IV – Ambientalismo

0
Tempo estimado de leitura: 14 minutos

Eu sou um pecador, mas não me arrependo. Veja, eu não pratico o ambientalismo e não acredito nisso. Eu não reciclo e não conservo — exceto quando vale a pena fazer isso. Gosto de ar limpo — ar realmente limpo, como o tipo que um ar condicionado produz. Eu gosto ambientes fechados sem insetos. Gosto de desenvolvimento, como em edifícios, concreto, capitalismo, prosperidade. Não gosto de pântanos (e isso vale para qualquer “pântano”, mesmo os alardeados “Everglades”) ou selvas (“florestas tropicais”). Vejo todos os animais, exceto cães e gatos, como prováveis ​​portadores de doenças, a menos que estejam em um zoológico.

Quando a PBS[1] publica um especial sobre inteligência animal, não me emociono. Fico feliz pelos golfinhos que conseguem guinchar. Estou feliz pelo macaco que ele fazer sinais para obter sua comida. Que fascinante as abelhas que trabalham tão bem organizadas. Mas isso não dá a eles direitos sobre mim. Seu único valor real vem do que eles podem fazer pelo homem.

De acordo com a moderna doutrina política e religiosa, todos esses pontos de vista me tornam um pecador. As igrejas tradicionais há muito tempo tornaram-se quase maniqueístas, anunciando que a pobreza é abençoada e jurando nunca perturbar a natureza abençoada com a mácula da ação humana. E todos nós sabemos sobre a moda das religiões da Nova Era. Crianças de escolas públicas aprendem a religião do eco-sentimentalismo.

Até o novo Catecismo Católico parece piegas sobre o assunto. “O domínio do homem sobre os seres inanimados e outros seres vivos concedido pelo Criador não é absoluto … requer um respeito religioso pela integridade da criação” (par. 2416). Eu não tenho ideia do que isso signifique. Parece uma concessão ao novo paganismo. As abelhas e bactérias assassinas têm “integridade” digna de “respeito religioso”? Em minha opinião, a natureza só tem valor se atender às necessidades do homem. Caso contrário, deve ser transformada.

 

Mesmo em círculos de livre mercado, devo anunciar a beleza e a integridade moral da natureza antes de discutir os direitos de propriedade e os mercados. Na verdade, os “ambientalistas de livre mercado” insistem em que aceitemos os objetivos dos ambientalistas, enquanto apenas rejeitamos alguns de seus meios estatistas como a melhor maneira de atingir esses objetivos. Eu não entro nessa. Os ambientalistas estão mirando em tudo que eu amo, e a luta entre nós e eles é fundamental.

Podemos contar apenas com os randianos para fazer algum sentido nesta questão. Eles afirmam o que costumava ser a posição cristã há apenas algumas décadas: a saber, que o homem ocupa o lugar mais alto na grande cadeia do ser. Os interesses de nenhum animal, nenhuma espécie, nenhum ser vivo devem ser autorizados a superar a necessidade do florescimento humano. Mas por causa desta opinião tão ultrajante, os randianos foram banidos por muitos libertários sob a alegação de que sua estratégia está totalmente errada.

Um sábio randiano uma vez me implorou para examinar de perto a palavra “ambiente”. A que se refere, perguntou ele? Bem, você pode marcar a lista de preocupações ambientais: ar, água, animais, árvores, ozônio, etc. Mas onde isso para? Quais são os limites do que é chamado de meio ambiente? O que realmente significa, disse ele, é: “qualquer coisa, menos o homem”. Ele estava certo. Um ambiente perfeito seria um mundo sem pessoas. Como é monstruoso permitir que os ambientalistas deem pelo menos um passo em direção a esse objetivo!

