II – “Direitos Civis” e Deficiências

0
Tempo estimado de leitura: 34 minutos

Rothbard aprofundou seu ataque, enfrentando todo o movimento pelos direitos civis.

Em toda a questão dos “direitos civis” impostos legal e judicialmente, fomos submetidos a uma armadilha, a um jogo de fachada em que “ambos os lados” adotam o mesmo axioma pernicioso e simplesmente discutem sobre a interpretação dentro da mesma estrutura. De um lado, o progressismo de esquerda, que em nome da igualdade e dos direitos civis, quer proibir a “discriminação” em todos os lugares, levou o processo ao ponto de virtualmente exigir cotas representativas para grupos supostamente oprimidos em toda a sociedade; sejam empregos e promoções, entrada em clubes de golfe privados, ou nas legislaturas e entre o judiciário. Mas a oposição conservadora oficial, que inclui não apenas os neoconservadores, mas também os conservadores regulares, as fundações jurídicas conservadoras e os libertários de esquerda, adota o mesmo axioma de direitos civis e igualdade. Em nome da suposta visão “original” dos direitos civis de Martin Luther King, os conservadores também querem proibir a discriminação no emprego e na habitação, e permitir que os tribunais federais determinem o gerrymandering[1] dos distritos eleitorais. Mas, embora os conservadores oficiais endossem totalmente a proibição da discriminação racial e de outra natureza, eles querem parar por aí, e alegam que ir além disso para impor medidas de ação afirmativa e cotas está pervertendo o nobre ideal original de direitos civis.

O pecado original dos “direitos civis”, que teriam sido perfeitamente compreendidos por tais “velhos conservadores” como os tão difamados Nove Velhos que tentaram bloquear as medidas do New Deal, é que leis ou decretos anti-discriminação de qualquer tipo são maus porque atropelam o único direito natural fundamental: o direito de todos sobre sua própria propriedade. Todo dono de propriedade deve ter o direito absoluto de vender, alugar ou arrendar seu dinheiro ou outra propriedade para quem ele escolher, o que significa que ele tem o direito absoluto de “discriminar” o quanto quiser. Se eu tenho uma fábrica e quero contratar apenas albinos de dois metros e posso encontrar funcionários interessados, devo ter o direito de fazê-lo, embora possa perder grana ao fazê-lo. (É claro que não devo ter o direito de forçar os contribuintes a me resgatar depois de eu perder minha bufunfa.) Se eu for proprietário de um complexo de apartamentos e quiser alugar apenas para suecos sem filhos, devo ter o direito de fazê-lo. Etc. Proibir tal discriminação, e convênios restritivos que a sustentam, foi o pecado original do qual todos os outros problemas surgiram. Uma vez admitido esse princípio, e tudo o mais segue como a noite ao dia: Uma vez que reconheço que é certo tornar ilegal para mim recusar a contratação de negros (ou substitua por qualquer outro grupo, étnico ou gênero ou o que você quiser), então o progressismo esquerdista é muito mais lógico do que o conservadorismo oficial. Pois se é certo e apropriado proibir minha discriminação contra negros, então é tão certo e apropriado que o governo descubra se estou discriminando ou não e, nesse caso, é perfeitamente legítimo que eles usem cotas para averiguar a discriminação. Os conservadores atuais dizem que não há problema em proibir a discriminação se tal resultado for pretendido por empregadores ou proprietários, mas que é monstruoso e ilegítimo para o governo usar estatísticas e outras medidas objetivas para descobrir se existe discriminação. Daí o espectro das cotas. Mas como podemos descobrir a intenção subjetiva de outra pessoa, de qualquer maneira? Dada a premissa de proibir a discriminação, as cotas obrigatórias, apesar dos indubitáveis ​​horrores que trazem em seu rastro, fazem todo o sentido. Não é “ir longe demais” que causa o problema. O problema não é o abuso do axioma anti-discriminação; o problema é o próprio axioma. Nada ajudará, exceto desafiar o axioma básico e reverter a revolução dos “direitos civis”. Os libertários e conservadores que ainda têm coragem devem baixar suas vendas e clamar não pela “igualdade original do Rei” ou pelo ideal original dos direitos civis, mas por derrubar toda a estrutura e restaurar o direito absoluto à propriedade privada. “Liberdade” deve significar a liberdade de discriminar.

Economias afundam por motivos grandes e pequenos, mas geralmente ambos. A estagnação de 2003 foi provocada por desequilíbrios de investimento criados no final da década de 1990 que precisavam ser liquidados. Mas foi agravado por mil e uma políticas ruins, algumas das quais estão sendo acrescentadas por aqueles que buscam “estimular a economia”, mas sem saber como; outras estão há muito sendo aplicadas.

Considere: o governo relata que as denúncias de discriminação no trabalho contra empregadores privados aumentaram 4% em 2002, para um total de 84.442, o nível mais alto em sete anos. Essas denúncias geraram US$ 310,5 milhões em benefícios monetários. A principal denúncia envolve raça, seguida de sexo, mas o grande aumento veio com denúncias envolvendo religião, idade e nacionalidade. A tendência representa um grande desvio do objetivo principal de restaurar o crescimento econômico.

Os números em si não chegam nem perto de capturar os custos colossais associados às leis que tornam esse litígio possível. Todo empregador deve se preparar e se organizar constantemente para diminuir a probabilidade de uma queixa ser registrada. Ao fazer isso, eles tomam medidas que levam a ineficiências ou evitam medidas que possam melhorar a eficiência. Além disso, considere os custos impostos por aqueles que ameaçaram entrar com o processo e não o fizeram porque a questão foi resolvida informalmente. Em seguida, considere a grande perda de energia humana gasta no litígio dessas queixas (o caso típico leva meio ano para ser resolvido).

Quase ninguém está disposto a falar sobre o que esses números realmente simbolizam: um ataque massivo à liberdade e à livre iniciativa. A questão preeminente são os direitos de propriedade, a base da liberdade e da prosperidade. O funcionário não possui propriedade legítima sobre os bens apreendidos no decorrer de uma denúncia. Sua única propriedade legítima é sobre o salário acordado contratualmente ou fluxo de renda devido a ele no curso da prestação de serviços de trabalho acordados. Na medida em que um funcionário obtém mais do que isso, isso nada mais é do que roubo sob a proteção da lei.

Na prática, a lei de discriminação limita a liberdade dos proprietários de usar seu dinheiro da maneira que acharem melhor. Para entender isso, precisamos conceber o contrato de trabalho como uma troca como qualquer outra. Uma pessoa concorda em realizar certos serviços e a parte com a qual ela está fazendo uma troca concorda em entregar uma certa quantia de sua propriedade em troca de tais serviços.

A natureza contratual da troca não é diferente da compra pelo consumidor de um litro de leite na loja. As partes na troca concordam voluntariamente com certos termos. Registrar uma queixa de discriminação é como voltar à loja com um punhal (simbolizando os reguladores trabalhistas da EEOC[2]) e exigir um corte retroativo de preços. Imagine se cada proprietário de loja visse cada cliente como uma pessoa com potencial para fazer isso legalmente e você começa a entender como a lei anti-discriminação atrapalha o mercado de trabalho.

O pressuposto implícito por trás de todas essas leis é a ideia de que juízes e burocratas podem descobrir a verdadeira motivação por trás de cada contratação, demissão ou decisão de gerenciamento de mão de obra. Além disso, assume que a base de todas as decisões tomadas no local de trabalho pode ser reduzida a uma forma simples, como: Não vou promover esta pessoa porque ela é uma mulher, muito velha, não muito religiosa, etc.

