Introdução à edição de 2011

0
Tempo estimado de leitura: 15 minutos

por Anthony Gregory

 

A ideia de que interesses corporativos, elites bancárias e políticos conspiram para definir a política dos EUA é ao mesmo tempo óbvia e moralmente inaceitável. Todo mundo sabe que o complexo militar-industrial é enorme e corrupto, que os presidentes concedem dinheiro e privilégios a seus doadores e empresas favorecidas, que uma porta giratória conecta Wall Street e a Casa Branca, que motivações econômicas espreitam por trás das guerras dos Estados Unidos. Mas destacar esse ponto é algo que é normalmente descartado como uma teorização da conspiração que não é séria, indigna de maiores considerações.

Vimos esse paradoxo em ação após o colapso financeiro de 2008. Os esquerdistas culpam Wall Street e as grandes instituições financeiras por trair as massas por ganância predatória e por serem recompensados ​​por sua irresponsabilidade pelos resgates de Washington. Ao mesmo tempo, a esquerda parece relutante em se opor totalmente a esses resgates, vendo os gastos como um mal necessário para devolver a economia global à estabilidade, ainda que de forma desigual. Além do mais, os esquerdistas não responsabilizam o presidente Obama e os líderes democratas por sua inegável interferência em tudo isso. Eles culpam o Goldman-Sachs, mas veem seu presidente, que recebeu mais dinheiro de campanha da empresa do que de quase qualquer outra fonte, como uma vítima indefesa das circunstâncias, em vez de um enérgico conspirador em má conduta corporativa, além de ser o herdeiro entusiasmado e expansionista da política externa agressiva de George W. Bush.

A direita do Tea Party também evita examinar o estado corporativo em detalhes. Esses conservadores detectam um elitismo no governo de Obama, mas relutam em desafiar seriamente o status quo econômico, pois isso levaria a perguntas desconfortáveis ​​sobre o estado de guerra, os contratantes de defesa, as guerras dos EUA, toda a história do Partido Republicano e todas as típicas suposições da direita sobre a justiça inerente do sistema supostamente de “livre iniciativa” dos EUA. Ao se recusar a admitir que os fundamentos econômicos foram infundados durante todos os anos Bush – ao não reconhecer a realidade imperial das guerras dos EUA e seu efeito debilitante sobre o orçamento doméstico médio – a direita está abrindo mão de sua chance de mergulhar além da superfície em suas críticas ao reinado de Obama.

Muitos da direita chamam Obama de “socialista”, enquanto muitos da esquerda acusam Bush de ser “fascista”, mas nenhum dos grupos vê as semelhanças gritantes em quase todas as suas políticas. Enquanto isso, as forças mais dominantes, tanto da esquerda quanto da direita, se recusam a apoiar essa retórica “extremista” e insistem que ambos os partidos políticos, apesar de todas as suas diferenças, no fundo defendem os interesses dos Estados Unidos. Na lealdade inabalável da esquerda à social-democracia e à intervenção econômica e no amor invencível da direita pelos militares e apoio aos EUA corporativo, vemos por que podemos condenar a corrupção e os interesses especiais, mas não ir muito mais fundo do que isso, para não sermos relegados à periferia da discussão respeitável.

Sem medo de abater vacas sagradas, Murray N. Rothbard vai muito além das lamentações convencionais em seu incisivo Wall Street, bancos, e a política externa americana. Ele analisa mais de um século de militarismo e compadrio corporativo dos EUA, dando nome aos bois, não poupando ninguém e demonstrando a continuidade do imperialismo, independentemente do partido no controle, ao lado dos muitos interesses comerciais sobrepostos e concorrentes por trás das cortinas. O relato de Rothbard sobre o confronto entre os Morgans e os Rockefellers, que tinham alguns interesses em comum e outros em conflito, aprimora brilhantemente a complexidade da história, ao mesmo tempo em que explica a dinâmica geral do poder. A discussão das firmas “Cowboy” do Oeste (e seus representantes em Washington) versus o “Yankee” do Establishment Nordestino é igualmente esclarecedora: “Enquanto ambos os grupos favorecem a Guerra Fria, os Cowboys são mais nacionalistas, mais agressivos e menos inclinados a se preocupar com o que nossos aliados europeus estão pensando…. Deve ficar claro que o nome do partido político no poder é muito menos importante do que as conexões financeiras e bancárias do regime em particular.”

