Não, os russos não são responsáveis ​​pelos crimes do regime russo

1

Desde pelo menos o início da guerra russo-ucraniana, testemunhamos muitos esforços para atribuir a culpa pelo conflito não apenas ao regime russo, mas também a praticamente todo o povo russo. Em junho, por exemplo, a mídia ocidental já tinha o hábito de publicar artigos longos e detalhados explicando por que os russos comuns são moralmente culpados pela guerra na Ucrânia.

Considere este National Post do Canadá que cita com aprovação a ex-pesquisadora russa Elena Koneva, que conclui que os russos comuns são “100% responsáveis” pela guerra. Em que ela se baseia para dizer isso? Ela se baseia em pesquisas que mostram que pouco mais que a maioria – 53% – dos russos apoia a guerra. O artigo do National Post está longe de ser único. Uma pesquisa no Google de “o povo russo é responsável pela guerra” retorna muitas opiniões incoerentes sobre como todos os russos são moralmente culpados pelo que o regime local faz.

Os defensores mais entusiasmados dessa filosofia de culpar todos os russos talvez possam ser encontrados na Europa Oriental, onde os regimes locais geralmente se beneficiam do fervor nacionalista contra os crimes passados ​​dos regimes russo e soviético.

Políticos do Báltico usaram essa filosofia nas últimas semanas para pedir que a UE feche suas fronteiras aos russos. Na semana passada, por exemplo, a ministra do Interior da Lituânia, Agne Bilotaite, insistiu que, como a maioria dos russos (presumivelmente) apoia a guerra, é “inaceitável” que essas pessoas [ou seja, cidadãos comuns] possam “viajar livremente pelo mundo”.

Talvez no exemplo mais flagrantemente incoerente dessa filosofia que já vimos, a primeira-ministra da Estônia, Kaja Kallas, declarou categoricamente: “Todo cidadão é responsável pelas ações de seu estado, e os cidadãos da Rússia não são exceção”.

A afirmação de Kallas, no entanto, é francamente absurda. Certamente não é o caso de que todos os cidadãos – ou mesmo a maioria dos cidadãos sejam responsáveis ​​pelas ações de seus regimes. Podemos ver isso facilmente se olharmos para uma variedade de outros regimes. Por exemplo, se usarmos a lógica de Kallas, devemos concluir que os próprios estonianos foram pessoalmente responsáveis ​​por tudo o que o estado soviético fez desde 1944 até a época em que a Estônia se separou da URSS em 1991. Os estonianos eram cidadãos soviéticos nessa época. Todos eles eram culpados da invasão do Afeganistão e de todas as outras violações dos direitos humanos que ocorreram em Moscou? Da mesma forma, por essa lógica, pescadores humildes de Okinawa foram responsáveis ​​pelo estupro de Nanking. O limpador de chaminés britânico mais pobre foi responsável pela Guerra dos Bôeres, e São Paulo (um cidadão romano) foi responsável pela guerra judaico-romana de 66 dC. Apenas o ideólogo mais fanático concordaria que essas afirmações são verdadeiras.

É claro que alguns podem alegar que a culpa coletiva só se aplica às democracias. Esta afirmação também não se sustenta. Por essa lógica, todos os alemães foram responsáveis ​​pelas ações do regime nazista durante a década de 1930, votando ou não nos nacional-socialistas em 1933. Além disso, por esse modo de pensar, os mineiros de carvão mais pobres dos Apalaches foram responsáveis ​​pelo bombardeio americano ao Camboja, e até mesmo o mais ávido inimigo de Thatcher na Grã-Bretanha foi responsável pelas operações do Reino Unido na Guerra das Malvinas. Além disso, em muitas democracias, o partido no poder é eleito apenas com a maioria dos eleitores – e os eleitores que elegem o partido no poder são eles próprios uma clara minoria da população em geral. Em 2016, por exemplo, apenas 19% da população dos EUA votou em Donald Trump. Como isso pode justificar que a maioria da população seja “responsável” pelas políticas do governo Trump não está claro.

Outra razão importante para a falta de culpa entre os cidadãos comuns do regime é o fato de que a maioria dos regimes – seja democracia ou autocracia – esconde imensas quantidades de informações de seu próprio povo. Este é especialmente o caso da política externa em que os regimes rotineiramente ocultam os fatos dos contribuintes sob o pretexto de sigilo de Estado para fins de “defesa nacional”. Os americanos são culpados de tudo o que a CIA está fazendo esta semana? Como os americanos podem saber em tempo real o que seu regime está fazendo? O fato é que eles não sabem, e poucos deles sequer têm tempo livre para acompanhar os detalhes. (Que absurdo! As pessoas preferem passar seu tempo livre com seus filhos e trabalhando!) Mas mesmo para aqueles que tentam buscar tais informações, o Estado tem um controle tão firme sobre a mídia e a educação pública que se tornar verdadeiramente bem informado é uma tarefa assustadora de fato.

