Hayek e o Prêmio Nobel

2
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

[Este artigo foi publicado originalmente em Human Events, em 16 de novembro de 1974, p. 18. Foi reimpresso no Libertarian Forum, vol. 6, No. 10. Baixar PDF]

A concessão do Prêmio Nobel de Ciência Econômica em 1974 ao grande economista austríaco de livre mercado, Dr. Friedrich A. von Hayek, é uma surpresa bem-vinda e de grande sucesso para seus admiradores defensores do livre mercado neste país e em todo o mundo. Desde a morte do distinto mentor de Hayek, Ludwig von Mises, no ano passado, Hayek, de 75 anos, é o economista de livre mercado mais eminente do mundo e defensor da sociedade livre.

O prêmio Nobel é uma surpresa em dois aspectos. Não apenas porque todos os Prêmios Nobel anteriores de economia foram para progressistas de esquerda e oponentes do livre mercado, mas também porque foram uniformemente para economistas que transformaram a disciplina em uma suposta “ciência” cheia de jargões matemáticos e “modelos” irrealistas que são então usados ​​para criticar o sistema de livre iniciativa e tentar planejar a economia através do governo central.

F.A. Hayek não é apenas o principal economista de livre mercado; ele também liderou o caminho no ataque aos modelos matemáticos e as pretensões de planejamento dos aspirantes a “cientistas” e na integração da economia em uma filosofia social libertária mais ampla. Ambos os conceitos têm sido até agora um anátema para o establishment do Nobel.

Podemos apenas especular sobre as motivações do comitê do Nobel nesta bem vinda, embora tardia, homenagem a Friedrich von Hayek. Talvez uma das razões seja o colapso evidente e galopante da “macroeconomia” keynesiana ortodoxa, que leva até os economistas mais obstinados a pelo menos considerar teorias e soluções alternativas. Talvez outra razão fosse o desejo de conceder um co-Prêmio Nobel ao notório socialista de esquerda Dr. Gunnar Myrdal, e concedê-lo a Hayek por uma reconhecida necessidade de “equilíbrio” político. Assim, ao conceder prêmios a esses dois polos opostos, a Real Academia Sueca de Ciências citou Hayek e Myrdal “por seu trabalho pioneiro na teoria do dinheiro e das flutuações econômicas e por sua análise pioneira da interdependência dos fenômenos econômicos, sociais e institucionais.”

De qualquer forma, independentemente das motivações do comitê do Nobel, só podemos saudar seu merecido tributo às imensas contribuições e realizações de Friedrich von Hayek. A primeira contribuição monumental de Hayek para a economia foi o desenvolvimento da teoria “austríaca” dos ciclos econômicos, com base no esboço pioneiro de Mises. Surgido no final da década de 1920, com base no qual Mises e Hayek estavam entre os poucos economistas no mundo a prever a Depressão de 1929, as duas grandes obras de Hayek sobre os ciclos econômicos apareceram em inglês como Monetary Theory and the Trade Cycle (1933) e o mais técnico Prices and Production (1931).

Durante o início da década de 1930, quando Hayek imigrou da Áustria para lecionar na London School of Economics, a teoria de Mises-Hayek dos ciclos econômicos começou a ser amplamente adotada na Inglaterra e até mesmo nos Estados Unidos como uma explicação para a Grande Depressão; infelizmente, essa teoria austríaca foi posta de lado no júbilo da revolução keynesiana (1936) sem ser sequer considerada, muito menos refutada pelos keynesianos estatistas. Agora que o keynesianismo está desmoronando teórica e empiricamente, o mundo da economia deve estar maduro para considerar a teoria austríaca novamente, pela primeira vez em quarenta anos.

Resumidamente, a importância da teoria de Hayek dos ciclos econômicos é que ela coloca a culpa pelo ciclo de expansão e queda diretamente nos ombros do governo e de seu sistema bancário controlado e, pela primeira vez desde os economistas clássicos do século XIX, absolve completamente a economia de livre iniciativa da culpa. Quando o governo e seu banco central encorajam a expansão do crédito bancário, isso não apenas causa inflação de preços, mas também causa cada vez mais investimentos ruins, especificamente investimentos inadequados em bens de capital e subprodução de bens de consumo.

