A ascensão do Bitcoin

1
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

Em retrospectiva, a ascensão das criptomoedas parece ter começado com a introdução do bitcoin em 2009. As criptomoedas anteriores foram lançadas na década de 1990, mas não conseguiram se firmar. O DigiCash de David Chaum é amplamente considerado como estando à frente de seu tempo. Chaum fundou sua empresa no início da década, bem antes do surgimento do comércio eletrônico. Em 1998, ela havia entrado com pedido de falência. De forma mais geral, as primeiras “empresas de dinheiro digital cometeram um erro de cálculo fatal”, escreveu Julia Pitta para a Forbes em 1999. “Elas perceberam, erroneamente, que os consumidores teriam receio de usar cartões de crédito na Web e exigiriam segurança rigorosa e privacidade extrema.”

Não estava claro, a princípio, que o bitcoin seria diferente. Talvez temendo o destino do criador do e-gold Douglas Jackson, o(s) designer(s) do bitcoin adotaram um pseudônimo –– o agora famoso Satoshi Nakamoto –– e compartilharam o novo projeto de código aberto por e-mail na Cryptography Mailing List em 8 de janeiro de 2009. Nakamoto havia distribuído um white paper explicando os detalhes técnicos alguns meses antes. Respostas congratulatórias logo se seguiram, mas havia poucos indícios de que o bitcoin rapidamente se tornaria um nome familiar. Era pouco mais do que uma novidade discutida por um punhado de programadores na Internet.

Ao longo dos nove meses que se seguiram, o bitcoin foi basicamente inútil. As transações consistiam em meros gastos com testes pelos poucos programadores interessados ​​em bitcoin na época, a fim de resolver bugs no protocolo. Ninguém estava trocando bens ou serviços valiosos por bitcoin. Não havia taxas de câmbio de mercado com o dólar, euro ou outras moedas. Na verdade, não havia exchanges para facilitar a troca de moeda.

A primeira transação de preço positivo para o bitcoin parece ter ocorrido no início de outubro de 2009. Em 5 de outubro, um usuário com o nome de perfil de New Liberty Standard estimou que custou cerca de US$ 1 para produzir 1.309,03 bitcoin. Sete dias depois, ele comprou 5.050 bitcoin de Martti Malmi por US$ 5,05, liquidando a transação via PayPal. O preço do um bitcoin, em outras palavras, era de apenas US$ 0,0010.

Antes de março de 2010, os usuários interessados ​​em trocar moedas tradicionais por bitcoin estavam limitados a trocas ad hoc, normalmente organizadas por meio de painéis de mensagens. Então, em 16 de março, o Bitcoin Market tornou-se operacional, fornecendo uma localização central na Internet para trocar bitcoin por dólares. O primeiro lance publicado, submetido pelo criador do site dwdollar, colocou o preço do bitcoin em US$ 0,0067.

Além de ajudar os usuários a adquirir ou descarregar bitcoin, a nova bolsa também tornou mais fácil avaliar o valor de troca do bitcoin. Se você sabe, por exemplo, que um host de usuários está disposto a pagar de $ 0,50 a $ 0,75 por 100 bitcoin, pode usar essa informação para descobrir quanto valem em termos de bitcoin outros bens e serviços cotados em dólares. A nova troca, portanto, torna mais fácil para os usuários comprar e vender bens e serviços com bitcoin.

Em 22 de maio de 2010, um programador de Jacksonville, Flórida, chamado Laszlo Hanyecz, fez o que muitos acreditam ser a primeira compra de bens ou serviços com bitcoin. Em uma postagem no fórum BitcoinTalk em 18 de maio, Hanyecz se ofereceu para comprar duas pizzas por 10.000 bitcoin. A taxa de câmbio implícita era generosa. O mercado de Bitcoin avaliava 10.000 bitcoin em cerca de US$ 41 na época. Mas, inicialmente, não houve compradores. “Só acho que seria interessante se eu pudesse dizer que paguei por uma pizza em bitcoins”, postou Hanyecz em 21 de maio. No dia seguinte, ele postou fotos de duas pizzas grandes do Papa John’s. Juntos, ele e um usuário chamado jercos, que havia facilitado a transação, mostraram que o bitcoin poderia ser usado para adquirir bens e serviços no mundo real.