As afirmações de Kallas fazem sentido na lógica distorcida do nacionalismo moderno, no entanto. A ideologia nacionalista – talvez a ideologia mais bem-sucedida da história – confunde os interesses do regime com os interesses das pessoas comuns. Ele tenta apagar a distinção entre as massas exploradas – aquelas que são tributadas para apoiar o regime – e o próprio regime. Uma vez que esses dois grupos puderam ser fundidos, no entanto, fomos informados de que o próprio regime estava simplesmente realizando a chamada volonté générale ou vontade nacional. Este foi um legado da ascensão do nacionalismo que veio na esteira da Revolução Francesa e solidificou nossas noções modernas de cidadania e culpa nacional.

Mas nem sempre foi assim. Como observa Martin Van Creveld, o regime sob o qual se vivia nem sempre era uma parte importante de como alguém era visto pelos outros ou mesmo por si mesmo. Eventualmente, porém, a “cidadania” tornou-se psicologicamente importante e moldou as visões modernas de como os cidadãos estrangeiros devem ser vistos em tempo de guerra. Van Creveld escreve:

     No dia-a-dia, a questão de ser cidadão deste estado ou daquele tornou-se um dos aspectos mais importantes da existência de qualquer indivíduo, além dos fatos biológicos de raça, idade e sexo. …No final do Antigo Regime, Lawrence Sterne, autor de A Sentimental Journey, foi capaz de viajar da Grã-Bretanha para a França, embora estivessem em guerra entre si; e, chegando lá, ser recebido com todos os sinais de honra nos círculos sociais a que pertencia. No entanto, o século XIX pôs fim a tais civilidades…

Todos os estados durante o tempo de guerra, e alguns durante o tempo de paz também, impuseram restrições sobre com quem seus cidadãos podiam ou não se casar, enquanto as hostilidades durassem, os cidadãos inimigos provavelmente seriam detidos e suas propriedades confiscadas”.

A “cidadania”, no entanto, é apenas uma ficção jurídica e ideológica e dificilmente torna o contribuinte parte integrante da máquina estatal. No entanto, as novas inovações ideológicas nacionalistas no século XIX levaram muitos a concluir que os cidadãos de um estado inimigo também eram inimigos.

Essa forma de pensar se expandiu no século XX a ponto de possibilitar incontáveis ​​crimes de guerra e ações contra não-combatentes. Historicamente, o mesmo tipo de pensamento tem sido usado para justificar os bombardeios terroristas (como o bombardeio de Dresden) e o bloqueio da fome infligido à Alemanha na Primeira Guerra Mundial. O fato de que tais políticas indiscriminadamente mortais possam ser consideradas moralmente justificadas depende de um sentimento geral de que as pessoas comuns em estados estrangeiros são de alguma forma pessoalmente responsáveis ​​pelos crimes de seus governos. Assim, queimar até a morte 100.000 civis em uma noite – como aconteceu com o bombardeio de Tóquio – pode ser menosprezado como uma questão de estrangeiros “causando isso para si mesmos”.

A ideia certamente continua hoje e vive na ideia dos “pequenos Eichmanns” apresentados por alguns teóricos da esquerda. Isso justifica várias formas de terrorismo com a noção de que mesmo pessoas aparentemente inofensivas são, em última análise, facilitadoras dos piores crimes cometidos pelos estados sob os quais vivem. Assim, como Ward Connerly afirmou em seu livro On the Justice of Roosting Chickens, os funcionários de escritório nas Torres Gêmeas eram apenas “uma espécie de civis” e que, graças aos bombardeios, eles sofreram uma “penalidade condizente com sua participação” na máquina de guerra americana.

Essa posição é, em última análise, indistinguível da ideia de Kallas de que “todo cidadão é responsável pelas ações de seu estado”. É realmente uma ideia muito perigosa e não passa de um lamentável legado do bárbaro século XX.

 

 

Artigo original aqui

 

1 COMENTÁRIO

  1. “É realmente uma ideia muito perigosa e não passa de um lamentável legado do bárbaro século XX.”

    Eu acho que o legado disso vem do liberalismo. Eu mesmo acreditei nesse lixo no tempo em que eu achava que esses demônios liberais tinham algua coisa a ver com liberdade ou qualquer coisa do tipo, algo que eu só encontrei o libertarianismo. Tem um liberalóide radiano ateu filho de satanás, chamado Yaron Brook, que escreveu isso sobre os crimes de guerra americanos no Japão, além dos bombardeios de Tóquio citados no texto, no caso, falando de Hiroshima and Nagasaki:

    “In fact, victory with a minimum of one’s own casualties sometimes requires a free nation to deliberately target the civilians of an aggressor nation”

    Deliberadamente matar civis! Isso é o que ensina o erro liberal. Os estados são máquinas frias de matar inocentes e pessoas pacíficas mas com o apoio ideológico dos canalhas que se consideram pensadores e intelectuais, as transformam em perigosos inimigos…

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.