colheria com a degradação seria depositado alegremente em um banco de Nova York, que então funcionaria como uma “reserva” para a moeda de prata dos EUA nas Filipinas. Assim, os fundos de Nova York seriam usados ​​para pagamento fora das Filipinas, em vez de moeda ou espécie. Além disso, o governo dos EUA poderia emitir dólares de papel com base em seu novo fundo de reserva.

Deve-se notar que Conant originou o esquema de troca de ouro como forma de explorar e controlar as economias do Terceiro Mundo baseadas na prata. Ao mesmo tempo, a Grã-Bretanha estava introduzindo esquemas semelhantes em suas áreas coloniais no Egito, nos Estabelecimentos dos Estreitos na Ásia e particularmente na Índia.

O Congresso, no entanto, pressionado pelo lobby da prata, recusou o plano do GAI. E assim o GAI voltou-se novamente para as relações públicas experientes e habilidades de lobby de Charles A. Conant. Conant entrou em ação. Reunindo-se com os editores das principais revistas financeiras, ele garantiu suas promessas de escrever editoriais defendendo o plano Conant, muitos dos quais ele mesmo escreveu.

Ele já era apoiado pelos bancos americanos de Manila. Banqueiros americanos recalcitrantes foram avisados ​​por Conant que não poderiam mais esperar grandes depósitos governamentais do Departamento de Guerra se continuassem a se opor ao plano. Além disso, Conant conquistou o apoio dos principais inimigos de seu plano, as companhias americanas de prata e banqueiros pró-prata, prometendo-lhes que, se a reforma monetária filipina fosse aprovada, o governo federal compraria prata para a nova moeda americana nas Filipinas dessas mesmas empresas. Finalmente, o lobby incansável e a mistura de suborno e ameaças de Conant deram frutos. O Congresso aprovou a Lei da Moeda das Filipinas em março de 1903.

Nas Filipinas, no entanto, os Estados Unidos não podiam simplesmente duplicar o exemplo porto-riquenho e coagir a conversão da antiga pela nova moeda de prata. Pois a moeda de prata mexicana era uma moeda dominante não apenas no Extremo Oriente, mas em todo o mundo, e a conversão forçada teria sido interminável.

Os Estados Unidos tentaram; removeram o privilégio de curso legal das moedas mexicanas e decretaram que as novas moedas dos EUA fossem usadas para pagar impostos, salários do governo e outros pagamentos do governo. Mas desta vez os filipinos usaram alegremente as antigas moedas mexicanas como dinheiro, enquanto as moedas de prata americanas desapareceram de circulação para serem usadas no pagamento de impostos e em transações para os Estados Unidos.

O Departamento de Guerra estava fora de si: como ele poderia expulsar as moedas de prata mexicanas das Filipinas? Em desespero, voltou-se para o infatigável Conant, mas Conant não pôde se juntar ao governo colonial nas Filipinas porque acabara de ser nomeado para uma comissão presidencial mais distante sobre câmbio internacional para pressionar o México e a China a aderirem a um padrão divisas-ouro semelhante.

Hollander, recém-concluído seu triunfo porto-riquenho, estava doente. Quem mais? Conant, Hollander e vários banqueiros importantes disseram ao Departamento de Guerra que não podiam recomendar ninguém para o trabalho, tão nova então era a profissão de técnico especialista em imperialismo monetário.

Mas havia mais uma esperança, o outro pró-cartelista e imperialista financeiro, Jeremiah W. Jenks, de Cornell, um colega de Conant da nova Comissão de Intercâmbio Internacional (CII) do presidente Roosevelt. Jenks já havia pavimentado o caminho para Conant visitando colônias inglesas e holandesas no Extremo Oriente em 1901 para obter informações sobre como administrar as Filipinas. Jenks finalmente sugeriu um nome, seu ex-aluno de pós-graduação em Cornell, Edwin W. Kemmerer.

O jovem Kemmerer foi para as Filipinas de 1903 a 1906, para implementar o plano Conant. Baseado nas teorias de Jenks e Conant, e em sua própria experiência nas Filipinas, Kemmerer passou a lecionar em Cornell e depois em Princeton, e ganhou fama ao longo da década de 1920 como o “médico do dinheiro”, se mantendo muito atarefado impondo o padrão divisas-ouro em país após país no exterior.

