À medida que a narrativa colapsa, principal imunologista israelense detona autoridades de saúde

3
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Um dos principais imunologistas de Israel escreveu uma carta condenatória na qual ele critica a gestão global da pandemia de COVID-19 como um desastre vergonhoso impulsionado por “propaganda falsa”.

O professor Ehud Qimron é chefe do Departamento de Microbiologia e Imunologia da Universidade de Tel Aviv.

Sua carta fala por si mesma e perderia força se não fosse citada em sua integridade.

O professor eviscera todas as facetas da resposta à pandemia, desde o fracasso deliberado em buscar a imunidade do rebanho, a futilidade dos lockdowns e a idiotice dos testes em massa. Udi Qimron, chefe do Departamento de Microbiologia e Imunologia da Universidade de Tel Aviv e importante imunologista israelense, aproveitou a oportunidade apresentada pela narrativa em colapso para divulgar esta carta aberta às autoridades:

 

Ministério da Saúde, é hora de admitir o fracasso

No final, a verdade sempre será revelada e a verdade sobre a política do coronavírus está começando a ser revelada. Quando as abordagens destrutivas desmoronam uma a uma, a única coisa que resta a fazer é dizer aos especialistas que lideraram o gerenciamento da pandemia – nós avisamos.

Dois anos depois, você finalmente percebe que um vírus respiratório não pode ser derrotado e que qualquer tentativa desse tipo está fadada ao fracasso. Você não admite isso, porque não admitiu quase nenhum erro nos últimos dois anos, mas em retrospecto fica claro que fracassou miseravelmente em quase todas as suas ações, e até a mídia já está tendo dificuldade em esconder sua vergonha.

Você se recusou a admitir que a infecção vem em ondas que desaparecem por si mesmas, apesar de anos de observações e conhecimento científico. Você insistiu em atribuir cada declínio de uma onda apenas às suas ações e, assim, por meio de propaganda enganosa, “você superou a praga”. E novamente você a derrotou, e de novo e de novo e de novo.

Você se recusou a admitir que o teste em massa é ineficaz, apesar de seus próprios planos de contingência afirmarem isso explicitamente (“Plano de Preparação do Sistema de Saúde da Gripe Pandêmica, 2007”, p. 26).

Você se recusou a admitir que a recuperação protege mais que uma vacina, apesar do conhecimento e das observações anteriores que mostram que as pessoas vacinadas não recuperadas são mais propensas a serem infectadas do que as pessoas recuperadas. Você se recusou a admitir que os vacinados são contagiosos apesar das observações. Com base nisso, você esperava alcançar a imunidade do rebanho por vacinação – e também falhou nisso.

Você insistiu em ignorar o fato de que a doença é dezenas de vezes mais perigosa para grupos de risco e idosos, do que para jovens que não estão em grupos de risco, apesar do conhecimento que veio da China já em 2020.

Você se recusou a adotar a “Declaração de Great Barrington”, assinada por mais de 60.000 cientistas e profissionais médicos, ou outros programas de bom senso. Você escolheu ridicularizá-los, caluniá-los, distorcê-los e desacreditá-los. Em vez dos programas e das pessoas certas, você escolheu profissionais que não possuem treinamento relevante para o gerenciamento de pandemias (físicos como conselheiros-chefes do governo, veterinários, agentes de segurança, pessoal da mídia e assim por diante).

Você não configurou um sistema eficaz para relatar os efeitos colaterais das vacinas e os relatórios sobre os efeitos colaterais foram excluídos da sua página do Facebook. Os médicos evitam vincular os efeitos colaterais à vacina, para que você não os persiga como fez com alguns de seus colegas. Você ignorou muitos relatos de mudanças na intensidade menstrual e nos tempos do ciclo menstrual. Você ocultou dados que permitem uma pesquisa objetiva e adequada (por exemplo, você removeu os dados de passageiros no Aeroporto Ben Gurion). Em vez disso, você optou por publicar artigos não objetivos junto com executivos seniores da Pfizer sobre a eficácia e segurança das vacinas.

Danos irreversíveis à confiança

No entanto, do alto de sua arrogância, você também ignorou o fato de que no final a verdade será revelada. E ela começa a ser revelada. A verdade é que você levou a confiança do público em você a um nível sem precedentes e corroeu seu status como fonte de autoridade. A verdade é que você torrou centenas de bilhões de shekels sem sucesso – por intimidação contra publicações, por testes ineficazes, por lockdowns destrutivos e por interromper a rotina da vida nos últimos dois anos.

Você destruiu a educação de nossos filhos e seu futuro. Você fez as crianças se sentirem culpadas, assustadas, fumarem, beberem, ficarem viciadas, desistirem e brigarem, como atestam diretores de escolas de todo o país. Você prejudicou os meios de subsistência, a economia, os direitos humanos, a saúde mental e a saúde física.

Você caluniou colegas que não se renderam a você, você virou o povo um contra o outro, dividiu a sociedade e polarizou o discurso. Você classificou, sem qualquer base científica, as pessoas que optaram por não se vacinar como inimigas do público e como disseminadoras de doenças. Você promove, de forma inédita, uma política draconiana de discriminação, negação de direitos e apartação de pessoas, inclusive crianças, para sua escolha médica. Uma apartação que carece de qualquer justificativa epidemiológica.

Quando você compara as políticas destrutivas que está executando com as políticas sensatas de alguns outros países – você pode ver claramente que a destruição que você causou apenas criou mais vítimas, além dos vulneráveis ​​ao vírus. A economia que você arruinou, os desempregos que você causou e as crianças cuja educação você destruiu – são as vítimas excedentes apenas como resultado de suas próprias ações.

Atualmente não há emergência médica, mas você mantém o estado de emergência decretado há dois anos por causa do desejo de poder, orçamentos e controle. A única emergência agora é você ainda definindo políticas e mantendo enormes orçamentos para propaganda e engenharia de consciência, em vez de direcioná-los para fortalecer o sistema de saúde.

Esta emergência deve parar!

Essa é uma bela carta, tenho certeza que você vai concordar.

E, no entanto, o que não posso deixar de pensar é: praticamente tudo nesta carta era conhecido por todos que acompanham esse instituto há muito tempo.

 

 

 

Artigo original aqui

3 COMENTÁRIOS