La Resistenza – A ascensão da desobediência civil

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

A ascensão da Resistenza as quarentenas de Covid! Donos de bares e restaurantes italianos optam pela desobediência civil e reabrem

Enfrentando novos decretos de fechamento que duram até março, os donos de estabelecimentos italianos desrespeitam as regras apenas para evitar a falência, enquanto seus clientes preferem a liberdade em vez do medo, e gritam contra a interferência da polícia: ‘Saia daqui! Você trabalha para nós!’

A resistência as quarentenas está aumentando! Quase um ano depois que o governo italiano sinalizou a chegada do assassino Covid-19 às terras europeias, suspendendo voos da China e declarando emergência nacional quando dois casos do vírus foram confirmados em Roma, os bares, cafés e restaurantes do país estão se unindo a uma só voz para rugir, “Basta!”

E se acreditarmos no número de 50.000 estabelecimentos atualmente a bordo, é um movimento que cresce a cada dia.

Na vanguarda desta insurgência estão aqueles orgulhosos fornecedores de massas e pizzas, os cerca de 300.000 proprietários de restaurantes e cafés da Itália. Eles foram duramente atingidos pelo primeira quarentena em março passado, quando se esperava que quase um sexto deles afundasse como resultado dos primeiros meses de restrições. Agora, o último decreto do governo está em vigor até 5 de março, pelo menos, e depois disso, quem sabe?

O dreno insustentável que as regulamentações colocaram nas finanças de muitas daquelas trattorias e bares familiares, extremamente populares e infinitamente charmosos, amados por moradores e turistas, e o colapso que inevitavelmente se segue é uma vergonha nacional. Mas o governo está tão preocupado com lutas internas e turbulências enquanto oscila à beira da sobrevivência que não está em posição de fornecer qualquer tipo de solução de longo prazo.

Representando 3% da economia e empregando mais de 1,2 milhão de pessoas antes da pandemia, os primeiros três meses de quarentena custaram ao setor pelo menos €25 bilhões (mais de US$ 30 bilhões), de acordo com a Federação Italiana de Atividades Públicas (FIPE). Em junho passado, previa a perda de 350 mil empregos e o fechamento de 50 mil bares, restaurantes e pizzarias. Nem é preciso dizer que as perspectivas só pioraram nos últimos seis meses.

Embora as regras da Covid tenham diminuído ligeiramente para alguns desde dezembro, todos os restaurantes ainda têm distanciamento social e medidas de menu descartáveis ​​em vigor e devem fechar até as 18h – excluindo o serviço de jantar.

Com a jornada de trabalho cortada drasticamente pela metade e as receitas caindo em conformidade, não é surpreendente que donos de restaurantes sob cerco estejam se organizando em algo que o governo dificilmente poderá ignorar – uma rebelião generalizada contra as regras em uma campanha de desobediência civil.

Certamente não demorará muito para que os acordes do hino popular anti-facista do século XIX, Bella Ciao, sejam ouvidos nas ruas novamente!

À medida que o entusiasmo em torno da #IoApro (estou aberto) aumenta, políticos como o colega de Silvio Berloscuni da Forza Italia, Vittorio Sgarbi, estão entrando na onda, incitando os rebeldes dos restaurantes com uma diatribe animada contra as regras em que ele exorta os estabelecimentos: “Abra e não se preocupe, no final vamos fazer com que eles engulam suas multas.

Os ânimos estão exaltados. A mídia social está repleta de vídeos feitos em estabelecimentos que violam as regras, com pessoas comendo, dançando, cantando e gritando umas com as outras. Embora a Covid-19 tenha custado 82.000 vidas ao país, os clientes preferem desfrutar da liberdade em vez de viver com medo.

A polícia que apareceu em um restaurante em Roma que estava lotado de clientes que eles tentaram mandar para casa foi abruptamente expulsa aos gritos de “Saia! Pagamos o seu salário com os nossos impostos, você trabalha para nós!”

E os italianos não estão sozinhos em dizer aos seus líderes ‘Já Chega!’ Reunidos nas montanhas nevadas do sul da Polônia, teleféricos, proprietários de hotéis e restaurantes que dependem de turistas também estão desafiando as restrições da Covid-19 lá. Eles dizem que mais um mês de quarentena significaria o fim para eles.

Em vez de seguir as regras, eles optaram por abrir suas portas para os clientes e manter seus negócios à funcionando e para o inferno com quaisquer multas. A alternativa é seguir as regras até 5 de março, quando seus negócios terão falido.

Infelizmente, só podemos imaginar as cenas de desafio nos restaurantes de Roma esta noite, enquanto um garçom segurando um prato fumegante de Spaghetti alla puttanesca cantarola as estrofes finais de Bella Ciao, a canção que se tornou o hino da resistência antifascista dos partisans italianos durante a Segunda Guerra Mundial: “ma verrà un giorno che tutte quante, lavoreremo in libertà – chegará o dia em que todos nós trabalharemos em liberdade.”

 

Artigo original aqui.