Todo mundo sabe que as decisões relativas à força de trabalho raramente funcionam dessa maneira. É possível, é claro, que um gerente tenha um certo tipo de preconceito, mas a natureza do mercado é precisamente punir preconceitos irracionais com prejuízos e recompensar a tomada de decisão objetiva com lucros. É por esta razão que em um mercado livre a longo prazo, bons trabalhadores de qualquer raça, idade, sexo ou religião são recompensados ​​por suas virtudes, enquanto maus trabalhadores de todos os tipos são punidos.

Na prática, é claro, os burocratas não sentem realmente a necessidade de demonstrar que descobriram os segredos do coração humano. O que eles fazem é assumir certas motivações com base na observação de padrões gerais no local de trabalho. Se as mulheres geralmente ganham menos do que os homens, por qualquer motivo (e pode haver um milhão de razões não relacionadas ao preconceito irracional), o ônus da prova recai sobre o empregador para mostrar que o sexo não é levado em consideração.

Ironicamente, a melhor maneira de demonstrar isso é adotar um viés oposto a favor do critério em questão quando necessário e, de outra forma, evitar, quando possível, pessoas que possam registrar uma queixa com êxito. Por essa razão, uma lei que proíbe, digamos, a discriminação racial produz resultados perversos. Pessoas já contratadas da classe conhecida de vítimas raciais têm probabilidade de ganhar mais do que ganhariam, mesmo que os novos membros desse grupo sejam menos propensos a serem contratados em primeiro lugar, precisamente porque são mais caros do que sua mão-de-obra esperada pode justificar.

Por meio desse complicado processo econômico, jurídico e sociológico, obtemos cotas de facto, salários subsidiados, disparidades de desemprego e uma grande variedade de distorções estranhas do mercado de trabalho. Essas distorções podem ser absorvidas em tempos de boom, mas podem fazer a diferença entre os lucros e a falência em tempos de recessão como o nosso.

É por isso que as práticas simbolizadas pelos números da EEOC atrapalham nossas perspectivas de recuperação. Assim como o protecionismo, impostos altos, déficits, gastos governamentais massivos e todas as outras formas de intervenção no mercado livre, a lei anti-discriminação impede a recuperação que precisamos desesperadamente. As empresas precisam de liberdade para gerenciar sua força de trabalho de acordo com suas próprias perspectivas agora. Não precisam gastar seu tempo e dinheiro lidando com os burocratas da discriminação.

Em 1917, na virada do século, o empresário hoteleiro Ellsworth M. Statler deu uma instrução a seus gerentes. Dizia:

A partir desta data, você é instruído a empregar apenas pessoas bem-humoradas, alegres e agradáveis, que sorriem com facilidade e frequência. Isso deve valer para todos os empregos da casa. … Se for preciso limpar a casa, faça. Não proteste. Livre-se dos resmungos e das pessoas que não conseguem controlar o temperamento e das pessoas que agem como se estivessem sempre afundadas em problemas e sentindo pena de si mesmas. Você não pode mudar esse tipo de pessoa; você não pode fazer nada com elas lucrativamente, além de se livrar dela.

O homem construiu um grande negócio. Essa ética criou uma grande América. Hoje, ele estaria em apuros, assim como o negócio de hotelaria, assim como a economia.

Rothbard não hesitou em atacar a maior de todas as vacas sagradas: a decisão Brown:

A base fundamental da decisão de Brown foi a lei podre, porque não era lei, mas a suposta “ciência” da sociologia. O fundamento crucial de Brown foi a alegada descoberta do reverenciado socialista Dr. Kenneth Clark de que as escolas negras no Sul não eram realmente iguais às brancas porque os alunos negros em escolas segregadas não se saíam tão bem quanto os negros em escolas integradas. Essa foi a base, e daí vieram todos os horrores da integração compulsória, ônibus forçado e despovoamento branco e decadência das cidades do interior. E qual foi o resultado? É universalmente reconhecido que a educação dos alunos negros nas atuais escolas integradas é muito pior do que a que recebiam nas escolas segregadas; e, de fato, as antigas escolas negras segregadas estão agora sendo vistas como uma verdadeira Idade de Ouro. Na verdade, a tendência mais recente entre os negros é tentar restabelecer escolas primárias e secundárias exclusivamente para negros. Muito bem, mas daí várias coisas devem se seguir. Uma é que, uma vez que a sociologia da decisão de Brown é totalmente errada, e Brown se baseou em uma péssima sociologia, que Brown deve ser revertida. Também foi reconhecido com tristeza pelos integracionistas que os alunos negros e brancos sempre tendem a segregar voluntariamente — socializar-se, comer sozinhos no refeitório da escola etc. Por mais que os integracionistas jacobinos deplorem esse fenômeno e tentem desencorajá-lo, temos que reconhecer que o processo é voluntário e natural e que não há nada de errado com ele.

Somos “racistas” por defendermos esses pontos de vista? É claro que isso levanta a questão: o que exatamente é “racismo”? Quero examinar duas palavras que o Estado e seus asseclas têm empregado com muito sucesso em favor dos aumentos do poder governamental. Uma é racismo. A outra é igualdade.

O que exatamente é “racismo”? Quase nunca ouvimos uma definição. Duvido que alguém realmente saiba o que é. Se não acredita, pergunte a si mesmo por que, se racismo é algo realmente claro e determinado, há esta incessante discordância sobre quais pensamentos e comportamentos são “racistas” e quais não são?

Se pressionada, uma pessoa comum provavelmente definiria racismo nos termos que Murray N. Rothbard definiu antissemitismo, envolvendo ódio e/ou a intenção de usar violência, seja conduzida pelo estado ou de outra forma, contra o grupo desprezado:

    Me parece que existem apenas duas definições defensáveis e sustentáveis de antissemitismo: uma, se concentrando no estado mental subjetivo da pessoa, e a outra, “objetivamente”, nas ações que ela desempenha ou as medidas que ela defende. Para a primeira, a melhor definição de antissemitismo é simples e conclusiva: uma pessoa que odeia todos os judeus.

Como, a menos que sejamos um amigo íntimo, ou seu psiquiatra, podemos saber o que está dentro do coração da pessoa? Então, talvez, o foco deveria ser, não no subjetivo estado mental ou emocional da pessoa, mas em uma proposição que possa ser checada pelos observadores que não a conhecem pessoalmente. Neste caso, deveríamos focar no objetivo, ao invés do subjetivo, que são as ações e opiniões da pessoa. Bem, neste caso, a única definição racional de um antissemita seria alguém que defende que desvantagens políticas, legais, econômicas e sociais sejam impostas aos judeus (ou, claro, tenha participado dessas imposições).

Então, o que parece ser razoável é: (1) alguém é racista se ele odeia um grupo racial específico, mas (2) já que não conseguimos ler a mente das pessoas, e já que acusar alguém de odiar todo um grupo de pessoas é uma acusação muito grave, ao invés de tentar ler a mente do suspeito devemos ver se ele defende que desvantagens sejam impostas contra o grupo em questão.

De volta a Rothbard:

Mas dessa forma não estou fazendo a definição de antissemitismo perder o sentido? Claro que não. Na definição subjetiva, pela própria natureza da situação, eu não conheço nenhuma pessoa assim, e duvido que Smear Bund conheça. Na definição objetiva, onde observadores podem obter mais conhecimento, e deixando de lado os evidentes antissemitas do passado, temos nos EUA moderno antissemitas autênticos: grupos como o movimento Christian Identity, ou a Aryan Resistance, ou o autor do romance Turner’s Diaries. Mas estes são grupos marginais, você diria, sem importância e que não valha a pena se preocupar? Sim, companheiro, e este é exatamente o ponto.