Consequentemente, a expansão inflacionária induzida pelo governo não só prejudica os consumidores ao aumentar os preços e o custo de vida, mas também distorce a produção e cria investimentos inadequados. O governo é então confrontado repetidamente com duas escolhas básicas: ou interromper sua inflação monetária e de crédito bancário, que então será necessariamente seguida por uma recessão, que serve para liquidar os investimentos insustentáveis e retornar a uma estrutura de investimento de mercado genuinamente livre e produção – ou continuar inflando até que uma inflação galopante destrua totalmente a moeda e provoque o caos social e econômico.

A relevância da teoria de Hayek para os dias atuais deve ser flagrantemente óbvia, já que qualquer indício de recessão faz com que o governo entre em pânico e abra as torneiras inflacionárias mais uma vez. A questão é que, dada qualquer expansão inflacionária, uma recessão é dolorosa, mas necessária, a fim de retornar a economia a um estado sustentável.

A prescrição política que flui da teoria hayekiana é, obviamente, o oposto da keynesiana: parar a expansão inflacionária artificial e permitir que a recessão faça o mais rápido possível seu trabalho de reajuste. O adiamento e as tentativas do governo de interromper ou interferir no processo de recessão só vão arrastar e intensificar a agonia e levar à nossa atual e provavelmente futura turbulência de inflação combinada com longa recessão e depressão. A análise de Mises-Hayek não é apenas a única teoria convincente dos ciclos econômicos; é a única resposta abrangente de livre mercado ao pântano keynesiano de planejamento governamental e “ajustes finos” de que estamos sofrendo hoje.

Mas F.A. Hayek não parou com esta contribuição monumental para a economia. Na década de 1940, ele ampliou sua abordagem para toda a área da economia política. Em seu best-seller O Caminho da Servidão (1944), ele desafiou o clima intelectual pró-socialista e pró-comunista da época, mostrando como o planejamento socialista deve inevitavelmente levar ao totalitarismo e demonstrando exemplos de como a República de Weimar preparou o caminho para Hitler. Ele também mostrou como “o pior sempre chega ao poder” em uma sociedade estatista.

Em sua brilhante série de ensaios em Individualism and Economic Order (1948), Hayek foi o pioneiro em demonstrar como o socialismo não pode calcular racionalmente porque carece de um sistema de preços de livre mercado, particularmente porque o mercado livre está exclusivamente equipado para transmitir informações de cada indivíduo para todos outros indivíduos. Na falta de um sistema de preços genuíno, o socialismo é necessariamente desprovido dessas informações cruciais.

Além disso, no mesmo trabalho, Hayek dissecou brilhantemente o modelo ortodoxo irreal de “competição perfeita”, demonstrando que o mundo real da livre competição é muito superior ao apelo absurdo por “perfeição” feito por advogados e economistas anti-trust. Como corolário, Hayek neste trabalho começou uma série devastadora de ataques ao modelo de “equilíbrio geral” dos economistas matemáticos, mostrando quão absurdo e irreal esse critério era para derrocar a livre iniciativa.

Em 1952, Hayek publicou seu soberbo Counter-Revolution of Science, que continua sendo o melhor ataque às pretensões dos aspirantes a planejadores de mandarem em nossas vidas em nome da “razão” e da “ciência”. Dois anos depois, no seu muito agradável de se ler Capitalism and the Historians, Hayek contribuiu e editou uma série de ensaios que mostraram conclusivamente que a Revolução Industrial na Inglaterra, impulsionada por uma economia de mercado praticamente livre, melhorou enormemente, em vez de prejudicar o padrão de vida do consumidor e trabalhador médio na Inglaterra. Dessa forma, Hayek abriu caminho para destruir um dos mitos socialistas mais difundidos sobre a Revolução Industrial.

