Excelente palestra de John Mearsheimer sobre Israel vs Palestinos

1
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

[Lee esto en Español]

Na semana passada, John Mearsheimer apresentou um excelente resumo sobre o que está acontecendo em Israel desde o ataque do Hamas em 7 de outubro. Mearsheimer é um dos mais perspicazes estudiosos de política externa da atualidade. Naturalmente, ele é praticamente ignorado pelo establishment de Washington, que está mais preocupado em seguir a política externa belicista e obedecer ao lobby de Israel. Mearsheimer, é claro, trabalhou com Stephen Walt para escrever o importante livro de 2007 The Israel Lobby, que descreve o notável grau em que os lobistas israelenses são capazes de influenciar a política externa americana. Mearsheimer também previu que a Ucrânia se arrependeria de desistir de seu arsenal nuclear, e previu que a insistência dos EUA em empurrar a OTAN para o leste levaria a um aumento do conflito com a Rússia.

Na palestra da semana passada no Centro de Estudos Independentes em Sydney, Mearsheimer descreve como o objetivo final do Estado de Israel para os palestinos agora é a limpeza étnica. Além disso, ele observa que o Estado israelense está atualmente em declínio em influência e em seu poder relativo, internacionalmente.

Ao ilustrar isso, ele observa que Israel está atualmente no negócio da limpeza étnica porque é, politicamente falando, o curso de ação mais aceitável para o regime. Especificamente, o regime israelense tem quatro opções para os palestinos.

  1. Tornar-se um Estado de direito democrático normal, no qual os palestinos tenham direitos legais iguais.
  2. Adotar uma solução de dois estados.
  3. Impor um Estado de apartheid.
  4. Realizar limpeza étnica.

Mearshimer observa que as elites do Estado israelense não têm interesse em uma democracia ou república constitucional. Em vez disso, as elites israelenses querem um etno-Estado judeu no qual todos os outros grupos sejam cidadãos de segunda classe. É em parte por isso que Israel não possui constituição escrita. Ela pode acabar protegendo os direitos das minorias étnicas. Portanto, a opção 1 é inaceitável.

A solução de dois Estados também é obviamente inaceitável, e Mearsheimer observa que é em parte por isso que o Estado israelense essencialmente criou o Hamas e continuou a apoiar o Hamas até 7 de outubro. O Hamas foi criado para combater a OLP, que apoia uma solução de dois Estados. O Hamas, claro, rejeita essa opção e quer para os palestinos o que Israel tem agora: controle total da região “do rio ao mar”.

Dado que as constituições, a democracia e a autodeterminação dos palestinos são inaceitáveis para o Estado israelita, o regime optou pelo apartheid. Mas o apartheid vem com muitos problemas, como vimos no caso da África do Sul, quando ela enfrentou uma infinidade de sanções e outros problemas diplomáticos por causa de seu apartheid em curso.

Então, a saída para esse apartheid, observa Mearsheimer, é limpar etnicamente Gaza e expulsar os habitantes de Gaza do país. Isso elimina a “necessidade” do apartheid.

No entanto, é improvável que a política atual reverta inúmeros problemas que continuam a se acumular para o Estado israelense. Por um lado, o regime israelita agora está gastando muito dinheiro na conquista e destruição de Gaza. Há uma razão pela qual Tel Aviv transformou Gaza no que Mearsheimer chama de “prisão a céu aberto”. Selar Gaza foi a opção mais econômica em muitos aspectos. A política atual é tudo menos econômica, e Israel não poderia sequer realizar sua atual destruição de Gaza sem enormes quantidades de armas gratuitas dos Estados Unidos pagas pelo contribuinte americano.

Um segundo problema pode ser visto no fato de que o regime israelense perdeu seu “domínio da escalada”. No passado, a política israelense era baseada em retaliar os atacantes de maneiras muito mais mortais e destrutivas do que o ataque inicial a Israel. Como descreve Mearshimer, o objetivo israelense tem sido “à medida que subimos a escada de escalada, eu domino”. No entanto, nos últimos meses, a capacidade de Israel de fazer isso vacilou. Tel Aviv não está disposta a dissuadir o Hezbollah com esse método, e os EUA até forçaram Tel Aviv a responder com moderação aos recentes ataques do Irã. Além disso, a atual campanha em Gaza não conseguiu derrotar o Hamas, e é pouco provável que o faça.

Um terceiro problema é que Israel ainda está cercado por adversários que odeiam o Estado israelense. Isso tem sido verdade há muito tempo, mas a tecnologia não progrediu a um ponto em que agora os adversários têm acesso a drones e mísseis de maneiras que são muito mais problemáticas para o Estado israelense.

E, finalmente, a atual campanha de limpeza étnica continuou a tornar Israel mais um estado pária a cada dia que passava.  Mearsheimer observa que, até a década de 1980, o Estado israelense dominava absolutamente a narrativa em todos os lugares sobre a história de Israel e sua criação na década de 1940. Nas últimas décadas, no entanto, historiadores trouxeram à tona uma versão da história que não é tão louvável quanto a do regime israelense. Este problema continua a crescer, especialmente porque o Estado israelense não conseguiu exercer controle sobre as redes sociais, onde proliferam agora narrativas anti-Israel. De fato, Mearsheimer observa que houve uma mudança notável e geracional nas visões de Israel. As elites idosas ainda favorecem Israel esmagadoramente, mas as gerações mais jovens têm uma visão muito diferente e isso é uma péssima notícia para o regime israelense.

Mearsheimer também entra em alguns detalhes sobre a atual relação entre os EUA e o Irã e como a política israelense é ruim para os interesses dos EUA na região. As políticas dos EUA para o Irã – em grande parte impulsionadas pelo lobby de Israel – aproximaram Irã, China e Rússia e, graças a isso, as sanções dos EUA contra o Irã continuam a enfraquecer.

 

 

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO