V – Igualitarismo econômico: Ninguém merece ser melhor do que ninguém

0
Tempo estimado de leitura: 13 minutos

Um marciano perspicaz visitando a Terra faria duas observações sobre os Estados Unidos — uma verdadeira, a outra apenas superficialmente verdadeira. Com base em seus exercícios incessantes de autocomplacência, os Estados Unidos da América lhe parece um lugar onde o pensamento livre é encorajado e onde o homem luta contra todos os grilhões em sua mente que as forças reacionárias um dia colocaram lá. Essa é a verdade superficial.

A verdade real, que nosso marciano descobriria depois de observar como os americanos realmente se comportam, é que a gama de opiniões que os cidadãos podem nutrir é bem mais limitada do que parece à primeira vista. Existem, ele logo descobrirá, certas ideias e posições nas quais todos os americanos deveriam acreditar e saudar. Quase no topo da lista está a igualdade, uma ideia para a qual nunca recebemos uma definição precisa, mas para a qual todos devem se ajoelhar.

Um libertário está perfeitamente em paz com o fenômeno universal da diferença humana. Ele não deseja que isso desapareça, ele não parasse irrita com isso, ele não finge não notar. Isso lhe dá outra oportunidade de se maravilhar com um milagre do mercado: sua capacidade de incorporar praticamente qualquer pessoa à divisão do trabalho.

Na verdade, a divisão do trabalho é baseada na diferença humana. Cada um de nós encontra o nicho que melhor se adapta aos nossos talentos naturais e, ao nos especializarmos nesse aspecto específico, podemos servir ao próximo com mais eficácia. Nosso próximo, da mesma forma, se especializa naquilo para o que é mais adequado, e nós, por sua vez, nos beneficiamos dos frutos de seu conhecimento e habilidade especializados.

E de acordo com a lei da vantagem comparativa de David Ricardo, que Mises generalizou em sua lei da associação, mesmo que uma pessoa seja melhor do que outra em absolutamente tudo, a pessoa menos capaz ainda pode florescer em um livre mercado. Por exemplo, mesmo que o maior e mais bem-sucedido empresário que você possa imaginar seja um faxineiro melhor do que qualquer outra pessoa na cidade e também uma secretária melhor do que todas as outras secretárias da cidade, não faria sentido para ele limpar seu próprio escritório ou datilografar toda a sua correspondência. Seu tempo é tão melhor gasto no nicho de mercado no qual ele se destaca que seria absurdo para ele perder tempo com essas coisas. Na verdade, qualquer pessoa que desejasse contratá-lo como faxineiro teria de pagar-lhe milhões de dólares para compensar por tê-lo afastado do trabalho extremamente remunerado que, de outra forma, estaria fazendo. Portanto, mesmo um faxineiro médio é muito mais competitivo no mercado de limpeza de escritório do que nosso empresário fictício, uma vez que o faxineiro médio pode cobrar, digamos, US$ 15 por hora em vez dos US$ 15.000 que nosso empresário, ciente do custo de oportunidade, teria de cobrar.

Portanto, há um lugar para todos na economia de mercado. E mais, uma vez que a economia de mercado recompensa aqueles que são capazes de produzir bens a preços acessíveis para um mercado de massa, é precisamente a pessoa média a quem os capitães da indústria são praticamente forçados a atender. Este é um arranjo para comemorar, não lastimar.

Não é assim que os igualitários veem, é claro, e aqui me volto para o trabalho daquele grande anti-igualitário, Murray N. Rothbard. Murray lidou com o tema da igualdade em parte em seu grande ensaio “Liberdade, Desigualdade, Primitivismo e Divisão do Trabalho”, mas realmente mergulhou no assunto em Igualitarismo como uma Revolta contra a Natureza, que serve como um capítulo salutar de seu maravilhoso livro. É em Murray que meus próprios comentários aqui se inspiram.