Confiando nos conselhos de Conant nos bastidores, Kemmerer e seus associados finalmente criaram um esquema bem-sucedido para expulsar as moedas de prata mexicanas. Era um plano que dependia fortemente da coerção do governo. Os Estados Unidos impuseram uma proibição legal à importação das moedas mexicanas, seguidas de impostos severos sobre quaisquer transações privadas filipinas que ousassem usar a moeda mexicana.

Felizmente para os planejadores, seu esquema foi auxiliado por uma demanda em grande escala na época por prata mexicana no norte da China, que absorvia a prata que estava nas Filipinas ou que teria sido contrabandeada para as ilhas. O sucesso dos EUA foi ajudado pelo fato de que as novas moedas de prata dos EUA, perspicazmente chamadas de “conants” pelos filipinos, foram feitas para se parecer muito com as antigas e queridas moedas mexicanas. Em 1905, a força, a sorte e a trapaça haviam prevalecido, e os conants (no valor de 50 centavos em dinheiro americano) eram a moeda dominante nas Filipinas. Logo as autoridades dos EUA estavam confiantes o suficiente para adicionar moedas de cobre simbólicas e moedas de papel também.[3]

Em 1903, os reformadores da moeda se sentiram encorajados o suficiente para tomar ações contra o dólar de prata mexicano em todo o mundo. No próprio México, os industriais americanos que queriam investir ali pressionaram os mexicanos a mudar da prata para o ouro, e encontraram um aliado no poderoso ministro das Finanças, José Limantour. Mas lidar com o peso de prata mexicano em casa não seria uma tarefa fácil, pois a moeda era conhecida e usada em todo o mundo, particularmente na China, onde compunha a maior parte da moeda circulante.

Finalmente, após conversações de três vias entre autoridades americanas, mexicanas e chinesas, os mexicanos e chineses foram induzidos a enviar notas idênticas ao secretário de Estado dos EUA, instando os Estados Unidos a nomear consultores financeiros para realizar uma reforma monetária e obter taxas de câmbio estabilizadas com os países do ouro (Parrini e Sklar 1983, pp. 573-77; Rosenberg 1985, p. 184).

Esses pedidos deram ao presidente Roosevelt, após obter a aprovação do Congresso, a desculpa para nomear em março de 1903 uma Comissão de Câmbio Internacional de três homens para promover a reforma monetária no México, na China e no resto do mundo que usa prata. O objetivo era “trazer uma relação fixa entre as moedas dos países padrão-ouro e os atuais países usuários de prata”, a fim de promover “oportunidades de comércio de exportação e investimento” nos países do ouro e desenvolvimento econômico nos países da prata.

Os três membros da CII eram velhos amigos e colegas que pensavam da mesma forma. O presidente era Hugh H. Hanna, da Comissão Monetária de Indianápolis, os outros eram seu ex-assessor-chefe naquela Comissão, Charles A. Conant, e o professor Jeremiah W. Jenks. Conant, como sempre, foi o principal teórico e trapaceiro. Ele percebeu que a maior oposição à mudança do México e da China para um padrão-ouro viria da importante indústria mexicana de prata, e concebeu um esquema para fazer com que os países europeus comprassem grandes quantidades de prata mexicana para aliviar a dor da mudança.

Em uma viagem a nações europeias no verão de 1903, no entanto, Conant e a CII encontraram os europeus menos entusiasmados em fazer compras de prata mexicana, bem como em subsidiar exportações e investimentos americanos na China, uma terra cujo mercado eles também cobiçavam. Nos Estados Unidos, por outro lado, os principais jornais e periódicos financeiros, estimulados pelo trabalho de relações públicas de Conant, endossaram calorosamente o novo esquema monetário.

Entretanto, os Estados Unidos enfrentaram problemas cambiais semelhantes em seus dois novos protetorados caribenhos, Cuba e Panamá. Panamá foi fácil. Os Estados Unidos ocuparam a Zona do Canal, e estaria importando grandes quantidades de equipamentos para construir o canal, e assim decidiu impor o dólar de ouro americano como moeda na República nominalmente independente do Panamá.

Enquanto o dólar de ouro era a moeda oficial do Panamá, os Estados Unidos impuseram como meio de troca real um novo peso de prata desvalorizado no valor de 50 centavos. Felizmente, o novo peso tinha quase o mesmo valor que a antiga moeda de prata colombiana que deslocou à força e, assim, como em Porto Rico, a conquista poderia ocorrer sem problemas.