Por outro lado, talvez um “racista” seja alguém que acredite que grupos diferentes tendem a ter características comuns, mesmo concordando com o ponto axiomático de que cada indivíduo é único. Mas seja estrutura familiar, uma inclinação ao alcoolismo, uma reputação de trabalhador dedicado, ou uma variedade de outras qualidades, Thomas Sowell reuniu uma vasta quantidade de estudos que mostram que essas características não estão nem perto de serem distribuídas igualmente nas populações.

Os chineses, por exemplo, ficaram conhecidos em países pelo mundo todo por trabalharem muito duro, geralmente sob condições particularmente difíceis. (Na verdade esta é uma das razões porque os sindicatos trabalhistas americanos desprezaram os trabalhadores chineses no século XIX.) Na metade do século XX, a minoria chinesa dominou os mais importantes setores da economia malaia mesmo sendo oficialmente discriminados na constituição malaia, e tinham o dobro do rendimento do malaio médio. Eles eram donos da grande maioria dos moinhos de arroz na Tailândia e nas Filipinas. Eles conduziam mais de 70% do comércio de varejo na Tailândia, Indonésia, Camboja, Filipinas e Malásia.

Podemos contar uma história semelhante sobre os armênios em várias partes do mundo, assim como os judeus e os indianos ocidentais. Americanos-japoneses, uma vez discriminados severamente a ponto de serem confinados em campos durante a Segunda Guerra Mundial, chegaram a se igualar com os brancos em rendimentos no ano de 1959, e ultrapassaram em 1/3 o rendimento dos brancos uma década depois.

Da mesma forma os alemães, cuja reputação e feitos em artesanatos, ciência e tecnologia foram evidentes não apenas na Alemanha, mas também entre alemães nos EUA, Brasil, Austrália, Tchecoslováquia e Chile. Eles tiveram mais fazendas prósperas que os fazendeiros irlandeses na Irlanda do século XVIII, que fazendeiros brasileiros no Brasil, fazendeiros russos na Rússia e fazendeiros chilenos no Chile.

Judeus têm rendimentos maiores que hispânicos nos EUA; isto, nos dizem solenemente, é resultado da “discriminação”. Sério? Como Sowell aponta, então como explicamos por que judeus têm rendimento superiores que hispânicos em países hispânicos?

De acordo com as regras ilógicas em vigor na sociedade Americana, Sowell, sendo negro, tem permissão de discutir estes fenômenos, enquanto o resto de nós é demonizado, tem a carreira destruída e a reputação arruinada se mencionamos qualquer um destes indícios proibidos.

Portanto, para não levantar suspeitas de “racismo”, deve-se evitar riscos pelo menos fingindo acreditar nas seguintes proposições:

– disparidades de rendimentos entre grupos são totalmente ou em grande parte explicáveis pela “discriminação”;

– se uma minoria é “subrepresentada” em uma profissão específica, a causa tem que ser “racismo”;

– se estudantes de alguma minoria são desproporcionalmente castigados na escola, a causa tem que ser “racismo”, mesmo se os próprios professores envolvidos pertençam a mesma minoria;

– se resultados de testes – tanto nas escolas como no setor privado – são diferentes por grupos raciais, é evidência que os testes são culturalmente tendenciosos, mesmo que as questões com as maiores disparidades sejam as com menos conteúdo cultural.

Não é preciso dizer que nenhuma dessas declarações é defensável, mas é preciso acreditar em todas elas. Céticos, logicamente, são “racistas”.

As seguintes opiniões ou proposições foram todas declaradas “racistas” em um momento ou outro, por uma fonte ou outra:

– ação afirmativa é indesejável;

– leis antidiscriminação são uma violação dos direitos de propriedade privada e da liberdade de contrato;

Brown vs. Board of Education foi baseado em falhas de raciocínio;

– a extensão do racismo na sociedade americana é exagerada.

Alguém poderia desenvolver estas declarações sob as mais variadas bases. Porém, já que de acordo com websites esquerdistas bem populares como Daily Kos, ThinkProgress e Media Matters, é “racista” acreditar em qualquer uma delas, não importa quais sejam seus argumentos. Você é um “racista”. Proteste o quanto quiser, mas quanto mais tentar, mais os comissários te difamam e ridicularizam. Você pode fazer parecer que tenha razões logicamente consistentes e moralmente impecáveis para justificar suas opiniões, mas tudo isso não passa de cortina de fumaça para o “racismo”, no que tange aos comissários. A única maneira de satisfaze-los é abandonando suas opiniões (e mesmo assim eles ainda irão pôr em dúvida sua sinceridade), mesmo que você não tenha vergonha delas.

Então, acusações de “racismo” quase sempre envolvem tentativas de leitura de mentes – e.g., aquela pessoa alega ser contra leis antidiscriminação por causa de algum tipo de princípio, mas sabemos que é porque ele é um racista.

Ver libertários, que deveriam ter uma maior noção das coisas, embarcando no trem do controle de pensamento, ou fingindo que todo esse tema é sobre a liberdade de ser um imbecil, é extremamente tacanho e lastimável. O estado usa a fraude do “racismo” como justificação para mais crescimento do seu poder sobre a educação, o emprego, a distribuição de riqueza e muitas outras coisas. Enquanto isso, ele silencia os críticos da violência estatal com a palavra mágica e nunca definida “racismo”, uma acusação que o crítico tem que passar o resto da sua vida tentando contestar, apenas para descobrir que os vigaristas raciais não irão retirar a maldição até que ele se humilhe completamente e repudie toda sua filosofia.

Se ele tentar se defender alegando que ele tem grandes amigos que pertencem aquele grupo, ele é acusado de ódio, ele será ainda mais ridicularizado. A seguir Rothbard novamente:

    Eu também gostaria de florear um ponto: Por toda a minha vida ouvi anti-antissemitas ridicularizarem gentios que, ao se defenderem de acusações de antissemitismo, protestaram dizendo que “alguns dos meus melhores amigos são judeus”. Esta frase é sempre ridicularizada, como se uma simples ridicularização fosse uma refutação de um argumento. Mas me parece que a ridicularização é normalmente usada aqui precisamente porque o argumento é conclusivo. Se alguns dos melhores amigos do Senhor X são realmente judeus, é absurdo e autocontraditório acusa-lo de ser antissemita. E isso deveria se encerrar ai.

É difícil discordar de Rothbard nessa. Se alguém foi acusado de não gostar de carne, mas pudermos demonstrar que ele gosta muito de hambúrgueres e bolo de carne, isto iria virtualmente destruir a acusação, não?

Não conheço ninguém que odeie grupos inteiros de pessoas, e as que o fazem são uma minoria tão minúscula que suas organizações são formadas por partes iguais de lunáticos e informantes do FBI. Do mesmo modo, não conheço ninguém que defenda o uso de violência oficial contra grupos específicos.

Deveríamos querer tratar as pessoas com justiça e respeito. Qualquer pessoa decente sente que deveria ser assim. Mas como e quando a “igualdade” entrou no jogo, excetuando-se o trivial e óbvio sentido libertário que devemos todos igualmente abster-se de agredir um ao outro?

O que o estado mais gosta é declarar guerra: contra as drogas, ou o terrorismo, ou a pobreza, ou a “desigualdade”. O estado ama a “igualdade” como um princípio organizacional, porque ela nunca pode ser alcançada. E no curso de se tentar, o estado adquire cada vez mais poder sobre cada vez mais práticas e instituições. Qualquer um que questione a premissa da igualdade é açoitado para fora da sociedade “civilizada” – uma bela fraude ela é, e sem dúvida não é um lugar para libertários.

Se é a igualdade material que queremos, ela iria desaparecer no momento que fosse alcançada, assim que as pessoas retomassem seus padrões de gastos normais e os bens e serviços oferecidos por algumas pessoas fossem mais valorizados do que os oferecidos por outras. Se é “igualdade de oportunidades”, então teríamos que abolir a família, como tantos planos socialistas seriamente contemplaram, já que as condições domésticas possuem um grande peso no sucesso dos filhos.