A devoção atual à igualdade não é de origem antiga, como Murray apontou:

A atual veneração da igualdade é, de fato, uma noção muito recente na história do pensamento humano. Entre os filósofos ou pensadores proeminentes, a ideia mal existia antes de meados do século XVIII; se mencionado, foi apenas como objeto de horror ou ridículo. A natureza profundamente anti-humana e violentamente coercitiva do igualitarismo ficou clara no influente mito clássico de Procusto, que “obrigava os viajantes a deitarem-se em uma cama e, se fossem longos demais para a cama, ele cortava aquelas partes de seus corpos que se projetavam, enquanto estendia as pernas dos que eram muito curtos. ”

O que devemos entender pela palavra igualdade? A resposta é: não sabemos realmente. Seus proponentes fazem muito pouco esforço para nos revelar exatamente o que têm em mente. Tudo o que sabemos é que é melhor acreditarmos.

É exatamente essa falta de clareza que torna a ideia de igualdade tão vantajosa para o Estado. Ninguém está inteiramente certo a que devota-se o princípio da igualdade. E acompanhar suas demandas em constante mudança é ainda mais difícil. O que ontem eram duas coisas obviamente diferentes podem se tornar precisamente iguais hoje, e é melhor você acreditar que são iguais se não quiser ter sua reputação destruída e sua carreira arruinada.

Esse foi o cerne da célebre disputa entre o neoconservador Harry Jaffa e o paleo-conservador ME Bradford, travada nas páginas da Modern Age nos anos 1970. Igualdade é um conceito que não pode e não será mantido contido ou pregado. Bradford tentou em vão fazer Jaffa entender que Igualdade com I maiúsculo era uma receita para uma revolução permanente.

Agora, os igualitários querem dizer nos devotamos a proposição de que qualquer um é potencialmente um astrofísico, desde que seja criado no ambiente adequado? Talvez não. Alguns deles certamente acreditam em tal coisa, no entanto. Em 1930, a Enciclopédia das Ciências Sociais afirmava que “ao nascer, bebês humanos, independentemente de sua hereditariedade, são tão iguais quanto carros Ford”. Ludwig von Mises, em contraste, sustentou que “o fato de que os homens nascem desiguais em relação às capacidades físicas e mentais não pode ser contestado. Alguns superam seus semelhantes em saúde e vigor, em cérebro e aptidões, em energia e resolução e, portanto, estão mais bem preparados para a realização de assuntos terrenos do que o resto da humanidade.” Mises cometeu um crime de ódio aí, pelos padrões dos igualitários? Novamente, nós realmente não sabemos.

Depois, temos a “igualdade de oportunidades”, mas até mesmo esse slogan conservador comum é repleto de problemas. A resposta óbvia é que, para haver uma verdadeira igualdade de oportunidades, é necessária uma ampla intervenção governamental. Pois como se pode dizer que alguém em uma família pobre com pais indiferentes tem “igualdade de oportunidades” com os filhos de pais ricos que estão profundamente envolvidos em suas vidas?

Então, há igualdade em um sentido cultural, em que se espera que todos ratifiquem as escolhas pessoais de todos os outros. Os igualitários culturais realmente não querem dizer isso, é claro: nenhum deles exige que as pessoas que não gostam de cristãos se sentem e aprendam teologia escolástica para entendê-los melhor. E aqui descobrimos algo importante sobre todo o programa igualitário: não se trata realmente de igualdade. É sobre algumas pessoas exercendo poder sobre outras.

Na Universidade do Tennessee, o Gabinete de Diversidade e Inclusão explicou que os pronomes tradicionais do inglês, sendo opressivos para pessoas que não se identificam com o gênero ao qual foram “designados no nascimento”, devem ser substituídos por algo novo. O escritório de diversidade recomenda uma lista de novos pronomes como substitutos para os considerados opressivos. Ao abordar as pessoas pela primeira vez, foi dito aos alunos que deveríamos dizer algo como: “Prazer em conhecê-lo. Que pronomes devo usar?”

Quando o mundo inteiro começou a rir dessa proposta, a universidade se esforçou para garantir a todos que eram apenas sugestões. Claro, o que não são sugestões são os pensamentos que se espera que todas as pessoas de pensamento correto tenham sobre questões morais que foram decididas por nós por nossa mídia e nossas classes políticas.

