Não devemos permitir que a política dite a ciência

1
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Nas últimas semanas, dois estudos importantes foram publicados que podem aumentar drasticamente nossa compreensão da doença de Covid-19. Adições à ciência de como entendemos e tratamos essa doença é algo que deve ser bem-vindo, pois entendido de forma adequada pode salvar vidas.

O único problema é que, como os resultados desses dois estudos desafiam o que a mídia estabeleceu como sabedoria convencional sobre a doença, os estudos estão sendo, na melhor das hipóteses, ignorados e, na pior, deliberadamente distorcidos pela grande mídia.

Na minha opinião, esta é uma subjugação perigosa e tola da ciência à política e pode muito bem acabar causando muitas outras mortes desnecessárias.

O primeiro é o estudo dinamarquês sobre máscara, que foi concluído há vários meses, mas só recentemente foi publicado em um jornal revisado por pares. O estudo pegou dois grupos e deu ao primeiro grupo máscaras para usar com instruções sobre como deveriam ser usadas. O outro grupo era o grupo de controle sem máscara.

O estudo descobriu que o coronavírus se espalhou dentro da margem de erro estatística em cada grupo. Em outras palavras, usar a máscara fez pouco ou nada para controlar a propagação do vírus.

Como o uso de máscaras ainda é obrigatório em todo o país e no mundo, este estudo deve ser noticiado como uma importante contra-evidência. No mínimo, pode-se esperar que haja um grande número de estudos semelhantes para refutar ou confirmar os resultados.

No entanto, embora em grande parte ignorado pela mídia, quando foi citado, o contorcionismo no estudo foi tão bizarro que a conclusão apresentada foi oposta às descobertas. Por exemplo, o Los Angeles Times publicou um artigo com o título: “O teste de máscara não impediu a disseminação do coronavírus, mas mostra por que é necessário mais uso de máscara”.

Da mesma forma, um novo estudo monumental conduzido em Wuhan, China, e publicado na respeitada revista científica Nature, relata que pessoas assintomáticas com teste positivo para Covid-19 não transmitem a infecção para outras pessoas. Considerando que os decretos de máscara e quarentenas são todos baseados na teoria de que “casos positivos” assintomáticos ainda podem transmitir a doença, esta é uma informação potencialmente importante para ajudar a planejar uma resposta mais eficaz ao vírus.

No mínimo, mais uma vez, deveria estimular estudos adicionais de longo alcance para confirmar ou negar o estudo de Wuhan.

Sabemos, com base em informações de fontes amplamente aceitas como o CDC e a Organização Mundial da Saúde, que as quarentenas podem ter um efeito negativo muito sério na sociedade. Em 14 de julho, o diretor do CDC, Robert Redfield, disse em um seminário que as quarentenas estão causando mais mortes do que Covid.

Então, se há uma maneira de continuar lutando contra a Covid e protegendo aqueles que estão em maior risco, reduzindo drasticamente as mortes relacionadas as quarentenas, isso não vale a pena considerar? Isso não vale pelo menos alguma pesquisa adicional?

Bem, não de acordo com a grande mídia. Eles estabeleceram sua narrativa e não estão prestes a ceder. Os dois estudos são fatalmente falhos, relatam. Claro que pode ser o caso, mas isso não é um argumento para tentar replicar os estudos para prová-lo?

Essa seria a abordagem científica. Infelizmente, “confiar na ciência” passou a significar “confiar na narrativa que eu apoio”. Essa é uma maneira muito perigosa de pensar e pode ser mortal.

 

Artigo original aqui.

Artigo anteriorPor que precisamos de um livre mercado de dinheiro
Próximo artigoA esquerda moderna não é marxista; é ainda pior que isso
é médico e ex-congressista republicano do Texas. Foi candidato à presidente dos Estados Unidos em 1988 pelo partido libertário e candidato à nomeação para as eleições presidenciais de 2008 e 2012 pelo partido republicano. É autor de diversos livros sobre a Escola Austríaca de economia e a filosofia política libertária como Mises e a Escola Austríaca: uma visão pessoal, Definindo a liberdade, O Fim do Fed – por que acabar com o Banco Central (2009), The Case for Gold (1982), The Revolution: A Manifesto (2008), Pillars of Prosperity (2008) e A Foreign Policy of Freedom (2007). O doutor Paul foi um dos fundadores do Ludwig von Mises Institute, em 1982, e no ano de 2013 fundou o Ron Paul Institute for Peace and Prosperity e o The Ron Paul Channel.

1 COMENTÁRIO

  1. Enquanto tem gente por aí recomendando usar Tor, VPN e até criação de perfis politicamente corretos para evitar “cancelamentos”, este instituto, com muita coragem, continua nos brindando com artigos atualizados e inspiradores. Parabéns.