Este fantástico trabalho escrito é a resposta definitiva para muitos opositores – aqueles que alardeiam grandes diferenças entre republicanos e democratas; aqueles que insistem que o principal motor por trás das guerras dos EUA é a preocupação com a defesa nacional ou os direitos humanos no exterior; aqueles que descartam a “teorização da conspiração” com acusações simplistas de poder nos bastidores, desprovidas de nuances e sofisticação; e aqueles com pensamento limitado que consideram que todas as decisões importantes são tomadas exatamente pelo mesmo grupo de atores principais, e não por meio de uma confluência complexa de diversos interesses e forças.

Os divulgadores de teorias da conspiração simplificadas ficarão desconfortáveis ​​com o nível de detalhes deste livro, assim como os intelectuais da corte que consideram toda e qualquer referência à duplicidade de grupos como o Conselho de Relações Exteriores e a Comissão Trilateral como coisa de paranoicos completamente fora da realidade. Além disso, as pessoas que pensam que a eliminação da influência corporativa da esfera pública finalmente acabará com as guerras e a corrupção serão encorajadas a repensar suas suposições sobre o Estado: ele não é, no fim das contas, uma organização para o bem público que foi sequestrada pelos ricos e poderosos, nem um mecanismo de controle corporativo que possa ser reformado para fins liberais. O próprio Estado é e sempre será o problema, e enquanto tiver um braço militar, será influenciado por alguns interesses privados ou outros em direção a guerras oportunistas, e no será mínimo manipulado por políticos, mesmo os mais supostamente humanitários e igualitários, que estão entre os que possuem um histórico assassino e diabólico no desdobramento de suas forças e no lançamento de suas bombas. Mesmo grandes interesses empresariais podem ir e vir, mas o próprio aparato político, a mais inerentemente corruptora de todas as instituições, dada sua natureza inevitavelmente coercitiva e monopolista, continuará a infligir miséria e saquear os desfavorecidos em nome dos poderosos.

Por outro lado, ao contrário dos libertários moderados que consideram os empresários que conspiram com o governo como, na pior das hipóteses, meros acessórios para o crime político tornado inevitável pela economia mista, Rothbard não modera sua acusação desses membros juniores das parcerias público-privadas de pilhagem imperialista. O livre-arbítrio existe sob a concepção rothbardiana de teoria política e econômica, e se há culpa por aí, os banqueiros, os CEOs lobistas e os grandes especialistas de políticas belicistas merecem uma parte considerável junto com os generais e presidentes.

Em muitos escritos, Rothbard examinou as relações impróprias entre os formuladores de políticas e os interesses empresariais. Ele defendeu um renascimento da análise de classe libertária, recuperando o exercício dos marxistas e esquerdistas que o transformaram do estudo da classe política consumidora de impostos contra os súditos contribuintes em uma narrativa da luta dialética entre produtores e trabalhadores. Embora Marx e seus seguidores tenham atacado corretamente o Estado moderno por garantir privilégios para os interesses empresariais mais influentes, a concepção esquerdista virou de cabeça para baixo o conceito liberal clássico de análise de classe em sua defesa da captura proletária do aparato estatal e seu elenco de produtores e empresários como os inimigos inevitáveis ​​do homem comum. No entanto, estudiosos esquerdistas, particularmente da variedade da Nova Esquerda, tendem a “seguir o dinheiro” em seu exame do suborno, corrupção e guerra do governo, uma tarefa muito apreciada por Rothbard e seus camaradas.

