Mudança climática que ignora a história

3
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

O clima sempre mudou de uma década para outra. Ocorreram grandes oscilações (volatilidade) durante a década de 1930. Tivemos o Dust Bowl, – um fenómeno climático de tempestade de areia que ocorreu nos Estados Unidos na década de 1930 e que durou quase dez anos – e em 1936 o frio bateu recorde. A onda de frio de 1936 na América do Norte, que também atingiu o Japão e a China, ainda está entre as ondas de frio mais intensas registradas na história da região. Não podemos culpar as mães levando seus filhos de carro para a escola queimando combustível fóssil. Carros ainda eram um artigo de luxo na década de 1930.

Simplesmente não existem evidências de mudanças climáticas provocadas pelos homens. Não há ninguém disposto a acabar com este despautério apenas mostrando as oscilações dramáticas de temperatura no decorrer dos séculos.

Este é um trecho do Weekend Australian sobre temas escondidos debaixo do tapete.

É um segredo bem guardado, mas 95% dos modelos climáticos que dizem provar uma ligação entre as emissões humanas de CO2 e o catastrófico aquecimento global foram, após quase duas décadas de estase de temperatura, considerados falhos. Não é de se surpreender.

Temos estado à mercê das extravagâncias dos alarmistas do clima há quase 50 anos.

Em janeiro de 1970, a revista Life, baseando-se em “sólidas evidências científicas”, declarou que em 1985 a poluição do ar iria reduzir pela metade a luz do sol que chega na Terra. Na verdade, durante este período a luz solar se reduziu entre 3% e 5%. Em um discurso de 1971, Paul Ehrlich disse: “Se eu fosse um apostador, apostaria meu dinheiro que a Inglaterra não irá mais existir no ano 2000.”

Pulando para março de 2000, David Viner, um cientista sênior de pesquisas da Unidade de Pesquisas Climáticas da Universidade East Anglia, disse ao The Independent, “Nevascas são uma coisa do passado”. Em dezembro de 2010, o Mail Online noticiou, “O dezembro mais frio já registrado com temperaturas despencando a -10C causando caos nas viagens por toda a Grã-Bretanha”.

Na Austrália tivemos nossas próprias previsões furadas. Talvez a mais absurda tenha sido a observação de 2005 do alarmista climático Tim Flannery: “Se os dados do computador estão certos, a seca será permanente no leste da Austrália”. As chuvas e grandes inundações que se seguiram mostraram que os dados ou suas análises estavam errados. Engolimos previsões fracassadas atrás de previsões fracassadas. Ainda por cima, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, que nos foi apresentado como padrão de excelência sobre aquecimento global, tem sido desmascarado sucessivamente pelas suas deturpações e métodos fajutos.

Gabinetes do clima parecem ter “homogeneizado” os dados para se encaixarem em suas narrativas. A alegação da NASA dizendo que 2014 foi o ano mais quente já registrado foi revista, após ser contestada, para apenas 38% de probabilidade. Eventos climáticos extremos, que já foram considerados consequências do aquecimento global, não são mais, e suas frequências e intensidades diminuem.

Então por que, com tanta falta de evidências, a ONU insiste que o mundo gaste centenas de bilhões de dólares por ano em políticas de mudanças climáticas fúteis? Talvez Christiana Figueres, secretária executiva do Quadro sobre Mudanças Climáticas da ONU, tenha a resposta?

Em Bruxelas, fevereiro passado, ela disse, “Esta é a primeira vez na história da humanidade que estamos estabelecendo para nós mesmos a tarefa de, dentro de um período definido, mudar internacionalmente o modelo de desenvolvimento econômico que vigorou pelos últimos 150 anos desde a Revolução Industrial”.

Em outras palavras, a agenda verdadeira é autoridade política concentrada. Aquecimento global é só o gancho.

Figueres disse publicamente que a democracia é um sistema político fraco para combater o aquecimento global. A China comunista, disse ela, é o melhor modelo. Isto não é sobre fatos ou lógica. É sobre uma nova ordem mundial controlada pela ONU. É o oposto do capitalismo e da liberdade e tornou o alarmismo catastrófico ambiental um tópico agregado para atingir este objetivo.

Figueres disse que, diferentemente da Revolução Industrial, “Esta é uma transformação centralizada que está ocorrendo”. Ela enxerga a divisão dos EUA sobre aquecimento global como “muito prejudicial”. Claro. Em seu mundo autoritário não haverá espaço para debate ou discordância.

Não se engane, mudança climática é um campo de batalha já ganho para os autoritários e seus camaradas. Como Timothy Wirth, presidente da UN Foundation, diz: “Mesmo que a teoria (das mudanças climáticas) esteja errada, estaremos fazendo a coisa certa em termos de políticas ambientais e econômicas”.

Tendo ganhado tanto espaço, os alarmistas ambientais não vão largar o osso. Afinal, eles capturaram a ONU e são extremamente bem financiados. Eles são um aliado gigantescamente poderoso da Casa Branca. Eles tiveram êxito em recrutar acadêmicos alinhados e uma mídia mainstream obediente e crédula (a ABC e a Fairfax na Austrália) para promover as escrituras independentemente das evidências.

Eles vão continuar a apresentar o movimento da mudança climática como um consenso independente e espontâneo de cientistas, políticos e cidadãos preocupados que acreditam ser “extremamente provável” que a atividade humana seja a causa principal do aquecimento global. (Seria “extremamente provável” um termo científico?)

E eles irão continuar a mobilizar a opinião pública usando o medo e apelando para a moralidade. O apoio da ONU será assegurado através de promessas de redistribuição de riqueza do Ocidente, mesmo que suas prescrições de políticas anti-crescimento prolonguem desnecessariamente a pobreza, fome, doença e analfabetismo entre os mais pobres do mundo.

Figueres disse no encontro do clima em Melbourne recentemente que ela estava “sinceramente esperando que os líderes da Austrália” garantissem que a maior parte do carvão permanecesse debaixo da terra.

Ainda bem que Tony Abott, assim como o primeiro ministro da Índia Narendra Modi, não está dando atenção à isto. A Índia sabe da importância da energia barata e pretende ultrapassar a China e se tornar o maior exportador mundial de carvão. Até a Alemanha está prestes a autorizar as maiores usinas de geração de energia com queima de carvão em 20 anos.

Existe uma chance real de Figueres e aqueles que compartilham de suas ambições de poder centralizado terem sucesso. Com a conferência da ONU sobre mudanças climáticas em Paris de dezembro, a Austrália será pressionada a assinar tratados de mudanças climáticas ainda mais fúteis e destruidores de empregos.

Resistir será difícil politicamente. Mas devemos resistir. Já estamos pagando um desnecessário preço social e econômico por nada. Basta!

 

Tradução Fernando Chiocca

Artigo original aqui.