O teorema da regressão de Mises, Bitcoin e a teoria do valor subjetivo

3
Tempo estimado de leitura: 11 minutos

O teorema de regressão de Mises, detalhado pela primeira vez na versão original alemã de 1912 de seu livro The Theory of Money and Credit, procurou explicar como o poder de compra da moeda é determinado no mercado. O teorema de regressão foi uma tentativa de resolver um problema que intrigou os economistas de sua época – algo que eles viam como ilógico: como “explicar o poder de compra da moeda por referência à demanda por moeda, e a demanda por moeda por referência a seu poder de compra.” Mises tentou resolver isso argumentando que as pessoas fazem previsões sobre o poder de compra da moeda no futuro, olhando para o poder de compra do passado imediato da moeda. E para explicar o poder de compra do passado imediato – ontem – elas olham para o poder de compra de anteontem, e assim por diante. Em suma, ele aplicou a teoria da utilidade marginal a moeda e foi capaz de evitar um argumento circular ao introduzir um elemento de tempo.

Pode-se ver um problema, no entanto, pois parece retroceder no tempo em uma regressão infinita. Mas Mises não pensa assim. Ele escreve:

    Se rastrearmos passo a passo o poder de compra da moeda, finalmente chegaremos ao ponto em que começa o serviço do bem em questão como meio de troca. Neste ponto, o valor de troca de ontem é exclusivamente determinado pela demanda não monetária – industrial – que é exibida apenas por aqueles que desejam usar esse bem para outros empregos que não o de meio de troca.

Explicando um pouco mais detalhadamente, Mises escreve:

    Se assim formos continuamente mais e mais para trás, devemos finalmente chegar a um ponto em que não mais encontraremos qualquer componente no valor de troca objetivo da moeda que surge de avaliações baseadas na função da moeda como um meio de troca comum; onde o valor da moeda nada mais é do que o valor de um objeto que é útil de alguma outra forma que não como moeda […] Antes era comum adquirir bens no mercado, não para consumo pessoal, mas simplesmente para trocá-los mais uma vez, pelos bens realmente desejados, cada mercadoria individual era apenas reconhecida por aquele valor dado pelas avaliações subjetivas baseadas em sua utilidade direta. [Ênfase minha.]

Até este ponto, seu teorema não parece nada controverso, mas ele também faz afirmações abrangentes, que veremos pelas lentes da teoria do valor subjetivo mais adiante.

    [Quando] sempre que um bem não demandado anteriormente para o emprego como meio de troca passa a ser demandado para esse emprego, os mesmos efeitos devem aparecer novamente; nenhum bem pode ser empregado para a função de um meio de troca que no início de sua utilização para esse fim não tinha valor de troca por conta de outros empregos […] Ninguém pode jamais conseguir elaborar um caso hipotético em que as coisas eram para ocorrer de uma maneira diferente. [Ênfase minha.]

E mais uma vez:

    Um meio de troca sem passado é impensável. Nada pode entrar na função de um meio de troca que não fosse previamente um bem econômico e ao qual as pessoas atribuíssem valor de troca antes de ser exigido como tal meio.

Mas antes de explorarmos a compatibilidade do Bitcoin (ou possível falta dela) com o teorema, devemos primeiro abordar o que o teorema não diz.

Primeiro, o teorema não é um aviso de Mises de que um meio de troca que não adere a ele não pode se sustentar. Em vez disso, é uma afirmação ousada que afirma que um meio de troca que não seja aderente ao teorema não pode sequer vir a existir. Em segundo lugar, o teorema não diz que o valor de uso direto (não monetário) deve se manter para que um meio de troca continue a ter valor de troca. Em outras palavras, como apenas um exemplo, se os certificados de papel lastreados em ouro são negociados no mercado, o teorema de regressão não afirma que esses certificados de depósito não podem manter seu status como um meio de troca se o custodiante de ouro cancelar o resgate.