É claro que nos opomos a desigualdade que resulta de privilégios estatais especiais gozados por certas pessoas e grupos. Mas a verdadeira questão aqui não é a desigualdade per se, mas justiça e propriedade privada.

Até mesmo o velho ditado sobre igualdade na visão de Deus não está certo. Erik von Kuehnelt-Leddihn, o tradicional católico e liberal clássico, notou que Judas, que traiu Cristo, não era de nenhuma forma “igual” ao amado discípulo, e que as origens da “igualdade” estavam na ânsia de Lúcifer ser igual a Cristo. Ele acrescentou:

    O igualitarismo, na melhor das hipóteses, não passa de hipocrisia; se é aceito e acreditado de coração, sua ameaça é maior. Deste modo, todas as desigualdades reais parecem sem exceção serem injustas, imorais e intoleráveis. Ódio, infelicidade, tensão, uma inadaptação geral é o resultado. A situação é ainda pior quando esforços brutais são feitos para estabelecer a igualdade através de um processo de nivelamentos artificiais (“engenharia social”) que só pode ser feito através da força, restrições, ou terror, e o resultado é a perda completa da liberdade.

Portanto, se queremos ser livres, temos que evitar o estado, seus métodos, e sua linguagem.

Hoje em dia, praticamente todo grupo concebível é rápido em alegar discriminação. Infelizmente, os velhos não são exceção.

Com relação à questão da discriminação etária, a Suprema Corte americana, em um recente caso (Meacham versus Knolls), disse que o ônus da prova cabe ao empregador. Se uma empresa demitir muitas pessoas velhas (o que significa, inacreditavelmente, pessoas acima dos 40), ela estará sob a mira do judiciário, e deverá provar que outros fatores além da idade explicam a discrepância. Caso contrário, os tribunais vão decidir em favor dos querelantes e as empresas serão obrigadas a ceder, mesmo que isso signifique sua falência.

A lei da discriminação etária em questão já data de 40 anos e é parte arraigada de toda a maquinaria de planejamento social conduzida pelos tribunais. Essa decisão é apenas mais um passo rumo ao controle governamental completo da sociedade. Só que o real problema é outro, e ainda mais básico. Voltemos um pouco e pensemos sobre o que significa o governo criar e executar essa lei.

Relações trabalhistas são tão complexas quanto quaisquer relações humanas. Existem muitas razões pelas quais as pessoas decidem se querem ou não se associar. Como você decide quem convidar para um aniversário? Quais os critérios que você utiliza? Há uma escassez inevitável de espaço e comida, portanto você tem de discriminar de alguma forma, você tem de seguir critérios. Não há escolha quanto a isso.

Pense na última festa que você deu. Algumas pessoas você não convidou simplesmente porque você não as tolera, por várias razões. E algumas outras você não convidou simplesmente por saber que elas não se dão bem com um determinado grupo, que foi convidado. E outras você queria convidar, mas não pôde, porque você tinha de reduzir a lista em algum lugar.

Agora, imagine que o governo indique um planejador de festas que diz que você vai poder convidar quem você quiser, desde que uma condição seja seguida: você não pode deixar de convidar alguém baseando-se na cor do cabelo. Pode ser que você nunca tenha imaginado pensar nesse critério. Mas agora você tem de segui-lo. E aí você percebe que não tem nenhum ruivo na sua festa, para seu desespero.

E se esse fato for tomado como uma evidência de que você está discriminando? Será que vão pensar isso? Você não tem como saber ao certo. Você pensa de novo: mesmo que não haja nenhum ruivo na festa, você certamente não deixou de convidar algum por causa da cor do seu cabelo. Existem outros fatores, muitos outros fatores para mencionar. De qualquer forma, como é possível o planejador de festas do estado saber ao certo quais são as suas motivações? Não é assombroso imaginar que uma agência governamental teria a presunção de ler a sua mente, conhecer seu coração e discernir suas mais recônditas emoções e motivações?

Na verdade, isso é totalitário.

Exatamente o mesmo ocorre quando o governo se intromete nas relações de trabalho. Existe uma infindável variedade de fatores que formam a composição da força de trabalho de uma única empresa. Qual será o resultado dessa mistura não é algo que você pode planejar inteiramente. O resultado pode ser ditado por qualquer um dos milhões de fatores sendo considerados, dependendo do tempo e do lugar.

O estado diz que você, o empregador, não pode discriminar baseando-se na idade. Ótimo, você diz. Você jamais pensaria em fazer isso. Você só quer um trabalho bem feito. Mas digamos que sua empresa trabalha muito com novas tecnologias. Todos os funcionários devem apresentar grande habilidade em linguagem de programação e devem ser capazes de se adaptar rapidamente a novas interfaces e inovações.

Isso não tem relação direta com a idade. Uma pessoa de 60 anos pode, a princípio, ser perfeita para o trabalho. Mas acontece que os mais novos têm mais habilidades tecnológicas do que os mais velhos. A sua força de trabalho, portanto, está repleta de pessoas com menos de 40. Eis que então vem uma recessão criada pelo Banco Central, o que obriga você a ficar apenas com os melhores programadores. Os outros, pessoas que normalmente estão acima dos 40, são demitidos.

Você discriminou baseando-se na idade? Não na sua mente. Você está pensando apenas em termos de habilidades profissionais e lucratividade. Mas do ponto de vista de um planejador governamental que segue um programa político, a coisa é diferente. Olhando friamente os fatos, parece um caso óbvio de discriminação etária.

Com essa recém decisão judicial, o ônus da prova cabe a você. É você quem tem de provar que a demissão se deu por outros critérios. Mas será que é possível demonstrar algo como a ausência de uma motivação? OK, é possível ou até provável que você possa ser capaz de mostrar que outros fatores além da idade foram a principal razão para a disparidade nas demissões. Mas é uma questão de adivinhação saber se os tribunais ou a Comissão Pela Igualdade de Oportunidade de Emprego vão acreditar em você.

A única maneira de estar completamente fora de perigo é recheando sua força de trabalho com pessoas contratadas porque são mais velhas. Exatamente por ter de provar que você não está discriminando contra um grupo, você passa a ser obrigado a discriminar a favor daquele grupo. E ao fazer isso, você está necessariamente discriminando contra outros grupos, já que pessoas mais novas serão rejeitadas para poder dar espaço para o grupo mais velho.

Mas esse não seria um caso de discriminação etária “reversa”? É claro que sim. Afinal, todo mundo passa a ser ou jovem ou velho. Sem meio termo. E mais: a acusação de que o empregador está tomando decisões de acordo com a idade poderá ser forjada para qualquer situação imaginável. O que estamos vendo aqui é um incrível imbróglio criado inteiramente por um estado que se auto-presume a capacidade e o direito de ler mentes como se fosse um clérigo hindu ou um adivinho místico. O estado designou para si próprio poderes super-humanos, e cabe a você obedecer.

Em contraste, eis o que o livre mercado permite. Empregadores podem contratar ou demitir por qualquer razão que queiram. Eles podem ser tendenciosos, fanáticos ou ter uma capacidade falha de julgamento – mas o julgamento deve ser feito pelo empregador. O mesmo é válido para os empregados. Eles podem sair do emprego quando quiserem, e por qualquer razão – inclusive por discriminarem contra alguma característica do patrão.

Imagine se o estado dissesse que você não pode se demitir de um emprego se o motivo para tal for o fato de você não gostar da idade, da raça, da religião ou do sexo do seu patrão. Se essa for a sua única razão, negativo. Você tem de continuar trabalhando lá. Todos nós admitiríamos que esse seria um caso de servidão involuntária, certo? Trata-se de um ataque à liberdade. Então por que não vemos que o mesmo é válido para o empregador?