Entre as colônias ou protetorados dos EUA, Cuba provou ser o noz mais difícil de quebrar. Apesar de todas as ministrações de Conant, a moeda de Cuba permaneceu sem reforma. Moedas de ouro e prata espanholas, moedas francesas e moeda americana circulavam lado a lado, flutuando livremente em resposta à oferta e demanda. Além disso, semelhante às Filipinas pré-reformadas, uma taxa de câmbio bimetálica fixa entre a moeda americana mais barata e as moedas espanholas e francesas mais valiosas levou os cubanos a devolver moedas americanas mais baratas às autoridades alfandegárias dos EUA em taxas e receitas.

Por que então Conant fracassou em Cuba? Em primeiro lugar, o forte nacionalismo cubano ressentiu-se com os planos dos EUA de tomar o controle de sua moeda. O pedido repetido insistentemente de Conant em 1903 para que Cuba convidasse a CII para visitar a ilha foi severamente rejeitado pelo governo cubano. Além disso, o carismático comandante militar dos EUA em Cuba, Leonard Wood, queria evitar dar aos cubanos a impressão de que havia planos para reduzir Cuba ao status colonial.

A segunda objeção era econômica. A poderosa indústria açucareira de Cuba dependia das exportações para os Estados Unidos, e uma mudança da prata desvalorizada para o dinheiro de ouro de valor mais alto aumentaria o custo das exportações de açúcar, em um valor estimado por Leonard Wood em cerca de 20%.

Embora o mesmo problema tenha existido para os plantadores de açúcar em Porto Rico, os interesses econômicos americanos, em Porto Rico e em outros países, como as Filipinas, favoreceram a imposição em países anteriormente na prata a um padrão baseado no ouro para estimular as exportações dos EUA para esses países. Em Cuba, por outro lado, havia cada vez mais capital de investimento dos EUA despejado nas plantações de açúcar cubanas, de modo que interesses econômicos poderosos e até dominantes dos EUA existiam do outro lado da questão da reforma monetária. De fato, na Primeira Guerra Mundial, os investimentos americanos no açúcar cubano atingiram a soma de US$95 milhões.

Assim, quando Charles Conant retomou sua pressão por um padrão divisas-ouro cubano em 1907, ele foi veementemente contestado pelo governador americano de Cuba, Charles Magoon, que chamou a atenção para o problema de um padrão baseado em ouro paralisando os plantadores de açúcar. A CII nunca conseguiu visitar Cuba e, ironicamente, Charles Conant morreu em Cuba, em 1915, tentando em vão convencer os cubanos das virtudes do padrão divisas-ouro (Rosenberg 1985, pp. 186-188).

A mudança mexicana da prata para o ouro foi mais gratificante para Conant, mas neste caso a reforma foi efetuada pelo chanceler Limantour e seus técnicos locais, com a CII em segundo plano. No entanto, o sucesso dessa mudança, na Lei de Reforma da Moeda Mexicana de 1905, foi assegurado por um aumento mundial do preço da prata, a partir do ano seguinte, que tornou as moedas de ouro mais baratas que a prata, com a lei de Gresham produzindo uma moeda de ouro bem sucedida no México.

Mas a cunhagem de prata dos EUA nas Filipinas teve problemas por causa do aumento do preço mundial da prata. A moeda de prata dos EUA nas Filipinas foi resgatada por uma ação coordenada do governo mexicano, que vendeu prata nas Filipinas para reduzir o valor da prata o suficiente para que os Conants pudessem voltar à circular.[4]

Mas o grande fracasso do imperialismo monetário Conant/CII foi na China. Em 1900, a Grã-Bretanha, o Japão e os Estados Unidos intervieram na China para acabar com a Rebelião dos Boxers. Os três países então forçaram a China derrotada a concordar em pagar a eles e a todas as grandes potências europeias uma indenização de US$333 milhões.

Os Estados Unidos interpretaram o tratado como uma obrigação de pagar em ouro, mas a China, em um padrão de prata depreciado, começou a pagar em prata em 1903, uma ação que enfureceu as três potências do tratado. O ministro dos EUA na China informou que a Grã-Bretanha poderia declarar o pagamento da China em prata uma violação do tratado, o que pressagia uma intervenção militar.

Encorajado pelo sucesso dos Estados Unidos nas Filipinas, Panamá e México, o Secretário de Guerra Root enviou Jeremiah W. Jenks em uma missão à China no início de 1904 para tentar transformar a China de um padrão prata para um padrão divisas-ouro. Jenks também escreveu ao presidente Roosevelt da China pedindo que a indenização chinesa aos Estados Unidos da Rebelião dos Boxers fosse usada para financiar cátedras de intercâmbio por 30 anos.

