Libertários de esquerda Vs a realidade

2
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

Muitas questões políticas e econômicas são complicadas, mas é fácil responder a esta pergunta: O que é libertarianismo? Como o grande Murray Rothbard enfatiza repetidamente, o libertarianismo é apenas parte correta de uma ética de lei natural. Diz que você pode usar a força apenas em resposta à força ou à ameaça de força. Você não pode matar ou agredir pessoas ou roubar sua propriedade. Há muito mais moralidade do que isso, mas essa é a resposta libertária para a questão básica da filosofia política.

Como Murray explica em A ética da liberdade,

Não é intenção deste livro expor ou defender longamente a filosofia da lei natural, ou elaborar uma ética da lei natural para a moralidade pessoal do homem. A intenção é estabelecer uma ética social da liberdade, ou seja, elaborar aquele subconjunto da lei natural que desenvolve o conceito de direitos naturais e que trata da esfera própria da “política”, ou seja, da violência e da não violência como modos de relações interpessoais. Em suma, para estabelecer uma filosofia política de liberdade.

Infelizmente, os chamados libertários de esquerda não estão satisfeitos com isso. Eles dizem que os libertários são obrigados a defender algo mais do que o princípio da não agressão, e que o libertarianismo envolve compromissos além de apenas este. Um desses proponentes disse recentemente: “Continuo a ter dificuldade em acreditar que a filosofia libertária se preocupa apenas com o uso adequado e impróprio da força.” Mas não importa o quão difícil seja para essa pessoa acreditar, isso é precisamente o que o libertarianismo é, e isso é tudo o que é.

Alguns libertários nos disseram que sim, sim, o libertarianismo é sobre não agressão e propriedade privada e tudo isso, mas que é realmente parte de um projeto maior que se opõe a todas as formas de opressão, sejam elas impostas pelo Estado ou não. Isso tem uma implicação perturbadora para o libertário de esquerda. Opor-se ao estado não é suficiente; um verdadeiro libertário deve se opor a várias outras formas de opressão, mesmo que nenhuma delas envolva agressão física.

Quero falar sobre um exemplo especialmente perturbador disso, a afirmação de que devemos apoiar os transexuais e outros desviantes contra aqueles que querem preservar a família e que reconhecem que existem dois e apenas dois sexos, homens e mulheres.

Um libertário de esquerda acabou de me escrever: “Por que você está publicando ataques cristãos de direita ao transgenerismo…. Este artigo de Vasko não deveria estar em nenhum site libertário.”

Se você ler o artigo contra o qual meu correspondente se opôs, verá que é simplesmente bom senso. O autor é Vasko Kohlmayer, um dos melhores escritores sobre questões sociais da atualidade. Ele diz,

Quando em 2015 o ex-atleta olímpico Bruce Jenner se tornou uma pessoa transgênero, a revista Glamour nomeou-o uma das 25 Mulheres Glamour do Ano. Poucos meses depois, a revista Time incluiu Jenner em sua lista de oito candidatos para Personalidade do Ano de 2015. Embora Jenner não tenha chegado ao topo da lista da Time, ele ganhou o prêmio Rainha da Mídia Social no Teen Choice Awards, que foi um entre muitos prêmios que recebeu durante aquele ano agitado.

Para a maioria das pessoas normais, toda essa adulação pode parecer um pouco inadequada para um homem biológico que teve seis filhos e diz que é mulher. A aclamação e elogios que Jenner recebeu nos últimos seis anos, no entanto, são característicos da tendência de nossa cultura popular, que tem promovido o transgenerismo como algo bom, positivo e saudável.

Mas nada poderia estar mais longe da verdade. Em vez de viver uma vida de realização e felicidade, a grande maioria daqueles que adotam esse estilo de vida enfrenta uma vida de sofrimento e desolação que geralmente culmina em uma morte prematura.

E, no entanto, essa realidade está sendo escondida por trás das imagens e linguagem falsas que são usadas para retratar esse estilo de vida deletério. O resultado é que muitos que embarcam neste caminho desconhecem em grande parte os perigos inerentes à sua escolha.

É, portanto, importante que usemos uma linguagem correta ao discutir este assunto. O termo que capta com mais precisão a essência deste estilo de vida é imoral….

… O estilo de vida transexual leva a uma série de resultados altamente adversos. Como resultado, a vida da maioria de seus praticantes é caracterizada por dor e angústia. A realidade da existência transgênero é dura em qualquer medida. As taxas de doenças crônicas, doenças sexualmente transmissíveis, falta de moradia, alcoolismo, uso de drogas e desemprego são muitas vezes superiores às da população normal. O efeito cumulativo desses males é tão amargo e angustiante que a taxa de tentativas de suicídio entre indivíduos trans é quase vinte vezes a média nacional.

Hoje, essas verdades óbvias não são apenas ignoradas. O establishment esquerdista quer derrubá-las. Como diz Kohlmayer,

Transgenerismo tem sido até relativamente pouco tempo atrás considerado uma falha moral séria por quase todas as culturas ao longo da história. Foi somente com o advento do progressismo e do movimento woke contemporâneos que ele foi aceito e, em seguida, promovido pelo mainstream cultural. Infelizmente, a subversão de nossa ordem moral agora está quase completa. Tanto é assim que em seu primeiro dia como presidente dos Estados Unidos, Joe Biden assinou uma ordem executiva que, entre outras coisas, obriga que as escolas que recebem fundos federais, o que a maioria das escolas faz, permitam que meninos que se “identifiquem” como meninas possam competir com meninas genuínas no atletismo. Também permitir que esses meninos usassem os banheiros femininos e vestiários.