Outro aspecto da igualdade é, obviamente, a desigualdade de renda. Somos informados de como é terrível que algumas pessoas tenham muito mais do que outras, mas raramente ou nunca somos informados de quanta (se houver) riqueza extra a sociedade igualitária permitiria que os mais qualificados tivessem, ou sob quais fundamentos não-arbitrários tal julgamento poderia ser proferido.

John Rawls foi possivelmente o filósofo político mais influente do século XX e apresentou uma famosa defesa do igualitarismo em seu livro Uma Teoria da Justiça, que tentou responder a essa questão (entre outras). Se eu puder resumir seu argumento abreviadamente, ele afirmou que escolheríamos uma sociedade igualitária se, ao contemplarmos as regras da sociedade sob as quais gostaríamos de viver, não tivéssemos ideia de qual seria nossa posição nessa sociedade. Se não soubéssemos se seríamos homem ou mulher, rico ou pobre, talentoso ou sem talento, reduziríamos nossas apostas defendendo uma sociedade em que todos fossem tão iguais quanto possível. Dessa forma, se tivermos azar e entrarmos no mundo sem talentos, ou membros de uma minoria desprezada, ou sobrecarregados com qualquer outra deficiência, ainda poderemos ter a certeza de uma existência confortável, senão luxuosa.

Rawls estava disposto a permitir algum grau de desigualdade, mas apenas se seu efeito fosse ajudar os pobres. Em outras palavras, os médicos poderiam ganhar mais dinheiro do que outras pessoas se esse incentivo financeiro os tornasse mais propensos a se tornarem médicos. Se a renda fosse igualada, as pessoas teriam menos probabilidade de se dar ao trabalho de se tornarem médicas, e os pobres seriam privados de cuidados médicos. Portanto, a desigualdade poderia ser permitida, mas apenas por motivos igualitários, não porque as pessoas tenham o direito de adquirir e desfrutar de propriedades sem medo de expropriação.

Visto que ninguém em sã consciência aceita o igualitarismo completo, Rawls estava fadado a ter problemas. Esse problema veio na forma de suas tentativas de lidar com a igualdade entre os países. Mesmo o mais dedicado igualitário que vive no Primeiro Mundo não favorece seriamente uma equalização da riqueza entre os países. Professores universitários que ensinam a superioridade moral do igualitarismo durante o dia querem suas festas com vinho e queijo à noite.

Assim, Rawls apresentou um argumento forçado e pouco convincente de que, embora a desigualdade entre as pessoas fosse ultrajante e só pudesse ser justificada com base no fato de ajudar ou não os mais pobres, a desigualdade entre os países era normal. Ele então começou a apresentar as razões pelas quais a desigualdade entre os países era normal, embora essas fossem as razões exatas para ele ter dito que a desigualdade entre os indivíduos era inaceitável.

Mesmo que o igualitarismo pudesse ser defendido filosoficamente, há a pequena questão de implementá-lo no mundo real. Apenas uma razão pela qual o sonho igualitário não pode ser realizado envolve o que Robert Nozick chamou de problema de Wilt Chamberlain; James Otteson chamou algo assim de “problema do segundo dia”. No apogeu de Chamberlain, todos gostavam de vê-lo jogar basquete. As pessoas pagavam de bom grado para vê-lo jogar. Mas suponha que comecemos com uma distribuição igualitária de riqueza e então todos saiam correndo para assistir a um jogo de basquete de Chamberlain. Muitos milhares de pessoas voluntariamente entregam uma parte de seu dinheiro a Chamberlain, que agora se torna muito mais rico do que todos os outros.

Em outras palavras, o padrão de distribuição de riqueza é perturbado assim que alguém se envolve em qualquer troca. Devemos cancelar os resultados de todas essas trocas e devolver o dinheiro de todos aos proprietários originais? Será que Chamberlain será privado do dinheiro que as pessoas livremente escolheram dar a ele em troca do entretenimento que ele proporcionou?

