‘Não vale um níquel’ – a alquimia do governo destrói a moeda sólida

0
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

O níquel, outrora popular moeda de cinco centavos dos EUA, é conhecido por seu teor de níquel (25% de níquel e 75% de cobre). Originou-se como um tipo de moeda fiduciária em que seu valor intrínseco de metal era muito menor do que o poder de compra estampado nele. Espera-se que o ato final da ilustrativa carreira monetária do níquel seja sua extinção, assim como a do centavo, pois a inflação aumenta o custo de produção da moeda e reduz seu poder real de compra.

O níquel é um metal importante para muitos fins industriais, e suas propriedades endurecedoras e anticoercitivas explicam por que ele é usado em muitas moedas dos EUA e da UE. Existem alguns milhares de ligas de níquel diferentes usadas na produção comercial e algumas centenas de milhares de produtos aeroespaciais, arquitetônicos, de consumo, industriais e de transporte que requerem níquel. Seu uso é destacado em aplicações militares, monetárias e de bateria.

Apesar da importância econômica do níquel e mesmo do caos recente em seu mercado atacadista, quase não há cobertura da mídia ou comentários econômicos sobre o metal. A maioria dos economistas não sabe nada sobre níquel e geralmente o ignora.

No entanto, como muitas commodities, o níquel pode servir como um microcosmo para análise econômica e melhorar nossa compreensão histórica da inflação. Apesar de suas origens como moeda fiduciária, o níquel ironicamente se tornou um marco de estabilidade de preços nas décadas mais recentes. No entanto, no final, espera-se que os economistas aprovem a sentença de morte do níquel proferida pelo Federal Reserve e seus cruzados inflacionários.

O Níquel e a sociedade

Acredita-se que o próprio núcleo da Terra seja feito de ferro e níquel, e estima-se que o núcleo externo contenha 5% de níquel em peso. O uso do níquel é registrado há mais de cinco mil anos, embora só tenha sido identificado como elemento químico único em 1751.

O níquel começou a ser usado nos EUA como uma moeda fiduciária após a Guerra Civil, quando o dinheiro estava curto e o governo estava lentamente voltando ao padrão-ouro. Com moeda padrão, como ouro ou prata, moedas subvalorizadas como o níquel circulam com base na lei de Gresham (“dinheiro ruim expulsa dinheiro bom”). No entanto, você ainda pode coletar vinte centavos e obter um dólar de prata ou coletar vinte dólares de prata e obter uma moeda de ouro de uma onça, como a Liberty Double Eagle dos EUA, de modo que o dólar e seus níqueis estejam vinculados ao ouro.

Em contraste, moedas simbólicas, como níquel de madeira, geralmente são novidades locais e não circulam amplamente, mas têm algum valor. Pior ainda são os “níqueis plug(ados)”, que tinham valor monetário até que o metal valioso fosse retirado e substituído por um substituto barato, ou plug, e, portanto, são praticamente inúteis.

Com a entrada dos EUA na Segunda Guerra Mundial, o níquel foi designado pelo Congresso como uma mercadoria de guerra crucial. A Casa da Moeda removeu o níquel e o substituiu por uma liga de cobre, prata (35%) e manganês durante a guerra.[1] Embora ostensivamente usado para conservar o níquel, o especialista em moedas Mark Benvenuto sugeriu que o não-níquel era um lembrete “símbolo” da importância do sacrifício em tempo de guerra e não tinha o objetivo de desviar o níquel para fins de campo de batalha.

Desde suas origens como moeda fiduciária, a moeda de um níquel tornou-se uma improvável referência popular de estabilidade monetária após a Segunda Guerra Mundial. Foi usada em máquinas de venda automática de todos os tipos e foi amplamente utilizado em transações de consumo. Além disso, um níquel era o preço exato de muitos bens de consumo típicos por longos períodos de tempo, como ingressos de teatro, produtos de máquinas de venda automática, jukeboxes e telefones públicos. Você podia comprar barras de chocolate, engraxates, um pacote de chiclete ou uma garrafa de Coca-Cola por um níquel. Um selo de carta custava menos de cinco centavos até 1963!

É claro que a declaração econômica mais famosa relacionada às moedas foi feita pelo vice-presidente Thomas Marshall em 1914. Ele parece ser um político bom o suficiente para um artigo exclusivo para ele, mas por enquanto vou falar apenas de quando ele supostamente proclamou, enquanto ouvia um discurso no Senado, “o que este país realmente precisa é de um bom charuto de cinco centavos”.

Dado que o Senado havia acabado de aprovar o Federal Reserve Act algumas semanas antes e que Marshall ocupou muitas posições políticas boas, ele pode estar comentando em parte os aspectos inflacionários do Fed e o processo deflacionário que ocorre no padrão-ouro. A deflação sob o padrão-ouro teria feito um bom charuto de cinco centavos uma possibilidade. Infelizmente, com o Fed, não era para ser. No entanto, é mais provável que Marshall estivesse comentando sobre um discurso chato e irreal e sua própria necessidade de uma pausa para fumar!

