Dados mostram que quarentenas e máscaras não fazem nada contra o vírus

7
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

A visualização de dados é uma coisa maravilhosa. Isso nos ajuda a entender tendências importantes que seriam invisíveis apenas nos dados brutos. Agora, mais do que nunca, os analistas de dados têm sido instrumentais no fornecimento de visualizações de dados que refutam dois dos slogans mais amplamente aceitos e infundados da turba pró quarentena e militante de máscaras: “As quarentenas salvam vidas” e “Use a maldita máscara.” Os dados contam uma história surpreendentemente clara sobre a eficácia dos decretos de máscaras e quarentenas em impedir a disseminação do covid-19: ambos são fúteis e o último é mortal.

“As quarentenas salvam vidas.”

Sem qualquer precedente histórico ou científico que indique que as quarentenas foram remotamente eficazes para salvar vidas, os governadores fecharam sozinhos suas economias em um esforço para fazer algo rapidamente, qualquer coisa para diminuir a propagação. Questionar essas ordens em bases morais ou utilitárias rapidamente se tornou “questionar a ciência”, um slogan excepcionalmente estranho para a suposição de que existia qualquer evidência que justificasse a eficácia das quarentenas. Mas depois de apenas alguns meses de quarentena, ficou claro pela primeira vez que não havia correlação entre a rapidez com que uma região foi colocada em quarentena e o número de mortos nessa região:

O valor de R2 abissalmente baixo mostra que a imposição rápida da quarentena claramente não importava, mas e quanto a quarentena em geral? Certamente os lockdowns mais rígidos salvariam mais vidas, certo? Dificilmente.

Se a ciência estivesse estabelecida sobre a eficácia da quarentena, este gráfico deveria inclinar-se inequivocamente para baixo, indicando que lockdowns mais rigorosos são mais eficazes na mitigação de casos. Essa tendência não existe. Aqui está uma visualização ajustada à população, cortesia da PANDA, que compara o rigor da quarentena de uma nação com seu número de mortos por milhão.

Mais uma vez, se a ciência da quarentena estivesse realmente estabelecida, a metade direita deste gráfico deveria consistir quase inteiramente de barras pretas e vermelhas – países com rigor de lockdown “duro” a “extremo” – enquanto a metade esquerda deveria consistir quase inteiramente de barras roxas e verdes — países com rigor de quarentena “normal” a “leve”. Não vemos tal correlação, e apontar a falta de correlação em qualquer um dos gráficos acima o deixará anatematizado pela grande mídia e seus especialistas em saúde favoritos.

Os custos da quarentena

As quarentenas não apenas não desempenharam nenhum papel na mitigação de doenças, como também acarretaram custos mortais. Você pensaria que os proletários funcionários de saúde que informam as decisões de saúde pública teriam considerado os custos potenciais de interromper as cadeias de abastecimento globais e forçar centenas de milhões de pessoas a permanecerem trancadas em suas casas. Não importa. Quando as nações ao redor do globo estão em “guerra” com um vírus, a ação imediata é a única opção. Malditas consequências.

O que se segue são alguns dos custos mais alarmantes das quarentenas, custos que dificilmente são eclipsados ​​pela abundância de histórias tristes anedóticas circulando nas redes sociais. A mídia mainstream e as autoridades de saúde pública teriam que ignorar essas consequências potenciais por causa de sua fixação monomaníaca em “casos”, uma fixação que elevou acima de tudo o pensamento econômico de curto prazo e as políticas projetadas para as fazer as pessoas se sentirem bem.

