Estímulos do governo falham porque a demanda não cria oferta

0
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

De acordo com o conceito popular, o principal motor do crescimento econômico é o aumento da demanda total por bens e serviços. Sustenta-se também que a produção global aumenta em um múltiplo do aumento das despesas do governo, dos consumidores e das empresas.

Não surpreende, portanto, que a maioria dos comentaristas acredite que, por meio de estímulos fiscais e monetários, o governo possa evitar que a economia entre em recessão. Por exemplo, o aumento dos gastos do governo e a injeção monetária do banco central fortalecerão a produção de bens e serviços.

Segue-se então que, por meio de aumentos nos gastos do governo e da injeção monetária do banco central, as autoridades podem fazer a economia crescer. Isso significa que a demanda cria a oferta. No entanto, isso realmente é verdade?

Por que a oferta precede a demanda?

Na economia de livre mercado, os geradores de riqueza não produzem tudo para seu próprio consumo. Parte de sua produção é utilizada para troca pela produção de outros produtores. Assim, a produção precede o consumo, com algo trocado por outra coisa. Isso também significa que um aumento na produção de bens e serviços desencadeia um aumento na demanda por bens e serviços.

Segundo David Ricardo:

     Ninguém produz senão para consumir ou vender, e nunca vende senão com a intenção de comprar alguma outra mercadoria que lhe possa ser imediatamente útil ou que possa contribuir para a produção futura. Ao produzir, então, ele necessariamente se torna o consumidor de seus próprios bens ou o comprador e consumidor dos bens de outra pessoa.

Observe que a demanda de alguém é limitada pela capacidade de produzir bens, e quanto mais bens um indivíduo pode produzir, mais bens ele pode demandar. Se uma população de cinco indivíduos produz dez batatas e cinco tomates, isso é tudo o que eles podem demandar e consumir. A única maneira de aumentar a capacidade de consumir mais é aumentar sua capacidade de produzir mais.

Sobre isso, James Mill escreveu:

    Quando as mercadorias são levadas para o mercado, o que se quer é alguém para comprar. Mas para comprar é preciso ter os meios para pagar. É óbvio, portanto, que os meios de pagamento coletivos que existem em toda a nação constituem todo o mercado da nação. Mas em que consistem os meios coletivos de pagamento de toda a nação? Não consistem em sua produção anual, na renda anual da massa geral de habitantes? Mas se o poder de compra de uma nação é medido exatamente por sua produção anual, como sem dúvida o é; quanto mais você aumenta a produção anual, mais por esse mesmo ato você amplia o mercado nacional, o poder de compra e as compras reais da nação…. Assim, parece que a demanda de uma nação é sempre igual à produção de uma nação. Isso realmente deve ser assim; pois qual é a demanda de uma nação? A demanda de uma nação é exatamente seu poder de compra. Mas qual é o seu poder de compra? A extensão, sem dúvida, de sua produção anual. A extensão de sua demanda, portanto, e a extensão de sua oferta são sempre exatamente proporcionais.

Expandir o conjunto de poupança é essencial para o crescimento econômico

Sem a expansão e o aprimoramento da estrutura produtiva, será difícil aumentar a oferta de bens e serviços de acordo com o aumento da demanda total. A expansão e melhoria da infraestrutura depende da expansão do conjunto de poupança (este conjunto é composto por bens de consumo final). O conjunto de poupança é necessário para sustentar vários indivíduos que são empregados na melhoria e na expansão da infraestrutura.

Consequentemente, não se segue que um aumento nos gastos do governo e uma política monetária frouxa leve a um aumento na produção da economia. Não é possível elevar a produção total sem o sustento necessário vindo do fluxo de economia.

Por exemplo, um padeiro produz dez pães e os troca por um par de sapatos de um sapateiro. Neste exemplo, o padeiro financia a compra de sapatos produzindo os dez pães. Observe que o pão mantém a vida e o bem-estar do sapateiro. Da mesma forma, o sapateiro financiou a compra de pão por meio de sapatos que mantêm a vida e o bem-estar do padeiro.

