Especialistas em Covid urgem: o modo de lidar com o vírus é outro

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Como epidemiologistas de doenças infecciosas e cientistas de saúde pública, temos sérias preocupações sobre os impactos prejudiciais à saúde física e mental das políticas COVID-19 vigentes e recomendamos uma abordagem que chamamos de Proteção Focada.


“Esta é a abordagem mais sã, a abordagem mais científica”, dizem os autores a Freddie Sayers

Vindo da esquerda e da direita, e de todo o mundo, dedicamos nossas carreiras à proteção das pessoas. As atuais políticas de quarentena estão produzindo efeitos devastadores na saúde pública de curto e longo prazo. Os resultados (para citar alguns) incluem taxas de vacinação infantil mais baixas, piora dos resultados de doenças cardiovasculares, menos exames de câncer e deterioração da saúde mental – levando a maior mortalidade excessiva nos próximos anos, com a classe trabalhadora e os membros mais jovens da sociedade carregando o fardo mais pesado. Manter os alunos fora da escola é uma grave injustiça.

Manter essas medidas em vigor até que uma vacina esteja disponível causará danos irreparáveis, com os desfavorecidos sendo desproporcionalmente prejudicados.

Felizmente, nossa compreensão do vírus está crescendo. Sabemos que a vulnerabilidade à morte por COVID-19 é mais de mil vezes maior em idosos e enfermos do que em jovens. Na verdade, para as crianças, COVID-19 é menos perigoso do que muitos outros danos, incluindo a gripe.

À medida que a imunidade aumenta na população, o risco de infecção para todos – incluindo os vulneráveis ​​– diminui. Sabemos que todas as populações acabarão por atingir a imunidade de rebanho – ou seja, o ponto em que a taxa de novas infecções é estável – e que isso pode ser auxiliado por (mas não depende de) uma vacina. Nosso objetivo deve ser, portanto, minimizar a mortalidade e os danos sociais até atingirmos a imunidade de rebanho.

A abordagem mais compassiva que equilibra os riscos e benefícios de alcançar a imunidade de rebanho é permitir que aqueles que estão sob risco mínimo de morte vivam suas vidas normalmente para construir imunidade ao vírus por meio de infecção natural, protegendo melhor aqueles que estão em níveis de risco mais elevados. Chamamos isso de Proteção Focada.

A adoção de medidas para proteger os vulneráveis ​​deve ser o objetivo central das respostas de saúde pública ao COVID-19. A título de exemplo, os asilos devem ter funcionários com imunidade adquirida e realizar testes de PCR frequentes de outros funcionários e de todos os visitantes. A rotação da equipe deve ser minimizada. Os aposentados que vivem em casa devem ter mantimentos e outros itens essenciais entregues em suas casas. Quando possível, eles devem encontrar os membros da família fora de casa, e não dentro. Uma lista abrangente e detalhada de medidas, incluindo abordagens para famílias multigeracionais, pode ser implementada e está dentro do escopo e da capacidade dos profissionais de saúde pública.

Aqueles que não são vulneráveis ​​devem poder retomar imediatamente a vida normal. Medidas de higiene simples, como lavar as mãos e ficar em casa quando está doente, devem ser praticadas por todos para reduzir o limiar de imunidade do rebanho. As escolas e universidades devem estar abertas ao ensino presencial. Atividades extracurriculares, como esportes, devem ser retomadas. Os jovens adultos de baixo risco devem trabalhar normalmente, e não em casa. Devem abrir restaurantes e outros negócios. Artes, música, esporte e outras atividades culturais devem ser retomadas. As pessoas que estão em maior risco podem participar se quiserem, enquanto a sociedade como um todo desfruta da proteção conferida aos vulneráveis ​​por aqueles que desenvolveram imunidade coletiva.

Assine a declaração

Artigo original aqui.

4 COMENTÁRIOS

  1. Quero um planeta justo limpo sem mácula . Todos nós seremos proprietários dele Como ajudar vocês pessoas cultas da ganância dos incautos? A minha parte bem inexpressiva por sinal estou fazendo Quero me unir a vocês para aprender mais e passar a frente e não ser um ignóbil por excelência dando gozo e risos aos imundos capitalistas da atualidade

  2. Façamos o máximo para conscientizar nossos amigos e conhecidos sobre essa fraude. Tivemos conhecimento sobre o assunto no começo de março com as ações do Presidente Trump, mas o povo em geral, especialmente os adeptos ao socialismo e ideais semelhantes, não dão ouvidos. Vamos tentar acordar essa turma. Já passou da hora!