Em Wall Street, bancos, e a política externa americana, no entanto, o leitor é tratado com mais nuances e detalhes, bem como uma narrativa mais coerente do que é comum nas obras de esquerda. Isso ocorre porque a teoria por trás da análise de Rothbard, ao contrário das teorias esquerdistas, é sólida. Um ponto geral confirma isso. Ao falhar em entender a economia básica, a esquerda morre de amores pelo keynesianismo militar que muitas vezes vê a guerra como uma bênção para a economia, se não para todas as outras esferas. Em janeiro de 2008, o guru da economia progressista de esquerda Paul Krugman (que anos antes havia clamado por uma bolha imobiliária induzida pelo Fed), reclamou em seu blog do New York Times:

Uma coisa que me perguntam com bastante frequência é se a guerra do Iraque é responsável por nossas dificuldades econômicas. A resposta (com pequenas qualificações) é não…. O fato é que a guerra é, em geral, expansionista para a economia, pelo menos no curto prazo. A Segunda Guerra Mundial, lembre-se, encerrou a Grande Depressão.

Mesmo os radicais às vezes confundem as guerras neomercantilistas como sendo do interesse dos contribuintes americanos médios – Noam Chomsky muitas vezes entoou que a economia americana em geral depende dessas guerras – levando a uma crítica incompleta e uma análise de classe falha. Isso levou a esquerda a interpretar erroneamente as guerras de George W. Bush pelo petróleo como tentativas de conquistar campos de petróleo em nome dos consumidores dos EUA, e não como tentativas de beneficiar algumas empresas às custas de outras. (Também negligenciadas, em comparação com o ponto de vista do petróleo, foram as possíveis motivações monetárias envolvidas, já que o Iraque começou a precificar seu petróleo em euros no final de 2000, desafiando os supremacistas americanos do dólar.) A má teoria econômica também significava que quando o secretário de Estado de George H. W.Bush, James Baker, disse que a primeira Guerra do Golfo foi sobre “empregos, empregos, empregos”, a população ficou sem ter o que pensar a não ser aceitar essa desculpa.

A compreensão econômica falha coincide com uma má leitura da história. A esquerda ainda se orgulha em grande parte de sua herança na Era Progressista, quando políticos supostamente altruístas defenderam o homem comum contra as grandes empresas. Rothbard desvenda esta fraude completamente. O reverenciado Teddy Roosevelt “foi um homem de Morgan desde o início”, com laços familiares, empresariais e políticos com o gigante bancário. O “primeiro ato de Roosevelt após a eleição de 1900 foi oferecer um jantar luxuoso em homenagem a J.P. Morgan”, e muitas de suas políticas, desde o golpe no Panamá em 1903 até a quebra de monopólio da Standard Oil, foram grandes bênçãos para os interesses de Morgan. O Progressive Bull Moose Party de 1912, longe de ser uma tentativa de desafiar as políticas pró-empresarial de Taft por razões de idealismo igualitário, também foi uma trama de Morgan. O vencedor da eleição de 1912, Woodrow Wilson, longe de tentar controlar os bancos por meio do Federal Reserve Act, foi um grande defensor das elites bancárias mais ricas, especialmente os Morgans. O próprio Fed “permitiu que o sistema bancário inflasse dinheiro e crédito, financiasse empréstimos aos Aliados e flutuasse déficits maciços assim que os EUA entrassem na guerra”.

Mais recentemente, as críticas da esquerda a Bush sugeriram que ele havia rompido com um passado americano honroso na forma como travou a guerra – e em particular condenaram suas motivações econômicas como se fossem algo novo ou exclusivamente republicano. Muito pouco críticos viram Bush seguindo uma tradição que remonta pelo menos à entrada de Franklin Roosevelt na Segunda Guerra Mundial – uma guerra, Rothbard nos lembra, que as elites bancárias estavam pressionando ao longo do final da década de 1930. Essa guerra ainda é santificada como um testemunho do altruísmo humano e uma luta do bem contra o mal. Mas a Segunda Guerra Mundial também pode “ser considerada, de um ponto de vista, como uma guerra de coalizão: os Morgans tiveram sua guerra na Europa, os Rockefellers a deles na Ásia”. Henry Stimson, o Secretário de Guerra, tinha sido um advogado de Wall Street com tantos laços corporativos quanto qualquer belicista moderno, e seu assistente John J. McCloy, a quem Rothbard denuncia pela decisão política particularmente horrível dos Campos de Concentração Japoneses, seguiu para uma carreira lucrativa na órbita Rockefeller com um trabalho paralelo como presidente do CFR por 17 anos. Se o complexo industrial-militar não existia antes, já era uma realidade ao final da Segunda Guerra Mundial. O ménage à trois entre os mercadores de armas, a máquina de guerra dos EUA e as potências financeiras de Nova York se consumaram totalmente antes mesmo do nascimento de George W. Bush.