Uma interpretação destacada por Laura Davidson e Walter Block propõe que o teorema de regressão de Mises “é relevante apenas quando um novo meio de troca surge de uma economia de troca pura.” Quanto à relevância para o Bitcoin especificamente, os autores afirmam que ele “não precisa ter um valor de uso direto para ser um meio de troca, porque não surgiu de uma economia de troca pura”. Eles argumentam que os novos meios de troca podem surgir com uma estrutura de preço em moeda já existente (ou memória dela), assim como já aconteceu com o Rentenmark alemão (1923), o Euro (1992) e o “credito” argentino privadamente emitido (2002). Aplicando isso ao Bitcoin, afirmam esses autores, como esse novo ativo digital emergiu em vários países em condições sem ser de escambo e preços de moeda fiduciária já existentes, o Bitcoin não precisa ser submetido ao escrutínio do teorema de regressão.

No entanto, apesar da releitura cuidadosa do presente autor através das obras clássicas de Mises, The Theory of Money and Credit e Ação Humana, para qualquer declaração das próprias palavras de Mises estabelecendo esta limitação de troca para seu teorema de regressão, parece que não há evidência para isso. Além disso, Davidson e Block admitem em um podcast que também não estão cientes de qualquer limitação do próprio Mises. O que temos de Mises são suas reivindicações abrangentes, citadas acima, que (na opinião deste autor) parecem, se alguma coisa, aplicar-se claramente de forma ampla – sem tal limitação de escopo de escambo.

Bitcoin e o teorema de regressão

Diante disso, a existência do Bitcoin parece violar o teorema de Mises, a menos que um uso não monetário anterior possa ser demonstrado. Ou seja, o Bitcoin teria que ser primeiro avaliado por sua utilidade direta antes que pudesse deter o valor de troca indireto.

Então, os critérios foram atendidos ou o Bitcoin viola o teorema? Não é tão difícil satisfazer o teorema se considerarmos que o Bitcoin não é apenas uma unidade monetária isolada; ele existe em cima de um Blockchain com uma rede de pagamento sofisticada, lida com a liquidação final em questão de minutos (se o vendedor estiver disposto a pagar uma taxa de mineração alta o suficiente), faz pagamentos internacionais com facilidade e sem permissão, resolve o problema de gasto duplo sem o uso de um terceiro centralizado e assim por diante. Como tal, os casos de uso não monetários do Bitcoin satisfazem o teorema.

Agora devemos distinguir entre bitcoin (com b minúsculo), as unidades monetárias, e Bitcoin (com B maiúsculo), a rede e tecnologia de pagamento subjacente. Não é apenas porque os bitcoiners da velha guarda gostam de ver a grafia adequada da palavra. Mais especificamente para o teorema de Mises, se os primeiros bitcoiners que adotaram o bitcoin valorizaram a rede e a tecnologia de pagamento que minimiza a confiança do Bitcoin antes de avaliar as unidades monetárias do bitcoin (que é exatamente o que aconteceu até onde posso dizer), então o requisito de regressão de Mises de ter “valor de troca por conta de outros empregos” antes de ser usado como meio de troca foi cumprido e, portanto, o ativo digital não viola o teorema. Na verdade, o Bitcoin (a rede de pagamento) e o bitcoin (a unidade monetária) são inseparáveis ​​de uma forma que o PayPal (a rede de pagamento) e o USD (a unidade monetária) não são. Se tentarmos retirar a rede de pagamento do Bitcoin da unidade monetária, também não temos unidade monetária do bitcoin.

Para elaborar, Bitcoin (a rede de pagamento) tem uma única moeda digital nativa: bitcoin. O PayPal não tem essa moeda única nativa. É verdade que o PayPal se beneficia de acessar a grande rede de usuários do USD e vice-versa, mas isso não muda o ponto principal: que a rede de pagamento (PayPal) ainda precisa se conectar a uma moeda digital que não é a sua para operar. Ninguém envia “paypals” a ninguém como meio de troca. O PayPal – sem o uso de uma moeda digital fiduciária não nativa – é um arco sem flechas. (Devo agradecer a Peter St. Onge por esta metáfora do arco e flecha).

