Amputando a economia com serrote: governantes na tradição dos cirurgiões da Guerra Civil

1
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

A justificativa de políticos e autoridades governamentais de saúde para decretar o fechamento de vastas instâncias da vida das pessoas é que isso impediria a disseminação do COVID-19. Segundo o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, quase 40% das famílias que ganham menos de US$ 40.000 por ano têm um membro que perdeu o emprego nos últimos meses. Depressão, abuso de drogas e suicídio estão aumentando como resultado dos fechamentos e dos decretos de “lockdown”.

As taxas de infecção e as mortes aumentaram apesar das severas restrições à vida diária. No entanto, políticos e autoridades de saúde do governo continuam reivindicando a vitória porque, caso contrário, mais pessoas teriam sido infectadas pelo COVID-19. A maior parte da cobertura da mídia aplaude políticos e autoridades que defendem a extensão das quarentenas forçadas, independentemente dos danos colaterais à vida do país.

A resposta política ao COVID-19 é estranhamente semelhante à lógica dos cirurgiões da Guerra Civil Americana. A amputação era a prática cirúrgica mais comum durante a guerra, e mais de cinquenta mil soldados tiveram membros cortados após batalhas. A amputação era uma “solução” reflexiva, porque os membros eram às vezes quebrados por bolas de Minié e também porque esse era o único truque que muitos “cirurgiões” não treinados conheciam. Os cirurgiões eram ridicularizados como açougueiros e geralmente eram totalmente negligentes em relação à higiene, levando a mortes muito mais desnecessárias.

Os cirurgiões justificaram o uso de suas serras, porque, de outro modo, muitos soldados morreriam por seus ferimentos. Não importava quantos soldados morressem de amputações desnecessárias ou ruins, desde que os cirurgiões não fossem responsabilizados pelas mortes por gangrena.

Políticos em muitos estados estão justificando suas paralisações no COVID-19 com justificativas que se assemelham a esses cirurgiões. Não importa quantas pessoas perdem seus empregos, negócios ou saúde devido aos fechamentos. Contanto que os políticos afirmem que as coisas seriam piores se não tivessem amputado grande parte da economia, eles podem estrelarem como salvadores.

Na verdade, há uma analogia mais próxima entre os cirurgiões da Guerra Civil e os políticos contemporâneos. Os políticos arrasaram grande parte da economia para impedir que alguém seja infectado em algum momento desconhecido no futuro. É como um cirurgião da Guerra Civil enviando seus assistentes para percorrer o campo para capturar jovens infelizes e serrar seus braços para evitar que sejam atingidos em batalhas futuras.

Eis como o governador de Nova York, Andrew Cuomo, justificou o fechamento da economia de seu estado e confinou quase 20 milhões de pessoas em suas casas há dois meses: “Se tudo o que fizermos salvar apenas uma vida, ficarei feliz”. Na época do decreto de Cuomo, cinco ou menos pessoas haviam testado positivo para coronavírus na maioria dos municípios do estado de Nova York. A fórmula de Cuomo exemplifica como os políticos recebem aplausos da mídia por ações dramáticas que têm pouco ou nada a ver com segurança do povo.

Ao mesmo tempo em que Cuomo praticamente colocava seu estado em prisão domiciliar, ele também ordenou que as casas de repouso de Nova York admitissem pacientes com COVID. Sua ordem desastrosa contribuiu para as mais de cinco mil mortes de COVID nos lares de idosos de Nova York. Cuomo se absolve, porque alguns estados têm uma porcentagem mais alta de mortes por COVID em casas de repouso do que Nova York – mas nenhum estado tem perto de cinco mil mortos em casas de repouso. A maioria da mídia ainda está classificando Cuomo como um benfeitor heróico, graças ao seu fechamento para salvar “apenas uma vida”.

“Salvamos vidas” também é a auto-exoneração anunciada pela governadora de Michigan, Gretchen Whitmer, depois que ela impôs as restrições mais punitivas do país. Whitmer proibiu “todas as reuniões públicas e privadas de qualquer tamanho” (proibindo as pessoas de visitar amigos) e também proibiu a compra de sementes para o plantio de primavera nas lojas depois que ela decretou que era uma atividade “não essencial”. (A compra de bilhetes de loteria estadual ainda era uma atividade “essencial”.) Muitos municípios de Michigan têm menos de um punhado de casos de COVID e tiveram poucas ou nenhuma fatalidade. Mas suas economias foram obliteradas pelos decretos estaduais de Whitmer, que elevaram o desemprego em até 24%.

Antigamente, os políticos sempre podiam apresentar algum economista que descobrisse um “multiplicador” keynesiano para justificar mais gastos desnecessários. Atualmente, “ciência” é a palavra mágica usada para justificar toda e qualquer restrição à liberdade americana.

Whitmer, por exemplo, exonera-se: “Temos que tomar decisões com base em onde a ciência nos leva”. Infelizmente, a pandemia do COVID-19 já viu uma longa série de desastres da “ciência”. A resposta nacional à ameaça do coronavírus foi sabotada, porque cientistas incompetentes dos Centros de Controle de Doenças contaminaram amostras-chave para a criação de um teste em fevereiro e porque os burocratas-cientistas da Food and Drug Administration vetaram testes privados inovadores. Também é difícil tratar as advertências e previsões dos cientistas como originárias do Monte Sinai, quando há uma disputa acirrada entre especialistas sobre as políticas mais prudentes para conter a pandemia.

Outro paralelo com os cirurgiões da Guerra Civil é que os políticos contemporâneos não pagam o preço pelos danos desnecessários que causam. Muitos soldados da União e Confederados aleijados passaram décadas mancando depois da guerra. Resta ver quantos milhões de pessoas sofrem prejuízos de longo prazo como resultado dos decretos draconianos que agora afetam grande parte da nação. Mas é improvável que os políticos sejam responsabilizados pelas vidas que mutilaram desnecessariamente.

Após as batalhas da Guerra Civil, as tendas onde os cirurgiões usavam a serra eram conhecidas como um dos lugares mais horríveis que muitos soldados já viram. Mesmo aqueles que se recuperavam de seus ferimentos frequentemente sofriam de pesadelos perpétuos sobre os gritos que ouviam e a visão das pilhas sangrentas de braços e pernas decepados.

Por outro lado, os políticos e os czares do governo que fecharam grande parte da economia do país não testemunharam locais tão traumáticos. Em vez disso, eles têm suas reuniões – talvez no Zoom – e depois emitem decretos que seus amigos da mídia certamente aplaudirão. As taxas de desemprego estão aumentando ainda mais rapidamente do que as pilhas de amputação da década de 1860. Mas a agonia ocorre longe dos gabinetes palacianos de que os governadores desfrutam – em casas tranquilas, onde as famílias agonizam desesperadamente com pagamentos pendentes de aluguel, e nas empresas em que os proprietários vêem seus sonhos de vida morrendo semana a semana.

 

Artigo original aqui.

1 COMENTÁRIO