À medida que a notícia da nova criptomoeda se espalhava, o mesmo acontecia com seu valor. Um artigo do Slashdot publicado em 11 de julho apresentou o bitcoin a uma série de novos usuários. A taxa de câmbio aumentou de US$ 0,008 em 12 de julho para US$ 0,080 em 17 de julho. Em 18 de julho, Jed McCaleb lançou o popular site de troca MtGox e, em 6 de novembro, um bitcoin estava sendo negociado por $ 0,50 no site. Keir Thomas traçou o perfil do bitcoin para a PC World em 10 de dezembro. “Vale a pena dar uma olhada nos bitcoins”, escreveu ele. Nos anos que se seguiram, muitas pessoas o fizeram. Em 3 de dezembro de 2013, um bitcoin valia $ 1.078.

Hoje, existem poucas pessoas que nunca ouviram falar sobre bitcoin. E, ainda assim, são poucas pessoas que parecem entender como ele funciona. Talvez isso seja esperado. A maneira como o protocolo bitcoin processa as transações é nova e fundamentalmente diferente dos mecanismos de pagamento tradicionais. Enquanto os mecanismos de pagamento tradicionais empregam mecanismos de compensação descentralizados ou centralizados, as transações de bitcoin são processadas por meio de um mecanismo de compensação distribuído.

Considere uma transação em dinheiro. Quando você paga por uma Coca-cola com dinheiro, a transação é compensada por você e pelo comerciante. Você debita sua conta removendo o dinheiro de sua carteira e entregando-o ao comerciante. O comerciante credita sua conta aceitando o dinheiro de você e coloca-o na caixa registradora. Como o dinheiro é físico e não está mais em sua posse, você não pode gastar esse dinheiro novamente. Esse dinheiro agora pertence ao comerciante, que pode gastá-lo como achar melhor.

Em outras palavras, o dinheiro é processado por meio de um mecanismo de compensação descentralizado. Um pagamento descentralizado é compensado pelas partes na troca. Nenhum terceiro de confiança é necessário para processar a transação. Na verdade, ninguém além das partes da transação precisa saber que a transação ocorreu.

Suponha, em vez disso, que você comprasse aquela Coca preenchendo um cheque ou passando seu cartão de débito. Nesse caso, seu banco debitará em sua conta e transferirá os fundos para o banco do comerciante. O banco do comerciante creditará sua conta. Os fundos, neste caso, são digitais. Ao contrário do dinheiro físico, os saldos digitais podem ser duplicados e gastos novamente. No entanto, o sistema bancário geralmente impede que isso aconteça. Depois que os fundos são transferidos, eles são considerados finais – o que significa que o remetente não tem mais acesso aos fundos.

Os cheques e pagamentos com cartão de débito são processados ​​usando um mecanismo de compensação centralizado. Um banco ou outra instituição financeira atua como um terceiro de confiança para processar a transação. Na verdade, essas transações geralmente envolvem vários níveis de compensação centralizada. A transação entre o seu banco e o banco do comerciante, por exemplo, pode ser compensada pelo FedWire do Banco Central. O BC debita sua conta bancária e credita a conta do banco do comerciante. A compensação centralizada requer o roteamento da transação – e, portanto, informações sobre a transação – por meio de um ou mais terceiros confiáveis. Como tal, eles tendem a oferecer menos privacidade financeira do que outros mecanismos de pagamento.

O Bitcoin não emprega um mecanismo de compensação descentralizado nem centralizado. Em vez disso, ele processa transações usando um mecanismo de compensação distribuído. Com a compensação distribuída, os pagamentos são processados ​​pela rede como um todo. Normalmente, as redes distribuídas equivalem a um livro-razão compartilhado, que denota quem possui o quê, e um protocolo para atualizar esse livro-razão. Em muitos casos, qualquer usuário individual é capaz de debitar e creditar contas no razão. As alterações no razão só são reconhecidas como legítimas, porém, quando confirmadas pela rede de usuários de acordo com o protocolo.

