Então um milagre acontece…

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Há uma famosa charge de Sidney Harris de muitos anos atrás que captura o que está errado – o que é profundamente não científico – sobre muito da economia moderna. Na charge, dois professores estão lado a lado em frente a um quadro-negro repleto de cálculos matemáticos complexos. O professor mais experiente aponta para uma parte da elaborada linha de raciocínio descrita no quadro-negro e aconselha seu colega mais jovem: “Eu acho que você deveria ser mais específico aqui no passo dois”.

O segundo passo, esparso e simples no meio da matemática complicada, diz: “Então um milagre acontece…”

Esta charge é inegavelmente engraçada. Também é notavelmente revelador da realidade decididamente sem graça que grande parte da economia moderna é semelhante à cadeia de raciocínio elaborado retratado no quadro-negro da charge. Ao fazer a análise da política econômica, os economistas assumem muito prontamente que os milagres ocorrem regularmente.

O principal milagre assumido pelos economistas modernos “científicos” não científicos que recomendam a intervenção do governo é que os funcionários públicos agirão de forma apolítica, e não sem nenhuma das imperfeições humanas, miopia e peculiaridades psicológicas que (supõe-se que) dão origem a as imperfeições do mercado que supostamente justificam a intervenção do governo, mas também agem com mais informação e sabedoria do que as que são descobertas e usadas nos mercados.

Todo o raciocínio elaborado que leva à ocorrência desse milagre, e tudo o que é usado para descrever assuntos após a ocorrência desse milagre, pode muito bem ser o produto impecável de um brilho inquestionável. Mas esse brilhantismo não desculpa o truque de supor que um milagre ocorre, nem torna os resultados de tal teorização válidos. É indesculpavelmente anticientífico para os economistas (ou qualquer um, aliás) meramente supor que o governo fará milagres.

Mas isso é exatamente o que eles assumem.

Os defensores da política industrial estão entre os principais culpados de suposição. Aparentemente sem exceção, esses defensores supõem que os funcionários públicos encarregados da condução da política industrial são, ao assumirem, milagrosamente transformados em anjos apolíticos que têm acesso a todo o conhecimento detalhado que deve ser conhecido para substituir a alocação de recursos do mercado.

Outros funcionários públicos que supostamente fazem milagres são políticos, com o poder de implementar salários mínimos. Economistas, sempre espertos e lembrando de seu curso de graduação em economia do trabalho, lembram que é possível desenhar em uma tela branca um quadro bonito que revele as condições em que um salário mínimo aumentará os salários dos trabalhadores pouco qualificados sem jogar nenhum deles para as filas dos desempregados. Mirabile dictu! Os políticos reais que impõem salários mínimos de alguma forma descobrem essas condições na realidade e, sem pensar em vantagem política para si mesmos, impõem salários mínimos que são calibrados científica e precisamente para essas condições teóricas.

Milagres também são realizados por burocratas em agências como a Anvisa e o Banco Central. Nunca tão venais a ponto de se preocuparem com o tamanho de seus orçamentos ou com suas perspectivas futuras de emprego, esses funcionários públicos se preocupam sempre e apenas em melhorar o bem-estar de seus concidadãos. Os cientistas da Anvisa, para desempenhar suas funções conforme anunciado, precisam conhecer as diferentes preferências de risco de centenas de milhões de cidadãos para decidir quais produtos farmacêuticos e dispositivos médicos são suficientemente “seguros e eficazes”. Como eles chegam a possuir tal conhecimento? Ora, por algum milagre!

Os sábios do Banco Central, para desempenhar suas funções conforme anunciado, devem ter conhecimento de como e quando manipular a oferta de moeda para que o crescimento econômico máximo seja impulsionado. Enquanto muitos desses sábios insistem que enquanto suprimentos “ótimos” de máquinas-ferramentas, mangas, aço e estiletes só podem ser descobertos por meio do processo de mercado competitivo, a quantidade “ótima” de moeda deve ser adivinhada por eles à medida que confabulam em um majestoso prédio de escritórios. Tal adivinhação é milagrosa!

Presume-se também que milagres acontecem sempre que os economistas aconselham os governos sobre como proteger o meio ambiente. O mesmo economista inteligente que se encanta com diagramas mostrando salários mínimos ótimos fica igualmente fascinado com a capacidade dos impostos sobre o carbono de reduzir as emissões de carbono. Este economista está certo de que impostos mais altos sobre as emissões de carbono resultam em emissões de carbono reduzidas. Este resultado é o material da Economia Básica; não requer nenhum milagre. O milagre ocorre quando o economista conclui que os funcionários do governo podem saber na prática, com suficiente certeza, que as emissões de carbono “devem” ser reduzidas e em quanto. (Acredita-se que outro milagre menor ocorrerá quando o economista adivinhar o impacto exato nas emissões de carbono dos impostos mais altos propostos sobre essas emissões. Mas aqui vou ignorar esse pequeno milagre.)

Pois o governo intervir para reduzir as emissões de carbono é o governo intervir para reduzir as atividades econômicas que dependem de combustíveis à base de carbono ou que produzem emissões de carbono como subproduto (ou ambos). Embora não seja necessário possuir poderes divinos para entender que reduções sem custo nas emissões de carbono seriam uma bênção, porque as reduções nas emissões de carbono enfaticamente não são sem custo, é necessário um conhecimento divino para saber se qualquer redução proposta pelo governo iria, no mundo real, gerar benefícios maiores do que esses custos.

Economistas e ambientalistas podem especular até sobre quais serão os benefícios da redução das emissões de carbono se as vacas pararem de soltar gases e como esses benefícios se comparam aos custos. Mas a complexidade insondável da economia moderna combina-se com o uso extensivo de combustíveis de carbono para fazer com que toda essa especulação possa ser um pouco melhor do que vodu. Todos podemos concordar que, se um deus onisciente, onipotente e onibenevolente aparecesse em cena e oferecesse seus serviços para otimizar a política ambiental, seríamos malucos em rejeitar essa oferta de assistência. Afinal, Deus pode fazer milagres!

Mas somos igualmente malucos em engolir grande parte dos conselhos intervencionistas de economistas de carne e osso. Essas pessoas só pensam que são milagreiras. E assim seus conselhos com muita frequência, ainda que não intencionalmente, promovem apenas os desígnios do diabo.

 

 

Artigo original aqui

Artigo anteriorO Fantasma de Hipócrates
Próximo artigoPropriedade, Liberdade & Sociedade
é membro sênior do American Institute for Economic Research e do F.A. Hayek Program for Advanced Study in Philosophy, Politics and Economics no Mercatus Center da George Mason University; é Membro do Conselho do Mercatus Center; e um professor de economia e ex-chefe do departamento de economia da George Mason University. Ele é o autor dos livros The Essential Hayek, Globalization, Hypocrites and Half-Wits, e seus artigos aparecem em publicações como o Wall Street Journal, New York Times, US News & World Report, bem como numerosos jornais acadêmicos. Ele escreve um blog chamado Café Hayek e uma coluna regular sobre economia para o Pittsburgh Tribune-Review. Boudreaux é PhD em economia pela Auburn University e bacharel em direito pela University of Virginia.