É hora do divórcio nacional

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Ambos os cônjuges se tornaram abusivos, verbal e fisicamente. Trocando golpes à esquerda e à direita, tanto literal quanto metaforicamente falando. Não há um terreno comum a ser encontrado e, mesmo que houvesse, neste ponto nenhum dos lados está interessado em entretê-lo. E, no entanto, uma narrativa continua a ser promovida por políticos de ambos os lados: união. Precisamos encontrar uma maneira de nos unir, dizem eles. Biden parece pregar isso todos os dias. “Vamos nos unir, como vocês deploráveis ​​querendo ou não”, é minha interpretação de seus discursos.

E quanto ao nosso tempo, que tipo de união Biden pretende impor aos que não votaram nele? Todos se sentirão unidos quando ele tentar remover à força as armas de milhões de cidadãos responsáveis? Isso certamente não soa como união. Essa retórica é uma farsa, que vai ser eloquentemente (ou nem tanto, já que vem de Biden) dita agora, mas esquecida mais tarde.

Por outro lado, estamos prestes a embarcar em quatro anos de republicanos cantando a mesma canção que os democratas cantaram durante esses últimos quatro anos: “ele não é meu presidente”. Biden será tão ilegítimo aos olhos deles quanto Trump foi aos olhos da esquerda

Não há união a ser encontrada aqui. A polarização atingiu um pico em 6 de janeiro, mas mais picos são inevitáveis. Talvez este ano, talvez mais adiante. Mas eles vão acontecer e podem ser muito piores no futuro.

No entanto, apesar dessa perspectiva sombria, na verdade não precisa ser tão sombrio quanto parece que será. Enquanto mais e mais pessoas estão se conscientizando da realidade de que a união está longe de ser alcançada, a verdadeira realidade é que ela não precisa ser alcançada. A união forçada não é união, o que significa que desde sempre a união como um todo nunca foi uma opção realista.

Portanto, embora os detalhes e as complexidades sejam complicados, a única opção realista neste momento é bastante simples: é hora do divórcio. É hora de pararmos de tentar fazer isso funcionar, porque tudo o que estamos fazendo é bater em paredes de tijolos, metaforicamente falando, e jogar tijolos nas paredes, literalmente falando. O meio-termo mais viável é começar a falar em separação. Porque se não fizermos isso agora, quando faremos? E se esperarmos muito, o que mais pode acontecer?

Como afirmado acima, os detalhes de um divórcio nacional são muito mais complexos e difíceis de entender do que simplesmente dizer que é isso que precisa acontecer. Não posso cobrir em profundidade as opções que apresentarei em termos gerais abaixo, porque isso exigiria uma escrita do tamanho de um livro. Mas acredito que há valor nessas breves descrições. Além disso, a lista abaixo certamente não é exaustiva; estes são apenas os que eu pesquisei pessoalmente.

Secessão individual de estados: Esta é a opção que parece ser mais falada e percebida quando se ouve falar de separação política. E realmente tem havido algumas conversas recentes sobre secessão no estado do Texas, bem como na Califórnia. De modo geral, é um conceito simples: um estado se separa da união e se torna sua própria nação. Outros estados também podem se separar e formar suas próprias nações ou unir-se uns aos outros. A réplica a essa noção é sempre uma referência à Guerra Civil. No entanto, este não é um argumento honesto. Nenhum estado — democrata ou republicano — em nossos dias acalentaria a ideia de se separar da união para escravizar uma raça em particular. É um argumento estúpido.

Regionalismo: é diferente de secessão porque nem sempre tem que envolver Estados individuais. Em vez disso, o país é dividido em diferentes regiões e cada seção é governada mais com foco na cultura política daquela região específica. Semelhante à ideia de secessão, o exemplo óbvio que vem à mente das pessoas é uma divisão Norte/Sul. Mas, na verdade, não acho que seja assim que uma divisão regionalista moderna ocorreria; não seria uma linha limpa e provavelmente haveria mais regiões do que apenas duas. Por exemplo, partes do Centro-Oeste têm mais em comum com partes do Sul do que com o Noroeste. Os limites não seriam tão ruins quanto algumas daquelas linhas de condado desordenadas que você vê, mas também não seriam linhas retas verticais ou horizontais.

Descentralização radical — estilo artigos da confederação: nesse tipo de sistema, os Estados Unidos ainda existiria geograficamente como agora. No entanto, o governo federal é muito mais fraco e não tem capacidade para tributar. Cada estado individual é deixado para governar a si mesmo como bem entender. É bastante claro que os EUA são muito grandes para serem governados por uma força centralizada e, nesse tipo de cenário, a política estadual e local torna-se muito mais importante do que as eleições federais. O presidente fica menos importante, e o mesmo vale para o Congresso dos Estados Unidos e para a Suprema Corte. Nesse sistema, a Califórnia pode tentar se tornar uma utopia socialista enquanto o Texas tenta modelar o que eles acreditam ser uma sociedade completamente livre.

Não me entenda mal; nenhuma delas é uma saída fácil. Não existe uma saída fácil. Mas todos elas são formas de uma solução simplificada: separação. E os tipos de soluções simples, mas difíceis, são geralmente as mais eficazes. Então, por que não começar a colocar todas as opções na mesa? Por que não dizer as palavras que até agora eram secretas? Não há razão para ficar quieto por mais tempo. Vamos começar a conversa agora.

 

Artigo original aqui.

Traduzido por Felipe Ojeda