O que Joe Biden e os democratas fizeram atesta a profunda corrupção moral da esquerda contemporânea. Até onde sabemos, nenhuma cultura jamais permitiu que tal coisa acontecesse em seu meio. E nós também não deveríamos.

Se aplicarmos corretamente o princípio de não agressão de Murray, chegaremos a uma conclusão simples. Os adultos são livres para se mutilarem, mas aqueles de nós que não compartilham desse desejo insano não temos o dever de tratá-los com carinho e protegê-los dos “opressores” que não os agridem. Ao contrário, devemos condenar o movimento que visa normalizar o anormal.

Além disso, embora não possamos impedir as pessoas de se mutilarem, precisamos proteger as crianças de ativistas trans que desejam injetá-los com hormônios e agredi-los cirurgicamente em um esforço inútil para mudar seu sexo biológico. Ninguém tem o direito de fazer essas coisas aos filhos, nem mesmo seus pais, mais do que um pai tem o direito de cortar o braço ou a perna de um filho.

Os ativistas trans dizem que estão apenas ajudando crianças presas no corpo errado a alcançar sua verdadeira identidade, mas sua afirmação é um absurdo. Joanna Williams chama a atenção para um livro que expõe a fraude:

Inventing Transgender Children inclui contribuições de acadêmicos, psiquiatras e pais, bem como de jovens adultos que fizeram a transição quando crianças, mas agora estão questionando o processo pelo qual passaram. Juntos, eles mostram que longe de ser uma realidade biológica sempre presente, o transgenerismo é um conceito inteiramente inventado, sem base na neurociência, psicologia ou psiquiatria. Eles argumentam que há poucas evidências para apoiar as afirmações de que os cérebros são sexuados, e nenhuma evidência para sugerir que alguns fetos se desenvolvem com cérebros e corpos incompatíveis. Na verdade, eles observam, “A ideia de que o transgenerismo é um fenômeno interno pré-social que existiu ao longo da história não é um fato evidenciado, mas uma proposição”. E longe de ser uma proposta de longa data, foi apenas cerca de cinco anos atrás que a existência da criança trans tornou-se amplamente aceita.

Eu gostaria de encerrar com dois exemplos da ameaça transgênero. Um envolve equipes esportivas femininas. Homens transgêneros são muito mais fortes e mais rápidos do que quase todas as mulheres e, se puderem competir como mulheres, quase sempre ganharão todos os prêmios. E ainda assim os ativistas, acompanhados por libertários de esquerda, dizem que é “discriminação” protestarmos contra éditos do governo que exigem que esses “travestis” sejam classificados como mulheres. Em um caso recente, um menino atleta, disfarçado de menina, bateu nas meninas. Deixe-me ser ainda mais politicamente incorreto: se os esportes forem sexualmente desagregados dessa maneira, nenhuma garota de verdade – do colégio aos profissionais – ganhará algo importante.

O outro exemplo é a chamada polêmica do banheiro. Scott Lazarowitz identifica a ameaça:

Quando as leis antidiscriminação agora incluem certos grupos com base em seus estilos de vida e atividades sexuais privadas, isso é uma questão totalmente diferente. O ativismo legal é a forma dos ativistas de forçar não apenas a aceitação social, mas também forçar o acesso à vida privada e à propriedade privada de outros.

Os ativistas estão se tornando cada vez mais pessoais agora. Essas inclusões legais estão se tornando pessoalmente invasivas das atividades privadas e crenças morais das vítimas dos ativistas.

Veja, os assuntos de banheiro privativo ou banho, nudez, sexualidade e estilos de vida de orientação sexual são assuntos muito desconfortáveis ​​para algumas pessoas. Isso porque esses são assuntos privados. São assuntos pessoais.

Os ativistas dizem que os tradicionalistas têm problemas com sua sexualidade e com seus corpos, quando não, são os de esquerda que têm problemas. Não apenas os ativistas LGBT e seus correligionários esquerdistas mostram falta de decência e discrição e uma falta de compreensão da privacidade e dignidade no que diz respeito à sexualidade humana, mas agora parecem estar do lado dos intrusos e invasores.

O libertarianismo de Murray Rothbard é um edifício grande e maravilhoso. Não devemos permitir que os libertários de esquerda o ponham de lado. Como a Bíblia nos diz: “Os perversos são difíceis de serem corrigidos, e o número de tolos é infinito.” (Eclesiastes 1:15, Bíblia Douay-Rheims)

 

Artigo original aqui

2 COMENTÁRIOS

  1. Não vejo muita diferença entre libertários de esquerda e liberais. Falta profundidade intelectual para ambos, o que os afasta da esquerda tradicional. Assim, ficam puxando saco de progressistas para ver se conseguem andar com a turma.

    Eu vejo o movimento libertário exatamente com Rothbard: uma ética da não agressão ou a palavra cão não morde.