Se você fosse pagar por aquela Coca com bitcoin, anunciaria a transação à rede assinando um saldo de bitcoin com sua chave privada, confirmando assim a propriedade e identificando o comerciante por sua chave pública. Na prática, isso geralmente equivale a digitalizar um código QR com um aplicativo móvel de carteira bitcoin. Sua transação é então agrupada com outras transações recentes e os computadores que executam a corrida do protocolo bitcoin para processar todo o bloco da transação. Depois que o bloco de transações foi processado, o razão é atualizado para refletir os vários débitos e créditos exigidos pelas transações no bloco. O razão compartilhado é conhecido como blockchain porque cada bloco de transações é encadeado ao bloco anterior, produzindo uma longa cadeia de blocos de transação correspondente a todas as transações que foram feitas e certificadas como legítimas até aquele ponto.

Embora seja conveniente pensar em um único livro-razão compartilhado, ou blockchain, indicando a quantidade de bitcoins em cada conta, na verdade existem várias versões desse livro-razão compartilhado a qualquer momento. O protocolo bitcoin resolve esse problema, reconhecendo o blockchain mais longo como legítimo. Como resultado, aqueles que executam o protocolo bitcoin normalmente abandonarão blockchains mais curtos para construir sobre blockchain mais longo. Qualquer transação que tenha sido incluída em uma blockchain mais curta, mas não na blockchain mais longa e legítima, é adicionada a um bloco subsequente de transações a serem processadas.

Lembre-se de que, com o dinheiro, não é necessário se preocupar com o saldo sendo gasto mais de uma vez, pois o gasto requer a renúncia à propriedade do ativo físico; com cheques e cartões de débito, um banco ou sistema bancário garante que a propriedade do ativo digital seja abdicada quando gasto. Dois recursos do protocolo bitcoin se combinam para evitar gastos em dobro. Primeiro, é computacionalmente difícil processar transações. Para adicionar um bloco de transações à blockchain, um computador deve ser o primeiro a resolver a entrada correspondente à saída hash fornecida. Uma vez que uma abordagem de força bruta é o melhor que qualquer computador pode fazer, cada computador efetivamente tem uma chance aleatória de ser o primeiro a processar um lote de transações proporcional à sua participação no poder de computação do sistema bitcoin. Em segundo lugar, conforme observado acima, o protocolo bitcoin reconhece o blockchain mais longo como legítimo. Para executar um gasto duplo, portanto, não seria necessário apenas passar uma transação ilegítima como legítima; ele também teria que continuar processando transações em uma taxa mais rápida do que o resto da rede, a fim de garantir que o blockchain que apoia sua transação ilegítima, permaneça por mais tempo. A menos que um usuário desfrute da maior parte do poder de computação do sistema, tal façanha seria incrivelmente improvável. Saber disso com antecedência deixa pouco incentivo para tentar um ataque de gasto duplo em primeiro lugar.

A tecnologia blockchain no núcleo do bitcoin fornece uma maneira nova e fundamentalmente diferente de processar pagamentos. Não depende de compensação descentralizada nem centralizada. Em vez disso, ela processa transações em uma rede distribuída. E, ao resolver o problema de gastos duplos sem recorrer a um terceiro de confiança, tem o potencial de oferecer um grau de privacidade financeira comparável a mecanismos de pagamento descentralizados, como dinheiro. Por essas razões, o bitcoin ganhou muito apoio. Resta saber se o bitcoin se tornará rotina nas transações de varejo, se permanecerá limitado a usos de nicho ou será abandonado.

 

Artigo original aqui

Artigo anteriorO Green New Deal e a obscura aposta de 100 trilhões de dólares
Próximo artigoNew York Times revela a mentira da “transmissão ao ar livre”
é o Diretor do Sound Money Project da AIER e Professor Associado de Economia na Florida Atlantic University. Sua pesquisa se concentra principalmente em questões de aceitação de moeda. Ele publicou artigos nas principais revistas acadêmicas, incluindo Journal of Economic Behavior & Organization, Economic Inquiry, Journal of Institutional Economics, Public Choice e Quarterly Review of Economics and Finance. Seus escritos populares foram publicados em The Economist, Forbes e U.S. News & World Report. Seu trabalho foi apresentado pelos principais meios de comunicação, incluindo NPR, Wall Street Journal, The Guardian, TIME Magazine, National Review, Fox Nation e VICE News. Luther obteve seu M.A. e Ph.D. em Economia na George Mason University e seu B.A. em Economia pela Capital University. Ele foi um participante do AIER Summer Fellowship Program em 2010 e 2011.

1 COMENTÁRIO