Em tempos de crise, precisamos de liberdade mais do que nunca

4
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Nas últimas semanas, em todo o mundo, os governos mantiveram seus próprios cidadãos como reféns em nome de “proteger o povo”. O que eles não conseguiram entender é que, todas as restrições que colocam têm um custo. Ao forçar a quarentena de seus cidadãos, o governo retirou a capacidade de indivíduos particulares avaliarem esse custo por si mesmos.

As feridas que o coronavírus infligiu à sociedade só serão pioradas pela quantidade inimaginável de intervenção do governo. Os governos deram ao povo mais um inimigo nessa guerra contra o coronavírus. Aqueles que argumentam que as medidas tomadas são necessárias para evitar mortes desnecessárias não conseguem ver que essas mesmas medidas sem dúvida custarão muitas vidas e meios de subsistência no futuro. Muitas vezes parece que apenas um lado da equação é levado em consideração durante esta crise. A ONU divulgou recentemente um relatório afirmando que, devido à crise econômica causada pela quarentena, centenas de milhares de crianças poderiam morrer apenas este ano. Eles também estimam que 42-66 milhões de crianças podem cair em extrema pobreza nos próximos anos. Embora esses números sejam estimativas, eles levantam uma questão para as autoridades: quanto é o bastante?

O governo não possui um bom histórico de resposta a esta pergunta. Mesmo tentando responder, eles já estão prontos para falhar. Vimos várias vezes ao longo da história que o planejamento central não funciona. Limites como trinta pessoas para um funeral e dez em casamentos são exemplos de restrições arbitrárias que resultam de um pequeno número de burocratas tentando planejar centralmente uma solução ideal. Um governo que tenta organizar a sociedade dessa maneira não é diferente da economia de comando da União Soviética, tentando descobrir quantas batatas produzir no ano. Ambos os cenários têm consequências reverberantes, e as ramificações de uma reação subótima a esse vírus podem nos assombrar nas próximas gerações. A única solução é permitir que indivíduos decidam livremente suas próprias ações com base em suas próprias preferências de risco.

Embora o coronavírus seja realmente uma pandemia, não é diferente de nenhum outro cenário em que um indivíduo deva agir. O indivíduo deve decidir com base em seu próprio cálculo de custo versus benefício. Somente cada indivíduo pode saber por si próprio qual decisão é ideal para sua preferência de risco e situação pessoal, não para o governo.

A preocupação de que a capacidade do sistema médico e sua capacidade de lidar com a sobrecarga de pacientes foi elevada a ponto de “achatar a curva” ser chique. A decisão ótima da sociedade pode muito bem ser limitar o risco ao ponto em que a curva é achatada. No entanto, usar isso como uma razão para impor restrições é injustificado. Olhando para trás na história, o manejo do governo dessas chamadas externalidades tem sido, na melhor das hipóteses, desatroso, e a razão é que esses burocratas em quem confiamos para fazer esses cálculos para “otimizar” os benefícios sociais são, na verdade, apenas seres humanos como nós. Eles estão sujeitos a preconceitos, influências e erros humanos.

Não importa o fato de que, em situações como essas, os interesses do governo raramente estão alinhados com os do povo. Nossos interesses duram mais do que seus mandatos. Quando chegar a hora de pagar as dívidas do fechamento da economia, os burocratas que nos mantiveram trancados em nossas casas desaparecerão por muito tempo. Os interesses deles dependem de que eles sejam capazes de enganá-lo a pensar que eles o estão mantendo seguro. Isso envolverá o uso da língua orwelliana em um país emocionalmente carregado, com o espírito de “nunca deixar que uma boa crise seja desperdiçada“. Eles reivindicarão quantas vidas salvaram no curto prazo, sem considerar qualquer dano a longo prazo causado pela quarentena. Você não ouvirá nenhum líder na televisão falar sobre o custo econômico da quarentena, porque não é politicamente favorável “colocar um preço na vida”. No entanto, os indivíduos fazem isso todos os dias, em todos os aspectos de suas vidas. Um indivíduo entende o risco em que se envolve enquanto dirige na estrada, mas ainda persiste ao dirigir, porque a troca de recompensa de risco vale a pena para eles. É essa liberdade de escolha que deve ser protegida, especialmente em épocas como essa. O coronavírus, sem dúvida, terá efeitos negativos sobre o bem-estar das pessoas, e assim tirar essa liberdade de escolha paralisa ainda mais uma sociedade já aleijada.