Não apenas Rand, mas também Santo Agostinho acreditava que o propósito da natureza é servir ao homem:

Alguns tentam estender este comando [“Não matarás”] até mesmo para feras e gado, como se nos proibisse de tirar a vida de qualquer criatura. Mas, se for assim, por que não estendê-lo também às plantas e a tudo o que é enraizado e nutrido pela terra? Pois embora esta classe de criaturas não tenha sensação, também se diz que elas vivem e, consequentemente, podem morrer; e, portanto, se a violência for praticada, eles podem ser mortos. Assim, também, o apóstolo, ao falar das sementes de coisas como essas, diz: “O que tu semeias não é vivificado, a menos que morra”; e no Salmo é dito: “Ele matou as suas vinhas com granizo”. Devemos, portanto, considerar uma violação deste mandamento, “Não matarás”, arrancar uma flor? Devemos, portanto, insanamente aprovar o erro tolo dos maniqueístas[2]? Pondo de lado, então, esses delírios, se, quando dizemos: Não matarás, não entendemos isso das plantas, visto que não têm sensação, nem dos animais irracionais que voam, nadam, andam ou rastejam, pois eles estão dissociados de nós por sua falta de razão e, portanto, pela justa indicação do Criador, estão sujeitos a nós para matarmos ou mantermos vivos para nosso próprio uso.

Quão glorioso, Santo Agostinho também escreveu, ver as habitações humanas se espalhando onde uma natureza antes incontrolada reinava. Essa é a minha opinião também. Não me importa quantas homilias ouço sobre as glórias da natureza, do púlpito, do Congresso ou da mídia, sou contra, a menos que tenha sido transformado pelo homem em algo útil ou valioso. Coisas que crescem são para comida, roupas, decoração ou gramados. Todos os pântanos devem ser drenados. Todas as florestas tropicais se voltar para a agricultura produtiva.

Não sendo um faça-você-mesmo, minha seção favorita da loja de ferragens é onde vende mata-insetos, mata-ervas daninhas, armadilhas para bichos e venenos de todos os tipos. Essas poções assassinas representam a alta civilização e o capitalismo. As embalagens são decoradas com imagens ameaçadoras de formigas, baratas, percevejos e outras coisas indesejáveis, para nos lembrar que o objetivo desses produtos é extinguir a vida dos insetos para que não ameacem o único tipo de vida que tem uma alma e, portanto, o único tipo de vida que importa: o homem.

O único problema com os pesticidas é que eles não são fortes o suficiente. “Super veneno de formigas” apenas faz com que os pequenos insetos se levantem e se movam. Porque? Há algum tempo, o governo proibiu o melhor pesticida de todos: o DDT[3]. Como resultado, o país está cheio de insetos voadores e rastejantes ameaçadores e transmissores de doenças. Faixas inteiras de propriedades de férias antes maravilhosas foram destruídas porque não temos permissão para usar a única substância que realmente funcionou para eliminar essas coisas. No terceiro mundo, muitos milhares morreram desde a abolição do DDT graças ao aumento da malária e outras doenças transmitidas por insetos. Tudo isso porque decidimos que os insetos têm mais direito à vida do que nós. Tudo isso porque ignoramos um princípio fundamental do pensamento ocidental: todas as coisas que não são humanas estão “sujeitas a nós para serem mortas ou mantidas vivas para nosso próprio uso”.

Essas ideias podem fazer com que você seja preso hoje em dia, porque o ambientalismo é nossa religião oficial. Considere a questão do isopor. Recuso-me a segurar um copo de papel com café quente, não quando um copo isolado perfeitamente maravilhoso está disponível. Quando eu exijo que a cafeteria me dê um copo de isopor, eles se encolhem como o Drácula diante do crucifixo. Explano que o isopor ocupa menos de 0,001% do espaço do aterro e que o papel com tinta é na verdade mais venenoso para a água subterrânea, então talvez seja melhor eles não assinarem o New York Times, mas não importa. Para eles, os copos de papel são sagrados e o isopor é o diabo. A evidência simplesmente não importa.

Nós sabemos de onde realmente veio o ambientalismo. A esquerda certa vez afirmou que o estado poderia melhorar nossas vidas. Quanto maior o governo, mais prósperos seremos. Quando isso acabou não sendo verdade, eles mudaram de tom. De repente, eles começaram a condenar a própria prosperidade, e o lugar do proletariado oprimido foi tomado por membros oprimidos dos reinos animal, vegetal e de insetos. Adotamos a pobreza como meta política, com seu próprio código cívico de ética.

Desde tempos imemoriais até anteontem, o homem ocidental viu a natureza como inimiga, e com razão. Ela é perigosa e mortal. Para o bem da nossa própria sobrevivência, deve ser domesticada, cortada, restringida, controlada. Essa é a primeira tarefa da civilização. O primeiro passo para a destruição da civilização é não entender isso, ou chamar essa atitude de pecado.