Em uma ambiente onde impera a liberdade, se um empregador decidir, sem qualquer razão aparente, que seus empregados não devem ter mais de 40 anos, esse é o seu julgamento. Não é de mais ninguém. Se essa decisão for ruim, a concorrência vai se aproveitar desse erro, vai contratar as pessoas que foram rejeitadas e vai adquirir uma vantagem no mercado.

Um último ponto a respeito do empregado. Você iria querer trabalhar para uma empresa que realmente não lhe quer lá, que só está lhe dando esse emprego por medo da burocracia governamental? Creio que essa não seja a receita para uma vida feliz. Uma vida feliz surge ao se permitir liberdade máxima de associação e escolha – uma liberdade que se aplica a todos e em quaisquer circunstâncias, sem exceção.

E quanto aos deficientes? Na década de 1930, a grande desculpa para a mendicância era o desemprego. Na década de 1960, pobreza. Mas no século XXI repleto de vítimas, isso se resume em uma palavra: deficiência, e que palavra absurda.

Deficiência: aquém da capacidade média para realizar uma tarefa, qualquer tarefa. Assim como a capacidade é uma característica humana universal, a deficiência também o é. Quantos professores titulares neste país podem jogar vôlei? Quantos atletas olímpicos um dia serão professores titulares? Todo mundo é deficiente de alguma forma particular.

A ideia de que uma deficiência como tal deve marcar uma pessoa como vítima deriva de uma suposição igualitária maluca, ou seja, que todas as pessoas devem ter exatamente a mesma capacidade para realizar toda e qualquer tarefa. Um marxista ou leninista pode invocar tal fantasia, mas é totalmente estranha à experiência humana normal.

Sim, existem pessoas que são, no geral, mais deficientes e existem aquelas que são, no geral, mais capazes. Mas isso não impede que as pessoas cooperem em benefício mútuo. A questão da liberdade e da divisão do trabalho é que as pessoas descubram suas próprias vantagens comparativas e habilidades e se concentrem nelas, evitando áreas onde são, comparativamente, menos qualificadas. Graças ao livre mercado, há um lugar para todos dentro deste sistema brilhante.

Em seguida, entra o estado. O estado diz: não, sua falta de habilidade em uma determinada área lhe dá direito à propriedade de outros. Você não tem valor que o estado não conceda a você. Seu status com o estado lhe dá o direito de se impor aos empregadores. Ele lhe dá o direito de viver da fartura da terra e não trabalhar, desde que consiga reunir emoção suficiente para convencer um juiz administrativo de sua situação.

Esse sistema maluco tem uma longa história, mas realmente decolou desde que o último presidente Bush fez tanto alarido sobre a Lei dos Americanos com Deficiências. Essa lei já é problema suficiente para as empresas americanas, mas o efeito maior foi político-cultural. Dizia a toda uma geração de trabalhadores que, se você descobrir algo sobre você que seja um pouco desconfortável, isso pode lhe dar o direito a uma aposentadoria precoce.

Você acha desconfortável sentar-se por seis horas seguidas durante um dia de trabalho de oito horas, ou ficar em pé por duas horas seguidas? Se você conseguir pensar em circunstâncias nas quais a resposta seja sim, provavelmente você tem direito a um cheque gordinho do governo e a todos os benefícios médicos que puder usar.

O mesmo vale para a grande trapaça de nossa época: a deficiência mental. Não que haja dúvidas de que muitas pessoas sofrem de graves deficiências mentais (veja o Poder Executivo!). Mas as burocracias não estão em posição de julgar o mérito científico de cada caso, e assim, inevitavelmente, toda a questão se torna política. E se você duvida que a deficiência mental é uma doença pela qual toda a riqueza nacional deve ser redistribuída, você é um diabrete sem coração.

Em dez anos, a quantia transferida de sua carteira para aqueles que vivem de reivindicações de invalidez mais que dobrou e se tornou o maior programa de apoio à renda no orçamento federal (US$ 60 bilhões), maior do que o seguro-desemprego ou o vale-refeição.

É assim que funciona. Digamos que você seja um trabalhador pouco qualificado que perde o emprego. Você está sentado em casa tentando descobrir o que fazer. Antigamente, a resposta era: saia e arrume outro emprego, mesmo que isso signifique baixar o preço do seu trabalho.

Depois da Grande Sociedade[3], sempre houve a opção de ser sustentado pelo sistema de bem-estar social. Mas naqueles dias havia muitas condições para entrar nesse sistema. Os benefícios não são fabulosos, e os burocratas o incomodam para fazer coisas como inscrever-se em um programa de treinamento profissional.

Depois de 1990, a notícia se espalhou: a deficiência é a fonte de renda mais confiável. Tudo o que você precisa fazer é uma afirmação impossível de se refutar. O número esmagador de solicitações de deficiência reduz-se a duas fontes essenciais: problemas nas costas e deficiência mental. Quem pode dizer que você não tem problemas nas costas? Na verdade, existe alguém com mais de 40 anos que não tem algum tipo de problema nas costas? Quanto à deficiência mental, nada como mãos ociosas para criar a ilusão de um grave problema mental.

Não é bem um golpe total. A maioria dos parasitas sociais está totalmente convencida de que tem um problema que justifica receber um cheque. Você pode tentar fazer isso sozinho. Da próxima vez que você for ao shopping, suba em cima de um banco, agite cinco notas de cem dólares e diga: se alguém tiver problemas nas costas, este dinheiro é seu. Se você tivesse um pote ilimitado de dinheiro dos contribuintes, poderia destruir US$ 60 bilhões em uma tarde.

Nenhuma discussão sobre deficiência está completa sem chamar a atenção para o papel dos advogados. Escritórios de advocacia inteiros foram estabelecidos e lucraram com o acompanhamento de reivindicações por deficiência nos tribunais. Se Cristo pediu a seus discípulos para serem pescadores de homens, esses escritórios de advocacia são pescadores de vítimas e usam seu dinheiro como isca.

Se o New York Times estiver certo ao dizer que a deficiência está crescendo a taxas alarmantes e sem fim, pode chegar o tempo em que todo o estado de bem-estar social americano será reformulado como um fundo igualitário de assistência à deficiência. E quem está disposto a enfrentar isso? Quem está disposto a arrancar a máscara do movimento da deficiência e expô-lo como a trama proto-socialista que é?

Vamos tirar algumas lições. Em primeiro lugar, não basta reformar a previdência. Deve ser abolida, para que os mesmos programas não sejam reinventados sob uma nova lógica. Em segundo lugar, o bem-estar social dos republicanos (o Partido Republicano deu o maior estímulo à fraude de deficientes físicos) é tão ruim ou pior do que qualquer forma democrata. Terceiro, a máquina de roubar e pagar do estado é incrivelmente criativa em usar até mesmo a menor fatia para acumular poder massivo, neste caso, usar a classe trabalhadora para saquear a classe média para financiar a classe superior.

No primeiro dia das audiências de Clarence Thomas, Joe Biden acenou com uma cópia de Takings da University of Chicago do professor de direito e economista Richard Epstein. No trabalho, Epstein argumentou que o estado regulador do bem-estar social é inconstitucional. Um apoplético Biden exigiu que Thomas repudiasse Takings, o que ele fez rapidamente.

Se Takings deixou Biden louco, mal posso esperar para vê-lo com uma cópia do último livro de Epstein, Forbidden Grounds, que defende a revogação de todas as leis anti-discriminação, incluindo a Lei dos Direitos Civis de 1964.

Quando essa lei foi aprovada, foi-nos prometido um novo mundo de relações raciais felizes; 54 anos depois, a amargura entre as raças é a norma, principalmente no local de trabalho.