Os amados presidentes esquerdistas Truman, Kennedy, Johnson e Carter saturaram seus cargos de liderança de defesa com elites bancárias. Em particular, Rothbard mostra que, começando com o governo Kennedy, uma influência inquietante na política externa foi desfrutada por representantes do Lehman Brothers e do Goldman Sachs – empresas cujo impacto nefasto não passa despercebido pelos americanos que leem as notícias financeiras hoje. A conexão íntima entre o Lehman Brothers e o Pentágono foi um aspecto especialmente “fascinante do governo Johnson”. O Lehman e outras grandes instituições financeiras também dominaram o alto escalão de Carter. De alguma forma, a esquerda geralmente considera esses presidentes, na pior das hipóteses, ingênuos que sofreram influência corporativista, em vez de criminosos culpados de saques premeditados e guerras em nome de seus comparsas.

O colapso financeiro e os resgates são apenas o exemplo mais recente da quase incoerência da crítica esquerdista. Devemos acreditar que os CEOs das principais instituições financeiras são desprovidos de compaixão, os reguladores são heróis negligenciados misteriosamente privados de poder desde os anos Reagan (embora exatamente como isso foi feito nunca seja explicado de forma convincente), e o presidente é, na pior das hipóteses, um ingênuo bem-intencionado. Essa formulação é partidária, mas mesmo a crítica anticorporativista de Bush denuncia uma estranha fé no próprio governo, pois acusava Bush de não “fazer o suficiente” e insistir em reduzir o poder de seu próprio poder executivo sobre a economia. Tudo isso mesmo depois de Sarbanes-Oxley e outras grandes expansões do Estado regulatório de Bush, muito além do que aconteceu sob Bill Clinton.

As guerras de hoje também parecem confundir o progressista de esquerda que vê interesses corporativos e agitação conservadora por trás de todas as falhas políticas. A guerra no Iraque, nos disseram, foi uma ruptura com as tradições americanas de prudência diplomática. É verdade que os neoconservadores representavam uma escola ideológica inusitadamente inclinada à democratização pela força – quase hiper-wilsonianos – que de fato significava uma mudança da escola “realista” que havia sido economicamente orientada em torno dos Rockefellers que dominavam a política pelo menos desde Segunda Guerra Mundial. Se vale a pena, grande parte do establishment econômico estava visivelmente mais cauteloso com a guerra do Iraque do que a maioria das aventuras militares dos EUA. Isso parece uma espécie de anomalia, mas houve uma situação paralela em 1968, quando, como Rothbard conta, até mesmo muitas das “figuras de elite” do governo Johnson “se voltaram para uma firme oposição à guerra”, acompanhadas por muitos do establishment e de Wall Street.

Podemos apenas sonhar como Rothbard teria reagido ao triunfo temporário dos neocons sobre os realistas no Iraque. Mas nem é preciso dizer que a trajetória geral da política externa dos EUA – guerras presidenciais de agressão, neomercantilismo, bombardeios financiados pelo Fed, sanções comerciais, exploração da ONU e da OTAN quando conveniente – tem sido bastante consistente desde a Era Progressista até Obama, não obstante a aberração de  Bush. E agora os EUA estão concretamente de volta à tradição “realista” com Obama, que está usando coalizões internacionais para obscurecer a agressão contra a Líbia, e que continua o projeto imperial no Afeganistão que se originou com a intromissão do Conselheiro de Segurança Nacional de Carter, Zbigniew Brzezinski, um modelo prático da escola realista. Mais de uma década depois que Rothbard escreveu este livro, identificando Brzezinski como diretor executivo da Trilateral e “diretor recém-selecionado do CFR”, esse garoto-propaganda do establishment reivindicou o crédito por atrair intencionalmente os soviéticos para invadir o Afeganistão – uma intervenção fatídica que mudou a política dos EUA no mundo muçulmano de forma irreversível.

