Deletando o Estado: um desafio para os minarquistas

1
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

O excelente livro de Aeon Skoble[1] Deleting the State: An Argument about Government apresenta um desafio fundamental para os libertários do estado mínimo. Todos os libertários consideram a liberdade como o mais alto valor político e se opõem à coerção. Por que, então, alguns libertários rejeitam o anarquismo? Sob o anarquismo, as pessoas escolhem livremente sua própria agência de proteção; mas a variedade minarquista do libertarianismo os proíbe de fazê-lo, desde que permaneçam no território controlado pelo Estado mínimo. Como os libertários podem justificar coagir as pessoas dessa maneira?

Skoble encontra a resposta no que chama de “Medo Hobbesiano”. Hobbes argumentou notoriamente que as pessoas em estado de natureza não podiam confiar umas nas outras para manter os acordos de abster-se do uso da força. Em um estado de guerra perpétua (incluindo tanto a luta real quanto a prontidão para lutar), a vida seria “solitária, pobre, desagradável, brutal e curta”. Para escapar desse destino, seria racional que cada um entregasse suas armas a um soberano, que teria então o poder de garantir que as pessoas cumprissem seus acordos. Nesta circunstância, as pessoas poderiam se beneficiar da sociedade. Hobbes não acolheu a perda da liberdade como um bem em si, mas argumentou que somente pela rendição drástica da liberdade que ele especificou poderia a paz ser preservada.

Os libertários obviamente rejeitam o Leviatã de Hobbes. No entanto, pensa Skoble, os minarquistas em parte adotam o medo hobbesiano. Eles não pensam que as pessoas, ou as agências de proteção que eles designam para fazer valer seus direitos, seriam capazes de chegar a um acordo pacífico, na ausência de um estado monopolista. Por isso, eles acham necessário permitir mais coerção do que seria idealmente desejável. Sem dúvida, é ruim que as pessoas nem sempre possam ser defendidas pelo órgão de proteção de sua escolha; mas esse sacrifício da liberdade é necessário para a existência da sociedade.

Skoble diagnosticou com precisão as motivações dos estatistas mínimos? Ele se esforça para apoiar sua afirmação por meio de uma análise de três notáveis ​​filósofos libertários: Robert Nozick, Tibor Machan e Jan Narveson. Como Skoble aponta, Narveson abandonou o estatismo após a publicação de The Libertarian Idea; e mesmo lá, ele demonstrou considerável insatisfação com o Estado. No entanto, Skoble, com razão, acha importante examinar o argumento contratualista em favor do Estado apresentado naquele livro.

Sua explicação de Nozick me parece não ter compreendido totalmente o argumento elusivo da Parte I de Anarquia, Estado e Utopia. Skoble sustenta que Nozick favorece o estado mínimo por razões de eficiência. Agências de proteção concorrentes temeriam ataques preventivos de outras agências. Para evitar esse resultado, uma agência dominante teria justificativa para forçar todos no território que controla a fazer uso de seus serviços. Não só a agência dominante poderia legitimamente proibir a concorrência; ela poderia obrigar mesmo aqueles que prefeririam uma agência diferente a pagar por seus serviços de proteção.

Visto dessa forma, a explicação de Nozick faz uso apenas do medo hobbesiano que Skoble postulou. Mas Nozick não diz que a agência dominante pode obrigar aqueles que preferem outras agências a se juntarem a ela. Tampouco pode obrigar as pessoas a pagar por seus serviços de proteção. Além disso, embora Nozick discuta ataques preventivos, ele não assume que as agências vão temer tais ataques por outras agências.

O próprio Skoble cita uma passagem de Nozick que parece minar sua tese.

    [Mas] refutamos a acusação que imaginamos anteriormente de que nosso argumento falha porque “prova” demais na medida em que fornece uma justificativa não apenas para a ascensão permissível de uma associação protetora dominante, mas também para a associação proibir alguém de contratar outra no seu lugar ou alguém proibir uma pessoa de se associar a qualquer associação. Nosso argumento não fornece justificativa para essas últimas ações e não pode ser usado para defendê-las (p. 68, ênfase removida, citando Nozick, Anarquia, Estado e Utopia.)