Konrad Graf fornece um exemplo útil:

    E se exigíssemos dos telefones que eles devem ter algum valor por si próprios – mesmo quando desconectados da rede telefônica? […] Um telefone é um tipo de bem que só tem valor no contexto em que é valioso. […] Argumentar que o Bitcoin deve ter algum valor fora do contexto preciso no qual é significativo parece semelhante a exigir que os telefones também sejam úteis quando desconectados.

Mas se o valor é subjetivo (um princípio central do modo de pensar econômico austríaco), é difícil afirmar que um novo meio de troca não poderia ser avaliado primeiro como meio de troca, e não para algum outro propósito de antemão. Peter St. Onge (2014) aponta o seguinte:

    Entre as maiores contribuições de Menger em seus Princípios está a compreensão de que a moeda é fundamentalmente um bem como qualquer outro – exigida por sua utilidade em permitir transações e reserva de valor – com um preço real ditado por sua escassez. […] Se a moeda, como qualquer outro bem, deriva seu valor dos benefícios que oferece, é difícil ver por que a moeda, e mesmo esses benefícios, requerem um antecedente. Assim como a internet pode ser valiosa sem uma “pré-internet”, uma criptomoeda que permite transações e poupanças anônimas, irreversíveis e de baixa regulamentação pode ser valiosa sem um precursor. Se não há exigência de regressão para o valor de qualquer outro bem, por que a moeda sozinha carrega esse fardo?

Além disso, apesar da discordância do presente autor com a afirmação de Davidson e Block de que o teorema de regressão de Mises é limitado a situações de escambo, esses autores fazem uma observação muito importante: que é mais fácil para um novo meio de troca (“Meio A”) começar quando já existe outro meio de troca (“Meio B”) em uso generalizado para o qual temos preços para se basear. Assim, por exemplo, se as batatas têm a chance de se tornar um meio de troca secundário (“Meio A”), é mais fácil para isso acontecer em uma sociedade que não seja baseada em escambo na qual todos os bens e serviços já são cotados em dólares americanos (“Médio B”). Em outras palavras, bens e serviços já cotados em dólares nos permitem saber muito antes mesmo de começarmos a tentar usar as batatas como meio de troca qual é a relação de preço, por exemplo, entre um determinado carro e uma determinada casa. Portanto, graças aos preços em dólares, podemos saber que o valor de mercado de uma unidade de uma determinada casa é cerca de quinze unidades de um determinado carro. Como tal, podemos saber que deveríamos pagar cerca de quinze vezes mais batatas pela casa do que pagaríamos pelo carro. Agora, ainda temos o difícil processo de descoberta de preço pela frente porque ainda não sabemos o valor de mercado (em batatas) de carros ou casas. Portanto, novamente, Davidson e Block ainda estão corretos ao afirmar que uma estrutura de preço já existente (sem escambo) pode desempenhar um papel crucial em ajudar os novos meios de troca a decolar em primeiro lugar.

Quanto ao processo de descoberta do preço, como seria possível aos indivíduos inferir um valor subjetivo sobre um bem que não tem histórico de valor de troca? Como Robert Murphy aponta, Mises pode não ter imaginado uma situação em que um novo meio de troca pudesse surgir, começando primeiro com valor de mercado zero, depois (em dólares) valendo apenas alguns centavos, e aumentando com o tempo até valer milhares de dólares. Aplicando isso ao Bitcoin, é pelo menos possível que o Bitcoin tenha sido avaliado por alguma pessoa em algum lugar, primeiro como um meio de troca e depois para algum outro propósito. Este é o tópico de nossa próxima seção.

