New York Times revela a mentira da “transmissão ao ar livre”

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Desde o primeiro dia desta pandemia, ficou bastante claro que a transmissão ao ar livre – exceto, talvez, por um indivíduo infectado gritando na cara de alguém – é essencialmente zero. Se o CDC tivesse informado adequadamente esse fato ao público, poderia ter preservado uma qualidade de vida incrível para tantas pessoas que teria incluído a continuação das brincadeiras e esportes infantis, idosos desfrutando de mais amizade, ar puro e vitamina D, e uma vida mais feliz, com a sociedade menos deprimida. No entanto, até hoje, eles continuam a forçar as crianças a usar máscaras, mesmo ao ar livre no calor do verão.

No que Rush Limbaugh costumava chamar de “um ato aleatório de jornalismo”, o repórter do New York Times David Leonhardt publicou uma refutação completa da orientação de uso de máscara em ambientes externos do CDC. A refutação coloca em questão a credibilidade sobre qualquer outra coisa que eles nos digam quando parecem decididos a enfatizar o perigo do vírus a todo custo e em todas as situações, exagerando a eficácia de intervenções não farmacêuticas e subestimando preocupações sobre os efeitos colaterais do uso da máscara e das vacinas.

Várias semanas atrás, a diretora do CDC, Rochelle Walensky, declarou em uma entrevista coletiva na Casa Branca que há “dados crescentes que sugerem que a maior parte da transmissão está acontecendo em ambientes internos, em vez de externos”. Ela deu um número de “menos de 10% da transmissão documentada” ocorrendo ao ar livre.

O problema com essa afirmação é que o número está realmente muito mais próximo de zero, e esse fato era conhecido há mais de um ano. Como Leonhardt aponta, alguns epidemiologistas com quem ele falou acreditam que pode estar abaixo de 0,1%, e “quase toda” transmissão “parece ter envolvido lugares lotados ou conversas próximas.”

“Dizer que menos de 10% da transmissão de Covid ocorre ao ar livre é o mesmo que dizer que os tubarões atacam menos de 20.000 nadadores por ano”, escreve Leonhardt. “(O número mundial real é cerca de 150.) É verdadeiro e enganador.”

Isso não é apenas uma questão de semântica. Como o artigo observa, com base nesta noção de que ainda há alguma transmissão muito mensurável ao ar livre, o CDC ainda recomenda que todas as pessoas não vacinadas usem máscaras ao ar livre, incluindo crianças em acampamento de verão. Eles também continuam a dar às pessoas a impressão de que é possível pegar o vírus naturalmente ao ar livre, apenas passando casualmente por alguém, o que continua a desencorajar aqueles que realmente têm medo do vírus de viverem uma vida normal ao ar livre.

Na verdade, nem um único caso conhecido de transmissão externa casual foi documentado em todo o mundo. Um estudo de 7.324 casos em Wuhan encontrou apenas uma transmissão externa em um caso em que alguém manteve uma conversa com um indivíduo que já apresentava sintomas. Um estudo na Irlanda descobriu que a proporção era de 1 em 1.000.

Agora extrapole a anomalia estatística da transmissão ao ar livre para crianças que não apresentam sintomas de um vírus que nem mesmo as afeta significativamente, e ainda estão fazendo com que elas usem máscaras no calor do verão, sem qualquer evidência de que as máscaras funcionam mesmo em ambientes fechados.

De acordo com o New York Times, grande parte da suposta transmissão ao ar livre na pesquisa acadêmica em que o CDC se baseou ocorreu em canteiros de obras em Cingapura, que provavelmente eram ambientes fechados. E, claro, ninguém jamais se preocupou em pesquisar se esses indivíduos estavam de fato usando máscaras, como parece ser o caso na maioria dos países asiáticos, o que, de qualquer forma, refutaria a eficácia das máscaras.

Em vez de questionar a premissa ilógica do CDC sobre o uso de máscara por completo, Leonhardt continua a assumir que as máscaras funcionam em ambientes fechados como uma lei da gravidade e sugere que o CDC deve emitir a seguinte mensagem: “As máscaras fazem uma enorme diferença em ambientes fechados e raramente importam ao ar livre.”

A pergunta óbvia que alguém deveria fazer é que, se o CDC está exagerando na necessidade de usar máscaras ao ar livre, por que devemos confiar neles sobre a eficácia de usá-las em ambientes fechados? Tanto o CDC quanto a OMS admitiram recentemente que a regra de um metro e meio de distância é uma farsa completa e que são principalmente os aerossóis, que permanecem suspensos no ar em ambientes fechados e viajam a mais de um metro e meio, que transmitem o vírus.

Em primeiro lugar, esta é mais uma acusação de sua relutância em abençoar categoricamente uma vida normal ao ar livre, dada a facilidade de transmissão dentro de casa. Mas, de forma mais ampla, como expliquei em detalhes, os aerossóis que são pequenos o suficiente para suspender no ar e viajar grandes distâncias são, por definição, pequenos o suficiente para passar pelas fendas e poros de uma máscara facial, especialmente aquelas que são inferiores a N-95. Mas, de alguma forma, devemos acreditar na propaganda falsa do CDC sobre o uso de máscara como se tivesse sido entregue para Moisés nas tábuas de pedra.

Consegue ver um padrão aqui? A desinformação sempre flui no sentido de criar mais pânico, medo e controle social, ao mesmo tempo em que favorece as grandes indústrias farmacêuticas, embora não a ponto de reduzir o controle, porque se as vacinas fossem tão incríveis, todo o uso de máscara deveria acabar. Mesmo 14 meses após de acúmulo de dados científicos incontestáveis provarem que as crianças não correm risco e a transmissão ao ar livre é estatisticamente insignificante, eles ainda estão dispostos a defender políticas de saúde emergenciais que contradizem essa ciência. Isso é o que chamamos de ciência política, não ciência de saúde.

 

Artigo original aqui