Diante dessa passagem, como Skoble pode manter sua interpretação de Nozick? Ele responde assim:

    Se o argumento não fornecer uma justificativa para a associação protetora dominante que proíbe os indivíduos de optar por não participar, então Nozick não tem argumentos para o estado além do que poderia surgir sem violar os direitos de ninguém. No entanto, ele vê o desenvolvimento como mais do que simplesmente uma possibilidade lógica… ele deve acreditar que nenhum conjunto competitivo de tais agências poderia ser justo e viável. (págs. 68–9)

Skoble permitiu que sua concepção do que um estatista mínimo deve acreditar baseasse sua interpretação de Nozick. No sistema de Nozick, a agência dominante pode proibir com sucesso outras agências de impor procedimentos de decisão arriscados a seus clientes. Porque ao fazê-lo prejudica esses independentes, deve fornecer-lhes serviços de proteção gratuitos ou de baixo custo. Essas características, na visão de Nozick, são suficientes para tornar a agência dominante um Estado mínimo. Se Skoble não concorda que isso é suficiente para um estado, ele pode estar certo; mas essa é a alegação de Nozick. Ele não diz, como Skoble pensa, que a preservação da sociedade necessita de coerção que viole os direitos.

Mesmo que eu esteja certo sobre Nozick, Skoble ainda não tem um bom argumento? A razão pela qual Nozick pensa que a agência dominante pode proibir procedimentos de decisão arriscados é que o conhecimento de que esses procedimentos podem ser aplicados evoca medo. Não temos aqui um tipo de Medo Hobbesiano?

Mas este é apenas o ponto crucial. Na estrutura de Skoble, o medo hobbesiano leva os libertários a aceitar a coerção que de outra forma considerariam injustificada. Nozick não pensa assim: ele pensa que a agência dominante age perfeitamente dentro de seus direitos ao proibir procedimentos de decisão arriscados para seus clientes. Skoble, se o entendi, pensa que a agência dominante pode de fato fechar todas as agências concorrentes declarando seus procedimentos de decisão inaceitavelmente arriscados. Mas isso não está correto: a agência dominante não pode proibir outras agências de aplicar tais procedimentos a não clientes. Nozick não afirma que as agências seriam incapazes, sem um Estado mínimo, de resolver pacificamente suas diferenças sobre os procedimentos de decisão: ele acha que elas não têm obrigação de fazê-lo. Skoble sente falta disso quando diz:

    Temos alguma razão para pensar que as empresas procurariam este tipo de solução (cooperativa), em vez de recorrer a conflitos violentos? … Nozick só pode descartar essa possibilidade apelando para um medo hobbesiano. (pág. 69)

O esquema de Skoble também não se encaixa totalmente no argumento de Tibor Machan. Machan levanta uma objeção às agências de proteção concorrentes que apoiam a análise de Skoble. Machan imagina uma situação em que uma agência condena um cliente de outra agência por um crime. O que então acontece? Se Machan considera isso uma dificuldade para o anarquismo, ele não deve pensar que as agências achariam difícil, se não impossível, chegar a um acordo? Em caso afirmativo, ele não favorece uma única agência de proteção em um determinado território por razões de eficiência, exatamente como sugere o modelo de Skoble?

Machan realmente levanta o problema das agências concorrentes, mas não o trata da maneira que a explicação de Skoble sugeriria. Ele não argumenta que, como as agências concorrentes achariam difícil um acordo nesse tipo de caso, um estado monopolista pode, portanto, por necessidade restringir direitos. Muito pelo contrário, sua alegação é que uma agência de proteção do tipo que ele apoia não viola os direitos de ninguém. Não se trata de abrir mão de direitos por necessidade, como Skoble queria.

Minha objeção a Skoble pode ser esclarecida se considerarmos como um defensor de Robert LeFevre pode evocar o medo hobbesiano contra o anarquismo libertário padrão. Ele pode alegar que os anarquistas convencionais permitem o uso ou a ameaça da força em defesa da propriedade. Tais concessões à necessidade, ele diria, repousam em uma visão quase hobbesiana de que a sociedade não poderia funcionar sem tal dependência da força. Apenas um sistema que renuncie completamente à força, como descrito, por exemplo, no livro de LeFevre This Bread Is Mine, qualifica-se como totalmente libertário.