Como o teorema de regressão viola a teoria do valor subjetivo

Apesar de o Bitcoin ter sido facilmente capaz de satisfazer o teorema de várias maneiras (sinalizando os valores de alguém, especulação, etc.), não precisamos nos esquecer das declarações arrebatadoras de Mises sobre a impossibilidade de um meio de troca ser primeiro valorizado por uso não-monetário. (Konrad Graf argumenta que é uma impossibilidade lógica). Mas o valor é subjetivo ou não? Por que a teoria do valor subjetivo se aplica a todos os outros bens, exceto a moeda? Se o valor é de fato subjetivo, então não há nenhuma razão particular para que alguém não possa primeiro valorizar algo por seu uso indireto. Isso também, a propósito, não precisa refutar o cerne do teorema de regressão de Mises: que os indivíduos fazem cálculos (pelo menos na maioria dos casos, embora as declarações de Mises impliquem sua crença de que isso se aplica a todos os casos) olhando para os preços do passado imediato, e que se você seguir a trilha de um meio de troca suficientemente longe, isso o levará a algo valorizado por outras razões que não o seu uso como meio de troca. Mas, como William J. Luther argumentou, em vez de considerar isso uma “condição necessária” como Mises acredita que seja, pode ser mais apropriadamente considerado um “fator contribuinte”. Dito de outra forma, “todo o resto igual, um item que possui valor não-monetário tem mais probabilidade de decolar do que um item que não o tem”.

É importante distinguir entre relatos descritivos do que vemos as pessoas fazer (ou esperamos que façam como atores exclusivamente racionais) do que é logicamente possível para elas fazerem. Assim, o ponto principal que desejamos argumentar aqui é que a certeza que Mises desnecessariamente adiciona ao seu teorema (a respeito da impossibilidade de qualquer forma diferente hipotética) coloca seu teorema em terreno instável, uma vez que o vemos através das lentes da subjetividade.

Em Princípios de Economia Política, Carl Menger expõe a teoria do valor subjetivo e escreve que “o valor não existe fora da consciência dos homens”. Explicado de forma mais elaborada, “Valor não é, portanto, nada inerente aos bens, nenhuma propriedade deles, mas apenas a importância que primeiro atribuímos à satisfação de nossas necessidades, ou seja, a nossas vidas e bem-estar, e, em consequência, transferimos para bens econômicos como a causa exclusiva da satisfação de nossas necessidades.”

Menger chegou a colocar o conceito de valor subjetivo dentro dos critérios que deu para que um bem seja um bem (referindo-se aos bens econômicos). Ele escreveu que, para que um bem seja um bem, deve satisfazer todos os quatro seguintes critérios: Deve haver uma necessidade humana para ele; a coisa deve ser capaz de satisfazer a necessidade humana; deve haver conhecimento humano da capacidade da coisa de satisfazer a necessidade; e deve haver um “[c]omando da coisa suficiente para direcioná-la à satisfação da necessidade.” Não precisamos necessariamente aceitar totalmente todos os critérios de Menger: apenas para reconhecer sua ênfase na subjetividade.

Em Ação Humana, Mises explica a teoria do valor subjetivo, argumentando que o papel do economista é tomar “os julgamentos de valor do agente homem como dados finais não abertos a qualquer exame crítico adicional.” Mas, sem perceber, o subjetivismo de Mises trabalha contra sua afirmação de que nenhum meio de troca poderia surgir sem valor de uso direto anterior.

Quanto ao Bitcoin como um ativo digital único, Mises entendeu bem que os bens econômicos não “precisam ser incorporados em uma coisa tangível”, mas por não ter vivido na era digital, ele só poderia categorizar todos os bens econômicos intangíveis como “serviços.” Assim, sendo um homem de seu tempo (e sem culpa própria), ele não tinha uma estrutura adequada para categorizar algo como Bitcoin. Konrad Graf (que viveu o surgimento do Bitcoin, junto com o resto de nós), apropriadamente chama o Bitcoin de um “bem ‘escasso, intangível, digital’.”