  • O New York Times prevê 1,4 milhão de mortes em excesso por tuberculose ao lado de quase 1 milhão de mortes em excesso por malária e HIV.
  • A ONU estima que cerca de 130 milhões de pessoas correrão o risco de morrer de fome graças as quarentenas das cadeias globais de abastecimento de alimentos.
  • O CDC relatou pouco menos de 200.000 mortes em excesso, um salto de 26,5% em relação aos anos anteriores, atribuível a covid-19 em um período de dez meses; a maioria dessas mortes afetou pessoas de 25 a 44 anos.
  • O UNICEF previu um excesso de 1,2 milhão de mortes infantis (com 5 anos ou menos) em um período de seis meses
  • A Associate Press relacionou a fome relacionada ao vírus a 10.000 mortes de crianças por mês no primeiro ano da pandemia
  • O CDC conduziu uma pesquisa de uma semana em junho descobrindo que 25% dos jovens adultos entre 18 e 24 anos de idade consideraram o suicídio por causa da pandemia.
  • A CBS citou um estudo que indicava o potencial para 75.000 mortes por desespero em excesso: mortes devido ao uso de drogas e álcool ou suicídio
  • Um relatório do CDC descobriu um aumento de 31% nas visitas à emergência relacionadas à saúde mental para crianças entre 12 e 17 anos em um período de três meses.

Até o The Atlantic agora admite que pedir às pessoas em países de baixa e média renda que fiquem em casa é, em muitos casos, pedir que morram de fome. Simplesmente não há como justificar a alegação de que as quarentenas salvam vidas com o conhecimento de seus custos. Mais informações podem ser encontradas sobre as consequências para a saúde física, mental e social das quarentenas em Collateral Global e thepriceofpanic.com.

“Use a maldita máscara.”

Na última quarta-feira, o governador Mike DeWine, de Ohio, fez um longo discurso no Twitter sobre a importância do uso de máscaras. Entre muitas observações, uma das mais ridículas foi a que ele tuitou dizendo que agora sabemos que “usar máscara … é a principal maneira de retardar esse vírus”. Declarações como essas dão a impressão de que usar máscaras retarda a disseminação de covid-19. Os dados refutam consistentemente essa afirmação absurda:

Se esses gráficos fossem deixados em branco, você não seria capaz de fixar com precisão onde estaria o decreto de máscara no gráfico. Se as máscaras desempenham um papel tão importante na mitigação de doenças, então esses gráficos – mais podem ser vistos aqui, aqui, aqui e aqui – não deveriam ser nada parecidos com o que eles são, especialmente nos Estados Unidos, onde o cumprimento do uso de máscara, a partir de meados de agosto, estava em 84%. Se essas visualizações mostram algo, é que o vírus segue seu curso independentemente das tentativas fracassadas dos políticos de controlá-lo.

Uma breve nota sobre “casos”

Sem dúvida, esta foi uma pandemia causada por casos. Quarentenas, decretos de saúde pública e pânico social oscilam com a contagem de casos. Muito, senão todo, esse pânico pode ser atribuído a testes extremamente sensíveis de PCR (reação em cadeia da polimerase), que são usados ​​para identificar “casos” de covid-19. As aspas em “casos” são justificadas, uma vez que a grande maioria dos testes de PCR positivos detectam material genético inerte, essencialmente pedaços “mortos” de vírus que não representam ameaça para ninguém. Um artigo recente do New York Times resume bem a questão da sensibilidade do PCR.

No mesmo artigo, Juliet Morrison, virologista da Universidade da Califórnia, disse que qualquer teste de PCR com mais de 35 ciclos é muito sensível, e o epidemiologista de Harvard Michael Mina até recomendou um limite de contagem de ciclos de 30 ou menos! O mesmo artigo do New York Times também apontou para os próprios cálculos do CDC, que sugerem que “é extremamente difícil detectar qualquer vírus vivo em uma amostra acima de um limite de 33 ciclos.”

O teste de PCR ultrassensível leva a uma contagem de “casos” artificialmente alta, o que se traduz em um número artificialmente alto de hospitalizações covid-19 – uma excelente análise dos números inflacionados de hospitalizações por covid pode ser encontrada aqui. Simplesmente reduzir a sensibilidade dos testes de PCR a níveis realistas desmoronaria dogmas envolvendo o covid e acabaria com esse pânico infundado quase que instantaneamente. Surpreendentemente, apesar desses números inflados, as taxas de ocupação de hospitais nos Estados Unidos permanecem abaixo de 80% em todas as áreas, exceto Rhode Island e Washington, D.C. Em algumas regiões, isso representa uma melhoria em relação aos anos anteriores.

Retornando à vida normal

Os dados falaram por si só, e há muito tempo que deveríamos ter voltado à vida normal, não algum “novo normal” distópico onde os outros indivíduos são considerados patógenos sem rosto e as reuniões são limitadas a dez pessoas. O mundo precisa desesperadamente de mais indivíduos “anticientíficos”, como o vereador Joe Borelli, que twittou o seguinte antes do Dia de Ação de Graças:

Terei mais de 10 pessoas na minha casa no Dia de Ação de Graças. Meu endereço é público. Alguns parentes virão de (suspiro!) Nova Jersey.

As crianças vão ver os avós, os primos vão brincar no quintal, a irmã vai trazer torta de morango e ruibarbo e um peru vai passar do ponto.

[Ou, um outro exemplo, como fez o jornalista Augusto Nunes, que declarou o seguinte no vídeo abaixo:]

É claro que isso levou a respostas enfurecidas como “Você está do lado do vírus!” que mais ou menos resume o contra-argumento do establishment a qualquer pessoa que deseja manter sua própria humanidade ou que não se curva instantaneamente à “autoridade especializada”.

Os seres humanos são mais do que entidades biológicas sem paixão, cujo único propósito é permanecer alimentado, hidratado, trabalhar e viver a vida pela tela de um laptop. Por meio de suas quarentenas e do medo induzido pela mídia, o estado praticamente destruiu tudo o que faz a vida valer a pena: musicais, shows, feriados, eventos esportivos profissionais, reuniões e celebrações familiares, viagens recreativas, adoração religiosa, shows de comédia, festivais de arte e muito mais. Essas coisas ainda existem tecnicamente, mas apenas como sombras na caverna de Platão.

 

Artigo original aqui.

7 COMENTÁRIOS

  1. De fato, é impressionante a capacidade de um economista entender mais de saúde do que um profissional da área medica. É a mesma coisas que um professor de português dizer como que um arquiteto ou engenheiro e um engenheiro tem que construir uma casa. Enquanto isso pessoas morrem por seguir esse tipo de matéria tendenciosa e sem fundamento.

  2. Mais uma fundamentação ideológica e não científica. O autor é adepto do liberalismo extremo, estudou na Escola de Viena, que se caracteriza de longa data pelo extremismo .Todos os estudos médicos confiáveis de todo planeta recomendam o uso de máscara e distanciamento social Procedimentos semelhantes adotados para combater a Gripe Espanhola, entre 1918 e 1920.Vamos deixar para discutir o que é melhor para combater o Covid 19 , sob a responsabilidade das autoridades médicas e não aos palpiteiros economistas.

  3. Oras, a lógica do manter distante e em local sem acesso de pessoas e as que entrarem em contato somente com EPI, máscara e demais dispositivos de proteção individual, advém do ambiente hospitalar, que se precavem diuturnamente com essas medidas, além de outras, para evitar a discriminação de vírus e bactérias no ambiente.Apenas aplicaram essa máxima aos demais locais. Óbvio que essa proteção toda não é infalível, pelo contrário, mas ameniza um pouco.

    • Você levou em conta o tempo entre a contaminação e as medidas governamentais, certo? Uma coisa é o número de casos aumentarem em uma determinada cidade e a quarentena pelo menos aliviar a taxa de transmissão, outra coisa muito diferente (até oposta de certa forma) é fazerem medidas draconianas e não haver um único dado que comprove que depois dessas medidas tiradas da bunda a taxa de mortes ou de transmissão sequer teve mudança significativa. Literalmente até agora não existe nada que comprove a necessidade de Lockdown além da falácia da autoridade