A resposta do anarquista padrão não seria óbvia? As pessoas que usam a força nas circunstâncias indicadas não violaram nenhum direito: o anarquista padrão não concorda com a posição contrária de LeFevre. Da mesma forma, o minarquista, sugiro, normalmente não se vê como comprometedor de direitos. Ele acha que seu sistema está de acordo com os direitos. É claro que Skoble discorda, e acho que ele está correto em fazê-lo; mas, mais uma vez, não se segue que, do seu próprio ponto de vista, o minarquista aceite violações de direitos.

Dito isso, a discussão de Skoble sobre o medo hobbesiano é de grande valor. Muitas pessoas rejeitam o anarquismo libertário apenas porque pensam que isso levaria ao caos. Skoble argumenta que o medo hobbesiano carece de fundamentos adequados: as pessoas podem resolver disputas sem um estado monopolista.

Como muitos libertários, Skoble apresenta exemplos históricos de sociedades sem Estado, a Islândia, a Irlanda e o oeste americano entre eles. Mas ele não para por aí. Ele confronta o medo hobbesiano em seu próprio terreno de teoria.

O argumento hobbesiano pode ser colocado dessa maneira. Um grupo de pessoas pode reconhecer que, se todos se abstivessem de iniciar a violência, todos estariam em melhor situação. A vida não seria mais desagradável, brutal e curta: as pessoas poderiam agora viver em paz. Infelizmente, esse reconhecimento não gerará o acordo necessário. Cada pessoa também reconhecerá que ainda seria melhor se ela própria recorresse à violência sempre que julgasse vantajoso. Se os outros mantiverem seu acordo, tanto melhor, e se não o fizerem, uma fica claramente pior por ser a única pessoa a observar o acordo. É claro, todos raciocinarão da mesma forma e ninguém cumprirá o acordo. Em resumo, temos aqui um clássico Dilema do Prisioneiro.

Skoble traz à tona importantes trabalhos de Robert Axelrod e escritores posteriores que enfraquecem a análise que acabamos de apresentar. O argumento de que a manutenção do acordo, apesar de suas reconhecidas vantagens para o grupo, é irracional só se aplica a um caso especial. Se as pessoas não esperam ter mais relações umas com as outras, então a deserção é o curso racional. Mas as pessoas em uma sociedade não se encontram em tal “Dilema do Prisioneiro de um só tiro”. Muito pelo contrário, elas devem lidar uma com a outra repetidamente. Em tal “Dilema do Prisioneiro iterado”, a cooperação, e não a deserção, é racional.[2]

   Desertar é a estratégia dominante, apenas se você jogar o jogo apenas uma vez. Não é a estratégia dominante, a pesquisa [de Axelrod e escritores posteriores como Martin Nowak e Karl Sigmund] mostra, se você jogar o jogo em série, isto é, repetidamente. Acontece que, nesse caso, a estratégia mais eficaz é a cooperação responsiva… (p. 63)

Sem dúvida, podem ser levantadas objeções a esse argumento; por exemplo, pode-se aplicar diretamente o argumento da cooperação a uma situação em que os atores não confrontam repetidamente recompensas idênticas? Mas o argumento de Skoble é imensamente sugestivo. A suposição de que as pessoas precisam de um Estado para sobreviver como sociedade deve enfrentar um poderoso desafio.

O livro contém muito mais, por exemplo, excelentes discussões sobre como uma sociedade anarquista libertária lidaria com desastres e se as divergências entre libertários e defensores de outras visões políticas são “incomensuráveis”. Mas achei melhor me concentrar no argumento central de Skoble. Deleting the State é uma contribuição notável para a teoria política libertária.

 

 

 

Artigo original aqui

_______________________________

[1] Devo dizer que fui um dos dois leitores do manuscrito que Skoble teve a gentileza de reconhecer (p. vii) e que o recomendei para publicação.

[2] Skoble deveria ter notado que isso só é verdade se os jogadores não souberem o número de vezes que terão que decidir o que fazer. Se eles sabem disso, então como a deserção é racional na última jogada, a indução reversa mostra que é racional para cada jogada anterior.