A missão de Jenks, no entanto, foi um fracasso total. Os chineses entenderam muito bem o esquema monetário da CII. Eles viram e denunciaram a senhoriagem do padrão divisas-ouro como uma degradação irresponsável e imoral da moeda chinesa, um ato que empobreceria a China e aumentaria os lucros dos bancos norte-americanos onde seriam depositados os fundos de reserva de senhoriagem.

Além disso, os membros do governo chinês viram que a mudança da indenização de prata para ouro enriqueceria os governos europeus às custas da economia chinesa. Eles também observaram que o esquema da CII estabeleceria um controlador estrangeiro da moeda chinesa para impor regulamentações bancárias e reformas econômicas na economia chinesa. A indignação chinesa não foi surpresa para ninguém. A reação da China foi sua própria reforma nacionalista da moeda em 1905 para substituir a moeda de prata mexicana por uma nova moeda de prata chinesa, o tael (Rosenberg 1985, pp. 189-192).

O ignominioso fracasso de Jenks na China pôs fim a qualquer papel formal da Comissão de Intercâmbio Internacional.[5] Um fiasco imediatamente posterior suspendeu o uso de assessores econômicos e financeiros pelo governo dos EUA para difundir o padrão divisas-ouro no exterior. Em 1905, o Departamento de Estado contratou Jacob Hollander para transferir um outro de seus Estados clientes latino-americanos, a República Dominicana, para o padrão divisas-ouro.

Quando Hollander cumpriu essa tarefa no final do ano, o Departamento de Estado pediu ao governo dominicano que contratasse Hollander para elaborar um plano de reforma financeira, incluindo um empréstimo dos EUA e um serviço alfandegário administrado pelos Estados Unidos para coletar impostos para reembolso do empréstimo. Hollander, genro do proeminente comerciante de Baltimore Abraham Hutzler, usou sua conexão com Kuhn, Loeb and Company para colocar títulos dominicanos naquele banco de investimento.

Hollander recebeu alegremente duas vezes pelo mesmo trabalho, cobrando taxas pelo mesmo serviço do Departamento de Estado e do governo dominicano. Quando este pecadilho foi descoberto em 1911, o escândalo tornou impossível para o governo dos EUA usar seus próprios funcionários e seus próprios fundos para pressionar por especialistas de padrão divisas-ouro no exterior. A partir de então, houve mais uma parceria público-privada entre o governo dos EUA e os banqueiros de investimento, com os banqueiros fornecendo seus próprios fundos e o Departamento de Estado fornecendo sua boa vontade e recursos mais concretos.

Assim, em 1911-1912, os Estados Unidos, com grande oposição, impuseram um padrão divisas-ouro na Nicarágua. O Departamento de Estado formalmente se afastou, mas aprovou a contratação de Charles Conant pelo poderoso banco de investimentos Brown Brothers para conseguir um empréstimo e a reforma monetária. O Departamento de Estado emprestou não apenas sua aprovação ao projeto, mas também suas comunicações oficiais, para que Conant e Brown Brothers conduzissem as negociações com o governo nicaraguense.

Quando morreu em Cuba, em 1915, Charles Conant havia se tornado o principal teórico e praticante do movimento divisas-ouro e do movimento econômico-imperialista. Além de seus sucessos nas Filipinas, Panamá e México, e seus fracassos em Cuba e China, Conant liderou a promoção da reforma divisas-ouro e do imperialismo do dólar-ouro na Libéria, Bolívia, Guatemala e Honduras. Sua magnum opus em favor do padrão divisas-ouro, em dois volumes, The Principles of Money and Banking (1905), bem como seu sucesso pioneiro nas Filipinas, foram seguidos por uma infinidade de livros, artigos, panfletos e editoriais, sempre apoiado por seus esforços de propaganda pessoal.

Particularmente interessantes foram os argumentos de Conant em favor de um padrão divisas-ouro, em vez de um padrão de moeda de ouro genuíno. Um padrão simples de moeda de ouro, acreditava Conant, não fornecia uma quantidade suficiente de ouro para suprir as necessidades monetárias do mundo.

