Kyle Rittenhouse, os McCloskeys, e a defesa contra os bárbaros

1
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Na semana passada, vimos mais uma vez imagens já bastante comuns de pequenos comércios sendo incendiados e civis desarmados sendo espancados nas ruas. O epicentro desta vez foi Kenosha, Wisconsin, onde manifestantes e saqueadores de diversas áreas se juntaram aos manifestantes na cidade indignados com os tiros disparados pelo polícia contra Jacob Blake. Kenosha não foi de forma alguma a única comunidade aterrorizada nos últimos dias, pois o Twitter ficou cheio de cenas como novos saques em Minneapolis, turbas ameaçando clientes de restaurantes em Washington, DC e lojas destruídas em Denver, Colorado.

Embora a destruição do centro da cidade americana não seja nenhuma novidade em 2020, a sensação de escalada de violência, juntamente com as crescentes preocupações sobre o impacto que a agitação está tendo sobre os números das pesquisas eleitorais de Joe Biden, está começando a mudar a forma como a mídia está enquadrando esses incidentes.

Como geralmente acontece com a imprensa corporativa, a estrutura é fundamentalmente desonesta.

Por exemplo, após uma campanha agressiva de políticos democratas, da mídia e até mesmo de gigantes corporativos tentando demonizar Kyle Rittenhouse, o jovem de dezessete anos que atirou em três indivíduos que o atacaram em Kenosha na semana passada, o tiro que um apoiador de Trump tomou em Portland durante o fim de semana fez a mídia tentar equacionar os dois eventos. O tema subjacente: a violência nas ruas é culpa de Trump. Joe Biden, que outrora equiparou os membros do movimento Tea Party a “terroristas“, agora está muito preocupado com a retórica política inflamada.

Claro, os dois incidentes são semelhantes apenas no fato de que ambos terminaram com mortes. Graças à ampla diseminação de câmeras na forma de smartphones, temos imagens de ambos os incidentes.

No caso de Kyle Rittenhouse, sabemos por fotos, entrevistas e filmagens que ele estava em Kenosha para ajudar na limpeza de pichações e proteger empresas que haviam sido vítimas em noites anteriores. Em uma época em que a polícia do estado abandonou em grande parte seu dever de proteger os pagadores de impostos, em vez de se concentrar na preservação de imóveis do Estado, é inevitável ver a mobilização de indivíduos armados no papel de defensores da propriedade.

Desafortunadamente, enquanto ajudava nessa função, Rittenhouse acabou tirando a vida de outras pessoas. No entanto, podemos ver nitidamente duas de suas vítimas tentando agressivamente atacá-lo enquanto estava no chão após ser perseguido. A primeira vítima pode ser vista perseguindo-o e jogando objetos, seguida por outra que dispara uma arma, embora o tiro em si não pareça ter sido capturado pelas câmeras. Testemunhas afirmam que a vítima tentou agarrar a arma de Rittenhouse, enquanto o vídeo antes do incidente mostra um confronto acalorado entre a primeira vítima e um grupo de indivíduos do estilo milícia que aparentemente foram convidados a defender um dos muitos comércios que haviam sido atacados nas noites anteriores. O que é verdadeiramente notável é que Rittenhouse foi capaz de evitar ferir qualquer espectador enquanto se defendia durante o incidente.

O caso em Portland, por outro lado, parece ser bem diferente. Os contraprotestos de grupos de apoio a Trump pareciam ter como objetivo simplesmente antagonizar e atacar aqueles na cidade que têm enfrentado as autoridades locais nos últimos meses. De acordo com aqueles que estavam no local, e com o apoio de um vídeo, a vítima parecia atirar spray de pimenta no atirador antes de sua morte. Essa violência nas ruas talvez fosse inevitável, dados os meses de desordem em um ambiente hiperpolitizado. Se isso levará a alguma mudança na cidade, ainda não se sabe.

Esses, entretanto, não são incidentes comparáveis. A tentativa de combinar a defesa da propriedade com a violência tribal nas ruas reflete o preconceito anticapitalista do zeitgeist moderno.

Como Ludwig von Mises explicou ao longo de sua vida, os direitos de propriedade são o alicerce fundamental não apenas de uma sociedade liberal, mas da própria civilização.

Se a história pudesse nos ensinar alguma coisa, seria que a propriedade privada está inextricavelmente ligada à civilização. (Omnipotent Government, p. 58)

Mises também observou como é fácil incitar turbas contra as classes proprietárias.

Politicamente, não há nada mais vantajoso … do que um ataque aos direitos de propriedade, pois é sempre uma questão fácil incitar as massas contra os proprietários de terras e capital. (Liberalism, p. 69)

Enquanto Mises estava escrevendo no contexto de bodes expiatórios criados pelo governo, no mundo moderno o ataque à propriedade se estende às fileiras dos acadêmicos e da mídia corporativa. O momento do ataque a Kyle Rittenhouse tornou isso particularmente vívido, já que ele foi instantaneamente ligado a dois outros vilões criados pela mídia, Mark e Patricia McCloskey.

Assim como aconteceu com Rittenhouse, o pecado dos McCloskey – aos olhos da mídia – foi sua disposição de usar força letal na defesa dos direitos de propriedade. A aparição de destaque deles na Convenção Nacional Republicana da semana passada facilitou para a esquerda argumentar que a celebração da posição armada dos McCloskey contra invasores encorajou indivíduos como Rittenhouse a usar força mortal contra desordeiros.

Como um senador estadual líder democrata tuitou:

Quando Trump glorifica um, inevitavelmente aparece o outro.

Se você não vê como os McCloskeys incentivam pessoas como Kyle Rittenhouse, então não está prestando atenção. pic.twitter.com/lwpPRPYjAo
– Sen. Mike Gianaris (@SenGianaris) 26 de agosto de 2020

Embora não esteja claro qual impacto os McCloskey tiveram em inspirar Rittenhouse e outros a se organizarem em Wisconsin, se é que houve algum, se a narrativa da esquerda estiver correta, isso tornaria a Convenção Republicana deste ano na raridade que é um evento político ter um efeito positivo para o país.

A normalização de pessoas comuns que tomam uma posição e protegem suas propriedades e suas comunidades deve ser celebrada por aqueles que desejam uma sociedade livre e liberal. O exemplo generalizado de instituições governamentais que não cumprem esse papel vital em comunidades confrontadas com a violência da turba destaca a necessidade de instituições de defesa privadas paralelas para preencher esse vazio. Seja na forma de milícias voluntárias ou segurança privada profissional, uma civilização saudável não pode permitir que saques e tumultos fiquem sem controle em nome da “justiça”. Não importa o que colunistas esquerdistas doentes possam lhe dizer.

Aqueles que são hostis aos direitos de propriedade hoje devem ser vistos como bárbaros modernos, querendo justificar a destruição sob a insidiosa bandeira falsa da justiça. Embora as pesquisas políticas possam estar forçando um pivô retórico sobre essa destruição vindo de organizações como a CNN e os políticos anti-Trump, seu tom simpático a esse comportamento anti-social não deve ser esquecido, nem seu desejo de destruir aqueles dispostos a ficar em seu caminho.

 

Artigo original aqui.