Mas a razão pela qual o estado considera a igualdade um ideal moral é precisamente porque ela é inatingível. Podemos nos esforçar para sempre por isso, mas nunca poderemos alcançá-lo. Que ideologia poderia ser melhor, do ponto de vista do estado? O estado pode se apresentar como o agente indispensável da justiça, ao mesmo tempo que atrai cada vez mais poder e recursos para si — sobre educação, emprego, redistribuição de riqueza e praticamente qualquer área da vida social ou da economia que você puder citar – no curso de perseguir o programa igualitário inatingível. “A igualdade não pode ser imaginada fora da tirania”, disse Montalembert. Ela foi, disse ele, “nada além da canonização da inveja, [e] nunca foi nada além de uma máscara que não poderia se tornar realidade sem a abolição de todo mérito e virtude.”

Ao trabalhar em prol da igualdade, o estado expande seu poder às custas de outras formas de associação humana, incluindo a própria família. A família sempre foi o principal obstáculo ao programa igualitário. O próprio fato de os pais diferirem em seus conhecimentos, níveis de habilidade e devoção aos filhos significa que os filhos em nenhuma casa podem ser criados “igualmente”.

Robert Nisbet, o sociólogo da Universidade de Columbia, questionou abertamente se Rawls seria honesto o suficiente para admitir que seu sistema, se seguido até sua conclusão lógica, levaria à abolição da família. “Sempre achei o tratamento dispensado à família um excelente indicador do grau de zelo e autoritarismo, aberto ou latente, em um filósofo moral ou teórico político”, disse Nisbet. Ele identificou duas tradições de pensamento na história ocidental. Uma que ele rastreou de Platão a Rousseau, que identificou a família como uma barreira perversa para a realização da verdadeira virtude e justiça. A outra, que via a família como um ingrediente central tanto na liberdade quanto na ordem, ele a seguiu de Aristóteles a Burke e Tocqueville.

O próprio Rawls parecia admitir que a lógica de seu argumento tendia na direção da linha de pensamento Platão/Rousseau, embora ele em última instância – e não convincentemente — recuasse. Aqui estão as próprias palavras de Rawls:

Parece que quando uma oportunidade justa (como foi definida) for satisfeita, a família levará a chances desiguais entre os indivíduos. A família será abolida então? Tomada por si mesma e com certa primazia, a ideia de oportunidades iguais se inclina nessa direção. Mas, no contexto da teoria da justiça como um todo, há muito menos urgência em seguir esse curso.

Nisbet não se consolou com as garantias patéticas de Rawls. Pode para Rawls, ele se perguntou,

há muito tempo ter negligenciado a família, dada sua relação demonstrável com a desigualdade? Rousseau foi ousado e consistente onde Rawls é acanhado. Se os jovens devem ser criados no seio da igualdade, “desde cedo acostumados a considerar sua própria individualidade apenas em sua relação com o corpo do Estado, a estar cientes, por assim dizer, de sua própria existência apenas como parte daquela do Estado”, então eles devem ser salvos do que Rousseau chama de “a inteligência e os preconceitos dos pais”.

A obsessão com a igualdade, em resumo, mina todos os indicadores de saúde que podemos procurar em uma civilização. Envolve uma loucura tão completa que, embora flerte com a destruição da família, nunca pausa para considerar se essa conclusão pode significar que toda a linha de pensamento pode ter sido perturbada para começar. Isso leva à destruição de padrões — acadêmicos, culturais e comportamentais. Baseia-se em afirmações, em vez de evidências, e tenta ganhar terreno não por meio de argumentos racionais, mas intimidando os oponentes para que se calem. Não há nada de honroso ou admirável em qualquer aspecto do programa igualitário.