Assim, vinculando os padrões de prata existentes nos países subdesenvolvidos ao ouro, a “escassez” de ouro poderia ser superada, e também as economias dos países subdesenvolvidos poderiam ser integradas às do poder imperial dominante. Tudo isso só poderia ser feito se o padrão divisas-ouro fosse “projetado e implementado por uma política governamental cuidadosa”, mas é claro que o próprio Conant e seus amigos e discípulos sempre estiveram de prontidão para aconselhar e fornecer tal implementação (Rosenberg 1985, p. 197).

Além disso, a adoção de um padrão divisas-ouro administrado pelo governo era superior ao ouro genuíno ou ao bimetalismo porque deixava a cada estado a flexibilidade de adaptar sua moeda às necessidades locais. Como afirmou Conant,

    ele deixa cada estado livre para escolher os meios de troca que melhor se adaptam às suas condições locais. As nações ricas são livres para escolher o ouro, as nações menos ricas para a prata, e aquelas cujos métodos financeiros são mais avançados são livres para escolher o papel.

É interessante que, para Conant, o papel fosse a forma mais “avançada” de moeda. É claro que a devoção ao padrão-ouro de Conant e de seus colegas era apenas a um padrão degradado e inflacionário controlado e manipulado pelo governo dos EUA, com o ouro realmente servindo de fachada de moeda supostamente sólida.

E uma das formas críticas de manipulação e controle do governo no sistema proposto por Conant era a existência e o funcionamento ativo de um banco central. Como fundador da “ciência” do aconselhamento financeiro aos governos, Conant, seguido por seus colegas e discípulos, não apenas pressionou por um padrão divisas-ouro onde quer que pudesse fazê-lo, mas também um banco central para gerenciar e controlar esse padrão. Como destaca Emily Rosenberg,

    Conant, portanto, não negligenciou… uma das principais mudanças revolucionárias implícitas em seu sistema: um novo e importante papel para um banco central como estabilizador da moeda. Conant apoiou fortemente a reforma bancária americana que culminou no Federal Reserve System, o banco central americano … e os consultores financeiros americanos que seguiram Conant espalhariam os sistemas bancários centrais, juntamente com as reformas monetárias padrão-ouro, para os países que eles aconselhavam. (Rosenberg 1985, p. 198)

Junto com um padrão divisas-ouro gerenciado viria, como substituto do antigo padrão de moeda de ouro de livre comércio, não gerenciado, um mundo de blocos de moeda imperial, que “necessariamente surgiria à medida que países menores depositassem seus fundos de estabilização de ouro nos sistemas bancários dos países mais avançados” (ibid.). Os bancos de Nova York e Londres, em particular, se tornaram os principais detentores de fundos de reserva na nova ordem monetária mundial em desenvolvimento.

Não é por acaso que o maior rival financeiro e imperial dos Estados Unidos, a Grã-Bretanha, que foi pioneira na imposição de padrões divisas-ouro em sua própria área colonial, se baseou nessa experiência para impor um padrão divisas-ouro, marcado por todas as moedas europeias piramidadas sobre a inflação britânica, durante a década de 1920. Esse experimento inflacionário desastroso levou diretamente ao colapso bancário mundial e à mudança geral para o papel-moeda fiduciário no início da década de 1930. Após a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos assumiram a tocha de um padrão mundial divisas-ouro em Bretton Woods, com o dólar substituindo a libra esterlina em um sistema inflacionário mundial que durou aproximadamente 25 anos.

Tampouco se deve pensar que Charles A. Conant fosse o cientista puramente imparcial que afirmava ser. Suas reformas monetárias beneficiaram diretamente seus empregadores banqueiros de investimento. Assim, Conant foi tesoureiro, de 1902 a 1906, da Morton Trust Company de Nova York, administrada por Morgan, e certamente não foi coincidência que o Morton Trust fosse o banco que detinha os fundos de reserva para os governos das Filipinas, Panamá e República Dominicana, após suas respectivas reformas monetárias. Nas negociações da Nicarágua, Conant foi contratado pelo banco de investimento Brown Brothers e, ao pressionar outros países, ele estava trabalhando para Speyer and Company e outros banqueiros de investimento.

Depois que Conant morreu em 1915, havia poucos para assumir o manto de consultoria financeira estrangeira. Hollander caiu em desgraça após o desastre dominicano. Jenks estava envelhecendo e vivia à sombra de seu fracasso na China, mas o Departamento de Estado nomeou Jenks para atuar como diretor do Banco Nacional da Nicarágua em 1917 e também o contratou para estudar o quadro financeiro da Nicarágua em 1925.

