Neoconservadorismo: uma visão globalista secularizada que destruirá a civilização ocidental

2
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

[Lee esto en Español]

A recente polêmica sobre a incursão israelense na Faixa de Gaza também revelou algumas fissuras profundas dentro do Movimento Conservador. Pois, apesar do apoio maciço à invasão israelense tanto de democratas quanto republicanos do establishment, houve vozes cautelosas levantadas na direita, em particular, por jornalistas significativos como Tucker Carlson (por meio de seu popular podcast) e Candace Owens (em sua disputa com Ben Shapiro sobre seu uso da frase “Cristo é Rei”, considerada por Shapiro como antissemita).

Para compreender o essencial e as questões envolvidas, é necessário compreender o papel significativo e a complexa história do movimento rotulado de “neoconservadorismo” como determinante intelectual na América contemporânea, com suas raízes no marxismo e em uma reimaginação secularizada do universalismo sionista. E para isso precisamos voltar às suas origens e às diferenças agravadas entre o desenvolvimento de facções ideológicas dentro do comunismo na Rússia após a morte em 1924 de Vladimir Lenin, e a luta política resultante entre os dois principais líderes que surgiram, Joseph Stalin e Leon Trotsky.

Trotsky, um judeu secularizado, promoveu uma posição marxista-leninista que enfatizaria a revolução proletária global e uma ditadura do proletariado baseada na autoemancipação da classe trabalhadora, e uma forma de democracia universal de massas (operários) a ser realizada por uma revolução sangrenta. Ao contrário da posição stalinista que postulava o estabelecimento do “socialismo em um país” como um pré-requisito para promover a causa socialista em outro lugar, Trotsky avançou a teoria da “revolução global permanente” entre a classe trabalhadora levando a uma espécie de eventual Parousia, um paraíso global que extirparia não apenas o capitalismo, mas todos os resquícios herdados do passado histórico e cristão.

Diferenças dentro dos ramos do marxismo e do comunismo, entre os devotos da abordagem de Trotsky e o stalinismo mais insular, existiam igualmente nos Estados Unidos, apesar da aparente unidade da esquerda em apoio ao esforço de guerra após o ataque da Alemanha à União Soviética em 1941.  O atrito nunca diminuiu.

O ponto de ruptura final para muitos daqueles marxistas que dentro de algumas décadas ganhariam uma posição no movimento conservador americano provavelmente veio com a ascensão do antissemitismo sob Stalin imediatamente antes e depois da Segunda Guerra Mundial na Rússia (por exemplo, o infame “complô dos médicos” e os expurgos stalinistas da intelligentsia comunista, alguns dos quais eram judeus).  Horrorizados e desiludidos com o que consideravam ser a perversão da revolução socialista, esses “peregrinos da esquerda comunista” – que eram em grande parte de origem judaica – se moveram em direção a um anticomunismo explícito. Entre eles, destacam-se Norman Podhoretz e Irving Kristol, ambos com filhos que se destacariam no atual establishment neoconservador.

Esses ex-marxistas logo começaram a ser conhecidos como “neoconservadores”, um rótulo que vários deles aceitaram prontamente, devido à sua posição sobre a ameaça comunista da Guerra Fria. Kristol chegou a ser autor de dois livros, Reflections of a Neo-Conservative: Looking Back, Looking Forward (1983) e The Neo-Conservative Persuasion: Selected Essays, 1942-2009 (2011), nos quais orgulhosamente reivindicava esse título. No entanto, ele também reconheceu suas raízes na versão trotskista da ideologia comunista [Ver, por exemplo, seu ensaio “Reflexões de um trotskista”, incluído em Reflections of a Neo-Conservative, também publicado na revista The New York Times, 23 de janeiro de 1977].

Endossados por uma geração mais velha de conservadores, e convidados a escrever para publicações conservadoras, os neoconservadores logo começaram a ocupar posições de liderança e importância. Mais significativamente, eles alteraram posições que haviam sido associadas ao antigo movimento conservador, muitas vezes chamado de “paleoconservadorismo”, para espelhar sua própria visão. Pois, embora repelidos pelos efeitos do comunismo soviético, eles trouxeram consigo uma visão de mundo extraída da esquerda. E trouxeram consigo um zelo implacável para promover sua própria forma de globalismo.

