IMB sob nova direção

4
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

049518011083729Uau, que momento!

Assumir a presidência do IMB em qualquer circunstância já seria uma enorme honra e desafio, mas é ainda mais especial dado o momento que o país está vivendo.

O descolamento entre o establishment dominante e a população está em um dos pontos mais altos já vistos em nossa história. A classe política e seus apologistas estão perplexos e atônitos com a reação da população. Estamos vendo milhões indo às ruas e é clara para todos a farsa apologista nos jornais e na academia: eles já não têm mais crédito nenhum, a desconfiança que era restrita a um pequeno grupo hoje é geral, os meios de imprensa tradicionais, se não estão vendo sua audiência minguar, estão sendo ridicularizados por ela. Intelectuais “orgânicos” padecem do mesmo, a aura de respeitabilidade ao fazer apologia ao governo já ruiu.

Diante desse quadro, o IMB segue firme em seu papel de luz na escuridão. Sua independência permite que as análises e a ciência não sejam joguetes na mão do poder e a serviço do establishment. Ao contrário, a própria ideia da liberdade, segue sendo odiada e combatida por essa mesma classe dominante que vê o avanço das ideias da liberdade como a maior ameaça ao seu poderio.

Assim sendo, o IMB não está imune a toda sorte de pressão. A visibilidade ganha nos últimos tempos fez com que aqueles que perceberam a pujança das ideias disseminadas pelo instituto se aproximassem com interesses que não são aqueles de nossa fundação. A popularização do instituto gera também outro tipo de pressão para que ele faça mais do que é a sua missão.
Dito isso, ao assumir a presidência do instituto que fundei e do qual sou o idealizador, quero aqui delinear em poucas linhas o que vai ser essa nova fase do instituto sob minha administração e, para tanto, vou começar dizendo aquilo que o instituto não fará:

O IMB não pode, não deve e não será ligado a nenhum grupo empresarial ou de institutos empresariais.

O IMB não terá ligações com entidades estudantis de nenhuma natureza.

O IMB não terá nenhuma ligação com partidos políticos de nenhuma vertente ou linha ideológica.

O IMB não é uma instituição acadêmica e o nosso campo de atuação é muito mais abrangente, não cabendo nas limitações de instituições dessa natureza.

Na prática isso significa que teremos algumas mudanças. A primeira é deixar claro que a Revista acadêmica Mises, tocada por Alex Catharino não é e nunca foi ligada ao IMB. Ela é um projeto pessoal dos envolvidos e financiada pelo ex-presidente Helio Beltrão.

O podcast do Bruno Garshagen (antigo podcast do IMB) não constará mais do nosso site. Infelizmente, a ideia inspirada nos podcasts de Lew Rockwell, não teve o mesmo rumo pois no Brasil não há material humano suficiente para mantermos programas semanais somente com austro-libertários. O programa do Bruno, que sempre manteve um excelente nível, segue como parte do projeto pessoal do ex-presidente Helio Beltrão.

Para que não fiquemos apenas nos itens eliminatórios sobre o que o IMB não é, falemos um pouco sobre o que ele é. O IMB é um instituto de ideias, de fruição intelectual. Essa é sua atividade principal e é esse o retorno ao bom combate que minha presidência seguirá. Pode parecer pouco mas a fruição intelectual exige muito preparo, muito estudo, muita dedicação e uma atitude pessoal de entrega ao dever de consciência. Essa sempre foi nossa inspiração, esse sempre foi o papel que o Mises Institute do Alabama pregou, exerceu e continua exercendo.

Seguimos, portanto com nosso lema: Tu ne cede malis sed contra audentior ito.

Cristiano Chiocca

4 COMENTÁRIOS