Finalmente, em seu Fundamentos da Liberdade (1960), Estudos em Filosofia, Política e Economia (1967) e Lei, Legislação e Liberdade (1973), Hayek, entre outras contribuições notáveis, defendeu o ideal esquecido do estado de direito ao invés de homens, e enfatizou o valor único do mercado livre e da sociedade livre na criação de uma “ordem espontânea” que só pode emergir da liberdade. Como apenas uma de suas realizações, seu artigo muito antologizado, “The Non-Sequitur of the ‘Dependence Effect'”, demoliu The Affluent Society, de J.K. Galbraith, ao apontar que não há nada de errado em indivíduos aprenderem e absorverem valores e desejos de consumo uns dos outros. E em seu ensaio brilhante, “The Intellectuals and Socialism”, FA Hayek estabeleceu a estratégia adequada para os libertários seguirem: a importância de ter a coragem de imitar os socialistas em ser consistente, em recusar-se a ceder aos ditames de curto prazo de concessão e conveniência; só assim seremos capazes de reverter e derrotar a maré coletivista.

Nós poderíamos continuar e continuar. Mas o suficiente foi dito aqui para apontar para o grande escopo, erudição e riqueza das contribuições de F.A. Hayek à economia e à filosofia política. Como seu grande mentor, Ludwig von Mises, F.A. Hayek persistiu com grande coragem em se opor ao socialismo e ao estatismo de nosso tempo. Mas ele não apenas se opôs firmemente às modas atuais do keynesianismo, inflação e socialismo; ele tem – com nobreza, cortesia e grande erudição – realizado suas pesquisas para nos fornecer os conceitos alternativos de economia livre e sociedade livre.

F.A. Hayek merece ricamente não apenas o Prêmio Nobel, mas todas as honras que possamos conceder a ele. Mas a maior homenagem que podemos fazer, a Hayek e a Mises, é nos dedicarmos a reverter a maré estatista e prosseguir em direção a uma sociedade de liberdade.

2 COMENTÁRIOS

  1. OK, neste artigo o Rothbard puxou bastante o saco do Hayek, talvez como uma forma de valorizar o fato de um Austríaco em Economia e opositor parcial do socialismo, ter ganhado uma “honraria pública” (e talvez para não criar um clima ruim dentro do meio que defende a escola austríaca e um atrito com o próprio Hayek). Mas todos nós austro-libertários, inclusive o próprio Rothbard, sabemos que ele só ganhou esse prêmio porque dentre os “opositores” ao establishment estatista/socialista, era o mais palatável, ou digamos o “inimigo permissível” que a classe dominante de esquerda gostaria de aceitar para assim eliminar qualquer opositor sério e intransigente, classificando qualquer um mais a direita de Hayek como um “extremista excêntrico” que não mereceria atenção (como exemplo disso, o próprio Rothbard). Entendo que a função do texto é mais estratégica, de aproveitar a hype da situação e tentar trazer pro nosso lado, mas nunca podemos nos encantar com isso.

    Prêmio nobel, assim como qualquer outro prêmio dado pelo establishment estabelecido pela coerção do estado, não tem como função premiar o melhor ou mais sábio, mas sim cumprir um papel na agenda política/ideológica/particular dessa mesma elite. Continuemos indiferentes a esses prêmios, e valorizemos apenas a racionalidade e a verdade, onde quer que ela esteja, e no mundo de hoje ela geralmente se encontra bem distante das honrarias e instituições dominadas pelo establishment estatista. Devemos mostrar a farsa que é associar Hayek, assim como seus homônimos, a uma classe de intelectuais que são contra o socialismo e o estatismo, devemos mostrar como Hoppe fez, o mito que Hayek e Friedmands da vida são, e mostrar quem realmente são os opositores do socialismo/estatismo: https://youtu.be/RXEuiHcFIAQ. Recomendo também a leitura dos memorandos que Rothbard escreveu sobre um dos livros sobre filosofia política do Hayek, e que estão traduzidos aqui no instituto Rothbard, basta procurar pelos últimos artigos produzidos.

  2. Grande Murray fucking Rothbard!

    “Talvez uma das razões seja o colapso evidente e galopante da “macroeconomia” keynesiana ortodoxa, que leva até os economistas mais obstinados a pelo menos considerar teorias e soluções alternativas.”

    Tem um “professor” de economia da UFRGS chamado Fernando Ferrari Filho, que em pleno 2021 é tão alopradamente keynesiano que participa – e tem até uma ridícula carteirinha, de um Club Keynes ou algo do tipo….