Menger se refere a moeda como “a mercadoria mais vendável” e mostra como o gado servia a esse propósito no mundo antigo e, com o passar do tempo, um padrão metálico baseado em ouro, prata e cobre tomou seu lugar – especialmente com o progresso da civilização e as pessoas mudando de ambientes rurais para urbanos. Esta “a mais vendável de todas as mercadorias” enfatiza que a moeda é um bem como todos os outros. (Podemos usar os termos ‘mercadoria’ e ‘bem’ de forma intercambiável).

Rothbard torna o argumento ainda mais explícito:

    A verdade mais importante de toda essa nossa argumentação a respeito do dinheiro: o dinheiro é uma mercadoria. Aprender essa simples lição é uma das tarefas mais importantes do mundo. Com enorme frequência, as pessoas falam de dinheiro como se fosse algo
muito acima ou muito abaixo dessa realidade. O dinheiro não é uma abstrata unidade de conta, perfeitamente separável de um bem concreto; não é um objeto inútil que só presta para trocas; não é um “título de reivindicação” sobre os bens produzidos pela sociedade; não é uma garantia de um nível fixo de preços. O dinheiro é simplesmente uma mercadoria. O dinheiro difere das demais mercadorias por ser demandado majoritariamente como um meio de troca. Mas, excetuando-se isso, o dinheiro é uma mercadoria – e, como todas as mercadorias, ele possui um estoque real e é demandado por pessoas que querem comprá-lo, que querem portá-lo etc. Como todas as mercadorias, seu “preço” – em termos de outros bens – é determinado pela interação entre sua oferta total, ou estoque, e sua demanda total por pessoas que querem comprá-lo e guardá-lo

E, portanto, a pergunta deve ser feita: Se o valor é subjetivo (um pilar central do modo de pensar econômico austríaco), e se um meio de troca (ou moeda) é um bem como qualquer outro, então como podemos dizer que um o bem não poderia primeiro ser avaliado por alguma pessoa em algum lugar como um meio de troca, em vez de para algum outro propósito de antemão? A afirmação de Mises de que “Ninguém pode ter sucesso na elaboração de um caso hipotético em que as coisas deveriam ocorrer de uma maneira diferente” vai de encontro à subjetividade.

Conclusão

Para enfatizar o ponto central da tese deste artigo, podemos ainda considerar o teorema da regressão útil sem aceitar a contradição lógica de que, por um lado, um bem pode ser avaliado subjetivamente por qualquer motivo e, por outro lado, um bem não poderia possivelmente ser avaliado para um propósito específico (como um meio de troca), a menos que tenha sido avaliado primeiro para algum propósito diferente daquele propósito. A evidência empírica de que os bitcoins foram avaliados primeiro pelo valor de uso direto não refuta isso. O bitcoin pode de fato ter surgido em perfeita conformidade com o teorema. No momento em que este artigo foi escrito, aproximadamente 12.000 ativos digitais estavam listados no CoinMarketCap.com. Será que realmente nos apegamos firmemente à teoria do valor subjetivo (como deveríamos), ao mesmo tempo que nos apegamos à crença de que nenhuma delas poderia ter sido avaliada como meio de troca antes de algum outro propósito? O valor é subjetivo ou não é.

 

Artigo original aqui

3 COMENTÁRIOS

  1. Concordo plenamente com a tese central deste texto. Não há necessidade de um bem econômico que queira ser usado por alguém como meio de troca, q precise ser usado para um fim não monetário antes. Isso só era uma tendência na medida em que apenas mercadorias tangíveis podiam ser usadas como meio de troca eficiente, daí a possibilidade de haver usos não monetários a coisas tangíveis, como por exemplo o gado que podia ter sua carne consumida ou usado para trocar por algo, da mesma forma que os metais preciosos tinham a função de ornamento além de meio de troca. Mas nunca houve uma necessidade intrínseca, mesmo para os bens tangíveis, de que eles precisariam ser usados pra outra função que não o de meio de troca, afinal, se por exemplo, as pessoas por algum motivo estabelecessem um consenso e quisessem usar, digamos, maçãs desde o início da sua descoberta pelo homem apenas pra trocar por outras coisas, não haveria nenhum impedimento lógico pra que isso acontecesse, como muito bem aponta o texto, já que o q vale é como ele será avaliado subjetivamente pelas pessoas, e um cenário desse n poderia ser descartado como impossibilidade lógica, e sim visto como algo bem difícil de acontecer, afinal de contas, pelo fato da maçã ser uma forma de saciar a fome do homem, e de a necessidade de haver um meio troca universal para resolver o problema de dupla coincidência foi sendo descuberto aos poucos, a tendência é q o meio de troca (incluindo a possibilidade de maçãs nesse exemplo) que viesse a ser escolhido, já tinha um uso diferente no momento que a economia funcionava a base de escambo.

    Já com o incremento do mundo digital e o surgimento de mercadorias intangíveis que conseguem manter sua escassez, essa possibilidade de uma mercadoria ser, já na sua descoberta, “planejada” para ser usada como meio de troca se torna extramente plausivel e factível tecnicamente de ser colocada em prática. O único ponto que discordo desse artigo é a questão do autor identificar a Blockchain ou o ecossistema digital do Bitcoin como um uso não monetário do mesmo. Na vdd tudo que ele apontou como não monetário e que portanto poderia se encaixar como de acordo com o teorema da regrassao, não passam de característica inerentes ao próprio Bitcoin e que sua utilidade se atrela a possibilidade de fazer transações anônimas, e que portanto, não são valorizadas pra outros fins do q o fim de ser um meio de troca. O conceito de Blockchain pode ser usado pra outras coisas, mas neste caso deixaria de ter ligação com o Bitcoin (como os Smart Contracts), o Bitcoin em si não tem outro uso se não o de meio de troca e serve como um exemplo para refutar o teorema da regressão de forma empírica, apesar de na teoria pura poder ser rejeitado como inválido teoreticamente.

    • Essa é uma discussão difícil! Reconhecer isso é fundamental!

      Gosto muito da abordagem de que o valor é subjetivo! E que você não deve criar tratamentos especiais para moeda!

      Refutar o teorema da regressão de mises é um caminho interessante!

      Porém eu fico curioso de saber a opinião de mises sobre seu teorema e moedas fiduciárias que deixaram de ser lastreadas em ouro após a primeira guerra mundial nas economias européias e preservaram seu valor!

      Com certeza esse exemplo é muito anterior ao bitcoin de um ativo que não possui qualquer valor senão como meio de troca e com certeza mises tinha conhecimento desse fato!

      Outra interpretação possível é que moedas fiduciarias sem lastro em ouro só são possíveis num ambiente de agressão institucionalizada e que apenas nesse ambiente ativos como o bitcoin teriam valor!

      Ou seja moedas fiat sem lastro em ouro possuem valor apenas enquanto são monopólios protegidos por coerção!

      E o bitcoin possui valor apenas enquanto a coerção estatal existir como uma forma de se defender dela!

      Se um dia a agressão institucionalizada deixar de existir teriamos uma economia baseada em tokens de ouro e/ou prata? Não sei

      Existe uma outra possibilidade, que a energia é a comodity natural do universo! A conservação da energia é uma das leis naturais mais bem estabelecidas!

      As quantidades de ouro e prata são fixas no planeta Terra! Porém as supernovas que produzem os átomos de Ouro e Prata existentes no universo e apesar de a tecnologia atual não ser possível a produção em larga escala de ouro e prata, eu não conheço impossibilidade tecnologica para isso!

      Então a energia gasta através do sistema de consenso seria a comodity natural que é baseado esse sistema!

      Essa é uma discussão abstrata e difícil! O fato é que o mercado vê valor no bitcoin e qualquer teoria científica econômica tem que prevêr corretamente a realidade sem entrar em contradições lógicas!