Quando a esquerda atacou os neoconservadores no Iraque – ecoando, quer eles soubessem ou não, críticas ao neoconservadorismo que podem ser atribuídas a Rothbard e sua tradição da Velha Direita – eles realmente não entenderam o que estavam atacando. Eles negligenciaram quase completamente as origens esquerdistas e particularmente trotskistas do neoconservadorismo e tendiam a minimizar a centralidade de Israel. Eles de alguma forma confundiram uma condenação da “privatização” da guerra de Bush, sua dependência de fornecedores de equipamentos militares e seu suposto desejo de apreender o petróleo árabe, com sua crítica ao neoconservadorismo, embora a economia e o clientelismo corporativo nunca tenham sido os principais interesses dessa escola de política externa.

Isso ajuda a explicar a confusão atual, pois Obama aumentou muito a presença de fornecedores de equipamentos militares, expandiu a guerra no Afeganistão, bombardeou Paquistão, Iêmen, Somália e Líbia, e parece estar de acordo com quase todo o programa de Bush, incluindo o cronograma de retirada no Iraque. A política do petróleo e a construção planejada de oleodutos através do Afeganistão ainda estão em segundo plano. Os interesses econômicos e imperiais por trás da resposta dos Estados Unidos ao 11 de setembro vão muito além dos neocons e seu desvio de atenção no Iraque.

É claro que os líderes de guerra dos anos supostamente anômalos de Bush foram luminares do establishment por décadas. A Conselheira de Segurança Nacional e Secretária de Estado Condolezza Rice fez parte do primeiro Conselho de Segurança Nacional de Bush e mais tarde serviu no conselho da Chevron. O vice-presidente Dick Cheney (junto com o secretário de Defesa Donald Rumsfeld) começou sua ascensão sob Nixon. Cheney foi diretor do Conselho de Relações Exteriores no final da década de 1980 e, infamemente, atuou no final da década de 1990 como CEO e Presidente do Conselho da Haliburton – a empresa de serviços de petróleo que recebeu contratos significativos sob Clinton durante suas intervenções nos Bálcãs, tornou-se um grande beneficiário da guerra de Bush no Iraque (além de construir celas para o campo de prisioneiros na Baía de Guantánamo), e ainda mantém esses laços com o império.

Cheney, deve-se notar, também era membro da Comissão Trilateral — aquele clube de elite fundado por David Rockefeller que passou a dominar os salões do poder a partir do governo Carter. Escrevendo em 1984, Rothbard conclui que, independentemente da próxima eleição, poderíamos esperar que esta organização estivesse bem representada. Além de Cheney, os membros da Trilateral que subiram ou permaneceram no alto escalão do governo americano desde 1984 incluem o presidente do Fed Alan Greenspan, George H. W. Bush, seu conselheiro de segurança nacional Brent Scowcroft, Bill e Hillary Clinton e os membros do gabinete de Clinton Lloyd Bentsen (Tesouro), Warren Christopher (Departamento de Estado) e William Cohen (Defesa). Menos membros da Trilateral apareceram mais recentemente, embora, além do vice-presidente Cheney, eles incluam o secretário do Tesouro de George W. Bush, Paul O’Neill, o conselheiro econômico de Obama, Paul Volker, e sua conselheira de política externa e embaixadora nas Nações Unidas, Susan Rice.

As continuidades do estado corporativo transcendem o partidarismo. Ben Bernanke, conselheiro econômico de Bush e mais tarde escolhido para presidente do Fed, foi reconduzido a esse alto cargo por Obama. Outro resquício dos anos Bush é o segundo secretário de Defesa de Bush, Robert Gates, cujo passado conturbado inclui exortar Reagan a vender armas ao Irã em 1985, liderar a CIA sob George H. W. Bush e servir em conselhos de gigantes como Fidelity Investments, NACCO Industries e Brinker Internacional.