Uma admissão notável dessa genealogia veio em 2007, nas páginas da National Review Online. Aqui se encontra a expressão de simpatias claramente importadas da antiga extrema-esquerda e apresentadas numa publicação da antiga direita.  Como explica o colaborador Stephen Schwartz:

     “Até o meu último suspiro, defenderei Trotsky que, sozinho e perseguido de país em país, finalmente se deitou em seu próprio sangue em uma casa terrivelmente quente na Cidade do México, disse não ao apego soviético ao hitlerismo, aos expurgos de Moscou e à traição da República Espanhola, e que teve a capacidade de admitir que estava errado sobre a imposição de um Estado de partido único, bem como sobre o destino do povo judeu. Até o meu último suspiro, e sem desculpas. Que os neofascistas e stalinistas de sua segunda infância façam disso o que quiserem.”

No final da década de 1990, os neoconservadores haviam assumido a maioria dos principais órgãos conservadores de opinião, revistas e think tanks. Eles também, significativamente, exerceram tremenda influência política no Partido Republicano (e até certo ponto dentro do Partido Democrata, pelo menos durante a presidência de Bill Clinton). Kristol cuidadosamente distinguiu sua doutrina do conservadorismo tradicional da Velha Direita. Era “voltado para o futuro” e progressista em sua atitude em relação a questões sociais como os direitos civis, em vez de reacionário como o conservadorismo anterior. Seus adeptos se alegraram com os projetos de lei de Direitos Civis da década de 1960, ao contrário da National Review de Buckley naquela época (que, é claro, se alinhou depois). Os neoconservadores também eram favoráveis aos esforços para legislar mais igualdade para as mulheres e para outros grupos que, acreditavam, até então haviam sido impedidos de realizar o sonho americano.

Em vez de simplesmente atacar o poder estatal ou defender um retorno aos direitos dos estados e mais autogoverno local, os novos conservadores, de acordo com Kristol, esperavam se basear na lei federal existente. Eles acreditavam que a promessa de igualdade, que os neoconservadores encontraram na Declaração de Independência, tinha que ser promovida no país e no exterior, e os conservadores americanos, eles pregavam, deveriam liderar os esforços para alcançar a democracia global, em oposição aos esforços ilógicos e destrutivos da esquerda dura, ou à postura reacionária da Velha Direita.

A retórica e as iniciativas neoconservadoras não passaram sem oposição nas fileiras dos conservadores mais tradicionais. De fato, ninguém menos que o “pai” do movimento intelectual conservador dos anos 1950, Russell Kirk, denunciou publicamente os neoconservadores. Destacando a genealogia intelectual judaica dos principais escritores neoconservadores, em um discurso de outubro de 1988 na Heritage Foundation, Kirk lançou um desafio. “Não raro, parece que alguns eminentes neoconservadores confundiram Tel Aviv com a capital dos Estados Unidos – uma posição que eles terão dificuldade em manter à medida que as coisas se arrastam”, declarou Kirk. A autora judia Midge Decter, esposa de Norman Podhoretz e diretora do Comitê para o Mundo Livre, chamou o comentário de Kirk de “uma peça sangrenta de antissemitismo”.

A resistência de Kirk e as advertências de Paul Gottfried, Sam Francis, Patrick Buchanan e outros de mente semelhante enfatizaram as diferenças acentuadas entre a Velha Direita e os neoconservadores em ascensão. Ainda mais do que os ataques a Kirk, Patrick Buchanan tornou-se alvo de ataques neoconservadores e judeus. Buchanan acusou os neoconservadores de atiçarem a febre da guerra iraquiana por instigação do “Ministério das Relações Exteriores israelense”. Escrevendo no The Washington Times, Mona Charen, ex-funcionária do governo Reagan, acusou Buchanan de usar “neoconservador” como sinônimo de “judeu”.