Em um artigo recente publicado no The Lancet, o clínico sueco de doenças infecciosas Johan Gieseck escreve que as quarentenas não reduzem o total de mortes e alega que, quando tudo acabar, as jurisdições sem quarentena provavelmente terão taxas de mortalidade semelhantes às das áreas de quarentena. Ele acredita que é inevitável que toda a população seja exposta ao coronavírus em algum momento e que a quarentena atrasará apenas os casos graves por um tempo. Se isso é verdade, saberemos depois, mas mostra que sacrificar cegamente as liberdades em nome da segurança seria ingênuo. Se é verdade que os governos apenas atrasaram o inevitável enquanto evocavam um tsunami de dificuldades econômicas, o governo assumirá a responsabilidade? Improvável. O coronavírus, embora seja a causa inicial da dor, será usado como bode expiatório para a doença causada pelo governo. Estratégias forçadas como “achatar a curva” ou “paralisar até a vacina” são justificadas com base nos conselhos de especialistas em saúde, que são inconsistentes. A verdadeira estratégia ótima será confirmada pelas ações de indivíduos livres, como sempre.

À luz disso, parece imprudente entregar nosso destino ao governo e confiar neles para calcular quantas pessoas podem utilizar um parque ou nos dizer por quais motivos vale a pena arriscar a exposição. Com as novas informações divulgadas pela ONU, é óbvio que os governos de todo o mundo são incapazes de avaliar as compensações no melhor interesse da sociedade. Por mais tentador que seja acreditar que o governo está nos protegendo com a quarentena, eles estão prejudicando a sociedade mais do que estão ajudando, assim como fazem com todos os outros regulamentos forçados. No momento em que um passo em falso do governo está mais caro do que nunca, é fundamental manter nossas liberdades individuais.

 

Artigo original aqui.

4 COMENTÁRIOS

  1. Belíssimo artigo…parabéns….eu enqn brasileira me sinto totalmente desprotegida em virtudes de ações abusivas por parte do estado.

    Não se fala em ponderação, não se considera a oponiao da maioria ..o povo grita para ir as ruas trabalhar….
    Fala-se abrir apenas para trabalhos que são prioritário….mas, o que não consigo entender….será q são somente essas pessoas que tem direito a liberdade e dignidade da pessoa…pq uma vez q abrimos para para quem trabalha com aquilo q o governo (STF/OMS), estão excluído/ privando o artesão, o senhor da banquinha de balinha de levar o pão para mesa…como bem colocado…essas escolhas, avaliando esse primeiro momento, deveria ser atribuída às pessoas, afinal, o bem juridico que se fala pertence a cada um…..onde cada um deve mensurar o risco por conta…o que vemos são governantes tirando esse senso de responsabilidade dos individuos e privando-os de suas liberdades….isso é totalmente um absurdo…..o Brasil GRITA POR SOCORRO E MISERICÓRIA….e querem empurra por guela abaixo ao que a maioria dos brasileiros é contra….é muito facil falar em abrir a economia para determinados segmentos quando se tem a garantia de todo o mesmo o salario cair na conta ( me refiro a politicos, servidores, grandes empresarios q possuem reservas etc)… ah eu poderia dispor sobre varias questões mas fica para um outro momento.
    .

  2. No Brasil, estamos na quinta geração pós Primeira Guerra Mundial (quando o estado moderno virou unanimidade no ocidente).

    São 100 anos sob uma pressão estatal que só aumenta, ano após ano. Os brasileiros acostumaram a pedir estado para qualquer coisa. Agora, com a eleição do Bolsonaro, é que caminhamos um pouquinho no sentido contrário. E olha a confusão que já deu.

  3. lendo os comentarios em noticias sobre presepadas politicas por ai e o povao ponda a conta no “neoliberalismo”
    brasil nao tem chance nao , o povao gosta mesmo eh de laço , reclamando do preco do combustivel da petrossauro mas “imagina se privatizasse” … socorro