Quando Obama escolheu como secretário do Tesouro o jovem Timothy Geithner, o homem já era um elemento precoce do establishment. Ele trabalhou para a Kissinger Associates em Washington e depois ingressou na divisão de Assuntos Internacionais do Departamento do Tesouro dos EUA em 1988. Ele passou a trabalhar para a embaixada dos EUA em Tóquio, atuou como assistente de política monetária e financeira por anos, sempre com foco internacional, e tornou-se subsecretário do Tesouro para Assuntos Internacionais em 1998. Em 2002, foi membro sênior do departamento de Economia Internacional do Conselho de Relações Exteriores, além de atuar como diretor do Departamento de Desenvolvimento e Revisão de Políticas do Fundo Monetário Internacional. No final de 2003, ele se tornou o presidente do Federal Reserve Bank de Nova York e, em seguida, o vice-presidente do Comitê Federal de Mercado Aberto. Em março de 2008, ele esteve intimamente envolvido no resgate e na venda do Bear Stearns. Na esteira do colapso financeiro, a escolha de Geithner por Obama para chefiar o Tesouro foi surrealmente elogiada por toda parte como um movimento pragmático e responsável. Mas mesmo as nomeações menores demonstram a ironia da reputação de Obama como um defensor do homem comum contra as grandes empresas – a escolha do presidente do CEO da General Electric, Jeffrey Immelt, para supervisionar a tentativa de conter o desemprego rima bem com a escolha de FDR do CEO da GE, Gerard Swope, para liderar a Administração Nacional de Recuperação.

Claro, o próprio Obama está profundamente no bolso da indústria financeira. A Goldman Sachs foi responsável por doar mais de US$994.000 para a campanha de Obama. O Lehman Brothers foi a origem de US$395.600, um valor recorde para a empresa, perdendo apenas para o que Hillary Clinton recebeu. De 20 de suas maiores fontes de dinheiro de campanha, onze eram bancos de investimento ou escritórios de advocacia intimamente associados. Justin Raimondo observou em 2008 que os grandes doadores de Obama incluíam altos executivos do Wachovia, Washington Mutual, Citigroup, Deutsche Bank, Merrill Lynch, Bank of America, J. P. Morgan, Chase, Morgan Stanley e Countrywide.

Acontecimentos recentes demonstram a negação generalizada do nexo bancário e política externa. Em fevereiro de 2010, o congressista Ron Paul causou alvoroço na Câmara dos Deputados quando, confrontando Bernanke, observou que “foi relatado no passado que, durante a década de 1980, o Fed realmente facilitou um empréstimo de US$5,5 bilhões a Saddam Hussein e, em seguida, ele comprou armas do nosso complexo industrial militar.” Bernanke achou a alegação absurda demais para justificar uma resposta séria. Mais tarde, Paul citou o professor da Universidade do Texas Robert D. Auerbach, autor do livro de 2008 Deception and Abuse at the Fed e professor da Universidade do Texas, para defender sua declaração. Fosse ou não Bernanke sincero em sua descrença nessa conexão nefasta entre o Fed e a diplomacia dos EUA, muitos espectadores ficaram igualmente incrédulos.

Em março de 2011, enquanto o governo Obama bombardeava a Líbia, o senador Bernie Sanders escreveu uma carta aberta a Bernanke, perguntando por que o Fed forneceu 45 empréstimos de emergência com juros quase zero, totalizando mais de US$26 bilhões, ao banco central da Líbia de dezembro de 2007 a março de 2010. Ele ainda perguntou por que o banco e suas duas filiais em Nova York estavam isentos das sanções dos EUA contra empresas líbias.

Enquanto isso, a mídia celebrava o suposto sucesso do TARP, o pacote de resgate de US$700 bilhões aprovado no final da presidência de George W. Bush. Naquela época nos disseram que era necessário ou então o colapso financeiro engoliria toda a economia. A maioria dos americanos estava cética, suspeitando que estavam sendo roubados pelas próprias forças responsáveis ​​pela crise em primeiro lugar. A AP informou em 30 de março de 2011, em meio à defesa oficial do TARP: “Alguns bancos usarão dinheiro de um programa do governo destinado a aumentar os empréstimos para pequenas empresas para pagar seus resgates federais, de acordo com o funcionário do Departamento do Tesouro que supervisiona o programa de resgate.” A manchete era mais concisa: “Os bancos usarão fundos do Fed para pagar o resgate do Fed”.

