Não venham com planos de reabertura; apenas reabram

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Apenas para descontrair, vamos imaginar que seja declarada a liberdade total nos níveis local, estadual e nacional. Nesse caso, quantos leitores voltarão imediatamente à “maneira antiga” de fazer as coisas, incluindo conversas de perto, bares lotados, cinemas esgotados, lavar as mãos menos de várias vezes por hora e, o mais tenso de todos, apertar as mãos?

Da mesma forma, quantas empresas não mudariam nada se estivessem livres para operar novamente? A capacidade de se adaptar à mudança é um fator tão conhecido do sucesso comercial a longo prazo nos bons tempos que é quase um clichê. Imagine que as melhores empresas hoje em dia são auto-disruptivas (pense como a Netflix acabou com os DVDs Blockbuster pelo correio, apenas para ela mesma depois trocar seu antigo modelo de sucesso pelo streaming) com a sobrevivência em mente, por isso não é razoável sugerir que, se estiverem livres para operar, elas não avaliariam todos os tipos de alterações destinadas a agradar e conduzir os consumidores que mudaram?

Em sua coluna mais recente, o excelente Holman Jenkins do Wall Street Journal se refere sarcástica ou criticamente à estratégia mítica de ‘não fazer nada’ em resposta ao coronavírus, mas é bom imaginar que ele sarcasticamente quer dizer que literalmente não existe algo como “fazer nada.” Não existe simplesmente porque os seres humanos evoluíram como espécie, provavelmente porque está em seu DNA fazer o que prolonga sua existência. E, como evidenciado pelas copiosas economias que indivíduos e empresas podem aproveitar para inovar, nós, seres humanos, somos pessoas cuidadosas. Em graus variados, economizamos para a possibilidade de “dias ruins” sem precisar sermos coagidos, o que é apenas mais uma evidência de que, em um sentido amplo, as pessoas entendem o mundo. Não precisamos de uma lei para fazer o que é do nosso interesse.

Isso posto, “em um sentido amplo” alguns podem querer salientar que nem todos são tão sábios quanto os obcecados pelo Covid, o que significa que todos devem suportar regras draconianas, de economia e de esmagamento da liberdade, de modo que os poucos que precisam delas possam obtê-las. Mas isso não é sério. Na realidade, muitos de nós não se limitarão as atividades antidepressivas que os políticos nos permitem consumir; alguns de nós só estão interessados ​​em surfar e esquiar em condições perigosas, e alguns de nós não  suportam a mera ideia de não abraçar, apertar as mãos ou perder a emoção de uma festa, bar, estádio ou arena barulhenta e muito lotada.

Da mesma forma, algumas empresas também não vão mudar. Por mais frustrante que seja, algumas nunca livrarão os banheiros dos secadores de mãos que espalham germes, outras nunca exigirão que seus clientes mantenham distância de outros clientes ou exigirão que esperem do lado de fora por completo, e algumas se recusarão a recusar clientes, mesmo que isso signifique que as pessoas não estarão a dois metros de distância umas das outras.

Nunca é demais dizer que, se o objetivo é descobrir a melhor maneira de combater um vírus sem cura conhecida, aqueles que não seguem as normas são produtores de informações (que possibilitarão a cura) tão cruciais quanto aqueles que as seguem. Precisamente porque eles não seguem as convenções sociais, ao contraírem o vírus (ou não), ao adoecerem (ou não) por terem ignorado estas convenções, e suas taxas de mortalidade em relação aos obcecados do Covid,  fornecerão aos pesquisadores que buscam soluções muito mais informações para eles trabalharem.

O que se aplica a decisões individuais também se aplica às empresas. Nesse momento, elas realmente não sabem o que os clientes querem e vão querer no futuro. Por mais banal que pareça, ouviremos muito agora e no futuro sobre como “o Covid-19 mudou tudo”. Inquestionavelmente. E porque mudou, ou mudará, é essencial que os políticos adotem uma abordagem “não faça nada”, dada a certeza de que as empresas livres farão todo tipo de coisa para reconquistar os clientes, chocados um pouco, muito ou absolutamente nada pelo ocorrido. Algumas talvez até mostrem o dedo do meio para as regras analfabetas contra “preços abusivos”, de modo que instituam preços de pico em seus negócios como uma maneira de controlar as lotações por meio de sinais do mercado.

Afirmando o que deveria ser óbvio, os fechamentos uniformes impostos a todos pelos políticos estão deixando todos cegos em relação às informações necessárias para vencer algo desconhecido. A liberdade não é uma cantiga amorfa só para nos sentirmos bem. Na verdade, ela é pró-vida e pró-desenvolvimento simplesmente porque pessoas livres agindo sem restrições impostas nos mostram através de seus sucessos e fracassos como sobreviver e prosperar na vida.

Olhando para tudo isso em nível nacional, o presidente Trump disse sobre o governador de Nova York, Andrew Cuomo, que ele “está ligando diariamente, até a cada hora, implorando por tudo quanto é coisa, a maioria das quais deveria ter sido de responsabilidade do estado…” Trump tem razão neste ponto. O “não fazer nada” no nível estadual também é um mito e, desde que limitemos o poder do governo federal a supervisionar pedidos, desnecessariamente instalamos o poder centralmente entre aqueles que pensam que têm poder absoluto no momento em que cidades e estados deveriam estar inovando; e suas inovações incluem o “não fazer nada”. Para que não esqueçamos, o Texas tem uma taxa de mortalidade Covid mais baixa do que a Califórnia, embora tenha iniciado sua infeliz quarentena duas semanas após a Califa.

E enquanto libertários usam argumentos convincentes de que a autonomia dos estados frente a federal permanece em tempos como esse, a simples verdade é que os políticos locais e estaduais se arrogaram com o poder de tirar as empresas e o direito de trabalhar dos empresários e dos trabalhadores. Considerando tudo isso, os libertários realmente acreditam que a Constituição é totalmente ineficaz contra a tomada local e estadual de tanta propriedade? Buscando uma resposta para essa pergunta, pelo menos vamos discutir e, com sorte, tomar ações judiciais. O governo federal não deveria pelo menos abrir processos contra cidades e estados que mostram tanto desprezo pelos direitos individuais e de propriedade? Precisamos de mais informações agora, não menos.

O maior produtor de informações destinadas a combater o vírus é a liberdade, incluindo estar livre de um “plano do governo para abrir a economia” que a página editorial do Wall Street Journal está pedindo. Não. Os planos apenas produzem escuridão. Precisamos do “não fazer nada” de Jenkins para que possamos enxergar.

 

Artigo original aqui.