Murray observou que apontar a loucura do igualitarismo foi um bom começo, mas não o suficiente. Precisamos mostrar que a chamada luta pela igualdade é, na verdade, toda sobre poder para o Estado, e nada sobre ajudar os oprimidos. Ele escreveu:

Para formular uma resposta eficaz ao igualitarismo reinante em nossa época, portanto, é necessário, mas dificilmente suficiente, demonstrar o absurdo, a natureza anticientífica, a natureza autocontraditória da doutrina igualitária, bem como as consequências desastrosas do programa igualitário. Tudo muito bem nisso. Mas perde a natureza essencial, bem como a refutação mais eficaz para, o programa igualitário: expô-lo como uma máscara para a ambição de poder das elites intelectuais e da mídia esquerdistas agora dominantes. Uma vez que essas elites são também a classe formadora de opinião até então incontestada na sociedade, seu domínio não pode ser desalojado até que ao público oprimido, instintivamente mas incipientemente oposto a essas elites, seja mostrado a verdadeira natureza das forças cada vez mais odiadas que as governam. Para usar as frases da Nova Esquerda do final dos anos 1960, a elite dominante deve ser “desmistificada”, “deslegitimada” e “dessantificada”. Nada pode promover sua dessantificação mais do que a compreensão pública da verdadeira natureza de seus slogans igualitários.

A luta pela liberdade não deve ser confundida com panaceias igualitárias como o feminismo. Poderíamos ganhar a simpatia da esquerda repetindo sua linguagem de igualitarismo e proclamando em voz alta nossa fidelidade às restrições morais do Estado? Não é absolutamente impossível, suponho. Mas considero muito mais provável que a esquerda se divirta com essas claras tentativas de agradar e continue vendo os libertários com o mesmo desprezo de antes.

Claro, é maravilhoso colaborar em questões importantes com pessoas que têm perspectivas diferentes das nossas. Não devo ser entendido como me opondo a isso. Você seria duramente pressionado para encontrar um site libertário mais eclético do que LRC[1]. O próprio Sr. Libertário, Murray N. Rothbard, ficava feliz em conversar e aprender com qualquer pessoa que pudesse, como sua ampla biblioteca, hoje de propriedade do Mises Institute, atesta amplamente.

Mas se esperamos enganar as pessoas para que se tornem libertários, iremos fracassar. E se acharmos que o flerte libertário com o igualitarismo é uma boa ideia, já fracassamos.

Sim, acreditamos em coisas fora de moda, como a abolição da lei anti-discriminação. Do contrário, não seríamos libertários. Vinculado ao princípio da liberdade de associação estão todos os princípios libertários essenciais: autopropriedade, o significado dos títulos de propriedade e não-agressão.

É fácil defender os direitos das pessoas que são populares e cujas opiniões estão na moda. É muito mais difícil — até mesmo ingrato — defender os direitos daqueles que a sociedade despreza. Os libertários não precisam endossar ou realmente ser tais pessoas — não conheço ninguém que proponha tal coisa — mas se não defendermos seus direitos, seremos fraudes.

Algumas das coisas que acreditamos podem ser difíceis de aceitar quando ouvidas pela primeira vez. Mas, a longo prazo, é mais provável que sejam persuadidos por um libertário consistente e de princípios do que por alguém que está obviamente tentando bajular eles.

Considere o exemplo de Ron Paul. Ele deu respostas libertárias diretas a todas as perguntas que lhe foram feitas durante suas campanhas presidenciais. Como todos deveríamos ter, ele teve uma noção de seu público e explicou essas ideias de uma forma que eles provavelmente entenderiam e apreciariam. Mas ele nunca desistiu. Ele se opôs à lei anti-discriminação? Sim. Ele discordou da versão apresentada da Guerra Civil, da qual o regime deriva muito de sua legitimidade? Sim. E assim por diante, na linha de respostas fora de moda às perguntas dos controladores de pensamento.

O resultado? O maior aumento no interesse dos jovens pelo libertarianismo em toda a sua história.

Ron sempre se comporta como um cavalheiro, é claro, e seu comportamento gentil, juntamente com seus comentários puros e não ensaiados, certamente aumentaram seu apelo. Mas as pessoas se sentiam atraídas por ele porque, ao contrário de seus oponentes orientados por marketeiros, ele lhes dizia a verdade, e sem vergonha ou desculpas.