Desde a publicação de Wall Street, bancos, e a política externa americana, vários outros trabalhos surgiram na tradição rothbardiana de traçar a história da elite dos bancos centrais e seus conspiradores do estado de guerra. O extenso livro de G. Edward Griffin, The Creature from Jekyll Island (1994), abordando teoria econômica e história anterior ao material coberto aqui por Rothbard, é particularmente digno de menção. O livro de 2007 de Robert Higgs, Depression War and Cold War, examina o papel da indústria de defesa na Segunda Guerra Mundial e na Guerra Fria. Para o tratamento definitivo sobre o corporativismo da Primeira Guerra Mundial, com ênfase nos comerciantes de armas, bem como nos bancos, ver “Merchants of Death Revisited: Armaments, Bankers, and the First World War”, de T. Hunt Tooley, da edição de inverno de 2004 de o Journal of Libertarian Studies. Inclui uma bibliografia com muitas grandes referências.

Quanto às questões do século XXI, não há muitos trabalhos de levantamento sobre as conexões entre a máquina de guerra e o sistema bancário. Confessions of an Economic Hitman (2004) de John Perkins conta sua história como agente de finanças internacionais com laços com o estado de segurança dos EUA, convencendo as nações do Terceiro Mundo a aceitar empréstimos esmagadores How Much Are You Making on the War Daddy? A Quick and Dirty Guide to War Profiteering in the Bush Administration (2003) de William D. Hartung e The Complex: How the Military Invades Our Everyday Lives (2008), de Nick Turse, lidam decentemente com o corporativismo militar. Sobre o colapso financeiro e as fraudes, o jornalismo investigativo de Matt Taibbi, que escreve na Rolling Stone com foco no Goldman Sachs, culminou em seu livro de 2010 Griftopia: Bubble Machines, Vampire Squids, and the Long Con That Is Breaking America. Finalmente, um artigo no Huffington Post merece menção por ousar mostrar a relação entre o banco central e os intelectuais da corte americana: “Priceless: How The Federal Reserve Bought The Economics Profession”, de Ryan Grim, publicado em outubro de 2009.

O que está faltando na maioria dos relatos sobre a guerra e os bancos do século XXI, no entanto, é uma análise de classe sólida e austrolibertária combinada com uma compreensão dos ciclos econômicos, o significado da ação humana no complexo militar-industrial e a natureza inerentemente predatória do Estado. O trabalho de 2006 de Joe Salerno, “O imperialismo e a lógica da guerra”, ajuda a estabelecer a base teórica de que a guerra, como todas as atividades humanas propositais, tem uma lógica econômica e pode ser entendida em termos do que seus perpetradores buscam ganhar. Para um tratamento austríaco da crise imobiliária e da corrupção nos gastos com defesa, o livro de 2011 de Tom Woods Rollback: Repeling Big Government Before the Coming Fiscal Collapse fornece alguns capítulos úteis. O fim do Fed de Ron Paul tem uma seção sobre inflação e guerra. Muitos artigos sobre diferentes facetas do estado corporativo imperial podem ser encontrados em Mises.org, LewRockwell.com, Antiwar.com e em outros lugares.

Mas seria ótimo ver algo como uma sequência de Wall Street, bancos, e a política externa americana, uma história abrangente e detalhada, mas concisa, começando de onde Rothbard parou durante o governo Reagan e nos atualizando até hoje. Até então, podemos ficar satisfeitos em ler este maravilhoso trabalho de história econômica revisionista, análise de classe e jornalismo antiguerra, todos reunidos em uma só obra. Para entender os EUA moderno, os controladores bancários e os belicistas que comandam o show por mais de um século devem ser expostos. Até hoje, ninguém fez isso tão bem quanto Rothbard.