Novo estudo revisado por pares: quarentenas não adiantam contra o coronavírus

0
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Em todo o mundo, as pessoas têm sofrido por causa da repressão ao coronavírus, apresentada como meio de limitar ou mesmo interromper a disseminação do coronavírus. No entanto, olhando ao redor, muitas pessoas observaram que parece haver pouco ou nenhum benefício das medidas opressivas, como ordens de permanência em casa e fechamento de empresas, uma vez que a disseminação do coronavírus e os perigos parecem não ser significativamente reduzidos em países que impõem decretos severos em comparação com aqueles que mantêm maior respeito pela liberdade e comércio.

A situação parece ser a mesma ao comparar os governos estaduais e locais nos Estados Unidos que adotaram políticas justificadas como reações ao coronavírus que variam de draconianas a bastante limitadas.

Um novo estudo revisado por pares examinando os efeitos das políticas de coronavírus empregadas por vários governos apoia esta conclusão. O estudo realizado por cientistas da Universidade de Stanford conclui que nenhum benefício pode ser determinado a partir de medidas severas, como ordens de permanência em casa e fechamento de empresas.

Leia mais sobre o novo estudo e encontre um link para ele em um artigo do Sunday ZeroHedge aqui.

Embora as medidas repressivas contra o coronavírus pareçam não trazer nenhum benefício no combate ao coronavírus, elas impõem um dano tremendo às pessoas em todo o mundo. Empresas são destruídas. O emprego é eliminado. As economias estão afundando. A capacidade das pessoas de interagir umas com as outras é muito limitada. As viagens são reduzidas e tornam-se desconfortáveis ​​e difíceis. O atendimento médico não relacionado ao coronavírus é atrasado ou abandonado. As pessoas estão até proibidas de mostrar seus rostos. A lista continua. As medidas repressivas do coronavírus são um exemplo horrível de governos em guerra contra as pessoas que afirmam servir.

 

Artigo original aqui.