Do Cristianismo ao Black Power, Rothbard oferece uma visão singular

0
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Julgado pela qualidade e pelo volume de sua produção intelectual, Murray Rothbard foi um gênio. Embora reflitamos sobre a engenhosidade de seu intelecto peculiar – nunca devemos esquecer que Rothbard foi o mestre em desafiar estereótipos. Infelizmente, muitos assumem que os libertários são hostis ao Cristianismo, mas foi Rothbard quem admitiu que “As maiores e mais criativas mentes da história da humanidade foram intensa e profundamente religiosas, a maioria delas cristãs”. Rothbard também informou aos leitores que os escolásticos espanhóis deram uma contribuição fundamental para a economia.

Cristandade

Rothbard em vários artigos e livros refutou a caracterização pouco caridosa do escolasticismo tardio como intelectualmente estéril. Em seu artigo “Nova luz sobre a pré-história da Escola Austríaca”, Rothbard afirma que temos com os pensadores religiosos uma dívida de gratidão por terem lançado as bases da economia moderna. Apesar da crença popular, os pensadores da Idade Média tardia, e não Adam Smith, ofereceram a primeira justificativa sistemática para as teorias econômicas modernas. Rothbard escreve sobre os escolásticos: “Foram os Escolásticos espanhóis do século XVI que desenvolveram a teoria do valor puramente subjetiva e de livre mercado. Assim, Luis Saravaia de la Calle negou qualquer papel do custo na determinação do preço; em vez disso, o preço de mercado, que é o preço justo, é determinado pelas forças da oferta e da demanda, que por sua vez são o resultado da estimativa comum dos consumidores no mercado. Saravia escreveu que “excluindo todo engano e malícia, o preço justo de uma coisa é o preço que geralmente é obtido no momento e local do negócio.”

Notavelmente, os escolásticos espanhóis eram extremamente sofisticados na aplicação de análises de oferta e demanda ao dinheiro. Rothbard escreve sobre o dominicano Martín de Azpilcueta Navarro: “Citando escolásticos anteriores, Azpilcueta declarou que “o dinheiro vale mais onde é escasso do que onde é abundante … Porque “toda mercadoria fica mais cara quando há grande demanda e pouca oferta, e que o dinheiro, na medida em que pode ser vendido, permutado ou trocado por alguma outra forma de contrato, é mercadoria e, portanto, também se torna mais caro quando está em grande demanda e pouca oferta.”

Esta análise é esclarecedora porque Azpilcueta forneceu exemplos relevantes: “Vemos por experiência na França, onde o dinheiro é mais escasso do que na Espanha, pão, vinho, tecidos e trabalho valem muito menos. E mesmo na Espanha, em tempos em que o dinheiro era mais escasso, os bens vendáveis ​​e o trabalho eram pagos por muito menos do que depois da descoberta das Índias, que inundou o país de ouro e prata. A razão para isso é que o dinheiro vale mais onde e quando é escasso do que onde e quando é abundante.”

O Movimento Black Power

Rothbard era um analista tão objetivo que conseguia até avaliar as aspirações políticas do movimento Black Power. Ao contrário de muitos na direita, ele observou que “os objetivos e os meios dos direitos civis eram estatistas e esquerdistas até o âmago”. Rothbard argumentou que o fracasso dos direitos civis em mudar os corações dos homens resultou em um despertar entre os ativistas negros, que reconheceram que não podiam forçar os racistas a tolerar suas demandas. Como resultado, em vez de fazer lobby pela integração, esses líderes pensaram que seria prudente que os negros criassem comunidades livres do controle dos brancos e Rothbard os apoiou a esse respeito em um artigo popular: “Os negros começaram a mudar, e rapidamente, do velho ideal esquerdista de integração compulsória para outra tradição que antes existia, subterrânea e desprezível, no seio da comunidade negra. Essa era a ideia do nacionalismo negro, uma ideia que sempre agradou, não aos negros instruídos e articulados, mas aos habitantes mais pobres do gueto. A ideia nacionalista negra veio à tona na década de 1920 com o fenomenalmente popular Marcus Garvey.”

