Murray Rothbard versus a Escola da Escolha Pública

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Murray Rothbard já foi um grande amigo de Gordon Tullock, um dos fundadores da análise da escolha pública do governo, e ele também se correspondeu em termos amigáveis ​​com James Buchanan, outro dos fundadores. Tanto Rothbard quanto o movimento da escolha pública veem com suspeita as alegações de agentes do governo de estarem agindo pelo bem comum, e ambos apoiam o livre mercado, embora Rothbard o faça em um grau muito maior. Apesar desses pontos de concordância, Rothbard tem algumas críticas fundamentais à escolha pública, e eu gostaria de falar sobre uma delas na coluna desta semana.

O que considero ser a discordância mais importante entre Rothbard e a escolha pública é esta: Rothbard não assume uma atitude neutra de valor em relação ao estado: ele o odeia. Ele vê o estado como predatório. Como ele coloca em A Anatomia do Estado, “O Estado fornece um canal legal, ordenado e sistemático para a predação da propriedade privada; torna certa, segura e relativamente ‘pacífica’ a tábua de salvação da casta parasita na sociedade.” Em contraste, ele vê as pessoas fora do estado, sem contar os criminosos, como engajadas em trocas pacíficas. Existe, então, uma dicotomia entre pessoas no estado e atores não estatais.

A escola da escolha pública nega que essa dicotomia exista. O ponto-chave de sua análise do governo é que as pessoas no governo agem para promover seus interesses privados, da mesma forma que os atores privados. Ou seja, os funcionários públicos não têm mais “espírito público” do que os empresários privados, mas também não são piores em seus motivos. A distinção básica, enfatizada por Rothbard, de que as atividades do estado são coercitivas, em contraste com as trocas pacíficas no livre mercado, é encoberta.

Mais do que isso, a distinção é negada, especialmente na obra de Buchanan. Ele considera o estado uma instituição voluntária. Você pode perguntar: Como ele pode pensar isso? Ele imagina que, se você se recusar a pagar seus impostos, os agentes do governo simplesmente o deixarão em paz?

Buchanan está bem ciente de que o governo pode extrair recursos à força de você, enquanto os atores privados não podem, mas ele acha que essa distinção não importa porque você concordou em permitir que o estado faça isso. Claro que você vai negar que tenha feito tal acordo, mas Buchanan tem um argumento de que, apesar do que você possa pensar, você realmente o fez.

Suponha, ao contrário de Rothbard, que você acredita que existem certos “bens públicos” que as pessoas não produzirão voluntariamente no livre mercado porque eles não são rivais e não podem ser excluídos, mas você e outros pensam que seria desejável produzir esses bens. Você poderia então fazer um acordo com essas pessoas para permitir que uma agência receba dinheiro de você para pagar os bens públicos, desde que o receba de todos os outros que assinaram o acordo também. Desse modo, seriam superados os supostos problemas impostos pela não rivalidade e não exclusividade do bem público.

Um exemplo mais simples pode tornar mais clara a aceitação voluntária da coerção. Suponha que as pessoas em uma sociedade anarcocapitalista queiram ingressar em uma agência de proteção privada que aplica um código legal. A agência terá uma lista das ações que tomará em resposta às violações deste código. Se concordar em ingressar na agência, você concordou que essas ações podem ser tomadas contra você, se você violar o código legal. É exatamente assim que Buchanan pensa que, embora o estado extraia recursos de você, isso não é coercitivo: você concordou em ser tributado e sujeito às penalidades por falta de pagamento.

A principal objeção a isso é óbvia e bem apresentada por Rothbard. As pessoas não fizeram um acordo do tipo que Buchanan assume. Como Rothbard aponta em um memorando para o Fundo Volker, em The Calculus of Consent, Buchanan contorna isso enfraquecendo as condições para o acordo. Se os agentes tributários pudessem dizer a você: “Você, junto com todos os outros, concordou em ser tributado e agora viemos cobrar”, eles poderiam ter um processo contra você; mas se for apenas o caso de um número substancial de pessoas concordar, mas você não, a questão é bem diferente. Como diz Rothbard,

Em suma, apesar de muito falarem sobre a unanimidade ser necessária, o resultado é que (a) a unanimidade é enfraquecida por inúmeras ressalvas, restrições e circunlóquios — e que (b) boa parte da atual estrutura do governo é endossada como representando “de fato” uma unanimidade!  Isto, obviamente, é pior do que aderir simplesmente à vontade da maioria, e chega perigosamente perto daquela posição da esquerda de dizer que “devemos para nós mesmos” (no caso da dívida interna) e “nós somos o governo”.

O pior exemplo disso — incluindo a clara tendência de racionalizar a situação vigente como se ela refletisse a unanimidade — é o conceito de “seguro de renda”, termo que ambos criaram para justificar as ações do governo que “redistribuem” renda.  Ora, é óbvio que, quando o governo toma de A e deliberadamente dá a B, isto dificilmente pode ser considerado um gesto de unanimidade, ou um gesto que representa o povo voluntariamente se unindo para comprar um serviço do governo.  Mas Buchanan e Tullock tentam afirmar isso sustentando que os ricos de fato defendem ser tributados mais do que os pobres porque assim estão adquirindo um “seguro de renda”, uma vez que, se ficarem pobres, o governo, como uma agência seguradora, irá lhes ajudar.  Em outro momento, eles dizem que as pessoas de fato querem ser coagidas, mas somente se todas forem coagidas, pois assim, na realidade, todas elas não estarão sendo coagidos.  Eu não apenas considero tudo isso uma disparate, como também considero um disparate perigoso, pois dá apoio à ideia de que tudo que o estado faz, não importa quão flagrantemente coercivo, é “de fato” endossado por todos.

Há outro problema com o argumento. Mesmo se nos limitarmos ao acordo menos do que totalmente unânime discutido em The Calculus of Consent, e considerar apenas as pessoas que o teriam celebrado, isso não significa que o estado pode coagi-los a pagar impostos. Mesmo se eles tivessem considerado racional entrar no acordo, eles de fato não o fizeram. Não existe tal acordo, e apenas acordos explícitos são vinculativos. Lysander Spooner, há muito tempo, defendeu esse ponto. Buchanan o ignora, mas Rothbard o afirma.

 

 

Artigo original aqui