Da mão invisível ao truque invisível

1
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

Por que razão estamos usando dinheiro do estado em vez de dinheiro do mercado?  Dito de outra forma, por que não temos a liberdade de selecionar o dinheiro que queremos usar?  As criptomoedas são uma alternativa de mercado, mas ainda não desbancaram o dinheiro do estado.  Se algum dia ameaçarem fazê-lo, o estado tem o poder de proibi-las.

O dinheiro do mercado é sólido por causa de duas características essenciais: primeiro, ele representa a escolha do mercado de um meio de troca universalmente aceito e, segundo, serve para restringir o governo em grande medida – o que significa que ele liberta o povo. Um estado que saqueia terras estrangeiras em nome da liberdade e da democracia e mantém sua população doméstica submissa com coisas grátis e ameaças, não tem interesse em um dinheiro que não permitiria que nada disso existisse. Por essa razão, os governos odeiam o dinheiro sólido.

Pior ainda, o povo odeia o dinheiro sólido.  Dinheiro sólido significaria assumir a responsabilidade por suas próprias vidas, depender de poupança ou caridade quando a vida vai mal. Eles não poderiam pedir ajuda ao governo porque governos sem impressoras tendem a deixar o dinheiro ficar onde ele está.

Hoje, quase ninguém sabe o que é dinheiro sólido. Além disso, eles poderiam retrucar dizendo: se o dinheiro sólido já foi ouro, olhe para os problemas que ele causou.  Fomos atormentados por Pânicos quando o ouro foi entronizado (esquecendo que o ouro foi corrompido pelo banco de reservas fracionárias ). E quando as recessões chegaram, a economia sofreu porque não havia impressora de último recurso para proliferar dinheiro “insólido” para impulsionar seu motor produtivo (não admitindo que a expansão insólida do crédito criasse o problema em primeiro lugar).

As melhores pessoas são proativas – não gostam de sentar e deixar as coisas seguirem seu curso, como fizeram com as crises do século XIX. É por isso que as elites esclarecidas criaram o Federal Reserve.  As coisas estão melhores hoje com um banco central pronto para se defender da catástrofe com injeções de liquidez. Às vezes, injeções monstruosas. Dinheiro sólido é uma ideia insólida para uma economia moderna e industrial que se foi. O ouro é uma relíquia bárbara, com ênfase no bárbara.

Se a história e a teoria não provassem o contrário, poderíamos ser tentados a acreditar nos detratores do ouro. É certo que parte da história é hipotética, mas é uma hipótese forte.

Quem produz e comercializa

Achados arqueológicos nos mostram que as pessoas já viveram como animais selvagens, caçando e coletando seus alimentos. Quando descobriram que podiam cultivar parte de seus alimentos e domesticar certas plantas e animais, formaram assentamentos. A agricultura fornecia um excedente de alimentos e permitia que as pessoas passassem menos tempo tentando se alimentar e mais tempo trabalhando em outras atividades produtivas, criando assim uma diversificação da mão de obra.

Com a especialização surgiu a oportunidade de negociar, começando com o escambo e avançando para a troca indireta. Todas as outras descobertas que elevaram nosso padrão de vida dependem do simples processo de trocar um bem por outro que é altamente líquido. (Uma casa é altamente valiosa, mas não é de todo líquida, enquanto uma caixa de ovos é líquida e valiosa.) Com esse bem eminentemente comercializável, ele poderia ser trocado por outra coisa em vez de consumido e, assim, através de trocas sucessivas, os indivíduos poderiam adquirir os bens que desejavam e que não poderiam obter por meio da troca direta.

Os bens que se tornaram universalmente aceitos no comércio ficaram conhecidos como dinheiro. Somente com o surgimento do dinheiro é que uma divisão do trabalho poderia se desenvolver em grande medida, permitindo que as pessoas se especializassem em linhas de produção mais adequadas às suas habilidades ou temperamento.

O dinheiro possibilitou o avanço da civilização.

Olhando para trás do nosso poleiro hoje, encontramos algo estranho nessa evolução do escambo para o dinheiro. Em nenhum momento alguém foi capaz de trocar nada por algo – a não ser trapaceando. No mercado livre, uma pessoa não poderia pegar um punhado de folhas molhadas, por exemplo, e esperar trocá-las por uma cesta de ovos ou entrada em uma peça de teatro.  Um comerciante tinha que trazer para o mercado algo que as pessoas realmente queriam.

As pessoas abraçaram a ideia de dinheiro porque isso as tornava muito mais ricas: ao contrário do escambo, elas não estavam mais limitadas por uma dupla coincidência de desejos. Quando o ouro e a prata se tornaram universalmente adotados no Ocidente, as mercadorias fluíram através das fronteiras, prejudicadas apenas pelas políticas governamentais.

Aqueles que recorrem a meios políticos

Mas a humanidade também se desenvolveu de outras maneiras. Nem todos se contentavam em trabalhar e negociar para sustentar a si mesmos e suas famílias. Alguns homens passaram a fazer parte de uma quadrilha dominante, promulgando regras e exigindo tributos dos produtores em troca de proteção de outras gangues. Assim, o desenvolvimento da civilização coincidiu com o surgimento do governo autocrático, uma estrutura social de várias camadas com bandidos parasitas em vários níveis dando as ordens e o resto da sociedade obedecendo-as.