A única solução proposta é mais intervenção governamental. Estamos realmente condenados a uma série de projetos de direitos civis cada vez mais draconianos e rebuscados? Sim, diz Epstein, a menos que neguemos ao governo o poder de impor o que é, de fato, planejamento racial central na economia. As leis de direitos civis nos tornaram mais pobres e raivosos, ao mesmo tempo que reduziram a eficiência, minaram o mérito e expandiram o poder burocrático. Elas devem, ele mostra, ser descartadas.

Então, algumas pessoas não discriminariam? Claro, diz Epstein, mas e daí? Se um salão de beleza negro deseja excluir cabeleireiros brancos, tudo bem. Se um restaurante asiático deseja uma força de trabalho homogênea, tudo bem. As empresas são mais do que unidades de produção abstratas; elas são microculturas. Gostos, valores e tradições compartilhados podem ajudar uma empresa a atrair o mercado mexicano, por exemplo. Por que deveria ser forçada a contratar anglos, especialmente porque o livre mercado garante a todos um lugar na divisão do trabalho?

Mas isso é justo? Epstein diz que sim. Justiça significa liberdade de possuir propriedade e de contratar. Ambos exigem a revogação das leis anti-discriminação.

A menos que o façamos, teremos uma paralisia gradual do mercado de trabalho. Até mesmo a supostamente anti-cotas da Lei dos Direitos Civis de 1964 as decretou efetivamente. Quando os promotores acharam difícil provar más motivações por firmas “não diversificadas”, os burocratas começaram a brincar de Conte as Minorias e os empresários foram forçados a adotar cotas.

Ironicamente, isso prejudicou os mais vulneráveis. Para preencher suas cotas, os empregadores procuram apenas as minorias mais capazes. Outras são evitadas, não importa a categoria de trabalho, já que há menos chance de dar certo, e demitir qualquer membro de uma minoria protegida pelo governo federal — não importa o quão incompetente — pode significar um processo federal.

Epstein também nos faria reavaliar os políticos que se opuseram ao ato de 1964; eles previram cotas e engenharia social para toda a economia. Mas mesmo o mais presciente não previu a proibição de testes escritos que falham em produzir pontuações racialmente proporcionais, ou a proibição das regras da empresa contra a contratação de ex-presidiários, uma vez que mais negros se enquadram nessa categoria do que brancos.

Além disso, Epstein mostra que o dano é causado por todas as leis anti-discriminação, seja com base em raça, idade, sexo ou deficiência. Portanto, todas elas devem ser eliminadas.

A aposentadoria compulsória, por exemplo, é uma parte essencial do livre mercado. Você sabe, quando for contratado, que a partir de certa idade terá que se aposentar. Na margem, os empregadores querem ter a opção de contratar funcionários mais jovens, que têm maior probabilidade de ser produtivos nos próximos anos. Nem sempre funciona assim, é claro, mas esses padrões são mais eficientes do que determinações caso a caso.

Aposentar um idoso não é expulsá-lo da divisão do trabalho ou julgá-lo incompetente. Ele pode conseguir outros empregos em outras funções, se desejar, e será poupado da humilhação de uma audiência de competência.

O governo diz que a idade de aposentadoria compulsória discrimina os idosos, como é óbvio que o fazem. Essa regra pressupõe que os idosos são diferentes dos mais jovens, algo que o governo se recusa a reconhecer. O governo afirma que não há diferença, mas se isso fosse verdade, os empregadores privados não discriminariam e não haveria problema.

O que vem depois? Leis que proíbem a discriminação contra os jovens? Na verdade, é exatamente o oposto, já que o governo se recusa a permitir que qualquer pessoa com menos de 16 anos trabalhe para viver.

A intervenção do governo nos contratos de trabalho é particularmente flagrante nas universidades. A Comissão de Oportunidades Iguais de Emprego está tentando abolir a aposentadoria obrigatória para professores titulares. Emendas à lei contra a discriminação por idade em 1986 isentaram as universidades até 31 de dezembro de 1993, mas a EEOC não esperou.

Como Epstein observa, “O funcionamento interno das universidades (especialmente as universidades de pesquisa proeminentes) sofrerá se a aposentadoria compulsória for eliminada — mais, eu suspeito, do que a maioria dos pessimistas temem”.

Dada a estabilidade, que tende a diminuir a produtividade de qualquer maneira, a aposentadoria compulsória é a única maneira de preservar a vitalidade intelectual das universidades. A rescisão automática do mandato permite que todas as partes evitem avaliações intermináveis ​​de colegas e administradores que poderiam causar apenas amargura e ódio. Se o governo proibir o término do mandato, jovens promissores acadêmicos em economia e outras disciplinas serão excluídos.

Tão absurdas são as regras da EEOC que, se uma universidade montasse um painel para revisar o status de seu corpo docente mais antigo, isso seria uma violação dos regulamentos anti-discriminação.

O governo esquece que muitos professores cujo mandato é encerrado dentro do prazo, encontram cargos docentes em outras universidades, se assim o desejarem. Um caso em questão é o professor de filosofia Paul Weiss, cujo mandato em Yale terminou em 1969. Ele foi para a Universidade Católica. Até os 91 anos, a universidade o mantinha com um contrato ano a ano. Ele exigia que alunos de pós-graduação o ajudassem a se locomover e fazer suas compras e não conseguia ouvir muito bem.

Quando a universidade procurou colocar Weiss em um contrato de meio período, ele alegou discriminação por idade. Sim, mas e daí?

William F. Buckley, Jr., no entanto, adotou a visão progressista de esquerda. Esta é apenas mais uma prova de que, como diz Epstein, todas as leis contra a discriminação etária devem ser “revogadas imediatamente”. Como outras leis anti-discriminação, elas são um ataque à propriedade, ao mercado livre e à liberdade de contrato. Elas servem a interesses especiais e ao poder do Estado, colocando os negros contra os brancos, os homens contra as mulheres e os jovens contra os velhos.

Se este livro não for queimado pela ACLU[4], ele alterará permanentemente o debate sobre os direitos civis. Por isso, Epstein merece o Pulitzer[5]. Mas, dado o clima de hoje, ele pode ter que se contentar com a saliva escorrendo pelo queixo de Biden enquanto ele lê Forbidden Grounds. Afinal, uma denúncia de Joe Biden só pode aumentar as vendas.

Murray Rothbard deixou claro a natureza do fanatismo que está por trás do desejo da esquerda de impor seus valores sobre nós e destruir a liberdade ao fazê-lo:

Há algum tempo venho martelando no tema de que o principal problema cultural e político de nosso tempo não é o “humanismo secular”. O problema de fazer do secularismo o foco central da oposição é que, por si só, o secularismo careceria totalmente do fanatismo, da energia demoníaca, do impulso contínuo e permanente de assumir e refazer a cultura e a sociedade, que marcou a esquerda por dois séculos. Logicamente, seria de se esperar que um humanista secular fosse um cético passivo, pronto para se adaptar a quase qualquer estado de coisas existente; David Hume, por exemplo, um desastre filosófico, mas silenciosamente benigno em questões sociais e políticas, parece ser um caso típico. Dificilmente uma ameaça política e cultural.

Não: a marca registrada e o impulso fanático da esquerda nos últimos séculos foi dedicar energia incansável para realizar, o mais rápido possível, sua própria versão igualitária e coletivista de um Reino de Deus na Terra. Em suma, esse movimento verdadeiramente monstruoso é o que pode ser chamado de “pós-milenista de esquerda”. É messiânico e pós-milenista porque o Homem, não Cristo ou a Providência, deve trazer o Reino de Deus na Terra (RDT), ou seja, na versão cristã, que Cristo só deve retornar à terra depois que o Homem tiver estabeleceu o RDT de 1.000 anos. É esquerdista porque, nesta versão, o RDT é igualitário e coletivista, com a propriedade privada erradicada e o mundo sendo governado por um quadro ou vanguarda de santos.