1 COMENTÁRIO

  1. Artigo interssante. Todos aqui no Instituto são ótimos, mas existem alguns que trazem alguns insights, ou em outras palavras, valém um comentário aleatório…

    De uma maneira geral eu considero os miarquistas deste tipo como alienados, reservando o adjetivo de canalhas aos liberalóides e randianos. Eu conheço um randiano influente que espalha por aí que uma sociedade sem estado seria dominada por gangues de traficantes de drogas com senso de justiça deturpado. A justiça normal seria da gangue de ladrões e psicopatas em larga escala…

    Mesmo um Nozick que eu li em outra vida – “Anarquia, Estado e Utopia” se concentram somente nas agências de segurança, e não no que eu vejo como fundamental, seus clientes. Esses intelectuais simplesmente paracem ignorar que o jusnaturalismo e que a melhor forma de resolver conflitos é o direito consuetudinário. Eu vejo isso todos os dias nas ruas sendo aplicado integralmente, dentro do que se espera de uma sociedade que tende para a cooperação pacífica. As agências de segurança patrimonial, ainda que não operam a justiça, não brigam umas com as outras por cada quarteirão da cidade. Este comportamento é contraproducente, isso é tão visível que não consigo entender como esses intelectuais não percebem isso. E isso não tem nada a ver com os vagabundos do estado, já que qualquer agência poderia ser constituída de assassinos e matar a concorrêcia na cara da polícia, que não prende ninguém – ainda que seja muita gente, e investiga 10% dos crimes. Como se eu fosse pagar para uma nova agência que se apresentasse por aqui, “coincidentemente” depois que os membros da agência anterior sumiram…

    E temos que considerar outro ponto. Eu acho que li uma vez aqui no Instituto: os restaurantes que atuam de maneira livre não conseguem combinar preço mesmo que sejam os únicos do bairro, por que outros setores atuando livremente conseguiriam se juntar ou qualquer coisa do tipo? eu nunca fiquei sabendo de um restaurante cujo dono encomendou a morte de outro só porque abriu do lado. Isso inclusive acontece o tempo todo com mercadinhos… o nome disso é livre mercado….

    Uma questão importante não mencionada é a impossibilidade de qualquer agência privada de segurança proibir de maneira legal – pelos direitos naturais, que os cidadãos na sua área possam possuir as armas que quiserem. Somente os mafiosos oficiais fazem isso, mas de maneira criminosa, só porque “ta na lei”. Lei estatal é cú de rola.

    “Machan imagina uma situação em que uma agência condena um cliente de outra agência por um crime.”

    Aqui o jusnaturalismo funciona de maneira correta e os próprios estados – que entre si são anarquistas, fazem algo parecido, que são os direitos de extradição. Se um governo reconhece que tem um criminoso estrangeiro, extradita o sujeito desde que isso seja provado pelo outro estado. Se um ladrão é preso pela minha agência é porque ela tem bons motivos – excluindo falhas de mercado ou fraude, até porque, ela tem que prestar esclarecimentos para seus clientes que terão que arcar com os custos da prisão. Qual o interesse em prender por prender? os vgabundos do estado podem fazer isso porque não rsposndem a ninguém e socializam seus custos através do roubo em larga escala.

    Apesar de eu reconhecer a toda a beleza das teorias austro-libertárias – jurídicas e econômicas, e que são válidas sem necessariamente ter que recorrer a realidade, o exemplo que eu tenho em mente sempre é o processo de implantação do polo petroquimico de Triunfo. Os mafiosos do estado foram chegando para desapropriar as terras com seus mapas e títulos de propriedade, mas que no ambiente físico, não correspondia a nenhuma divisa aceita como válida pelos colonos que viviam há mais de 200 anos no local. O resultado foi que o estado rasgou todos os seus papéis inúteis e aceitou que as divisas fossem determinadas de maneira voluntária pelos moradores. Não teve mais discussão. Isso não se lê em nenhum livro de história, Eu sei da boca dos próprios moradores, com os quais eu conversava quando visitava a cidade a trabalho. E como não sou intelectual, escuto mais do que falo. E igualmente respeito uma máxima do George Orweel: “o que é preciso acima de tudo é deixar que o significado escolha as palavras e não o caminho contrário”.