À medida que o dinheiro cunhado começou a ser usado, os governantes viram que o controle do dinheiro aumentava consideravelmente seu poder.

Ao longo dos séculos, os governos, em conluio com banqueiros, expulsaram o dinheiro-mercadoria dos mercados mundiais, substituindo-o por papel-moeda fiduciário que é divorciado de qualquer conexão com o valor de mercado. Aqueles que tentavam usar ouro em trocas deviam estar preparados para uma longa sentença de prisão.

Num governo autocrático, não esperávamos nada menos. Monopolizar a falsificação de dinheiro sempre foi uma forma preferida de o estado confiscar a riqueza de seus súditos, já que não tem a reação inflamatória que os impostos provocam.

Mas e as chamadas sociedades democráticas, onde o governo supostamente serve aos interesses do povo que as elege?  Algum economista descobriu uma verdade que legitima as atividades de governos repressivos? Estamos agora sujeitos a um silogismo científico que diz efetivamente que mais de uma coisa boa é sempre melhor, e como dinheiro é bom, mais dinheiro é melhor; e como o papel-moeda pode ser produzido rapidamente e quase sem limite, o papel-moeda (ou seu equivalente eletrônico) é a melhor escolha?

Como chegamos a um esquema monetário tão atroz, sendo que o dinheiro entrou no mundo como um benfeitor inocente da humanidade?

O estado entra em ação

Com a ascensão do poder estatal no século XX sob a bandeira do progressismo, os economistas migraram para o estado para reforçar o ideal de inflação e déficits como condição permanente. De 1930 até a publicação da Teoria Geral de Keynes, em 1936, os economistas do livre mercado caíram no esquecimento. Os poucos livros que oferecem uma explicação de mercado livre da Depressão – notavelmente A Grande Depressão, by Lionel Robbins (1934) e Banking and the Business Cycle: A Study of the Great Depression in the United States de Phillips, McManus, and Nelson (1937) – nunca influenciaram a política.  MacMillan publicou as três obras, e Robbins mais tarde repudiou seu livro.  F. A. Hayek pensou que Keynes mais tarde repudiaria a Teoria Geral, como havia feito com um trabalho anterior, então ele não se preocupou em criticá-la imediatamente (embora de 1937 a 1988 ele a tenha criticado de várias maneiras). Durante a década de 1930 e durante a Segunda Guerra Mundial, o economista do banco Chase, Benjamin Anderson, criticou as políticas do governo em artigos que mais tarde foram publicados em Economia e Previdência Pública em 1949, ano em que morreu.

Como aponta Gary North, o livro de Keynes venceu a batalha ideológica, embora ninguém o leia. Eles leram a versão do livro didático, começando com Economia, de Paul Samuelson, publicado originalmente em 1948. Samuelson liderou a tarefa de promover a “obra genial” de Keynes:

       É um livro mal escrito, mal organizado, qualquer leigo que, seduzido pela reputação anterior do autor, comprou o livro foi fraudado com seus cinco xelins. É arrogante, mal-humorado, polêmico e não excessivamente generoso em seus reconhecimentos. Abunda em ninhos de éguas [definido como “Uma descoberta muito alardeada, que mais tarde se revela ilusória ou inútil”] ou confusões. Nele o sistema keynesiano se destaca indistintamente, como se o autor mal tivesse consciência de sua existência ou conhecesse suas propriedades. Em suma, é uma obra genial.

E conclui:

     Keynes nega que exista uma mão invisível canalizando a ação egocêntrica de cada indivíduo para o ideal social. Esta é a soma e a substância de sua heresia. Repetidas vezes, através de seus escritos, encontra-se a figura de linguagem de que o que é necessário são certas “regras do caminho” e ações governamentais, que beneficiarão a todos, mas que ninguém por si só é motivado a estabelecer ou seguir. [Grifo meu]

O pobre leigo não só foi fraudado em seus xelins, como lhe foi negada uma exposição clara de como funcionava uma economia de mercado.  Em vez disso, dizem-lhe que precisamos do grande governo salvador para evitar que a economia se autodestrua.

As ações governamentais, por sua natureza, nunca beneficiam a todos.  A mão invisível de Smith funcionou contanto que os intervencionistas não agissem.

Como Keynes é considerado o economista mais influente do século XX, os governos hiper-intervencionistas, e não o mercado, são donos do estado econômico em declínio do mundo hoje.  Se as economias estivessem livres da intrusão estatal, a vida seria muito melhor e qualquer pedido de um Grande Reinício seria descartado.

 

 

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO

  1. “No mercado livre, uma pessoa não poderia pegar um punhado de folhas molhadas, por exemplo, e esperar trocá-las por uma cesta de ovos ou entrada em uma peça de teatro.”

    A princípio é uma ironia, considerando que o estado faz exatamente isso nos dias atuais, só que não são folhas molhadas – de árvores? mas folhas pintadas…