Durante a década de 1820, as igrejas protestantes nos estados do norte dos Estados Unidos foram dominadas por uma onda de fanáticos pós-milenistas determinados a impor aos governos locais, estaduais e federais, e até mesmo em todo o mundo, sua própria versão de um RDT estatista teocrático. Um grupo etnocultural “ianque” originou-se na Nova Inglaterra e migrou para se estabelecer nas áreas do norte de Nova York e nos estados do Meio-Oeste. Os ianques foram movidos pela convicção fanática de que eles próprios não poderiam alcançar a salvação a menos que fizessem o melhor para maximizar a de todos os outros: o que significava, entre outras características, devotar suas energias para instituir a sociedade sem pecado do RDT.

Essas novas igrejas protestantes ianques mainstream sempre foram estatistas, mas a maior ênfase nas primeiras décadas foi erradicar o “pecado”, sendo o pecado amplamente definido como virtualmente qualquer forma de prazer. Nos últimos anos do século XIX, entretanto, o coletivismo econômico recebeu atenção crescente desses protestantes milenaristas de esquerda, e as preocupações estritamente teológicas e cristológicas gradualmente desapareceram, culminando no movimento explicitamente socialista do Evangelho Social em todas as igrejas protestantes. Embora todas as denominações protestantes ianques tenham sido infectadas e dominadas pelo milenismo de esquerda, essa heresia prevaleceu quase totalmente na Igreja Metodista.

A academia passou por uma transformação notável nos últimos anos. Dê uma olhada no catálogo da Duke University Press, que já foi uma editora de prestígio. Hoje ele apresenta tiradas solipsistas[6] de terceira categoria, obcecado por raça, obcecado por sexo, disfarçadas de bolsa de estudos.

Vamos dar uma olhada. Entre Jesus e o mercado: as emoções que importam na América de direita, Linda Kintz questiona por que “tantas mulheres são atraídas pelo” cristianismo conservador, visto que é “uma filosofia anti-mulher”. E ela critica a esquerda por “subestimar o poder” de ameaças públicas como milícias, Rush Limbaugh e grupos que promovem o “empreendedorismo cristão”.

Por mais revelador que o tratado de Kintz deva ser, é superado por Além da branquitude da branquitude, de Jane Lazarre. Esta é sua “memória de como chegar a um acordo com” a realidade de que, embora seu pai seja negro, sua mãe seja judia e seu marido seja negro, ela não é negra, mas branca, ou pelo menos é o que seu filho birracial lhe revela. Esta “dolorosa verdade” informa sua “poderosa meditação sobre a maternidade e o racismo na América”.

Ela tem uma camarada em Katya Gibel Azoulay, que escreveu outro clássico, Negro, Judeu e Interracial: Não é a cor da sua pele, mas a raça de seus parentes e outros mitos de identidade. Este trabalho Entre Deus e Gangsta Rap. Pense em ambos como volumes complementares a  Deslocando a branquitude, editado por Ruth Frankenberg, que por sua vez é elogiado como “excelente” por David Roediger, autor de Pela abolição da branquitude.

Depois, há o clássico Contemplando romances: as leituras queer de ficções, editado por Eve Kosofsky Sedgwick. Os colaboradores “exploram mundos queer[7] de sabor, textura, alegria e tédio, focando em assuntos como açoitamento, magia, exorcismo, dança, desejo sionista e sexualidade na Internet”. Com 520 páginas, a editora sugere que é “essencial para todos os críticos literários”.

De fato, pode ser, que é tudo o que precisamos saber sobre crítica literária e a academia moderna. É possível, hoje em dia, que um aluno conclua a graduação e a pós-graduação sem precisar saber nada sobre história americana e europeia, direito constitucional, literatura ocidental, economia ou filosofia política.

Graças à proliferação de guetos acadêmicos eletivos dentro da universidade, os alunos podem se isolar em uma série de campos falsos. E a mensagem em cada um é de malícia: odeie a civilização burguesa e as ideias e literatura que a geraram. Prolongue esse pensamento e você obterá um “A” na maioria das provas. Ironicamente, quanto mais prestigiosa a escola, mais malévolo é o ensino.

Como podemos explicar o desmoronamento da educação em artes liberais? Não é, como muitos críticos conservadores sugerem, devido a uma misteriosa evaporação dos textos canônicos. Esse problema pode ser facilmente resolvido por meio de artifícios como “padrões nacionais”. O problema tem raízes mais profundas em três mudanças institucionais que afligiram a academia desde o New Deal até o presente: democratização (1930-1960), ação afirmativa (1964-1985) e polilogismo (1987-presente).

Era um componente básico da vida econômica americana, desde a fundação até bem recentemente, que cada geração estaria em melhor situação do que a anterior. O nível de educação que cada geração poderia alcançar era um reflexo da crescente prosperidade que o capitalismo tornou possível. Mas com o tempo, causa e efeito foram revertidos: em vez de ver como a prosperidade gerava um público mais educado, acreditou-se amplamente que a educação por si só criava prosperidade.

O mito da educação ganhou força com a chegada da Grande Depressão, quando os pais aspiravam a colocar seus filhos na faculdade como uma forma de escapar dos padrões de vida das classes mais baixas. A primeira vista, esta era uma suposição absurda. A educação está entre as atividades economicamente mais caras que uma pessoa pode realizar. O aluno deixa o mercado de trabalho durante o que, de outra forma, seriam seus anos mais produtivos. Ele se forma com conhecimentos ratificados que podem ou não ajudá-lo. Apenas alguns podem se beneficiar.

É por isso que, desde a Grécia antiga até o século XX, o ensino superior foi reservado para os segmentos mais ricos e inteligentes da população. O capitalismo tornou o segmento rico muito maior, mas não apagou e não poderia apagar as distinções entre as classes sociais e intelectuais. Mesmo nas sociedades mais livres, sempre existiu uma separação marcante entre uma classe educada e uma classe trabalhadora, uma separação que somente uma intervenção violenta no mercado poderia destruir.

E destruí-la. Os padrões acadêmicos começaram a se deteriorar já em meados da década de 1930, com o crescimento do ensino superior centralizado e financiado por impostos, e a democratização das instituições privadas de elite. O crítico cultural Albert Jay Nock percebeu isso desde o início. Ele escreveu no Atlantic Monthly, para grande choque dos leitores, que os padrões acadêmicos continuariam em sua trajetória descendente, na medida em que adotássemos a ideia de que todos são igualmente educáveis. O currículo seria diluído para sustentar essa mitologia.

A democratização recebeu um grande impulso após a Segunda Guerra Mundial, quando o projeto de lei GI despejou ajuda do governo nas universidades em montantes sem precedentes. O objetivo não era, como se supõe, dar aos soldados treinamento acadêmico para a vida civil. Os planejadores do governo temiam erroneamente as consequências de tantos novos ingressos na força de trabalho. O objetivo do projeto de lei GI[8] era manter o maior número possível fora da força de trabalho, restringindo assim o desemprego. Na verdade, uma economia em crescimento e recentemente liberada foi capaz de absorver todos eles quase da noite para o dia. No entanto, o controle do governo seguiu o dinheiro do governo, como sempre acontece, e um legado do projeto de lei GI foi a nacionalização virtual dos conselhos de credenciamento e, portanto, a centralização dos padrões educacionais. Na época da revolução dos direitos civis no início dos anos 1960, as universidades se tornariam instrumentos de política racial federal e seu subtexto de ação afirmativa. Seguiram-se cotas nas admissões e, nas décadas seguintes, o que restava dos altos padrões da academia foi deixado de lado para cumprir metas igualitárias.