Pode demorar um pouco para afundar, mas a causa do aquecimento global está naufragando. Duas questões estão derrubando todo o projeto: está ficando mais frio, não mais quente (e, portanto, a mudança da retórica para uma vaga preocupação sobre “mudanças climáticas”), e o escândalo de e-mail de 2009 provou que este é realmente um cartel de opinião com visões predefinidas não determinadas pela ciência.

Ah, claro, dizem que o Climategate[4] não é realmente muito sério e só estava sendo explorado pela Fox News e similares. E é verdade que nem todas as medidas de temperatura global mostram resfriamento e que a ciência pode ser complexa.

Com base nisso, o New York Times nos exortou a ignorar o vazamento de e-mails. “Também é importante não permitir que um conjunto de mensagens de e-mail roubadas minem a ciência e o caso claro para ação, em Washington e em Copenhague.”

Sim, um caso claro. Fala sério. Toda a agenda política dessas pessoas agora está sendo seriamente questionada. Não é mais um certo que vamos ter um planejamento central mundial para controlar o clima e proteger a terra sagrada dos efeitos da industrialização. Ah, e cobrar bastante impostos de nós no processo.

Mas você sabe o que é mais trágico para mim nisso? Toda essa histeria levou a um fantástico desvio de energia do lado esquerdo do espectro político. Em vez de trabalhar contra a guerra e o estado policial, questões nas quais a esquerda tende a ser muito boa, os instintos foram desviados para a causa absurda de criar um sistema estatista para gerenciamento de termômetro global.

O esforço para levar todos ao frenesi por causa disso começou há mais de 20 anos. Cada carta de arrecadação de fundos dos esquerdistas falava sobre o assunto e exigia que as pessoas dedicassem suas vidas a isso, explicando que, se a mãe terra morrer, tudo estará perdido. É uma questão mais importante do que todas as outras, o teste decisivo para determinar se você é um amigo ou um inimigo.

Isso tornou muito difícil para os libertários cooperarem com a esquerda. Claro, existem algumas ideias libertárias para lidar com a poluição, mas nenhuma tão convincente quanto o planejamento central, e nunca houve uma maneira de aceitarmos essa ideia. Os custos associados ao desmantelamento da civilização industrial superam até mesmo o pior cenário de aquecimento global.

E metodologicamente, a coisa toda sempre foi maluca. Se não podemos determinar com certeza causa e efeito agora, como diabos seremos capazes de determiná-las depois que o estado mundial controlar nossas emissões de carbono e nos empobrecer no processo? Ninguém jamais estará em posição de dizer se a política funcionou ou fracassou. Essa não é uma boa base para promulgar legislação.

Enquanto isso, a esquerda jogou tudo o que tinha nessa histeria. Protestos, cartas, bilhões em gastos, frenesi, paixão moral, euforia, caça às bruxas – você escolhe. Você poderia jurar que a mudança climática foi o problema do milênio para essas pessoas.

Enquanto isso, o estado policial fez avanços inacreditáveis. Todos nós vivemos hoje com medo do aparato de “segurança” do Estado. Os aeroportos tornaram-se capítulos reais de um romance distópico. A polícia local nos trata como potenciais terroristas. Cruzar a fronteira dos Estados Unidos está se tornando uma reminiscência da Alemanha Oriental. Você não pode ir a lugar nenhum sem seus documentos.

E onde esteve a esquerda enquanto o mundo inteiro estava sendo nazificado? Preocupada com a minha churrasqueira no fundo do quintal.

Depois, há a questão da guerra. O assustador George Bush começou guerra após guerra e as manteve em movimento para reforçar seu próprio poder e prestígio, criando tantos inimigos quanto possível por meio de provocações e tornando-os inimigos, se necessário. Ele financiou uma bolha que destruiu a economia e destruiu país após país em nome da justiça e da paz.

E o que se seguiu a Bush? Um presidente que repudiou esse legado horrível? Não, Obama apoiou as mesmas guerras e as continuou, até as intensificou. A esquerda o considerava um cara mau? Na verdade não. Com um punhado de exceções, seus críticos de esquerda eram críticos amigáveis. Eles ficaram contentes em tolerar isso, porque ele estava disposto a fazer o que eles queriam no front da mudança climática.