Mas o verdadeiro sucessor de Conant foi Edwin W. Kemmerer, o “médico da moeda”. Após sua experiência nas Filipinas, Kemmerer juntou-se ao seu antigo professor Jenks em Cornell, e depois mudou-se para Princeton em 1912, publicando seu livro Modern Currency Reforms em 1916. Como o principal consultor financeiro estrangeiro da década de 1920, Kemmerer não apenas impôs bancos centrais e padrão divisas-ouro nos países de Terceiro Mundo, mas também os fez cobrar impostos mais altos.

Kemmerer também combinou seu emprego público com o serviço a importantes banqueiros internacionais. Durante a década de 1920, Kemmerer trabalhou como especialista bancário para a Comissão Dawes do governo dos EUA, chefiou missões especiais de consultoria financeira para mais de uma dúzia de países e foi mantido com um belo empregado pela distinta empresa de banco de investimento Dillon and Read de 1922 a 1929. Naquela época, Kemmerer e seu mentor Jenks eram os únicos especialistas em reforma de moeda estrangeira disponíveis para aconselhamento. No final da década de 1920, Kemmerer ajudou a estabelecer uma cátedra de economia internacional em Princeton, que ocupou, e da qual poderia treinar alunos como Arthur N. Young e William W. Cumberland. Em meados da década de 1920, o médico da moeda serviu como presidente da Associação Econômica Americana.[6]

 

_______________________________

Notas

[1] Ver o esclarecedor artigo de Emily S. Rosenberg (1985, pp. 172-173).

[2] Também começaram a administrar o imperialismo em Porto Rico o economista e demógrafo W. H. Willcox de Cornell, que realizou o primeiro censo na ilha, bem como em Cuba em 1900, e Roland P. Falkner, estatístico e reformador bancário primeiro na Universidade de Pensilvânia, e então chefe da Divisão de Documentos da Biblioteca do Congresso, que se tornou comissário de educação em Porto Rico em 1903. Falkner passou a chefiar a Comissão dos EUA para a Libéria em 1909 e a ser membro da Joint Land Commission dos governos dos EUA e da China. O economista de Harvard Thomas S. Adams serviu como tesoureiro assistente de Hollander em Porto Rico. O cientista político William F. Willoughby sucedeu Hollander como tesoureiro (Silva e Slaughter 1984, pp. 137-138).

[3] Ver Rosenberg (1985, pp. 177-181). Outros economistas e cientistas sociais que ajudaram a administrar o imperialismo nas Filipinas foram Carl C. Plehn, da Universidade da Califórnia, que atuou como estatístico-chefe da Comissão das Filipinas em 1900-1901, e Bernard Moses, historiador, cientista político e economista da Universidade da Califórnia, um fervoroso defensor do imperialismo que serviu na Comissão Filipina de 1901 a 1903, e depois se tornou um especialista em assuntos latino-americanos, participando de uma série de conferências pan-americanas.

O cientista político David P. Barrows tornou-se superintendente de escolas em Manila e diretor de educação por oito anos, de 1901 a 1909. Essa experiência despertou um interesse vitalício nas forças armadas de Barrows, que, enquanto professor em Berkeley e general na Guarda Nacional da Califórnia em 1934, liderou as tropas que romperam a greve dos estivadores de São Francisco. Durante a Segunda Guerra Mundial, Barrows estendeu seu interesse pela coerção para ajudar no internamento forçado de nipo-americanos em campos de concentração. Sobre Barrows, ver Silva e Slaughter (1984, pp. 137-138). Sobre Moses, ver Dorfman (1949, pp. 96–98).

[4] É certamente possível que uma das razões para a eclosão da Revolução Mexicana nacionalista de 1910, em parte uma revolução contra a influência dos EUA, tenha sido uma reação contra a manipulação da moeda liderada pelos EUA e a mudança forçada da prata para o ouro. Certamente, pesquisas precisam ser feitas sobre essa possibilidade.

[5] O fracasso, no entanto, não diminuiu a demanda do governo dos EUA pelos serviços de Jenks. Ele passou a aconselhar o governo mexicano, serviu como membro do Alto Comissariado da Nicarágua durante o regime de ocupação do presidente Wilson e também chefiou o Escritório do Extremo Oriente do Departamento de Estado (Silva e Slaughter 1989, pp. 136-37).

[6] Para um excelente estudo das missões Kemmerer na década de 1920, veja Seidel (1972, pp. 520-45).

1 COMENTÁRIO