Suponha que o padeiro decidiu construir outro forno para poder aumentar a produção de pão. Para implementar seu plano, o padeiro contrata os serviços do fabricante de fornos, pagando-o com um pouco do pão que está produzindo. A construção do forno aqui é sustentada pela produção de pão. Se, por qualquer motivo, o fluxo de produção de pão for interrompido, o padeiro não poderá pagar o fabricante do forno. Como resultado, a fabricação do forno teria que ser abandonada.

Assim, o que importa para o crescimento econômico não são apenas ferramentas, maquinário e mão de obra, mas também um fluxo adequado de bens de consumo que mantenha a vida e o bem-estar dos indivíduos.

Governo não gera riqueza

O governo não produz riqueza, então um aumento nos gastos do governo não pode recuperar a economia. Vários indivíduos que são empregados pelo governo esperam compensação por seu trabalho. Uma das maneiras de pagar esses indivíduos é tributar outros que estão gerando riqueza. Ao fazer isso, o governo enfraquece o processo de geração de riqueza e mina as perspectivas de recuperação econômica.

De acordo com Murray N. Rothbard:

   Como a demanda genuína vem apenas da oferta de produtos, e como o governo não é produtivo, segue-se que os gastos do governo não podem realmente aumentar a demanda.

O estímulo fiscal e monetário parece melhorar a economia se o fluxo de poupança for grande o suficiente para financiar as atividades patrocinadas pelo governo e ainda permitir uma taxa de crescimento nas atividades dos geradores de riqueza. No entanto, se o fluxo de poupança estiver diminuindo, a atividade econômica real geral não poderá ser recuperada, independentemente de qualquer aumento nos gastos do governo e da injeção monetária pelo banco central. Nesse caso, quanto mais o governo gasta e quanto mais o banco central injeta, mais será retirado dos geradores de riqueza, enfraquecendo assim quaisquer perspectivas de recuperação.

Por exemplo, quando políticas monetárias e fiscais frouxas desviam o pão do padeiro, ele terá menos pão à sua disposição. Consequentemente, o padeiro não poderá contratar os serviços do fabricante do forno. Como resultado, não será possível aumentar a produção de pão, ceteris paribus.

À medida que o ritmo das políticas frouxas se intensifica, pode surgir uma situação em que o padeiro não terá pão suficiente para sustentar a funcionalidade do forno existente. (O padeiro não terá pão suficiente para pagar os serviços de um técnico para manter o forno existente em boas condições). Consequentemente, a produção de pão realmente diminuirá.

Da mesma forma, outros geradores de riqueza, por causa do aumento dos gastos do governo e da injeção monetária, terão menos poupança à sua disposição. Isso, por sua vez, dificultará a produção de seus bens e serviços e retardará e não promoverá o crescimento econômico real geral. Como se vê, o aumento de políticas fiscais e monetárias frouxas não apenas não eleva a produção geral, mas, ao contrário, leva a um enfraquecimento do processo de geração de riqueza em geral.

De acordo com Jean-Baptiste Say:

   Os únicos consumidores reais são aqueles que produzem por sua parte, porque só eles podem comprar a produção de outros, [enquanto] … os consumidores estéreis não podem comprar nada, exceto por meio do valor criado pelos produtores.

Conclusão

No conceito popular, os aumentos nos gastos do governo e a injeção monetária do banco central fortalecem a demanda geral da economia. Isso, por sua vez, desencadeia aumentos na produção de bens e serviços, levando à crença de que “demanda cria oferta”.

Se os indivíduos não alocarem poupanças suficientes para sustentar aumentos na produção de bens e serviços, a economia não poderá se expandir. Para poder trocar algo por bens e serviços, os indivíduos devem primeiro ter algo para trocar. Isso significa que, para demandar bens e serviços, os indivíduos devem primeiro produzir algo útil.

Assim, a oferta impulsiona a demanda, e não o contrário. Aumentos nos gastos do governo resultam no desvio de poupança do setor privado gerador de riqueza para o governo, prejudicando assim o processo de geração de riqueza. Da mesma forma, a injeção monetária aciona o desvio de riqueza dos geradores de riqueza para os detentores do dinheiro injetado.

 

 

Artigo original aqui