Você acha que os políticos democratas não exploram isso? Certamente sim. Nesse sentido, a questão climática se assemelha muito à causa pró-vida da direita. Se um político aperta os botões corretos, não importa o que mais eles digam ou façam. Eles não são mais vistos com um olhar crítico.

A esquerda americana há muito esqueceu suas raízes. Como Arthur Ekirch explicou, a esquerda vendeu sua alma ao estado com o New Deal. Embora antes se opusesse à arregimentação e à gestão industrial da sociedade, passou a apoiar exatamente isso. A guerra foi a próxima questão a ser eliminada. A Nova Esquerda na década de 1960 manteve a esperança de capturar um pouco daquele amor antigo pela liberdade na esquerda, até mesmo o impulso anarquista, mas a Nova Esquerda não durou muito. Eventualmente, foi engolida pela máquina política.

A esquerda hoje que apoia o governo mundial para impedir a mudança climática tem pouca semelhança com a esquerda de 100 anos atrás, que favorecia as liberdades civis e a liberalidade social e estava disposta a fazer qualquer coisa para acabar com a guerra. Agora ela desviou suas energias para um esquema absurdamente impraticável baseado na pseudociência. Esta é uma tragédia terrível.

A esquerda ainda tem muito a contribuir para a vida pública americana. Pode se opor ao estado policial e à militarização da sociedade. Pode favorecer a liberdade humana em quase todas as áreas da vida, mesmo que não tenha feito as pazes com o livre mercado. Acima de tudo, pode se opor ao imperialismo americano. Mas antes de recuperar o espírito de sua juventude, ela precisa se livrar da ideia absurda de que deveria apoiar o estado total para administrar o que todas as gerações sempre souberam ser incontrolável.

A regulamentação alimentar é outra área cara ao coração dos ambientalistas. Na política, mesmo um pouco de familiaridade gera desprezo. Aqui vemos o estado em toda a sua repugnância: uma classe de interesses especiais vaidosos, mesquinhos e gananciosos, todos entusiasmados com o que farão com o seu dinheiro assim que obtiverem ou mantiverem o poder.

Pense sobre isso. Quando as pessoas dizem que o governo deve fazer x, y e z, elas estão realmente dizendo que essas pessoas devem receber o poder de nomear outras pessoas para posições permanentes de poder para dizer a você e aos seus o que podem e não podem fazer com suas vidas e propriedades, e ainda saírem com alguma compensação pelo incômodo. Isso não parece um sistema muito bom, mas, falando claramente, nós o chamamos de democracia, ou simplesmente: o estado moderno.

E assim, a grande questão de hoje: deve o estado moderno regular o que comemos? O estado deve fazer isso para nossa própria saúde e segurança? Devemos nossa saúde e segurança às regulamentações governamentais ou à capacidade de resposta da economia de mercado bem capitalizada às nossas preferências e necessidades? Você já sabe minhas respostas, mas considere que a maioria das pessoas está muito disposta a creditar ao governo tudo o que é bom no mundo e igualmente inclinada a ignorar a liberdade de mercado como fonte de tudo o que chamamos de progresso civilizacional. Por exemplo, elas observam a existência de alimentos disponíveis, seguros e deliciosos juntamente com os regulamentos federais e concluem que os regulamentos trouxeram essas coisas boas.

A história não apoia essa afirmação. Em cada caso cuidadosamente estudado de regulamentação de empresas e consumo, desde o final do século XIX até o presente, encontramos algo muito diferente. Normalmente, um grande participante do mercado fará alguma melhoria na segurança, nas condições de trabalho, na transparência dos produtos de consumo, ou o que quer que seja, como um meio de obter vantagem competitiva (tudo muito bom) e, em seguida, pressionará o governo para tornar esta melhoria maravilhosa universal em toda a indústria pela força. O pretexto é o aperfeiçoamento de toda a civilização; a realidade é a imposição de altos custos aos concorrentes. A melhora foi provocada pelo mercado, com o governo só chegando mais tarde para reclamar o crédito. Esse é um dos motivos pelos quais os grandes participantes do mercado são as principais influências dentro das agências que os regulam.

