Jornal dinamarquês pede desculpas por seguir “hipnoticamente” a narrativa COVID do governo

2
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

“Falhamos.”

Um importante jornal dinamarquês pediu desculpas por seguir “hipnoticamente” as narrativas do governo sobre a pandemia do COVID-19, admitindo que “falharam”.

De fato, “nós falhamos” é a própria manchete usada pelo jornal Ekstra Bladet, que admite: “Por QUASE dois anos, nós – a imprensa e a população – estivemos quase hipnoticamente preocupados com os números diários de coronavírus das autoridades. .”

O jornal também reconheceu que havia falhado na importante questão de analisar o número de pessoas que morreram com COVID e não de COVID.

“NÃO fomos cautelosos o suficiente para fazer as autoridades responderem que realmente as pessoas estavam hospitalizadas com corona e não por causa do corona. Porque isso faz muita diferença. Uma grande diferença”, afirma o editorial.

O artigo também afirma que políticos e autoridades ‘mentiram’ sobre outros aspectos da pandemia e que isso fez com que a população perdesse a confiança neles.

O jornal também destacou que a eficácia das vacinas para interromper a pandemia foi amplamente exagerada pelas autoridades de saúde.

“Dizem consistentemente que as vacinas são nossa ‘super arma’. E nossos hospitais são chamados de ‘super-hospitais’. No entanto, esses super-hospitais estão aparentemente sobrecarregados ao máximo, embora quase toda a população esteja armada com uma super arma. Até as crianças foram vacinadas em grande escala, o que não foi feito em nossos países vizinhos”.

Como destacamos anteriormente, o editor-chefe do principal jornal da Alemanha, Bild, também se desculpou pela cobertura do COVID pelo medo do meio de comunicação, especificamente para crianças que foram informadas “de que matariam sua avó”.

Julian Reichelt pediu desculpas pela cobertura do Bild, que foi “como veneno” e “fez você se sentir como se fosse um perigo mortal para a sociedade”.

“Outros meios de comunicação terão a integridade jornalística para seguir o exemplo?” pergunta Zero Hedge.

“Outros meios de comunicação terão a integridade jornalística para seguir o exemplo? Talvez a audiência da CNN não tivesse caído 90% em relação ao ano passado na faixa demográfica de 25 a 54 anos se eles simplesmente admitissem sua cumplicidade em vomitar propaganda do governo sem parar.”

 

 

Artigo original aqui

2 COMENTÁRIOS