Como os monarcas se tornaram servos do Estado

3
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

Os monarcas europeus vêm e vão, mas a mídia americana — sem dúvida em grande parte devido ao fato de os britânicos falarem e escreverem em inglês — segue a monarquia britânica mais de perto do que a de outros países. Especialistas americanos não tinham muito a dizer quando o rei Juan Carlos da Espanha abdicou em 2014 após um escândalo de peculato. Mas, faz apenas algumas horas desde a morte da rainha Elizabeth II, e as especulações sobre o futuro da monarquia britânica já são abundantes. Hayes Brown, da MSNBC, escreve esta semana, por exemplo, sobre como Elizabeth manteve uma instituição em declínio, mas “é inteiramente provável que [o novo rei Carlos III] e seu provável sucessor, o príncipe William, supervisionarão o desmoronamento da própria monarquia.”

Veremos.

Mas em um aspecto Brown está inegavelmente certo quando diz: “as rodas do Estado continuarão girando sem ela”. Claro que continuarão. No mundo moderno, nenhum dos monarcas da Europa é uma instituição crítica dentro dos regimes sobre os quais eles ostensivamente “reinam”.

De fato, o simples fato de nos referirmos ao “Estado” como algo distinto de um monarca ilustra um fato crucial sobre a relação entre monarcas e Estado no mundo moderno: os Estados superaram e substituíram os monarcas como a verdadeira fonte de poder legal e militar em seus respectivos territórios. Os estados modernos subsequentemente expandiram esse poder muito além do que até mesmo os monarcas mais ambiciosos dos séculos passados ​​poderiam sonhar. Há uma ironia aqui, no entanto. Na Europa, foram os próprios monarcas que construíram tribunais e instituições militares nos imensos estados que conhecemos hoje. No processo, porém, os monarcas perderam o controle dessas instituições cada vez mais pesadas e burocráticas. Eventualmente, os monarcas se tornaram apêndices do estado, e não o contrário, como os monarcas pretendiam originalmente. Tudo isso ocorreu antes mesmo do advento dos estados democráticos. No século XIX, o antigo modelo de governo dinástico privado havia sido derrubado pela máquina dos Estados, tanto democráticos quanto não.

Monarquia antes do Estado

Certamente, as monarquias de hoje não devem ser confundidas com as monarquias que existiam antes que o Estado ganhasse destaque nos séculos XVI e XVII.

Os monarcas pré-estatais, afinal, eram essencialmente proprietários privados de terras cuja renda dependia em grande parte dos aluguéis cobrados das propriedades privadas do monarca. Esses aluguéis não eram necessariamente cobrados na forma de dinheiro, e o dinheiro era frequentemente escasso. Mas esses proprietários de terras, no entanto, coletavam recursos – na forma de colheitas, serviço militar ou outros pagamentos em espécie – daqueles que usavam as terras dos proprietários. Nesse ambiente, porém, não havia instituição “soberana” que exercesse o monopólio dos meios de coação, sendo o sistema essencialmente um sistema de direito privado. Era, como John Strayer colocou, um sistema de “poder público em mãos privadas e um sistema militar no qual uma parte essencial das forças armadas é garantida por contratos privados”. Esses contratos se resumiam, como descreve Hendrik Spruyt, a “governo por laços pessoais.” Acordos para prestar serviço militar, por exemplo, eram uma questão de promessas feitas a indivíduos específicos. Se esses indivíduos morressem, os contratos se tornavam nulos e sem efeito.

As dinastias governantes não eram instituições estatais impessoais permanentes, mas redes mantidas unidas por laços familiares e relacionamentos individuais. Os territórios sobre os quais eles reivindicavam alguma parte da propriedade mudavam com frequência. Não havia um sentido de uma nação territorial. Os reis que os governavam muitas vezes tratavam dos negócios pessoalmente. Esses reis sentavam-se pessoalmente em tribunais decidindo casos. Eles lideravam pessoalmente campanhas militares para proteger suas propriedades de outros.

Quando as responsabilidades e as terras de um rei se tornavam numerosas demais para serem tratadas pessoalmente, isso poderia ser tratado por meio de acordos, juramentos e contratos com outros príncipes em uma complexa rede de vassalagem conhecida como feudalismo. Isso manteve as coisas locais e dependentes da cooperação e negociação descentralizadas. Mas, novamente, isso não deu aos monarcas um monopólio indiscutível dentro de suas terras. Muitos reis poderosos eram vassalos de outros reis e príncipes. Isso naturalmente limitava o poder dos reis e os impedia de exercer o que hoje chamaríamos de prerrogativas estatais.

A Ascensão do Estado

No final da Idade Média, no entanto, alguns desses príncipes tornaram-se ricos o suficiente para dispensar a necessidade de acordos de quid-pro-quo inconvenientes com outros príncipes. O aumento dos excedentes de alimentos e a crescente disponibilidade de dinheiro significavam que reis e príncipes mais ricos podiam pagar diretamente por soldados e outros suprimentos militares. Os nobres locais podiam ser comprados. Cobradores de impostos– diretamente leais ao rei – poderiam ser enviados para coletar receita. A guerra também se tornou mais cara, o que significa que os príncipes e reis mais ricos tornaram-se comparativamente mais eficazes em subjugar os concorrentes menos ricos. Os reis começaram a consolidar mais terras e mais poder.

