Erros médicos e o culto aos especialistas na era Covid

2
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

Desde o início do pânico covid em fevereiro do ano passado, equipes médicas, com médicos e enfermeiras, têm sido tratadas com um nível de adoração ao herói geralmente reservado aos soldados e policiais do governo. Disseram-nos que eles estavam heroicamente trabalhando como escravos para tratar de vítimas da covid. E embora muitas dessas enfermeiras aparentemente estivessem usando seu tempo coreografando vídeos no TikTok e dançando nos corredores do hospital, funcionários públicos e seus aliados obedientes na mídia nos garantiram que a equipe médica é o novo modelo de autossacrifício e virtude cívica.

No entanto, nas duas décadas que antecederam 2020, os pesquisadores ficaram constantemente alarmados com a extensão em que os erros médicos eram um problema persistente nas clínicas e hospitais do país. Começando pelo menos já em 1999, um número crescente de estudos sugeriu que talvez quase cem mil pacientes por ano morriam devido a erros médicos.

Numerosos artigos apareceram nos meios de comunicação de massa sugerindo que o treinamento médico era insuficiente, que os sistemas concebidos por hospitais eram propensos a erros e que a negligência não era tão rara quanto os médicos nos fazem acreditar.

Não surpreendentemente, a política também interveio. Muitos meios de comunicação aproveitaram a aparente prevalência de erros médicos para provar que mais regulamentação e financiamento do governo eram necessários. Outros notaram problemas em como as agências governamentais contam as mortes.

Mas então o pânico covid aconteceu. Não surpreendentemente, as preocupações com a competência médica recuaram para segundo plano, e a equipe médica foi elevada a um estado de quase apoteose, com a opinião de cada enfermeira ou médico comum sobre tudo, desde racismo a “serviços essenciais” sendo da maior seriedade.

Além disso, com foco na maximização da contagem de mortes covid, é provável que veremos menos mortes devido a erros médicos nas contagens oficiais. E grupos de lobby dedicados a representar médicos e enfermeiras provavelmente usarão a atual situação política em seu próprio benefício. Como tem acontecido há muito tempo com policiais e soldados, a profissão médica está pressionando a linha “nunca nos questione, somos especialistas“. O registro real, no entanto, sugere que o nível de “especialização” deve receber mais escrutínio.

Quantas mortes são causadas por erros médicos?

Após anos de crescente discussão sobre o assunto, a Universidade Johns Hopkins em 2016 lançou um estudo concluindo que “erros médicos” foram a terceira maior causa de morte:

    Analisando os dados da taxa de mortalidade médica ao longo de um período de oito anos, os especialistas em segurança do paciente da Johns Hopkins calcularam que mais de 250.000 mortes por ano são devidas a erro médico nos EUA. Seu número, publicado em 3 de maio no The BMJ, supera a terceira causa de morte do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) – doenças respiratórias, que mata cerca de 150.000 pessoas por ano.

Uma morte causada por um erro médico é definida como uma morte causada por uma equipe mal qualificada, erros de julgamento, um efeito adverso evitável ou problemas sistêmicos, como mau funcionamento do computador ou confusão com medicamentos.

O estudo da Hopkins concluiu que os métodos de notificação de mortes nos Estados Unidos são inadequados para explicar o papel completo dos erros médicos.

A estatística da Hopkins foi amplamente divulgada na mídia, como neste artigo de 2018 na MSNBC. A MSNBC até observa que outros estudos relataram erros médicos como a causa de mais de quatrocentos mil mortes por ano.

Mais perto de 100.000 por ano?

Desde então, alguns pesquisadores expressaram consternação e descrença sobre a noção de que as mortes causadas por erros médicos possam ser tão numerosas. Por exemplo, o pesquisador e médico David Gorski insiste que muitos que acreditam no número da Hopkins de 250.000 não são melhores do que “curandeiros”.

Gorski sugere que apenas 5.200 mortes por ano resultam de erros médicos. Mas, para tal, Gorski confia em uma definição muito restrita de erros médicos como a causa óbvia e esmagadora de morte. Ele, no entanto, admite que mais de 108.000 mortes por ano são casos em que “efeitos adversos do tratamento médico” (ou seja, erros médicos) são “contributivos”.

O número de Gorski de 5.200 provavelmente não passa de um pensamento positivo. Embora 250.000 possam ser a maior estimativa, é improvável que erros médicos sejam tão raros quanto Gorski espera.

Neste estudo publicado em 2020 no National Institutes of Health, por exemplo, os autores assumem que “erros [médicos] em hospitais e clínicas resultam em aproximadamente 100.000 pessoas morrendo a cada ano.”

E também é amplamente assumido, conforme observado neste estudo da Comissão Médica de Washington, que “os erros médicos permanecem amplamente subnotificados”. Afinal, o pessoal médico costuma relutar em relatar erros para evitar possíveis problemas legais ou sanções dos supervisores.