Vamos passar das abstrações para casos particulares. Afirmei em um artigo sobre alergias alimentares que nenhuma regulamentação governamental sobre a rotulagem é necessária. O livre mercado incentivará os produtores a revelar o conteúdo de seus produtos, desde que o público consumidor deseje essas informações e os produtores sejam livres para fornecê-las. Eles fornecerão tanto quanto os consumidores desejam saber. Mesmo demandas extremas em relação à divulgação de ingredientes, aquelas que atendem apenas a um pequeno nicho organizado em torno da religião ou questões de saúde especializadas, podem ser atendidas melhor pelos mercados do que pelo governo. A razão é que os produtores de alimentos lucram apenas ao servir os compradores, não com fraude, doença ou trapaça (e, no caso de fraude, pode ser resolvida por meio de litígios privados). Se determinados produtores são indiferentes, há uma série de instituições que fornecem responsabilidade: lojas, grupos de consumidores, sites especiais ou o que quer que seja.

Esta afirmação provocou uma fúria de protestos de pessoas que acreditam que somente o governo pode garantir que os produtores não mentem, enganem, trapaceiem, roubem e até matem. Os argumentos não são tão impulsivos ou absurdos, mas altamente convencionais, apenas o tipo de coisa que você ouve nos noticiários da TV ou lê nos jornais. O viés subjacente é a favor do governo não porque o autor ame a coerção ou confie no poder, mas porque há algo que realmente preocupa as pessoas sobre a ideia de deixar a “anarquia” do processo de mercado determinar o que é produzido e como.

Lembre-se, não são os socialistas que estão fazendo esses argumentos, mas as pessoas que acreditam que buscam o melhor dos dois mundos: o poder produtivo da economia privada, bem controlado e reduzido aqui e ali por regulamentações que ajudam a moldar os padrões de produção e refrear os excessos da ganância. Essa é uma posição que Mises disse ser impossível de sustentar porque as regulamentações geram mais problemas que parecem clamar por mais soluções governamentais: e, portanto, a marcha desastrosa de crescimento do Estado por meio das instituições de mercado.

Sempre que o governo diz às empresas que elas devem fazer algo de uma maneira e apenas de uma maneira, eles estão tornando as alternativas ilegais. Quando o governo alemão diz que a cerveja só pode ser fabricada de uma determinada maneira, está excluindo todas as outras. Isso não deixa espaço para inovação, mesmo que a inovação seja recompensadora para o consumidor. Na França, por exemplo, a produção de vinho deve seguir um método prescrito e, como resultado, a indústria do vinho francesa está sendo destruída, pois os consumidores escolhem vinhos de locais que permitem um livre mercado de vinho.

Os EUA têm menos regulamentações desse tipo, mas recentemente experimentamos o desmascaramento da dieta preferida do governo de meados do século XX até os dias atuais, quando os burocratas nos disseram para comer quantidades máximas de carboidratos e não tanta carne. Hoje, os que evitam carboidratos e os comedores de carne são grandes participantes no mercado. Os produtores responderam de forma notável, e o governo só recentemente ajustou sua dieta recomendada. (A própria ideia de uma dieta recomendada pelo estado me parece soviética ou algo assim.)

Ao universalizar os regulamentos sobre alimentos, o governo proíbe as pessoas de lucrar atendendo a nichos de mercado. Graças a Deus, os Estados Unidos da América não proíbem o agronegócio e o comércio de melhorar seus produtos por meios artificiais (fertilizantes e similares), mesmo com um vasto mercado disponível para alimentos cultivados organicamente.

Talvez não haja contabilidade para o gosto, mas os negócios estão sempre prontos para servir à mais ampla variedade possível, desde que o governo não esteja presente com sua padronização e arregimentação. Se os reguladores dizem que o joio deve sempre ser separado do trigo, isso nega aos comedores de joio a oportunidade de comprar o que querem e proíbe os produtores de atender à demanda do consumidor.

Um correspondente trouxe o caso de uma índia que ficou chocada com o fato de os americanos não precisarem peneirar o arroz para remover as pedrinhas, como ela fazia em seu país natal. O autor disse que isso ocorre porque, nos Estados Unidos, o governo não permite que os produtores de arroz deixem pedrinhas no arroz. Por isso, diz ele, devemos ser gratos e fazer uma oração de agradecimento ao estatismo progressista de esquerda.