Isso mudou consideravelmente o jogo. À medida que os reis se tornavam mais ricos, sua riqueza mantinha uma população crescente de clérigos, soldados, juízes e funcionários que dependiam diretamente do rei para obter renda. Esses burocratas pagos tornaram-se tão numerosos que os reis tiveram que dar cargos até mesmo a muitas pessoas fora dos círculos internos da monarquia. Agora havia uma nova classe de pessoas que dependiam do rei para obter receita, mas que, no entanto, tinham seus próprios interesses, suas próprias famílias e suas próprias agendas.

Isso representava um perigo para os próprios monarcas. O rei havia concedido a esses agentes do estado nascente uma parte do poder. E se eles usassem esse poder para promover seus próprios objetivos e favorecidos? Essas pessoas poderiam prejudicar a capacidade do rei de coletar receita, formar exércitos ou impor “lei e ordem”. De fato, na década de 1640, alguns dos partidários do monarca espanhol temiam que a crescente burocracia espanhola pudesse acabar “tornando o próprio rei supérfluo“.

No entanto, os monarcas prosseguiram de qualquer maneira. No século XVII, os monarcas estavam montando imensos exércitos permanentes e construindo enormes instalações militares capazes de resistir ao novo armamento de pólvora. Os dias de liderar pessoalmente os exércitos haviam passado. Como JH Elliott observou, a importância central dessa nova burocracia talvez seja bem ilustrada pela evolução dos monarcas de homens que cavalgavam para a batalha em homens que, como o espanhol Filipe II “passava o dia de trabalho nesta mesa cercado por pilhas de documentos.”

Um estado em crescimento significava uma pilha crescente de papelada para gerenciá-lo. Mas, eventualmente, o estado dominaria os próprios monarcas. Segundo Martin Van Creveld, no final do século XV, os governantes e seus súditos já estavam se conscientizando da ideia de que havia uma máquina dentro do Estado separada do monarca. Um novo vocabulário surgiu: frases como “a coroa”, “o estado” e “a nação” passaram a representar algo sobre o qual o rei não governava, mas sim servia. Os reis não tinham mais permissão para simplesmente cuidar de suas propriedades particulares. Isso foi, como Spruyt coloca, “a mudança qualitativa da regra pessoal para a autoridade pública“. Dito de outra forma, podemos descrever isso como uma mudança de proprietário de terras privado para agente do Estado.

Os monarcas são absorvidos pelo Estado

No final do século XVIII, observa Van Creveld, o Estado “não era mais idêntico à pessoa do governante… Tendo crescido a partir dos instrumentos que ajudaram os monarcas a se tornarem governantes absolutos, o Estado adquiriu vida própria.”

Não por coincidência, isso talvez tenha se tornado mais evidente nos reinos com os estados mais fortes daquele período: Inglaterra e França. Na Inglaterra, por exemplo, os revolucionários da Guerra Civil Inglesa não apenas cortaram a cabeça do rei, como também aboliram completamente a monarquia. Isso não foi feito como uma operação da multidão, mas com o consentimento dos representantes do estado inglês no Parlamento. Em outras palavras, os parlamentares deixaram bem claro que é “o povo” – que o Parlamento afirmava representar – que definiu a “nação”. O papel do rei era simplesmente oferecer certos serviços. Eventualmente, o Parlamento restaurou a monarquia, mas a lição foi aprendida. Em 1688, o Parlamento novamente interveio para substituir um rei por outro mais ao gosto do Parlamento.

Na França, os revolucionários expandiram o mesmo tema. Décadas antes, o rei Luís XIV havia passado muitos anos trabalhando para criar o maior, mais rico e mais poderoso estado da Europa. Então os instrumentos daquele estado se voltaram contra a própria dinastia de Luís. Luís disse mais do que sabia quando em seu leito de morte refletiu: “Eu parto, mas o Estado sempre permanecerá”. O tataraneto de Luís XIV, Luís XVI, poderia ter dito a mesma coisa na forca.

Após essas crises, ficou bastante claro que nem a Inglaterra nem o estado inglês eram propriedade do rei ou de sua dinastia. O mesmo ficou claro para os remanescentes da monarquia na França. De fato, monarquias em toda a Europa estavam se encontrando em situações semelhantes. Isso ocorreu décadas antes de esses monarcas serem substituídos por regimes republicanos democráticos. Até então, o governo real já havia sido substituído em tudo, exceto no nome, por regimes estatais de vários tipos. Hoje, muitos estados da Europa toleram monarquias institucionais. Os homens e mulheres dessas instituições agora são frequentemente líderes de torcida em tempos de guerra. Ou podem ser usados ​​para apoiar abertamente o estado contra seus inimigos, como quando o rei Felipe da Espanha interveio para condenar os secessionistas catalães. Os nacionalistas costumam elogiar os monarcas como símbolos de “unidade nacional”. Nisto não encontramos vestígios do que os monarcas se imaginavam nos dias do governo dinástico, que desapareceu séculos atrás.

 

 

Artigo original aqui

3 COMENTÁRIOS