O libertarianismo está preocupado com o uso da violência na sociedade. Isso é tudo. Não é outra coisa. Não é feminismo. Não é igualitarismo (exceto em um sentido funcional: todos igualmente carecem de autoridade para agredir qualquer outra pessoa). Não tem nada a dizer sobre estética. Não tem nada a dizer sobre religião, raça, nacionalidade ou orientação sexual. Não tem nada a ver com campanhas de esquerda contra o “privilégio branco”, a menos que esse privilégio seja fornecido pelo Estado.

Deixe-me repetir: o único “privilégio” que importa para um libertário enquanto libertário é o tipo que vem do cano da arma do estado. Discorde dessa afirmação, se quiser, mas, nesse caso, você terá que substituí-la por outra palavra que não seja libertário para descrever sua filosofia.

É claro que os libertários são livres para se preocupar com questões como feminismo e igualitarismo. Mas seu interesse nessas questões não tem nada a ver com, e não é exigido por ou uma característica necessária de, seu libertarianismo. Consequentemente, eles não podem impor essas preferências a outros libertários ou se retratar como libertários mais puros, mais consistentes ou mais completos. Já vimos o suficiente de nossas palavras distorcidas e apropriadas por outros. Não pretendemos permitir que eles tenham libertário.

Como Rothbard disse:

Existem libertários que são de fato hedonistas e devotos de estilos de vida alternativos, e que também existem libertários que são firmes adeptos da moralidade “burguesa” convencional ou religiosa. Existem libertinos libertários e existem libertários que se apegam firmemente às disciplinas do direito natural ou religioso. Existem outros libertários que não têm nenhuma teoria moral além do imperativo de não violação de direitos. Isso porque o libertarianismo per se não tem uma teoria moral geral ou pessoal.

O libertarianismo não oferece um estilo de vida; oferece liberdade, de modo que cada pessoa é livre para adotar, e agir de acordo com, seus próprios valores e princípios morais. Os libertários concordam com Lord Acton que “a liberdade é o fim político mais elevado” — não necessariamente o fim mais elevado na escala de valores pessoais de todos.

Os libertários não são adequados para o negócio de controle do pensamento. Já é difícil tentar persuadir as pessoas a adotar pontos de vista radicalmente opostos ao que aprenderam ao longo de suas vidas. Se pudermos persuadi-los do princípio da não agressão, ficaremos encantados. Não há necessidade de complicar as coisas impondo arbitrariamente uma lista de opiniões aprovadas pelo regime sobre o ensino fundamental de nossa filosofia.

O libertarianismo é um edifício bonito e elegante de pensamento e prática. Ele começa e baseia-se logicamente no princípio da autopropriedade. Na sociedade que ela exige, ninguém pode iniciar força física contra outra pessoa. O que isso diz sobre a visão libertária das enormidades morais que vão da escravidão à guerra deveria ser óbvio, mas o compromisso libertário com a liberdade se estende muito além dos claros e óbvios flagelos da humanidade.

Nossa posição não é apenas que o estado é um mal moral, mas que a liberdade humana é um tremendo bem moral. Os seres humanos devem interagir uns com os outros com base na razão — sua característica distintiva — e não com carrascos e armas. E quando o fazem, os resultados, por um acaso bem-vindo, são padrões de vida elevados, uma explosão de criatividade e avanço tecnológico e paz. Mesmo nas sociedades parcialmente capitalistas do mundo, centenas de milhões, senão bilhões de pessoas foram libertadas das condições miseráveis ​​e devastadoras da existência precária em troca de vidas muito mais significativas e gratificantes.

O libertarianismo, em outras palavras, em sua forma pura e não diluída, é intelectualmente rigoroso, moralmente consistente e totalmente excitante e emocionante. Não precisa e não deve ser fundido com nenhuma ideologia estranha. Isso pode levar apenas à confusão e ao enfraquecimento das reivindicações morais centrais e do apelo geral da mensagem de liberdade.

 

_________________________

Notas

[1] lewrockwell.com