Possivelmente mais familiar para os leitores é o apelo do personagem Lucy Van Pelt de que tudo deveria custar cinco centavos. De fato, foi isso que ela cobrou em sua barraca de “Ajuda Psiquiátrica” pelas muitas décadas em que o desenho Snoopy de Charles Schulz esteve no ar.

As únicas exceções de Lucy à sua regra de preço de cinco centavos foram um aumento sazonal ocasional do preço para sete centavos e o aumento muito perturbador para quarenta e sete centavos em setembro de 1992. Este último aumento corresponde ao aumento de preço médio devido à inflação e a mudança nos salários médios desde que Lucy começou sua prática na década de 1950.

Lucy voltou à TV para declarar que o seguro de vida também deveria custar cinco centavos, apesar de seu chefe planejar um preço de quatorze dólares. Mostrei aqui que, no antigo padrão-ouro, um níquel por semana era exatamente suficiente para fazer o pagamento mensal do seguro de quatorze dólares. Não estou sugerindo que Charles Schulz e a MetLife estivessem defendendo um retorno ao padrão-ouro. No entanto, o mercado de seguros funcionaria com mais eficiência em um sistema monetário tão sólido. Lucy estava certa!

Isso nos leva ao caos recente no mercado de níquel. Os preços subiram rapidamente para mais de US$100.000 por tonelada, mais de três vezes o preço anterior ao pico e mais de cinco vezes o preço normal. Isso não foi causado por “falha de mercado”, como os economistas tradicionais podem descrever a situação, mas sim pelo governo dos EUA assumindo uma posição de guerra (aumentando sua demanda de níquel) enquanto simultaneamente decretava sanções (diminuindo a oferta de níquel), atingindo os relativamente pequenos mercados sob condições de crédito restritivas (causadas pelo Fed) e controles governamentais (pela China e outros).

A outra preocupação atual sobre o mercado de níquel são os preços muito mais altos praticados por esse metal vital e versátil antes do pico. Antes de 2022, o preço do níquel ficou abaixo de US$20.000 por uma década, com o único pico maior ocorrendo durante a bolha imobiliária. O preço já estava muito mais alto em 2022 antes da invasão e permaneceu em níveis elevados desde que o pico recuou, sugerindo que grande parte do aumento está alinhado com a inflação de preços causada pelo Fed experimentada pelas commodities em geral.

Pode-se ver facilmente que o preço do níquel estava subindo bem antes do início das hostilidades e que muitos outros preços de commodities também já estavam subindo em um ritmo significativo, mostrando que não é apenas a guerra e as sanções que causaram o aumento. A partir de 2022, o preço subiu quase 25% antes do início das hostilidades e depois recuou rapidamente do pico da guerra e do fechamento do mercado, mas ainda permaneceu cerca de 25% acima dos níveis anteriores à guerra. A culpa pela maior parte disso, juntamente com toda a outra inflação de preços de commodities (“no nível de atacado”), é claramente do Fed.

O Fed divulgou recentemente informações de que os mercados de commodities e seus credores são uma fonte primordial de potencial contágio na economia. Eles observaram que o mercado de níquel era um excelente exemplo desse risco. No entanto, sua explicação mostra que o próprio Fed é responsável por todos os fatores de risco subjacentes, como a diminuição da liquidez que é o objetivo do retorno do Fed à política normal. Isso claramente não é uma falha de mercado, mas uma verdadeira falha do Fed em formação.

Neste ambiente altamente inflacionário, o centavo e o níquel dos EUA estão em perigo de extinção. Seu custo de produção agora excede seu poder de compra, enquanto, ao mesmo tempo, o uso de pequenos trocos está em constante declínio, ajudado pelo estratagema da escassez de moedas do governo. No entanto, todos esses fatores são impulsionados pela inflação persistente do Fed. A moeda de um níquel poderia ser reinventada usando metais mais baratos, mas o fim está próximo para os pequenos trocos na busca incansável por uma sociedade sem dinheiro.

Conclusão

O mercado de níquel nos diz muito sobre o progresso da sociedade, bem como as armadilhas inflacionárias que o governo coloca em nosso caminho.

Por um lado, você tem um elemento que foi usado, sem ser notado, por grande parte da história da civilização. Descoberto apenas como um elemento único em meados do século XVIII, o níquel é usado em um número cada vez maior de processos de produção e bens, enquanto potenciais suprimentos dele estão sendo descobertos. Por causa de suas propriedades, podemos esperar que o níquel seja um componente importante de melhorias no desenvolvimento econômico e no florescimento humano.

Por outro lado, o níquel é considerado um tipo de moeda fiduciária e um marco tangível no caminho do declínio monetário. Os economistas tendem a ignorar os aspectos positivos do mercado do metal, mas aprovam as questões relacionadas ao níquel quando se trata de intervenção governamental e inflação.

Além disso, quando esse momento chegar, o eleitor típico nem irá se importar e dará as boas-vindas à eliminação de pequenos trocos, ignorando que está dentro de uma panela que o Fed está esquentando.

 

 

 

 

Artigo original aqui

________________________

Nota

[1] Esse níquel de guerra contem 0,056 onças de prata e valem cerca de US$1,25 quando a prata é de US$20 por onça, e não há valor numismático.