Bem, não sei se realmente existe ou não um regulamento que diz aos produtores de arroz que eles não devem deixar nenhuma pedrinha em seu arroz. Mas espero que não. Em primeiro lugar, os produtores de arroz têm um forte incentivo para remover partículas nas quais as pessoas podem quebrar os dentes. Coloque dois sacos de arroz em uma prateleira do supermercado, um que diz peneirado e o outro que diz não peneirado, e veremos qual deles vende. Se ninguém vende arroz peneirado, há uma oportunidade empreendedora para alguém. De uma coisa nós podemos ter certeza: nenhum burocrata do governo jamais concebeu e implementou uma mudança viável que melhorasse nossas vidasque um empresário não tivesse pensado antes.

Nem sempre podemos saber com antecedência o que constitui uma mudança que melhora nossas vidas: posso facilmente imaginar alguns esnobes do arroz insistindo que o processo de peneiração estraga o sabor. Em última análise, devemos deixar para a negociação do consumidor e do produtor descobrir o que deve ou não ser incluído ou informado nos alimentos. O mecanismo de mercado é altamente sensível às demandas dos consumidores por sabor e qualidade — e de fato esta é outra razão pela qual as pessoas criticam o mercado. As pessoas dizem que é um desperdício social atender a todos os nichos, todos os caprichos, todas as idiossincrasias. Como sempre, o livre mercado é culpado, não importa o resultado.

O que está realmente em jogo é uma questão de história, causalidade e fé. Devemos nosso alto padrão de vida ao mercado ou ao estado? Essa é a questão. Os intervencionistas e estatistas dão crédito ao estado porque eles confundem suas conexões causais (e isso é porque eles não estudaram economia) e assumem a fé para dar crédito ao governo por coisas que ele não pode fazer.

O estado desde o mundo antigo até o presente não criou nada. Só tomou. O mercado, por outro lado, faz mais milagres todos os dias do que podemos contar. Isso não é dogma; a evidência é tão esmagadora que é preciso muita fé para acreditar no contrário.

Da próxima vez que você acreditar que o Estado pode fazer qualquer coisa melhor do que o mercado, imagine um mar de burocratas permanentes, lobistas, políticos bajuladores e aqueles participantes malucos de convenções políticas e pergunte-se: o que essas pessoas podem fazer para que os indivíduos na sociedade — agindo em seu próprio interesse, coordenando a troca por meio do processo de mercado, testando constantemente as decisões quanto a viabilidade econômica e a demanda do consumidor — não pode fazer. A resposta é nada. Não há nada que o Estado possa fazer e que deve ser feito que o mercado não possa fazer melhor.

Antes de escrever para me dizer que sem o estado, haveria uma mosca em cada sopa, leia Homem, Economia & Estado, de Murray Rothbard. É a melhor explicação de como a sociedade se administra muito bem sem um bando de criminosos de aparência respeitável dizendo a todos o que fazer.

 

______________________

Notas

[1] Public Broadcasting Service, mais conhecida como PBS, é uma rede de televisão americana de carácter educativo-cultural, sem publicidade, em contraponto às grandes redes comerciais que operam no país. Antigamente ela se chamava NET, até que em 5 de outubro de 1970 mudou para o nome atual.

[2] O maniqueísmo é uma filosofia religiosa sincrética e dualística fundada e propagada por Manes ou Maniqueu, filósofo heresiarca do século III, que divide o mundo simplesmente entre Bom, ou Deus, e Mau, ou o Diabo. A matéria é intrinsecamente má, e o espírito, intrinsecamente bom.

[3] O DDT é o primeiro pesticida moderno, tendo sido largamente usado durante e após a Segunda Guerra Mundial para o combate aos mosquitos vetores de doenças como malária e dengue. Os primeiros usos em grande escala foram na região da Birmânia pelos ingleses em 1941 para o combate da malária durante a invasão japonesa.

[4] O escândalo surgiu no dia 20 de novembro de 2009, onde hackers acederam, através de um servidor da Universidade de East Anglia (Reino Unido), a centenas de mails trocados entre conhecidos climatologistas britânicos e norte-americanos, onde aparentemente se discutem formas de manipular dados científicos para exacerbar os argumentos dos cépticos e suportar a tese da origem humana do aquecimento global.