À medida que esses ex-marxistas progrediam para a direita há mais de meio século, o modelo linguístico e as ideias associadas ao “excepcionalismo americano” foram refinados por eles para significar a superioridade universal de sua visão da experiência americana, em muitos casos através das lentes do sionismo político. Por exemplo, o pensador político neoconservador Allan Bloom oferece isso em seu The Closing of the American Mind: “E quando nós, americanos, falamos seriamente sobre política, queremos dizer que nossos princípios de liberdade e igualdade e os direitos baseados neles são racionais e aplicáveis em todos os lugares”. Os americanos devem se envolver em “um experimento educacional empreendido para forçar aqueles que não aceitam esses princípios a aceitá-los”.

Embora o volume de Bloom tenha sido publicado em 1987, os imperativos então enunciados não encontram expressão no movimento em direção a um “reinício global” hoje?

Além disso, esses marxistas em recuperação interpretaram sua concepção de uma cruzada social-democrata americana como um retorno à fundação dos Estados Unidos. Foram-se quaisquer referências admiráveis ao grande pensador constitucional sulista John C. Calhoun, tão favorecido por Kirk em The Conservative Mind (1953), e autores significativos como o sulista Mel Bradford ou o paleoconservador Paul Gottfried foram sumariamente removidos dos cabeçalhos e conselhos editoriais de revistas de opinião agora recém-controladas por neoconservadores, seus ensaios outrora ansiosamente procurados e altamente respeitados agora tiveram sua publicação recusada.

Na realidade, tanto a esquerda multicultural quanto a direita neoconservadora compartilham um compromisso básico com certas ideias e expressões. Ambos usam fraseologia comparável – sobre “igualdade” e “democracia”, “direitos humanos” e “liberdade” e a conveniência de exportar e impor “nossos valores democráticos”, seja na Ucrânia ou em qualquer outro lugar. Apesar dessa sobreposição, tanto a esquerda dominante quanto a direita neoconservadora tentam dar significados diferenciados à doutrina da igualdade que os dois lados compartilham com igual entusiasmo.

Mas todas as aparências quiméricas à parte, em seu apoio zeloso à imposição de um globalismo secular, sua defesa da legislação de direitos civis dos anos 1960 e sua defesa da igualdade de direitos para as mulheres (agora estendida ao casamento entre pessoas do mesmo sexo e até mesmo ao transgenerismo), os neoconservadores espelham as posições políticas da esquerda. Como tal, na medida em que afirmam representar o conservadorismo ou o Partido Republicano, sua suposta oposição ao tsunami de esquerda que engole o que resta da nação americana é mera fachada na melhor das hipóteses e colaboração total na pior, apenas facilitando que o vírus mortal destrua nossa civilização.

 

 

 

Artigo original aqui

2 COMENTÁRIOS

  1. Aqui no Brasil não é diferente. O que tem de “neoconservas” enchendo a boca para falar em “estado democrático de direito”, “igualdade de direitos para mulheres”, adoram leis estatais e se ajoelham diante delas pedindo bis, inclusive endossando pautas de mudanças climáticas e toda verborragia esquerdista. E ainda posam de direitistas.

  2. Eu colocaria nesse barco diabólico do conservadorismo os psicopatas randianos. Muito do que vemos no progressismo de vagabundos como o Itaú ou outras mazelas vem com esse liberalismo randiano. É ateísmo. Porque existe um fosso enorme entre caridade cristã e filantropia. Quando o imbecil randiano diz ser contra o estado e fala em caridade privada, é a filantropia que ele se refere. Ou seja, é o mesmo sistema que apoia a agenda estatista, esquerdista ou globalista. São todos da mesma quadrilha.

    Eu vi com meus próprios olhos os conservas naqueles acampamentos ridículos na frente dos quartéis: uma emulação do MST: invasão de propriedade, milícia para-militar e ódio a quem não fazia parte da máfia.

    “Candace Owens (em sua disputa com Ben Shapiro sobre seu uso da frase “Cristo é Rei”, considerada por Shapiro como antissemita).”

    Esse assunto eu não conhecia e acho que deveria ser explorado aqui pelo Instituto Rothbard Brasil. Pelo o que eu vi, dizer Viva Cristo Rei em pouco tempo será comparado a usar aquela cruz da turma do bigode.

    Excelente artigo. Esclarecedor.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui