De onde ‘progressista’ e ‘conservador’ realmente vêm

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Se os progressistas são todos coração e sem cérebro e os conservadores são todos cérebro e sem coração, como você descreveria os libertários?

Que tal, “Claramente os libertários são o equilíbrio perfeito entre os dois.

Eis por que essa é uma avaliação bastante precisa:

Muito antes de a história ser possibilitada pela escrita, como nós, nossos ancestrais pré-históricos de pequenos grupos viviam principalmente usando seus cérebros, não seus músculos.

Ao contrário de outros animais, eles — como nós — nasceram praticamente, como dizem Rousseau e outros, com uma tabula rasa. Ou seja, como “tábulas em branco” com relativamente poucos instintos, impulsos e outros comportamentos inatos.

Por exemplo, enquanto animais ungulados conseguem andar poucos minutos após o nascimento e correr logo depois, levamos aproximadamente três meses para aprender a apenas engatinhar.

A vantagem dessa falta de comportamento rígido é que ela dá a nós humanos uma flexibilidade sem precedentes, permitindo-nos aprender a viver em todos os lugares, desde o Ártico gelado até as selvas fumegantes do Equador e as areias ardentes do Kalihari. E, na estação espacial, mesmo no espaço “externo”. Mesmo, talvez, em Marte, etc.

No entanto, por causa de nossas inatas tábulas em branco como nós, quase todos os conhecimentos, habilidades e comportamentos-chave de nossos ancestrais tiveram que ser adquiridos pela experiência, ou, de preferência, aprendendo com outra pessoa, evitando assim os muitos perigos de aprender por meio da experiência.

O fato de não herdarmos nossos principais conhecimentos, habilidades, informações e comportamentos significa que cada um de nós se torna um depositário de informações, habilidades, conhecimentos e, principalmente, experiências diferentes, muitas vezes únicas – e às vezes críticas. E estas existem apenas em nossos cérebros individuais.

Essa dispersão de conhecimento e experiência únicos significa que o banco de dados humano essencial e o sistema operacional estão espalhados e distribuídos entre todos os indivíduos ao nosso redor.

Madrigal sabe quais ervas ajudam a curar feridas – e como encontrá-las e usá-las. Gaud sempre pode encontrar aquele poço escondido durante a travessia semestral do deserto.

Mas nossos ancestrais tinham um problema que não temos: eles eram de fato pré-históricos — isto é, eles existiam antes que a escrita estivesse disponível para escrever a história em preto e branco.

Assim, como o povo do livro em Fahrenheit 451, nossos ancestrais eram a única biblioteca de referência e internet uns dos outros.

A perda de Madrigal ou Gaud pode ser catastrófica para todos. Idem a perda de outros membros do grupo e seus conhecimentos e informações especiais.

A Mãe Natureza não estava alheia a esse problema e assim nos deu um conjunto apropriado e quase único de comportamentos que nos estimulam a nos manter vivos. Por convenção, as pessoas chamam esses comportamentos de “altruísmo”.

Mas altruísmo cria seus próprios problemas. O antropólogo, estudioso e homem geral Christopher Boehm coloca desta forma:

    “Como cooperadores alegres e altruístas, pessoas guiadas por sentimentos generosos e expectativas positivas sobre cooperação, podem evitar ser explorados por preguiçosos e trapaceiros, ou por valentões oportunistas que tiram vantagem de situações à força?” –Christopher Boehm, Hierarchy in the Forest, p. 212″

Preguiçosos e trapaceiros são uma coisa. Os valentões oportunistas que tiram vantagem de situações à força – ou como os chamamos, psicopatas – são um problema muito maior, especialmente quando se transformam em “líderes” permanentes.

No entanto – uma vez que todos eles têm efeitos semelhantes – preguiçosos, trapaceiros, valentões e líderes de bullying são geralmente chamados de “free-riders” pelos geneticistas populacionais. Assim, os geneticistas populacionais perguntam com razão: “Como os genes altruístas podem sobreviver quando assediados por todos os tipos de aproveitadores?”

Em outras palavras, como os altruístas – que têm a intenção de manter o banco de dados intacto, mantendo todos vivos – evitam serem feridos e extintos por aproveitadores – que estão muito satisfeitos em tirar proveito de suas tendências altruístas?

Assim, nossos ancestrais dependentes de dados tiveram que resolver duas equações concorrentes ao mesmo tempo:

  1. Como preservar o banco de dados mantendo todos vivos e, ao mesmo tempo,
  2. evitar que os oportunistas não deixem todo mundo perecer?

Boehm aponta para a solução com uma visão incomum – pelo menos incomum para um economista não-austríaco. Ele reconhece que, em nossos pequenos grupos ancestrais, “partilha vigilante” – ao invés de “automática, não ambivalente, totalmente altruísta” é como as coisas são feitas e postula – mesmo no nível do pequeno grupo ancestral – “inteligência atuarial” no conjunto de habilidades que faz o “compartilhamento vigilante” funcionar.

Em outras palavras, as pessoas inatamente acompanham seu “compartilhamento” – e esperam, com razão, reciprocidade. Novas pesquisas mostram que esse acompanhamento começa em crianças a partir dos três anos de idade.

Você quase certamente experimentou o resultado. Você sabe quem precisa pagar a próxima rodada de bebidas para equilibrar as contas – e qual mãe que leva as crianças para a escolinha de futebol precisa dirigir esta semana.

Mesmo a literatura sociológica deficiente chama essas transações de “altruísmo recíproco”.

Quando esse acompanhamento se torna explícito, nós modernos o chamamos de “contabilidade”. E mesmo antes de se tornar explícito – ou mesmo consciente – cabe a você manter suas contas equilibradas. Caso contrário, você descobrirá que não é mais bem-vindo no bar – e/ou está fora da turma de mães da escolinha de futebol.

Este é o contexto de onde “progressista” e “conservador” – as caricaturas políticas de “esquerda” e “direita” – realmente vêm. “Conservadores” têm uma tendência mais forte de se proteger contra o free-riding e, assim, conservar recursos, enquanto os “progressistas” têm uma tendência mais forte de manter todos vivos – incluindo os free-riders – o que conserva a base de dados distribuída.

Progressista” mantêm as pessoas vivas, os “conservadores” impedem os vagabundos preguiçosos – incluindo os psicopatas, os chamados “realeza” e outros líderes permanentes – de enfraquecer o grupo esgotando seus recursos.

Essa tendência provavelmente não é um ou outro: um equilíbrio genético progressista/conservador diferente provavelmente existe dentro de cada um de nós. E provavelmente é flexível, levando a um equilíbrio diferente dependendo de nossa percepção subjetiva da situação de sobrevivência. Mais progressista em tempos de fartura, mais conservador em tempos de carência.

E são as variações nesse equilíbrio – e nessa percepção subjetiva – onde as diferenças políticas começam regularmente.

Alguns podem sugerir que pessoas com tendências libertárias são o equilíbrio perfeito entre os dois.

 

 

Artigo original aqui