Era apenas uma questão de tempo até que os padrões igualitários invadissem a composição do próprio corpo docente. Grupos de interesses especiais argumentaram que é tão injusto ter professores predominantemente brancos quanto ter corpos estudantis predominantemente brancos, independentemente de haver mérito ou não.

A imposição do multiculturalismo — onde professores de ação afirmativa orientam alunos de ação afirmativa em graduações nas glórias da ação afirmativa — foi apenas a operação de limpeza. Claro, as editoras juntaram forças para produzir livros especializados para essas classes. Um dos resultados é o catálogo de livros Duke, nada atípico para uma imprensa acadêmica hoje em dia.

A chave para a compreensão do multiculturalismo é o clássico de 1957 de Mises, Teoria e História. Ele identificou um pressuposto central da teoria social marxista: o polilogismo, a visão de que os padrões de razão não são independentes de pessoa e lugar.

Notavelmente, já em 1949, Mises, escrevendo em Ação Humana, tinha visto como a esquerda aplicaria essa doutrina ameaçadora à teoria racial. Polilogistas raciais concordam com os nazistas, que disseram que havia uma maneira de pensar especificamente “alemã” que é válida em seus próprios termos. Os membros de grupos raciais também têm estruturas mentais diferentes e, portanto, todos os julgamentos sobre formas válidas e inválidas de raciocínio são arbitrários ou uma expressão de interesse próprio do grupo.

Na prática, isso resulta na exaltação do irracionalismo e na exigência de que qualquer teoria que afirme a universalidade da lógica e da verdade — ou seja, praticamente todo o pensamento ocidental — seja eliminada. Na academia moderna, onde o polilogismo atingiu o seu limite, só existe uma maneira inválida e até má de olhar o mundo: com olhos ocidentais usando conceitos ocidentais como verdade e razão.

Professores e alunos decentes foram submetidos a uma campanha de terror em nome dessa nova e perversa ortodoxia. O corpo docente conduz suas aulas da melhor maneira possível, evitando conflitos e processos judiciais; e os estudantes sofrem com os acampamentos periódicos de reeducação ao estilo Pol-Pot[9] após qualquer crise política.

Enquanto isso, professores não esquerdistas foram forçados a drenar o pensamento sério e sistemático de suas apresentações, por medo da polícia do pensamento polilogista. E os alunos foram forçados a sofrer em silêncio enquanto seu sonho de um verdadeiro aprendizado se transformava em um pesadelo politicamente correto.

Nas ciências sociais, a economia continua sendo uma das poucas disciplinas que não foi seriamente danificada pelo novo polilogismo. A profissão tem sua cota de economistas feministas, que afirmam que existe uma maneira específica de teorizar da mulher, mas a economia permaneceu praticamente intocada por esse absurdo. Ela tem seus próprios problemas — positivismo, técnicas de modelagem irreais e a mentalidade de planejamento — mas o aluno que gosta de economia é, em grande parte, poupado do polilogismo da academia moderna.

Na verdade, assim como é possível que os alunos façam apenas cursos politicamente corretos e leiam apenas livros no estilo Duke, também é possível que o aluno consciente os evite. É isso que o bom aluno deve fazer, ou corre o risco de perder anos de sua vida.

Além disso, para uma educação completa, não basta assistir às aulas apenas em campos que ainda não foram expurgados. Wilhelm Röpke comentou certa vez que um economista que só conhece economia nunca pode ser um bom economista. Para ser totalmente compreendida e aplicada de forma inteligente, a economia precisa de disciplinas como história, filosofia e história das ideias. Em suma, os economistas precisam de uma educação em artes liberais do tipo que Mises, Rothbard, Menger e Böhm-Bawerk tiveram.

Mas onde eles conseguirão isso hoje? Todos os verões, o Mises Institute realiza um programa intensivo que tenta, em pequena escala, suprir as deficiências da educação moderna. Os alunos que vêm até nós estão interessados ​​em economia em parte porque ela foi poupada da paranoia multicultural. E embora eles estejam entre os alunos mais brilhantes da escola hoje, eles também não tiveram a oportunidade de enraizar a economia em uma visão de mundo mais ampla e sistemática.

Nosso corpo docente fornece isso, e vemos o valor de nossa universidade de verão sendo apreciado a cada ano. Isso é expresso nos formulários de avaliação dos alunos, que elogiam a abordagem destemida do corpo docente acima de tudo. Esses alunos normalmente continuam em seus estudos e obtêm as credenciais necessárias para entrar na vida acadêmica, ao mesmo tempo em que realizam programas de leitura separados para dar-lhes a base para o pensamento sério que a academia moderna lhes negou.

Ao contrário do pessimismo de muitos conservadores, não há motivo para desespero. Nossos programas são reforçados por professores dissidentes e currículos em faculdades e universidades independentes em todo o país. Essa força dissidente, e seus alunos, está crescendo a cada dia e exibe uma coragem guerreira.

Os sinais de sucesso estão ao nosso redor. Os melhores alunos não acreditam mais nas bobagens que lhes enfiam goela abaixo. Uma nova geração está se formando em meio aos excessos do igualitarismo, decidida a revertê-los.

No longo prazo, as ideias não podem governar apenas pela intimidação. Quando uma nova geração de professores corajosos e bem formados tem a maior parte da paixão intelectual a seu lado, seus oponentes podem ser derrubados.

 

______________________

Notas

[1] Gerrymandering é um controverso método de definir em termos de área os distritos eleitorais de um território para obter vantagens no número de representantes políticos eleitos, em especial nos locais onde se utiliza o sistema eleitoral majoritário com voto distrital.

[2] Equal Employment Opportunity Commission (Comissão de Oportunidades Iguais de Emprego)

[3] A Grande Sociedade foi uma série de programas domésticos adotada pelo presidente dos Estados Unidos Lyndon B. Johnson em 1964–65. Seus objetivos declarados eram eliminar a pobreza e a injustiça racial.

[4] American Civil Liberties Union — A União Americana pelas Liberdades Civis é uma ONG norte-americana sediada na cidade de Nova Iorque cuja missão é “defender e preservar os direitos e liberdades individuais garantidos a cada pessoa neste país pela Constituição e leis dos Estados Unidos”.

[5] O Prêmio Pulitzer é um prêmio estadunidense outorgado a pessoas que realizem trabalhos de excelência na área do jornalismo, literatura e composição musical. É administrado pela Universidade de Colúmbia, em Nova Iorque.

[6] Solipsismo (do latim “solu-, «só» +ipse, «mesmo» +-ismo”) é a concepção filosófica de que, além de nós, só existem as nossas experiências. O solipsismo é a consequência extrema de se acreditar que o conhecimento deve estar fundado em estados de experiência interiores e pessoais, não se conseguindo estabelecer uma relação direta entre esses estados e o conhecimento objetivo de algo para além deles. O “solipsismo do momento presente” estende este ceticismo aos nossos próprios estados passados, de tal modo que tudo o que resta é o eu presente.

[7] Queer é um termo guarda-chuva para minorias sexuais e de género, ou seja, que não são heterossexuais ou não são cisgénero. Originalmente significando “estranho” ou “peculiar”, queer era usado pejorativamente contra aqueles com desejos ou relações homossexuais no final do século XIX.

[8] A Lei de Reajuste dos Militares de 1944, comumente conhecida como GI Bill, era uma lei que oferecia uma série de benefícios para alguns dos veteranos da Segunda Guerra Mundial que retornavam (comumente chamados de GIs). A GI Bill original expirou em 1956, mas o termo “GI Bill” ainda é usado para se referir a programas criados para ajudar alguns dos veteranos militares dos Estados Unidos.

[9] Pol Pot foi um revolucionário e político cambojano que governou o Camboja como Primeiro Ministro do Kampuchea Democrático entre 1975 e 1979.