Hugh Akston = Human Action?

1
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Acabei de receber um e-mail intrigante. O autor sugere que o romance A Revolta de Atlas de Ayn Rand apresenta Ludwig von Mises em um dos papéis secundários (mas ainda como herói). Eu não tinha percebido a questão levantada por meu correspondente, mas acho que ele está certo. Quando escrevi a biografia de Mises, não parei para ler A Revolta de Atlas novamente (eu tinha lido em meados da década de 1990), caso contrário, poderia ter notado. Enfim, aqui está a mensagem:

Caro Prof.,
Estou passando por seu profundo livro “O Último Cavaleiro do Liberalismo“. Isso me fez parar algumas vezes, apenas para ser capaz de ler livros inteiros antes de continuar (por exemplo, “Crítica do intervencionismo”, “Burocracia”), e havia vários pontos delicados no pensamento de Mises que eu havia esquecido ou entendido mal – seus breves resumos de ideias profundas são inestimáveis ​​para tornar esses erros aparentes.

Então, em primeiro lugar, obrigado pelo excelente trabalho. Além de suas palestras, das quais assisti algumas. (Acho que tinha uma lista de palestras, depois do livro, que eu assistia antes de ler o livro, mas agora não consigo encontrar, ainda existem em algum lugar?).

Embora esta mensagem não seja para expressar minha gratidão, mas sim para perguntar se você fez a mesma conexão ou não. Recentemente li A Revolta de Atlas e, anos atrás, terminei Ação Humana (o que por si só levou anos …). Em seu livro, em algum momento você diz:

Mises não era o tipo de homem que dava muita importância às coisas materiais. Certa vez, ele disse a Margit que, se ela estava atrás de riquezas, havia se casado com o homem errado. Mas também não era o tipo de intelectual que Ayn Rand retratou em seu romance A Revolta de Atlas: o filósofo libertário que em apuros desceria estoicamente de sua posição na universidade para trabalhar atrás do balcão de uma lanchonete de uma pequena cidade. Se Mises acabasse virando hambúrgueres, seu coração teria se partido.

Estou morrendo de curiosidade para saber se você passou um minuto refletindo sobre o nome daquele professor em A Revolta de Atlas , que era: Hugh Akston. Quais são as chances de que isso seja uma coincidência? Hugh Akston? Mesmo?

Não é este um ovo de Páscoa “óbvio”, escondido à vista de todos, prestando homenagem a nada além de Ação Humana de Mises? (Eu verifiquei online, ninguém parece ter notado isso).

Embora eu pareça lembrar que Ayn não ficou particularmente impressionada ou grata pela primeira parte do livro, ou seja, praxeologia, de onde vem o título, mas talvez ela tivesse uma opinião diferente quando escreveu o livro, quem sabe.

Best, D.A.

1 COMENTÁRIO