Rothbard sentiu que as circunstâncias da década de 1960 justificavam o separatismo negro: “Por um tempo, muitos conservadores estavam entusiasmados com o nacionalismo negro … Os conservadores ficaram radiantes com a ênfase nacionalista e muçulmana na autoajuda, economia, dignidade e orgulho do negro, em contraste com os velhos ideais de integração coagida de cima para baixo. Mas há uma coisa que os defensores conservadores do nacionalismo negro negligenciaram: autoajuda, orgulho, economia, negócios negros, etc. estão todos indo bem. Mas eles não podem esperar florescer dentro do contexto da realidade negra nos EUA: opressão permanente pela ‘estrutura de poder’ branca. Nenhuma dessas coisas boas e libertárias pode ser alcançada sem antes de tudo, tirar os governos locais e estaduais dos EUA das costas do povo negro.”

Nacionalismo e Libertação Nacional

Embora os libertários frequentemente condenem o nacionalismo, Rothbard sustentava que, em alguns casos, o nacionalismo pode resultar na libertação de grupos oprimidos. Como ele afirma em um artigo de 1966: “Existem dois tipos contrastantes de nacionalismo: um desejo de libertar uma nação oprimida das cadeias impostas por outra nação (um movimento pela “libertação nacional”); contra o desejo de agredir outras nações e impor a sua própria dominação nacional sobre eles … Um é uma forma libertária de nacionalismo, o outro uma forma invasiva e profundamente anti-libertária. Um movimento nacionalista negro nos EUA atual é um movimento de libertação nacional; qualquer insistência branca em impedir tal movimento é um exemplo do imperialismo branco. Essas são as diferenças qualitativas dentro do conceito de nacionalismo.”

Em seu radicalismo, Rothbard postulou que os negros americanos eram um povo colonializado e precisavam ser livres das garras do Estado. Especificamente, ativistas de renovação urbana e administradores de escolas são criticados em seu artigo polêmico sobre o poder negro. Rothbard detalha os efeitos negativos da renovação urbana nas comunidades negras: “Todos os bons esquerdistas, não muito tempo atrás, admiravam a renovação urbana como um meio de ajudar os pobres e trazer estética para a cidade. Agora, radicais e alguns conservadores estão começando a concordar (em outra forma emergente de coalizão ‘Esquerda-Direita’) que a renovação urbana é realmente um vasto subsídio aos interesses imobiliários às custas, não apenas do pagador de impostos, o que sempre foi evidente, mas também dos próprios pobres, que são sumariamente expulsos de suas casas pela escavadeira de renovação urbana e forçados para outro lugar, redobrando as favelas ali. Se tentarem se mudar para as novas moradias de renovação urbana, descobrirão que há muito menos espaço disponíveis, e com aluguéis muito mais altos do que pagavam antes. E assim, mais e mais pessoas estão reconhecendo que ‘renovação urbana’ é realmente ‘remoção de negros – pois a renovação urbana tem se concentrado nas áreas do gueto de negros.”

Ele é igualmente crítico em relação aos administradores: “As leis de frequência obrigatória obrigam todos os jovens do país, independentemente de seus talentos ou inclinações, a entrar neste vasto sistema prisional, e os professores e administradores são seus guardas e vigilantes. A opressão é muito mais pesada nas áreas urbanas negras, onde tantas crianças não estão inclinadas para a escola e onde o racismo e o ódio pelos costumes da classe trabalhadora são totalmente controlados pelos funcionários da escola, armados com o poder da educação obrigatória para forçar seus alunos a permanecerem na escola. Não é de se admirar que os jovens negros estejam amargurados por sua permanência forçada no sistema.”

Portanto, Rothbard continua a confundir até na morte. Por exemplo, a pessoa comum que não leu suas publicações presumiria que ele não tinha interesse nos filósofos cristãos. E como era de se esperar, as pessoas sob o feitiço de delírios esquerdistas acreditam que ele era um racista sem avaliar suas ideias. No entanto, Rothbard era um gigante entre os homens e um defensor excepcionalmente articulado da soberania negra.

 

Artigo original aqui