Mas enquanto alguns médicos insistem que estão sendo alvos injustos, outros vêm soando o alarme há anos. Hoje, um número comumente aceito está entre cem mil e duzentas mil mortes por ano.[1]

Esses não são números desprezíveis. Um total de cem mil mortes por erro médico torna os erros médicos uma das principais causas de mortes. Se a atual pandemia covid-19 continuar como as pandemias anteriores, o número total de mortes será muito menor em 2021 do que o total oficial de 2020 de aproximadamente 350.000. Mas as mortes devido a erros médicos continuarão a totalizar cerca de cem mil ano após ano após ano.

Covid e erros médicos

Gorski critica a prática em que os casos em que os erros médicos foram apenas fatores contribuintes para as mortes são potencialmente contados como mortes devido a erros médicos. Há muito que se debate o quanto os erros médicos devem contribuir para a morte antes de serem razoavelmente contados como a causa da morte.

Em 2020, entretanto, vá atrás da contagem definitiva mostrando que a contagem de erros médicos foi ofuscada no registro de mortalidade para atribuir mais mortes a covid-19.

Afinal, agora é prática comum contar qualquer morte na qual covid-19 foi um fator contribuinte como uma morte devido a covid. Ou seja, qualquer um que morre “com covid” é relatado como uma morte causada por covid.

Uma enfermeira deu a um paciente covid a medicação errada, o que levou a uma reação adversa grave? Essa é uma morte covid. Um médico confundiu dois pacientes covid e administrou tratamento inadequado a ambos? Temos duas mortes covid bem aí.

Em outras palavras, a menos que medidas sejam tomadas para garantir um registro preciso em algum lugar, se mortes suspeitas estão sendo supernotificadas, podemos esperar que as mortes por erro médico sejam subnotificadas.

Aproveitando uma vantagem política

Enquanto isso, tentando tirar vantagem da atual adoração derramada sobre equipes médicas, muitos profissionais médicos estão buscando proteções legais adicionais contra processos por negligência médica. A Reuters informa:

    As unidades estaduais da poderosa American Medical Association e outros grupos que representam prestadores de serviços de saúde têm pressionado os governadores por cobertura legal … Mais de meia dúzia de médicos e enfermeiras de pronto-socorro disseram à Reuters que estão preocupados com a responsabilidade, pois antecipam o racionamento de cuidados ou a realização de trabalhos desconhecidos devidos à escassez de pessoal e equipamento causada pelo surto.

No entanto, não há razão para supor que tratamentos de covid farão de médicos e enfermeiras alvos fáceis. Os estados já têm padrões em vigor que exigem que os reclamantes mostrem que o pessoal médico “se desviou de forma negligente do padrão razoável de atendimento”. O fato de um médico ter cometido um erro não é suficiente para o sucesso de um processo por negligência médica.

Assim, alguns advogados que representam vítimas de erro médico e negligência temem que o sigilo seja usado como uma desculpa para proteger ainda mais os trabalhadores de saúde de ações judiciais legítimas:

    Joe Belluck, um advogado de Nova York que atua em casos de negligência médica, disse que teme que a crise do coronavírus possa ser usada para promulgar uma lista de desejos de mudanças buscadas por médicos, hospitais e a indústria médica para conter processos judiciais não relacionados.

Dada a forma como o pessoal médico foi tratado pela mídia e pelo pessoal do governo na era do covid-19, não é difícil ver como esse estado atual de adoração ao herói poderia ser empregado para forçar a legislação apoiada por antigos grupos de interesses especiais que buscam garantir sua renda através de lobby como o AMA.

 

Artigo original aqui.

__________________________

Nota

[1] Consulte HHS.gov: “No entanto, erros médicos evitáveis ​​podem tirar 200.000 ou mais vidas de americanos a cada ano e custar aos Estados Unidos cerca de US$ 19,5 bilhões em custos médicos adicionais e perda de produtividade devido ao trabalho perdido.” (Objetivo Estratégico 1)

 

2 COMENTÁRIOS

  1. ” ‘efeitos adversos do tratamento médico’ (ou seja, erros médicos) são “contributivos”.

    Vai tomar no cú. Quando os caras começaram com aquelas ladaias de “linha de frente” eu sabia que nós passaríamos rapidamente à mitificação do pessoal médico. É absolutamente impressionante que uma vasta categoria de pessoas tem ganho posições desproporcionais nesta fraudemia: máfia estatal, polícia e complexo industrial farmaceutico. E com os últimos acontecimentos, incluindo as Big Techs.

    Quando eu leio sobre erro médico eu lembro da entrevista na National Geographic realizada com o corpo médico do exército americano na guerra do Afeganistão. Perguntaram para eles qual a diferença da vida civil e um respondeu: “aqui a gente não pensa muito antes de cortar braços, pernas. O cara não sabe o que tá acontecendo, não tem família do lado de fora da sala de cirurgia, e o mais importante, estamos isentos de processos por erro médico”….

    É irmão, o sistema não perdoa.